Coppa Italia

Jogão à vista

Cirúrgica, Juve bate o Milan em casa e avança para enfrentar o Napoli na semi da Coppa Italia (AP)

Dois bons jogos abriram as quartas de final da Coppa Italia nessa semana e confirmaram o que muitos já esperavam: grande clássico entre Napoli e Juve nas semi. Fiorentina e Milan, respectivamente, não foram páreos para os favoritos, mas também não venderam barato as derrotas que os eliminaram da copa nacional. Os placares magros são prova disso e servem de alento para as equipes, que tentam emplacar sequência na Serie A em busca de vaga na Liga Europa. Juve e Napoli, por sua vez, mantêm grande fase e não perdem fôlego para a corrida pelo scudetto, que vai se acirrando no segundo turno. 

Ontem, em Turim, Allegri repetiu a escalação ofensiva que usou contra a Lazio, no domingo, e, mais uma vez, se deu bem. Os quatro homens de frente (Dybala, Mandzukic, Higuaín e Cuadrado) não desequilibraram o 4-2-3-1 e o time se portou muito bem, principalmente, na fase defensiva. A menor posse de bola durante todo o jogo, por exemplo, hora nenhuma foi um problema para os donos da casa, que concederam pouco espaço e souberam aproveitar bem o contra-ataque. Enquanto o Milan trocava passes sem conseguir infiltrar, a Juve recuperava a bola e acelerava na transição para levar perigo ao gol de Donnarumma. 

Com mais eficácia, a Velha Senhora fez 2 a 0 com menos de 25 minutos de jogo e viu aberto o caminho para a próxima fase. Primeiro, Dybala converteu um sem-pulo após cruzamento da esquerda. Depois, Pjanic cobrou falta com perfeição no ângulo direito do goleiro rossonero para ampliar. Dali em diante, o time se preocupou mais em controlar a partida do que em correr atrás da bola. O Milan continuou com a posse até o fim do primeiro tempo, mas as melhores chances continuaram sendo dos bianconeri.

Só na segunda etapa que a Juve levou o primeiro susto. Em belíssimo voleio, Bacca diminuiu para 2 a 1 aos sete minutos e encheu de esperanças os torcedores do Milan. O histórico na temporada (a equipe de Montella ainda não tinha perdido para a Juve em 2016-16) e na Coppa (os últimos três jogos entre os times foram para a prorrogação) contavam a favor, mas Locatelli não demorou a jogar um banho de água fria nos supersticiosos. O meia entrou duro em Dybala e, com o segundo amarelo, foi expulso de campo. Como já virou rotina, o Milan não se rendeu nem no momento mais difícil e incomodou um pouco (Deulofeu entrou e perdeu chance de empatar), mas a menor qualidade técnica ficou evidente. A Juve ainda poderia ter ampliado pelo menos duas vezes, com Mandzukic.

Jogando como centroavante, Callejón deu vitória ao Napoli sobre a Fiorentina (AP)

Na terça, o Napoli não foi tão dominante contra a Fiorentina, mas fez prevalecer a melhor qualidade técnica. A equipe de Sarri foi mais esperta em identificar o que o jogo pedia e se aproveitou da ingenuidade da defesa viola para sair com a vitória. Callejón foi quem marcou o gol decisivo, no segundo tempo: sem precisar tirar os pés do chão e (mal) acompanhado por dois defensores, ele conseguiu cabecear para o fundo das redes após cruzamento de Hamsík. 

Antes, no primeiro tempo, a Fiorentina se portava bem em campo, com duas linhas de quatro bem organizadas no 4-4-1-1, e até foi mais perigosa. Bernadeschi e Chiesa fizeram bom jogo e poderiam ter levado o time ao gol se não fossem grandes defesas de Pepe Reina. No segundo tempo, porém, os donos da casa se impuseram e passaram a dominar. Com o gol, a tarefa ficou mais simples e a Fiorentina não conseguiu reagir. A expulsão de Hysaj no fim ainda deu um sopro de esperança para os viola, mas Oliveira também foi avermelhado em seguida e não deixou nem o time se animar no desafio de empatar. 

Napoli e Juve decidem a vaga na decisão em jogos de ida e volta, nos dias 1º de março e 5 de abril. A outra semifinal será decidida na semana que vem: Inter e Lazio se enfrentam na terça, em Milão, e Roma e Cesena fecham as quartas na capital italiana, na quarta-feira.

Deixe um comentário