Serie A

24ª rodada: no carnaval, o Napoli prova que o azul é a cor da alegria

Mais um show do Napoli no San Paolo. Mesmo contra a Lazio, terceira colocada e com o segundo melhor ataque da competição, o time de Sarri foi fantástico, dominou o jogo e conseguiu somar pontos valiosos para a disputa do scudetto. A rodada só não foi perfeita para os azzurri porque a Juventus derrotou a Fiorentina mesmo sem fazer um grande jogo, num duelo quente no qual a qualidade bianconera falou mais alto.

A rodada acabou sendo desastrosa para a Lazio, que caiu da terceira para a quinta colocação, após as vitórias de Roma e Inter. Já Milan, Sampdoria e Torino também venceram e embolaram a briga pelas competições europeias. A 24ª rodada ainda reservou dois dos gols mais rápidos da Serie A: Cutrone deixou o seu com 1 minuto e 41 segundos, no sábado, mas Éder diminuiu essa marca em três segundos no dia seguinte.

Napoli 4-1 Lazio
Callejón (Jorginho), Wallace (contra), Zielinski e Mertens (Zielinski)| De Vrij (Immobile)

Tops: Insigne e Jorginho (Napoli)| Flops: Wallace e Luis Alberto (Lazio)

Por mais difícil que a situação possa parecer, o Napoli não dá mostras de que vai deixar a liderança escapar. A cada rodada, o time partenopeu se mostra mais forte e nem mesmo as adversidades têm feito o time sucumbir diante da pressão. Ciente da vitória da Juventus, o Napoli não poderia ter um começo de jogo pior diante da Lazio, já que De Vrij aproveitou cruzamento de Immobile e abriu o placar aos 3 minutos. O time de Sarri, que fazia seu 100º jogo como treinador na Serie A, demorou a engrenar, mas quando se acertou, controlou o jogo e passou a criar boas oportunidades. Insigne tentou duas vezes encobrir Strakosha, mas foi Callejón quem igualou o placar. O espanhol recebeu ótimo lançamento de Jorginho e só teve o trabalho de deslocar Strakosha.

O segundo tempo foi um monólogo napolitano. Irreconhecível, a Lazio não se achou no jogo e em dez minutos foi vítima de uma avalanche azzurra, que virou o jogo com um gol contra de Wallace e um de Zielinski, que desviou de forma intencional um chute de Mário Rui. O futebol bonito do Napoli colocou a Lazio na roda: abatida, a equipe romana fez, segundo seu próprio treinador, uma partida “inaceitável”. Fato é que o quarto gol acabou com o jogo. Mertens deixou o seu e transformou os minutos finais em um treino de luxo, numa troca de bola envolvente que levou o público no San Paolo ao delírio. Com 63 pontos em 24 rodadas, o Napoli tem a segunda melhor campanha na história da primeira divisão italiana, perdendo apenas para a Inter de 2006-07.

Fiorentina 0-2 Juventus
Bernardeschi e Higuaín (Chiellini)

Tops: Veretout (Fiorentina) e Buffon (Juventus) | Flops: Sportiello (Fiorentina) e Lichtsteiner (Juventus)

Apesar da diferença na tabela, a Fiorentina foi extremamente valente para encarar a Juventus. Quem viu o primeiro tempo, pode acompanhar uma equipe Viola em uma de suas melhores apresentações nessa temporada. Pressão na defesa juventina, controle do meio-campo e uma defesa segura que não deu espaços a Higuaín, Mandzukic e Bernardeschi. A superioridade, porém, não conseguiu ser transformada em gols e, quem não faz contra a Juve, acaba sofrendo as consequências. Com um gol de Bernardeschi, numa cobrança de falta que contou com a colaboração de Sportiello, e outro de Higuaín já nos minutos finais, a Velha Senhora venceu mais uma, não deixou o Napoli disparar e ainda parte com moral para o duelo desta terça contra o Tottenham, na Champions League.

