Serie A

20ª rodada: uma saideira feliz

Se acostume, leitor: Serie A, só daqui a duas semanas. A tradicional pausa de inverno foi postergada para o mês de janeiro e, neste fim de semana, a abertura do segundo turno marcou a breve saideira do Italiano. A 20ª jornada ratificou que a disputa pelo título deve ficar mesmo entre Napoli e Juventus, que já abriram vantagem para seus concorrentes, e a única surpresa na parte de cima da tabela foi mesmo a derrota da Roma para a Atalanta. Vale lembrar ainda que o Benevento está ensaiando uma reação: venceu sua segunda partida consecutiva.

Napoli 2-0 Verona
Koulibaly (Mário Rui) e Callejón (Insigne)

Tops: Koulibaly e Insigne (Napoli) | Flops: Kean e Verde (Verona)

O Napoli pode até ter suado, mas conseguiu manter a sua soberania sobre o rival Verona. Comandado por Pecchia, ex-capitão napolitano, o Hellas não foi tão competitivo como contra a Juventus, mas resistiu por bastante tempo à pressão anfitriã no San Paolo. Enquanto Nícolas fez o que pode para manter o zero no placar, Mertens, Allan e Insigne perderam grandes oportunidades, com direito a duas bolas na trave. Mas se não foi pelo chão, a artilharia aérea rendeu ao time de Sarri o primeiro gol: o goleiro brasileiro saiu mal e foi antecipado por Koulibaly numa cobrança de escanteio de Mário Rui, já aos 65 minutos.

Callejón, que esteve bastante impreciso durante o jogo, deu a volta por cima e voltou às redes após um jejum de 13 jogos. O espanhol tranquilizou a torcida em uma jogada clássica dos napolitanos: Insigne lançou nas costas da defesa e Callejón fechou o placar de uma partida que poderia ter sido conquistada mais cedo. De qualquer forma, os três pontos foram assegurados e os napolitanos vão para a pausa de inverno com a vantagem na liderança. De quebra, têm também a defesa menos vazada do campeonato.

Cagliari 0-1 Juventus
Bernardeschi (Douglas Costa)

Tops: Barella (Cagliari) e Szczesny (Juventus) | Flops: Cigarini (Cagliari) e Khedira (Juventus)

Quer polêmica? Então toma. A Juventus viajou para a Sardenha com histórico extremamente favorável em relação ao Cagliari, mas suou muito mais do que o que esperava e viu os adversários saírem de campo esbravejando contra a arbitragem, que teve participação decisiva em pelo menos um lance decisivo do cotejo. Antes disso, Szczesny precisou fazer duas grandes defesas e contou com a trave para evitar os gols dos sardos, enquanto a Juve também chegou perto de abrir o placar: Dybala e Bernardeschi também acertaram o poste e Benatia teve gol bem anulado.

A partida se desenrolava em pé de igualdade, como se Cagliari e Juventus tivessem as mesmas aspirações na Serie A. No início do segundo tempo, porém, Dybala saiu de campo com uma lesão muscular (que deve tirá-lo de ação por cerca de um mês) e deu lugar a Douglas Costa. Foi o brasileiro que fez a jogada do polêmico gol de Bernardeschi: enquanto os jogadores do Cagliari pediam para a Juve colocar a bola para fora, porque Pavoletti estava caído no chão, o lance continuava. Depois disso, Calvarese deixou de assinalar um toque no braço do próprio autor do gol, que desviou a pelota dentro da área. O árbitro viu o acontecido de perto e não quis rever a jogada pelo vídeo, embora tenha se comunicado pelos auxiliares pelo sistema de áudio. No final das contas, a Velha Senhora garantiu a vitória e abriu oito pontos em relação à Inter.

A caça continua: Juve venceu e está na cola do Napoli (LaPresse)

Fiorentina 1-1 Inter
Simeone (Eysseric) | Icardi

Tops: Chiesa (Fiorentina) e Handanovic (Inter) | Flops: Théréau (Fiorentina) e João Mário (Inter)

Cinco jogos, nenhuma vitória. Depois da série de invencibilidade quebrada em dezembro, a Inter continuou seu calvário na primeira partida do ano e perdeu toda a gordura acumulada nos últimos meses de vitórias, complicando a sua permanência na zona de classificação para a Liga dos Campeões. Apesar disso, o time de Spalletti teve relativa sorte, considerando o histórico interista em Florença e a superioridade dos donos da casa no sábado. A equipe de Pioli teve vantagem porque esteve mais organizada e melhor em termos de preparo físico, mas custou a capitalizar o domínio territorial.

