Serie A

As 15 revelações da Serie A 2015-16

A história de que jovens jogadores não têm espaço na Itália está cada vez mais se tornando um mito. A utilização dos atletas formados nas bases dos clubes está aumentando no Belpaese e os treinadores dão cada vez mais espaço a jogadores de menos de 23 anos. A campeã Juventus, por exemplo, tem Paulo Dybala, 22 anos, e Paul Pogba, 23, entre seus principais nomes. O mesmo se repete em outras equipes do país.

Desta vez, alguns jogadores muito jovens, como o milanista Gianluigi Donnarumma, de 17 anos, ou Amadou Diawara, do Bologna, com 18, foram titularíssimos em suas equipes, merecendo olhares de todo o futebol europeu. Em uma lista que contém os dois citados, falamos quais são as 15 novas caras da Serie A: jogadores que explodiram nesta temporada ou que mostraram potencial para irem além. Confira abaixo.

Gianluigi Donnarumma

Idade: 17 anos (25 de fevereiro de 1999)

Posição: goleiro

Jogos (minutos): 30 (2629)

Clube: Milan

A maior revelação desta Serie A teve sua primeira chance de modo similar a seu maior ídolo. Tal qual Gianluigi Buffon, Gigio Donnarumma era terceiro goleiro e recebeu chance no time profissional de surpresa, aparecendo bem e não perdendo mais a vaga. Sinisa Mihajlovic decidiu barrar Diego López na 9ª rodada do campeonato e escolheu Donnarumma, então com 16 anos, para ocupar a baliza no jogo contra o Sassuolo. Sem sentir a pressão, o goleiro (que já chamara a atenção nas seleções sub-15 e sub-17) se destacou pela sobriedade, pela grande personalidade e por sua envergadura (1,99m de altura) não afetar sua agilidade. Com todas essas características, Gigio defendeu o gigante Milan em 30 partidas e, apesar da temporada negativa do Diavolo, não sofreu gols em 10 jogos – média superior às de Dida e Abbiati. Um levantamento feito pelo Centro Internacional de Estudo do Esporte (CIES) indicou que Donnarumma foi o goleiro com menos de 21 anos mais utilizado nas principais ligas europeias. Tem tudo para ser o futuro titular da seleção italiana.

Pierluigi Gollini

Idade: 21 anos (18 de março de 1995)

Posição: goleiro

Jogos (minutos): 26 (2319)

Clube: Verona

O Hellas foi rebaixado, mas isso não significa que todo mundo foi mal na campanha. Um dos destaques do butei no campeonato foi o goleiro Gollini, que chegou ao clube em 2014, após passar pelas divisões de base de Spal, Fiorentina e Manchester United. Na primeira temporada, o bolonhês, com passagens pelas seleções sub-18, sub-19 e sub-20 da Itália, fez três jogos como profissional e também brilhou na Copa Viareggio, importante torneio de base em que foi eleito o melhor de sua posição. Em 2015-16, ele começou como reserva, mas acabou ganhando a posição do brasileiro Rafael, um dos goleiros mais importantes de toda a história do Verona. Gollini fez 26 jogos (foi o terceiro sub-21 mais utilizado na função em todo o futebol europeu, de acordo com o CIES) e se transformou em uma garantia da equipe, embora estivesse sempre exposto aos atacantes adversários. Tratado como joia, pode ser negociado pelo clube vêneto.

Pedro Pereira 

Idade: 18 anos (22 de janeiro de 1998)

Posição: lateral direito

Jogos (minutos): 9 (643)

Clube: Sampdoria

A missão de substituir um titular absoluto pode ser complicada para um jogador muito jovem. Não foi para o português Pedro Pereira, que foi contratado pela Sampdoria nesta temporada e chegou treinando entre os profissionais – à sua frente na hierarquia do time, o lateral direito Lorenzo De Silvestri havia sofrido séria lesão no final de 2014-15. Mattia Cassani começou a temporada como titular, mas um problema muscular fez com que o jogador revelado pelo Benfica ganhasse sua vaga: em nove partidas, o lateral da seleção sub-18 lusa (frequente anteriormente nos times sub-17 e sub-16) mostrou muito dinamismo no lado direito da defesa blucerchiata. Muito hábil na marcação, mas também muito rápido e técnico, Pedro Pereira chega facilmente na linha de fundo adversária e até deu uma assistência na Serie A. Depois da volta de De Silvestri, Pereira perdeu espaço e foi utilizado pela última vez em janeiro, o que deve ser apenas um intervalo: o português é considerado como o principal jogador jovem da Samp.