O lance crucial da partida foi o pênalti polêmico aos 18 do primeiro tempo, assinalado por Marco Guida, mas desmarcado após quase três minutos com o auxílio do VAR, que apontou impedimento de Benassi no início da jogada. A partir dali a pressão da torcida toscana cresceu e a rivalidade entre os times aflorou, com jogadas mais ríspidas dos dois lados. A Fiorentina ainda teve chances de abrir o placar, com Gil Dias, que acertou a trave, e com Chiesa, mas a lei do ex entrou em ação, deixando em evidência Bernardeschi,  personagem sob o qual as expectativas estavam mais voltadas no confronto. Buffon, numa das poucas oportunidades em que foi acionado, conseguiu bloquear Théréau na hora do chute e ajudou a garantir mais um triunfo de Allegri contra Pioli, que por sua vez, segue sem vencer a Juventus em toda sua carreira.

Cengiz Ünder foi fundamental para a vitória romanista (Getty)

Roma 5-2 Benevento
Fazio (Kolarov), Dzeko (Ünder), Ünder (Perotti), Ünder (Gerson) e Defrel (pênalti) | Guilherme e Brignola (Lombardi)

Tops: Ünder e Dzeko (Roma) | Flops: Djimsiti e Costa (Benevento)

Não seria a Roma se não tivesse um susto. Depois de ver o lanterna sair na frente em pleno estádio Olímpico, a equipe da casa reagiu e goleou com tranquilidade o Benevento, pulando para a quarta colocação na Serie A e deixando a rival Lazio para trás. Foi também a vitória de número 800 em casa em toda história do campeonato italiano, marca que apenas Juventus, Milan e Inter haviam conseguido até então. Destaque para o turco Ünder, que ganha espaço no time titular e foi responsável por dois gols e uma assistência. Lembrando que ele já havia decidido a partida contra o Verona na semana passada.

Guilherme colocou os visitantes em vantagem, na primeira e única oportunidade que tiveram na etapa inicial, com um chute cruzado que desviou em Manolas, aos 6 minutos. Primeiro gol do brasileiro na Serie A e também dos stregoni após 528 minutos sem balançar as redes. O que se viu depois, porém, foi um massacre romanista, ainda que apenas Ünder tenha realizado uma atuação realmente acima da média. Fazio igualou ainda no primeiro tempo, enquanto Dzeko, já na segunda etapa, colocou os giallorossi em vantagem, aproveitando cruzamento da revelação turca. O jovem fez o seu primeiro na sequência, aproveitando passe de Perotti, e depois anotou mais um em um chute de fora da área. Brignola ainda diminuiu, num lance que envolveu a defesa romana, mas sobrou tempo para Defrel fazer seu primeiro com a camisa da Roma, cobrando um pênalti nos acréscimos.

Inter 2-1 Bologna
Éder (Brozovic) e Karamoh | Palacio

Tops: Karamoh e Éder (Inter)| Flops: Mbaye e Masina (Bologna)

Novamente sem Icardi, a Inter contou com inspiração do jovem Karamoh para voltar a vencer depois de oito jogos e reassumir a terceira posição da Serie A. O francês de origem marfinense fez sua primeira partida como titular, barrando Candreva, que viu a partida inteira do banco de reservas. A aposta de Spalletti não apenas anotou o gol da vitória no momento mais difícil da partida para a Inter, mas também apresentou uma consistência de jogo, cumprindo sua função defensiva e chegando ao ataque com qualidade. Foi ele, aliás, quem começou a jogada do primeiro gol, com pouco mais de 1 minuto. Karamoh acionou Brozovic, que cruzou para Éder anotar o seu segundo em dois jogos como titular no comando de ataque. Foi o gol mais rápido da Inter na Serie A desde fevereiro de 2007, quando Adriano fez o seu contra o Chievo com 41 segundos.

Spalletti também mudou o jeito de atuar da Inter, deixando Perisic mais preso na ponta esquerda, com Brozovic cumprindo a função de trequartista, com Karamoh mais à frente, encostando em Éder. Se o ataque mudou, a defesa nem tanto e continuou dando vacilos inexplicáveis. Skriniar e Miranda se complicaram e Palacio igualou o placar ainda no primeiro tempo. Sem o brasileiro, que não estava num bom dia e foi substituído no intervalo, a Inter voltou para o segundo tempo pressionando e perdeu pelo menos três oportunidades claras de gol nos primeiros dez minutos. A entrada de Rafinha ajudou a mudar o panorama da partida, mas foi uma jogada individual combinada com um belo chute de Karamoh que decidiram a partida em Milão. As expulsões de Mbaye e Masina facilitaram para a Inter manter a vantagem e tirar de vez o peso da falta de vitórias.