A Fiorentina esbarrou em Handanovic e nas próprias limitações para superar o frágil sistema defensivo adversário, mesmo produzindo grande volume de jogo, com Chiesa, Biraghi e Simeone. Do outro lado, a Inter também teve suas oportunidades, e na primeira grande chance, Icardi abriu o placar pouco depois da volta do intervalo. Cancelo sofreu e cobrou a falta que originou o décimo gol do argentino contra a viola. A vantagem poderia ter sido ampliada em pelos menos três ocasiões, com destaque para a chance perdida por Candreva, quatro minutos antes do empate. No fim, prevaleceu a pressão anfitriã sobre a remendada defesa visitante, que sofreu três alterações ao longo da partida – começou com Cancelo, Ranocchia, Skriniar e Santon e terminou com Nagatomo, Santon, Skriniar e Dalbert. Não à toa, o empate saiu justamente em cima do lateral italiano, improvisado na zaga, quando Simeone conseguiu marcar, em sua quinta tentativa.

Roma 1-2 Atalanta
Dzeko (El Shaarawy) | Cornelius (Ilicic) e De Roon (Gómez)

Tops: Caldara e Freuler (Atalanta) | Flops: Pellegrini e Florenzi (Roma)

A capital é dos bergamascos e seu imperador é Gian Piero Gasperini. Mesmo com um jogador a menos por todo o segundo tempo, a Atalanta deu um show sobre a Roma. Primeiro com a vantagem construída no início da partida, e depois pela capacidade de controlar o jogo e de isolar um dos melhores centroavantes do campeonato. Dzeko até chegou a descontar, mas não foi além disso e acabou anulado nos últimos minutos. Depois de início lento no campeonato, os nerazzurri de Bérgamo voltaram a jogar bem e ganhar pontos, e com a vitória em Roma encostaram definitivamente na Sampdoria. Hoje, a Atalanta está em desvantagem apenas pelo número de vitórias – lembrando, contudo, que os blucerchiati têm um jogo a menos, justamente contra a Roma, que enfrentará duas vezes, nos dias 24 e 28 deste mês.

No Olímpico, o time de Gasperini mais uma vez conseguiu encaixar a marcação individual e limitou a troca de passes da Roma, que não conseguiu superar a pressão e viu sua criação de jogo limitada a passes longos para Dzeko. Atacando em transição, os visitantes foram mais cínicos e aproveitaram as oportunidades. Primeiro com Cornelius, que fintou Fazio e acertou belo chute, cheio de curva, para superar Alisson. Depois com De Roon, que completou jogada de Gómez e contou com desvio de Manolas para ampliar a vantagem, cinco minutos depois. O volante holandês voltaria a ser protagonista graças ao árbitro Guida, que foi rigoroso ao expulsá-lo. Sua ausência, no entanto, não foi aproveitada pelos anfitriões, que marcaram apenas uma vez com Dzeko, em seu único chute a gol no segundo tempo. A derrota foi ainda mais frustrante para a equipe de Di Francesco pelo fato de também ter perdido a posição no G4 para a rival Lazio, que agora tem um ponto de vantagem.

Spal 2-5 Lazio
Antenucci (pênalti) e Antenucci | Luis Alberto, Immobile (Luis Alberto), Immobile (Milinkovic-Savic), Immobile (Basta) e Immobile (Radu)

Tops: Immobile e Luis Alberto (Lazio) | Flops: Salamon e Vicari (Spal)

Immobile, seu verdadeiro sobrenome é gol. Se Icardi se iludiu com o 18º gol na temporada no sábado, chegando a 99 na Serie A, o centroavante laziale não perdeu tempo para recuperar a liderança e ser o primeiro jogador nas cinco principais ligas a superar a marca dos 20 gols. O italiano, aliás, precisou de apenas metade da temporada para igualar a melhor marca de sua carreira, considerando todas as competições: já tem os mesmos 26 do último ano, mas com 17 partidas a menos. O artilheiro da Serie A aproveitou muito bem mais um jogo louco proporcionado pela Lazio, que encurtou a diferença para a Inter e enfim voltou ao G4.