Adam Masina

Idade: 22 anos (2 de janeiro de 1994)

Posição: lateral esquerdo

Jogos (minutos): 33 (2625)

Clube: Bologna

Marroquino de nascimento, Masina foi adotado ainda criança por uma família da região de Bolonha e, aos 13 anos, já fazia parte das divisões de base do clube felsineo. Após passar alguns meses emprestado ao Giacomense, da quarta divisão, ele estreou pelo time principal na Serie B, em 2014, e se tornou titular no final da campanha do acesso à elite. Ao longo de todo o ano positivo do Bologna na primeira divisão, o lateral esquerdo foi uma peça inamovível do elenco, tanto com Delio Rossi quanto com Roberto Donadoni. Masina é eficiente nos fundamentos defensivos, mas por ter sido formado como atacante (também atua como meia pela esquerda), se destaca principalmente no apoio ao ataque: é veloz, bom nos cruzamentos e nas finalizações. Convocado pela seleção sub-21 da Itália, ele já declinou convite para defender a seleção principal de Marrocos e sonha em atuar pela Azzurra.

Davide Calabria 

Idade: 19 anos (6 de dezembro de 1996)

Posição: lateral direito

Jogos (minutos): 6 (373)

Clube: Milan

No Milan desde os 10 anos de idade, o lateral Calabria é mais um defensor prata da casa que pode vestir a camisa rossonera por longo tempo. O bresciano executa bem todos os fundamentos necessários para o bom rendimento de um jogador em sua função e é presença constante nas seleções de base italianas: disputou o mundial sub-17 em 2013 e faz parte da seleção sub-21. Calabria fez apenas seis jogos nesta temporada, mas atuou de forma regular em todos eles e, nos bastidores o clube, se espera que ele tenha um destino melhor que o de Mattia De Sciglio – ainda em Milanello, ele não conseguiu estourar, após surgir bem.

Andrea Conti

Idade: 22 anos (2 de março de 1994)

Posição: lateral direito

Jogos (minutos): 14 (814)

Clube: Atalanta

Falou em revelar jogadores na Itália, falou em Atalanta. O melhor setor juvenil da Bota continua sua bela história na formação de joias e, em 2015-16, colocou mais dois nomes no radar doas boas promessas. Figura carimbada das seleções de base italianas, o lateral direito Andrea Conti já havia ganhado espaço em empréstimos para Perugia e Lanciano, mas estreou na Serie A somente nesta temporada, mais precisamente em janeiro de 2016, na 18ª rodada. Em 21 rodadas, Conti atuou em 14 jogos, seja como lateral ou ala e, apesar de ter marcado dois gols e ter dado uma assistência, é mais eficiente do ponto de vista defensivo.

Alberto Grassi

Idade: 21 anos (7 de março de 1995)

Posição: meio-campista

Jogos (minutos): 13 (984)

Clube: Atalanta/Napoli

Um ano mais novo que Conti, o meia central Grassi desenvolveu toda a sua trajetória nas categorias de base na Atalanta e até estreou na seleção sub-21 italiana no mesmo jogo que o colega – em agosto de 2015, contra a Hungria. As primeiras partidas pelos nerazzurri aconteceram na temporada anterior, mas só em 2015-16 é que o jogador começou a ser mais levado em consideração por Edy Reja. Atuando pela direita em uma linha de três, Grassi se destacou pelo senso de posicionamento, pelo agonismo e pela qualidade no passe. Já tido como revelação da Serie A, foi contratado pelo Napoli em janeiro, mas não entrou em campo pelo vice-campeão italiano por decisão de Maurizio Sarri, apesar de ter ficado no banco em algumas ocasiões.