Spal 0-4 Milan
Cutrone, Cutrone, Biglia e Borini (Montolivo)

Tops: Cutrone e Suso (Milan) | Flops: Meret e Viviani (Spal)

Pouco a pouco o Milan vai ficando com a cara de Gattuso. Um time que por vezes peca na qualidade técnica, mas se supera com garra e coração. E, para ajudar a lembrar a última equipe multivitoriosa do rossonero, ainda conta com um atacante que, se não é dotado de grandes qualidades, compensa com um faro de gol único. Um atacante que lembra Inzaghi, segundo as palavras do próprio treinador milanista.

Cutrone superou a concorrência do badalado André Silva e do experiente Kalinic e vem dando conta do recado para o Diavolo. Contra a Spal, foram dois do jovem de 20 anos, formado na base milanista, que já tem cinco no campeonato e 12 em toda a temporada. O primeiro do camisa 63 chegou logo a um minuto de jogo, aproveitando o rebote do goleiro Meret, e o segundo após o intervalo, depois de novo rebote, e meio aos trancos e barrancos. Biglia, aproveitando nova falha do arqueiro spallino, e Borini, com um forte chute, completaram a goleada que recoloca a equipe na briga pela Liga Europa. Enquanto o Milan ocupa a sétima posição, a Spal continua na zona de rebaixamento e viu o Crotone ampliar a vantagem para quatro pontos.

Sampdoria 2-0 Verona
Barreto (Caprari) e Quagliarella (pênalti)

Tops: Caprari e Barreto (Sampdoria) | Flops: Aarons e Valoti (Verona)

A Sampdoria não teve dificuldades para superar o Hellas Verona e embalou o sétimo jogo sem derrota (cinco vitórias e dois empates) no campeonato. Com o resultado, a equipe de Gênova mantém três pontos de vantagem sobre o Milan, seu principal concorrente por uma vaga na Liga Europa. Os visitantes, por sua vez, seguem amargando a zona de rebaixamento.

Jogando no Marassi, os blucherchiati criaram inúmeras chances na primeira etapa, mas esbarraram na grandiosa partida que fez o goleiro brasileiro Nícolas, que se tornou um dos protagonistas da partida. O volume de jogo doriano, que tinha em Caprari o seu principal expoente, não diminuiu no segundo tempo e nem mesmo o arqueiro conseguiu parar o ataque genovês. Primeiro o próprio Caprari cruzou com perfeição para Barreto anotar o primeiro, enquanto Quagliarella converteu um pênalti já na reta final para selar a vitória. Um 2 a 0 que ficou barato para o Hellas.

Belotti voltou a marcar após 57 dias na Serie A (Ansa)

Torino 2-0 Udinese
N’Koulou (Falque) e Belotti

Tops: Belotti e Falque (Torino) | Flops: Nuytinck e Maxi López (Udinese)

Sem Mazzarri (expulso, o técnico assistiu o jogo das tribunas), mas com Belotti voltando a marcar depois de 57 dias, o Torino não teve dificuldades para derrotar a Udinese. Desde que o que o ex-técnico interista assumiu, a equipe grená somou 11 pontos em cinco partidas e sofreu apenas dois gols, voltando à briga por uma vaga na Liga Europa. A Udinese, porém, vem mostrando queda de rendimento e, com apenas uma vitória nos últimos seis jogos, se afastou da luta.

O Torino foi melhor desde o início. Aos cinco, Falque acertou a trave e pouco depois Burdisso só não marcou porque Lasagna salvou em cima da linha. O próprio Lasagna quase colocou a Udinese na frente, mas acertou o travessão de Sirigu. Na continuação da jogada, Barák marcou, mas teve o gol anulado pelo VAR.  Quem balançou as redes foi N’Koulou: testada certeira do camaronês para colocar o Toro em vantagem. No segundo tempo, Belotti mostrou que está recuperado e fez um golaço, após uma meia lua em Nuytinck e um chute indefensável para Bizzarri.