A partida não foi nada fácil para o time de Inzaghi, que abriu o placar com o golaço de Luis Alberto, mas logo sofreu o empate na cobrança de pênalti de Antenucci – isso tudo com menos de 10 minutos. Mas logo Immobile começou seu show, recolocando os laziali na frente do placar após um passe do meia-atacante espanhol. O camisa 17 aproveitou outra grande chance sete minutos depois, dessa vez em assistência de Milinkovic-Savic. Wallace, de volta ao time titular, falhou outra vez e Antenucci aproveitou para descontar, e por muito pouco não voltou a empatar. Mas novamente brilhou a estrela de Immobile, que fez o quarto cinco minutos antes do intervalo, e fechou o placar aos quatro minutos da segunda etapa.

Vem aí uma histórica reação? O Benevento ganhou sua segunda partida consecutiva (Ansa)

Benevento 3-2 Sampdoria
Coda (Viola), Coda e Brignola (Coda) | Caprari e Kownacki (Linetty)

Tops: Coda e Viola (Benevento) | Flops: Sala e Viviano (Sampdoria)

Será que dá? O tempo regulamentar vinha sendo o calvário do Benevento na estreia na Serie A, mas novamente o time campano soltou a bruxa nos acréscimos e buscou sua segunda vitória no campeonato com gol do talismã Brignola. O jovem atacante jogou apenas três vezes na temporada, e em nenhuma delas a sua equipe perdeu. Porém, dessa vez ele contribuiu com o gol que garantiu os três pontos e diminuiu a desvantagem na lanterna para oito, já que todos seus adversários diretos perderam.

Tão protagonista quanto Brignola, Coda novamente deu as caras. O centroavante estava para sair do clube por causa da falta de oportunidades, mas depois do gol salvador contra o Chievo, o ex-Parma voltou a ser decisivo. Após Caprari ter aberto o placar para a Sampdoria, o camisa 11 giallorosso acertou a trave duas vezes na sequência, conseguiu o empate após passe de Viola e virou em cobrança de falta, já aos 84 minutos. O golpe final saiu dos pés de Brignola, mas quem deu a assistência foi Coda. E quando o promissor Kownacki descontou aos 93, já era tarde demais para os visitantes, que voltaram a perder pontos importantes e agora têm apenas dois de vantagem na zona europeia.

 

Milan 1-0 Crotone
Bonucci

Tops: Bonucci e Biglia (Milan) | Flops: Cordaz e Stoian (Crotone)

Acredite se quiser, milanista: Bonucci fez o gol da vitória, Biglia jogou bem e Çalhanoglu foi um dos mais perigosos. Diante da superioridade no San Siro, a vida do Milan poderia ter sido mais fácil contra o Crotone, mas antes uma vitória apertada do que um tropeço. E, assim, os rossoneri se recuperaram dos últimos vacilos para diminuírem novamente a desvantagem para a Sampdoria: hoje, o Milan está apenas dois pontos abaixo da zona europeia.

Para isso, contou com dois heróis inesperados, que haviam feito um primeiro turno decepcionante. Se Suso e Bonaventura não conseguiam superar Cordaz, Çalhanoglu e Bonucci contaram com erro fatal do goleiro adversário, que saiu mal no escanteio do turco e jogou a bola em cima do italiano, que acabou marcando o único gol da partida com a nuca. Foi o primeiro do capitão rossonero pelo clube.

Sem querer, mas decisivo: Bonucci marcou seu primeiro pelo Milan (LaPresse)

Torino 3-0 Bologna
De Silvestri (Berenguer), Niang (Falque) e Falque (Boyé)

Tops: Niang e Berenguer (Torino) | Flops: Pulgar e González (Bologna)

Que maneira para o bombeiro Mazzarri estrear. Depois da demissão de Mihajlovic após outra temporada de resultados e desempenho abaixo da expectativa, o casamento Torino-Mazzarri era tão óbvio que acabou acontecendo em poucas horas. O ex-treinador de Napoli e Inter tem a cara da equipe, e mostrou isso logo na primeira partida: não efetuou grandes mudanças e, inclusive, abriu mão de sua habitual defesa a três e escalou a equipe no mesmo 4-3-3 do sérvio. Em sua estreia, conseguiu algo que o antecessor não obteve em dois anos. O Toro teve a melhor apresentação da rodada com amplo domínio sobre o Bologna e, pela primeira vez, venceu uma partida sem que Belotti estivesse em campo.