Amadou Diawara 

Idade: 18 anos (17 de julho de 1997)

Posição: volante

Jogos (minutos): 34 (2735)

Clube: Bologna

Uma das mais belas histórias da temporada. Diawara se inscreveu em escolinha de futebol de Conakry, capital da Guiné, com 10 anos e demorou a ser notado por olheiros. Após ir morar na Itália e atuar por uma equipe amadora de Cesena, foi jogar no San Marino, da terceira divisão, e viu seu time ser rebaixado para a Serie D. Assim mesmo, o Bologna decidiu investir no jogador de 18 anos, inicialmente contratado para a equipe Primavera por cerca de 400 mil euros. Na pré-temporada, ele mostrou que poderia ser mais útil e foi agregado ao time principal: reserva de Lorenzo Crisetig, ganhou a vaga quando este se machucou, já na estreia da Serie A, e nunca mais deixou o time. Volante de muita força física, senso de posicionamento apurado, hábil em desarmes, boa visão de jogo e qualidade no passe, tem uma enorme margem de evolução: pode ser mais eficiente na construção do jogo. Assim mesmo, já é avaliado em 9 milhões de euros e considerado um dos melhores de sua geração no futebol europeu.

Assane Dioussé 

Idade: 18 anos (20 de setembro de 1997)

Posição: volante 

Jogos (minutos): 15 (818)

Clube: Empoli

Assim como Diawara, Dioussé surpreendeu por começar a Serie A como opção importante em seu time mesmo sendo tão novo. O volante senegalês tem as mesmas características que o guineano: é forte fisicamente e tem boa visão de jogo, mas é mais técnico e capaz de fazer mais funções no meio-campo. Cria da boa categoria de base do Empoli, Dioussé se inseriu rapidamente em um elenco formado majoritariamente por jogadores promissores e deve ganhar mais espaço na próxima temporada, depois de alguma reformulação no time. Nesta temporada, o técnico Marco Giampaolo o utilizou mais na primeira metade da campanha azzurra, mas depois o preteriu pelo meia Marcel Büchel.

Lorenzo Pellegrini

Idade: 19 anos (19 de junho de 1996)

Posição: meio-campista

Jogos (minutos): 19 (1151)

Clube: Sassuolo

Walter Sabatini, diretor esportivo da Roma, disse que não há muitos jovens italianos bons de bola. Talvez ele não lembre do meio-campista Pellegrini, negociado por ele em definitivo com o Sassuolo. Revelado pela equipe da Cidade Eterna, o jogador, que superou problemas cardíacos para se tornar profissional, começou a ter suas primeiras chances na Serie A a partir de novembro e logo ofuscou o titular Simone Missiroli, que passou a perder espaço. Alto (1,86m), o meia das seleções sub-19 e sub-20 italianas não perde agilidade e foi muito importante para manter o funcionamento do meio-campo do Sassuolo, formado por três jogadores capazes de percorrer o campo de área a área. Eficiente na marcação, o romano também sabe jogar com a bola nos pés e se inserir na área adversária para marcar gols: foram três na Serie A.

Olivier Ntcham 

Idade: 20 anos (9 de fevereiro de 1996)

Posição: meio-campista

Jogos (minutos): 17 (997)

Clube: Genoa

Francês de origem camaronesa, Ntcham começou nas divisões de base do Le Havre e passou ao Manchester City em 2013. Após dois anos pelos Citizens, foi emprestado por duas temporadas ao Genoa para amadurecer e fez uma boa primeira temporada. O meia central (que também pode atuar como meia-atacante ou aberto pela esquerda) atuou bastante na primeira parte da Serie A, mas acabou perdendo um pouco espaço após as chegadas de Luca Rigoni e Suso. Mesmo assim, sua avaliação foi positiva: conseguiu fazer a bola circular no meio-campo rossoblù e atuou com vigor e qualidade técnica. Hoje, Ntcham tem recebido poucas chances nas seleções de base da França, mas já capitaneou o sub-16 dos Bleus. Não se descarta que venha a atuar por Camarões.