Crotone 1-1 Atalanta
Mandragora | Palomino

Tops: Cordaz (Crotone) e Ilicic (Atalanta)| Flops: Trotta (Crotone) e Berisha (Atalanta)

A chuva torrencial que atingiu a região da Calábria horas antes da partida não impediu o duelo entre Crotone e Atalanta. Num gramado encharcado, as duas equipes abusaram de chutes de longa distância e cruzamentos na área. Mais intenso no jogo, o Crotone conseguiu abrir o placar no segundo tempo, graças a um vacilo de Berisha: o goleiro albanês, que vinha fazendo uma boa partida e sendo fundamental pela manutenção do resultado, não segurou a bola molhada e deixou o gol aberto para Mandragora.

Já nos instantes finais, Masiello recebeu livre na área, tentou o gol, mas quem colocou a bola na rede foi Palomino, deixando tudo igual para a Atalanta. O resultado não foi bom para as duas equipes, mas ficou mais amargo para a Atalanta, que ainda que tenha arrancado um ponto em um momento de dificuldade, foi ultrapassada pelo Milan. Por sua vez, o Crotone não se distanciou muito da zona de rebaixamento, mas pelo menos abriu um ponto em relação a Spal e Verona.

Chievo 0-1 Genoa
Laxalt

Tops: Laxalt e Pandev (Genoa) | Flop: Inglese (Chievo)

Quando a partida se encaminhava para um 0 a 0 sem graça, um gol de Laxalt deu a vitória ao Genoa contra o Chievo em pleno Bentegodi. Segunda vitória consecutiva dos genoveses, novamente com um gol do uruguaio nos minutos finais: pontos que já deixam a equipe lígure no meio da tabela, sem muitas aspirações. Já para os veroneses, o resultado só não foi pior porque seus concorrentes diretos na parte de baixo da tabela também tropeçaram. A fase, porém, não é boa: os dois pontos nas últimas dez partidas colocam a cabeça de Maran, desde 2014 no cargo, em risco.

Em campo, os dois times foram cautelosos. Dessa forma, foram poucas as chances de gol na primeira etapa. Tanto Maran quanto Ballardini apostaram em opções vindas do banco de reservas, mas nem Lapadula nem Pellissier produziram algum perigo desde que entraram em campo. Já no fim de jogo, Pandev chegou perto, mas foi o ala uruguaio quem balançou as redes, com um chute cruzado indefensável.

Sassuolo 0-0 Cagliari

Tops: Berardi (Sassuolo) e Barella (Cagliari) | Flops: Babacar (Sassuolo) e Diego Farias (Cagliari)

Pouquíssimas emoções no Mappei Stadium. Nas estatísticas, apenas um chute em direção ao gol, aos 50 do segundo tempo. Sassuolo e Cagliari disputaram uma partida muito física, mas de pouca criação, fazendo jus à situação das equipes no campeonato, estacionadas na metade mais baixa da tabela.

Os emilianos até foram melhores, mas mostraram porque a equipe um dos piores ataques da Serie A. Berardi e Politano até conseguiram assustar Cragno, mas pecaram na finalização. Berardi, aliás, teve a melhor chance de anotar, mas desperdiçou terrivelmente quando esteve frente a frente com o goleiro sardo. Do outro lado, Barella até acertou o alvo, mas Consigli defendeu com facilidade.

*Os nomes entre parênteses após os autores dos gols se referem aos responsáveis pelas assistências

Seleção da rodada
Buffon (Juventus); Ferrari (Sampdoria), N’Koulou (Torino), Koulibaly (Napoli), Laxalt (Genoa); Jorginho (Napoli), Zielinski (Napoli); Karamoh (Inter), Ünder (Roma), Insigne (Napoli); Cutrone (Milan). Técnico: Maurizio Sarri (Napoli).

Deixe um comentário