Além do volume de jogo, com exibições inspiradas de Falque, Niang e Berenguer, o time de Mazzarri dominou a posse de bola e foi muito pouco ameaçado pelos visitantes. Inclusive, em uma das poucas vezes que a equipe de Donadoni pisou na área adversário, o árbitro Damato cometeu erro grave ao voltar atrás em sua decisão e confiar no árbitro de vídeo, marcando pênalti inexistente – no entanto, Pulgar desperdiçou a cobrança e não afetou o rumo da partida. O erro motivou ainda mais o Torino a atacar: De Silvestri havia aberto a contagem no final do primeiro tempo e o segundo gol saiu minutos da penalidade mal batida. Falque, que tanto insistiu durante partida, marcou o último e eliminou qualquer chance de reação. A vitória granata deve ser ainda mais comemorada pelo ótimo timing, já que Sampdoria, Fiorentina e Udinese tropeçaram e o Torino continua firme no longo pelotão que busca uma vaga na zona europeia.

Chievo 1-1 Udinese
Radovanovic (Cacciatore) | Tomovic (contra)

Tops: Radovanovic (Chievo) e Bizzarri (Udinese) | Flops: Tomovic (Chievo) e Fofana (Udinese)

Acredite se quiser, a Udinese empatou. Entre matar ou morrer, os friulanos eram os únicos a ainda não terem empatado na Serie A, após um turno entre derrotas e vitórias. Este acabou sendo um tropeço doloroso para o time de Oddo, que vinha de cinco vitórias consecutivas e poderia ter entrado na zona europeia, só que acabou perdendo pontos para uma equipe que não vence desde novembro e acumulou quatro derrotas nas últimas seis partidas. Ao final da partida, o treinador bianconero criticou a atuação da equipe, que para ele “não entrou em campo” no primeiro tempo.

Inclusive, o time de Maran foi superior durante toda a partida e deixou a vitória escapar de forma fortuita pouco antes do intervalo, já que o único gol visitante acabou sendo marcado contra, por Tomovic, e o veterano Sorrentino quase não trabalhou em casa. Do outro lado, o ex-gialloblù Bizzarri acabou sendo protagonista ao evitar a derrota, nas oportunidades de Radovanovic (que havia aberto o placar), Birsa, Pucciarelli e Stepinski. Empate que, todavia, não altera a situação do Chievo, estacionado no meio da tabela com sete pontos de vantagem para a zona de rebaixamento e a oito de desvantagem para a zona europeia.

Genoa 1-0 Sassuolo
Galabinov (Biraschi)

Tops: Galabinov e Perin (Genoa) | Flops: Falcinelli e Berardi (Sassuolo)

Após os sucessos contra Fiorentina, Inter e Roma, o Sassuolo estava empolgado com a reação para se distanciar da zona do rebaixamento, mas no meio do caminho do time de Iachini tinha um Genoa. Como tem sido complicado superar a equipe de Ballardini: desde que assumiu a equipe em novembro, o veterano treinador sofreu apenas uma derrota em oito partidas e esse foi o sexto jogo sem sofrer gols.

Para segurar a pressão, os trintões Rossettini, Spolli e Zukanovic estiveram muito bem novamente e também contaram com a trave para impedir Matri de cumprir a lei do ex. Do outro lado do campo, Galabinov voltou a ser decisivo depois de dois meses em branco e marcou o gol da vitória nos minutos finais. Com o resultado, genoanos e neroverdi dividem a 14ª posição, com 21 pontos.

*Os nomes entre parênteses após os autores dos gols se referem aos responsáveis pelas assistências

Seleção da rodada
Handanovic (Inter); De Vrij (Lazio), Caldara (Atalanta), Koulibaly (Napoli); Falque (Torino), Lucas Leiva (Lazio), Luis Alberto (Lazio), Berenguer (Torino); Coda (Benevento), Immobile (Lazio), Niang (Torino). Técnico: Walter Mazzarri (Torino).

Deixe um comentário