Dávid Ivan

Idade: 21 anos (26 de fevereiro de 1995)

Posição: meio-campista

Jogos (minutos): 21 (1107)

Clube: Sampdoria

O versátil meia Ivan trocou sua natal Eslováquia pela Itália aos 16 anos. Depois de cinco anos nas categorias de base da Sampdoria, com as quais foi campeão italiano sub-17, o jogador foi integrado ao plantel principal do clube e realizou 21 jogos, 12 deles como titular. Ivan prefere atuar como regista, mas também pode atuar aberto em qualquer dos lados do meio-campo e mesmo como trequartista, pois é muito técnico e tem visão de jogo e qualidade no passe acima da média. Na Serie A, marcou um golaço por cobertura sobre o Palermo e, depois de passar por todas as seleções de base eslovacas, é membro do time sub-21. Temos um novo Marek Hamsík na praça.

Federico Bernardeschi

Idade: 22 anos (16 de fevereiro de 1994)

Posição: meia-atacante 

Jogos (minutos): 33 (2274)

Clube: Fiorentina

Federico Bernardeschi é um pequeno craque e com muitas responsabilidades. Dono da camisa 10 da Fiorentina, consagrada por um tal de Roberto Baggio, o meia-atacante canhoto é uma verdadeira cria da base do clube: chegou aos nove anos, em 2003, e só saiu do time para estrear como profissional pelo Crotone, em 2013-14. Titular na Serie B, na qual fez 12 gols, o meia-atacante chegou até mesmo a ser observado pelo técnico Cesare Prandelli, mas não foi convocado para a Copa do Mundo de 2014. Na volta à Florença, o canhoto quebrou o maléolo e ficou afastado dos gramados por seis meses, o que adiou sua explosão, que só aconteceu em 2015-16. Muito habilidoso, veloz e ótimo finalizador, Bernardeschi é um jogador raro para os padrões do futebol italiano, que tradicionalmente revela poucos pontas: prefere jogar pelo lado direito do ataque, cortando para o centro, buscando finalizações ou passes que rasgam a defesa, à Arjen Robben. Um dos principais jogadores na boa temporada da Fiorentina, a revelação de Carrara já recebeu convocações para a seleção italiana e deve integrar o elenco de Antonio Conte na Euro.

Rey Manaj

Idade: 19 anos (24 de fevereiro de 1997)

Posição: atacante 

Jogos (minutos): 4 (33)

Clube: Inter

O albanês Manaj foi revelado pelo Piacenza e passou pelos juvenis da Sampdoria e pelos profissionais da Cremonese antes de chegar à Inter. Contratado para fazer parte da equipe sub-20 dos nerazzurri, o atacante foi agregado ao elenco principal e se tornou opção a Mauro Icardi. Ele atuou em quatro partidas da Serie A e duas da Coppa Italia, mas ficou no banco de reservas em quase todos os jogos da temporada, servindo como alternativa a Roberto Mancini. Manaj não fez gols, mas ficou conhecido pela força física, estilo voluntarioso e trombador, mas também técnico, lembrando um pouco outro atacante que fez fama na Inter: o brasileiro Adriano. Foi no estilo Imperador, mas com o pé direito, que o jogador marcou o gol que deu o título da Coppa Italia Primavera para a Inter, sobre a Juventus – um golaço, diga-se de passagem. Manaj já foi convocado para a seleção da Albânia e pode pintar na Eurocopa.

Umar Sadiq

Idade: 19 anos (2 de fevereiro de 1997)

Posição: atacante 

Jogos (minutos): 6 (189)

Clube: Roma 

Iluminado: o nigeriano Sadiq é um desses jogadores que têm estrela. Quando substituiu o lesionado Edin Dzeko em dois jogos, ele marcou dois gols em apenas 60 minutos como profissional, salvando temporariamente a pele do técnico Rudi Garcia – que acabaria sendo trocado por Luciano Spalletti pouco depois. Com porte físico similar ao do compatriota Nwankwo Kanu, Sadiq se destaca pela presença de área, posicionamento e pelos gols de cabeça, mas também sabe jogar com a bola nos pés. Um fenômeno das divisões de base, o africano marcou 26 gols e foi artilheiro do Campeonato Primavera 2014-15 pelo Spezia e, neste ano, já pela Roma, chamou a atenção da Europa ao marcar cinco gols e dar três assistências na Uefa Youth League. Sadiq está na Cidade Eterna por empréstimo e deve ser contratado em definitivo, embora o assédio de outros clube europeus já seja grande.

Deixe um comentário