Serie A

26ª rodada: Napoli aproveita rodada sem a Juve e levanta voo

Faltou combinar com os russos. Ou melhor, com um russo: o vento bora, que sopra da Sibéria, levou uma onda de frio inesperada para todo o território italiano neste final de semana e provocou mudanças no calendário da Serie A. Se nevou em lugares que raramente ficam cobertos de branco, como Roma, Nápoles e a Sardenha, a gélida Turim não escaparia do rigor das tempestades, é claro. Uma nevasca assolou a cidade e acabou provocando o adiamento da partida entre Juventus e Atalanta. Melhor para o Napoli, que com a certeza de que manteria a liderança ao fim da rodada, pode jogar com tranquilidade e golear o Cagliari. Com um jogo a mais, o time azzurro tem quatro pontos de vantagem sobre a rival, que já sabe que não poderá falhar daqui para frente. Confira o resumo da 26ª rodada do campeonato.

Cagliari 0-5 Napoli
Callejón (Allan), Mertens (Hysaj), Hamsík (Insigne), Insigne (pênalti) e Mário Rui

Tops: Insigne e Allan (Napoli) | Flops: Romagna e Leandro Castán (Cagliari)

Lar doce lar. Jogar fora do San Paolo nunca foi tão fácil como nesta temporada para o Napoli. Único time invicta fora de casa no campeonato, o Napoli conquistou o 37º ponto de 39 disputados longe de seus domínios. Nada inesperado também considerando o adversário: esse foi o 16º jogo seguido sem vitória do Cagliari contra os partenopei, que repetiram o placar da última temporada e ampliaram a longa freguesia da equipe da Sardenha. E tudo isso sem a pressão da Juventus, que teve sua partida adiada por causa da forte nevasca em Turim e pela primeira vez nas últimas quatro rodadas acabou não jogando antes dos rivais do sul.

Apesar do plano bem elaborado pelos anfitriões, os visitantes rapidamente tomaram conta do jogo graças a mais uma grande exibição de Allan. O brasileiro quebrou o encaixe sardo e serviu Callejón para abrir o placar aos 29 minutos, o que facilitou bastante a vida de Sarri. Com um filtro de cigarro na boca, o técnico ainda viu Mertens ampliar a vantagem antes do final do primeiro tempo. Outra peça-chave para desconstruir a marcação adversária, Hamsík fez o terceiro (seu 99º na Serie A) já na metade da etapa final, após grande jogada coletiva, que passou pelos pés de todos os jogadores. Autor da assistência, Insigne ainda procurou um pênalti e converteu a penalidade. Já nos acréscimos, Mário Rui fechou a conta em cobrança de falta perfeita.

Roma 0-2 Milan
Cutrone (Suso) e Calabria (Kalinic)

Tops: Calabria e Romagnoli (Milan) | Flops: Schick e Manolas (Roma)

Cada vez mais confiante e próximo da zona europeia, o Milan segue crescendo na temporada sob o comando de Gattuso. No Olímpico, o time de Rino contou com boas atuações de jovens vindo da base e talvez tenha tido sua apresentação mais sólida desde que começou a série de invencibilidade, agora de 11 partidas – oito na Serie A. Por sua vez, após engatar uma sequência de vitórias no campeonato, a Roma voltou a cambalear: esta foi uma derrota muito dura para o time de Di Francesco, que novamente acabou sendo muito questionado por suas decisões técnicas. Agora, a Roma vê o próprio Milan apenas seis pontos atrás.

Depois de um primeiro tempo fraco e sem grandes oportunidades, em que apenas Ünder acertou o alvo logo no início, os visitantes aproveitaram o cochilo adversário para abrir o placar no segundo minuto da etapa final. Suso fez sua jogada clássica e levantou a bola na pequena área, onde Cutrone aproveitou a falha de Manolas para abrir o placar com um leve desvio, marcando seu 13º gol na temporada. Enquanto o jogo se encaminhava novamente para um final sonolento, Kalinic entrou e imediatamente marcou a diferença. Depois de assustar Alisson, deu boa assistência para a corrida em profundidade de Calabria, que tocou na saída do goleiro brasileiro para fechar o placar aos 74 minutos e anotar o seu primeiro como profissional.

Sassuolo 0-3 Lazio
Milinkovic-Savic (Felipe Anderson), Immobile (pênalti) e Milinkovic-Savic (Felipe Anderson)

Tops: Milinkovic-Savic e Felipe Anderson (Lazio) | Flops: Berardi e Consigli (Sassuolo)

Em meio aos jogos decisivos pelas copas, Inzaghi optou por uma formação mista na viagem para Reggio Emilia e teve muito sucesso contra o Sassuolo, a equipe em pior fase no campeonato. Felipe Anderson aproveitou a oportunidade no time titular, Milinkovic-Savic recuperou o protagonismo e Immobile manteve a média de um gol por jogo no campeonato, chegando a 23 tentos e ampliando a liderança na artilharia. Vale salientar que a Lazio conseguiu mais uma vitória sem sofrer gols e recuperou a terceira posição, voltando a ficar na frente da rival Roma. Por outro lado, a equipe de Iachini chegou ao oitavo jogo sem vitória e, com os triunfos de Spal e Verona, ficou perigosamente próxima da zona de rebaixamento.

O triunfo laziale no Mapei Stadium foi construído desde cedo, e o primeiro dos dois gols protagonizados por Felipe Anderson e Milinkovic-Savic saiu aos sete minutos. Após passe do brasileiro, o sérvio chutou colocado de fora da área e abriu o placar diante de um imóvel Consigli. O placar voltou a ser alterado aos 31, após Peluso tocar na bola com o braço em sua área, facilitando a vida do artilheiro Immobile, que converteu a cobrança. Depois de outra jogada de Felipe Anderson, dessa vez pela direita, Milinkovic-Savic finalizou o cruzamento de cabeça e fechou o placar com menos de um minuto depois do intervalo. Reflexo da péssima fase do Sassuolo, Berardi ainda acabou expulso por entrada dura na etapa final, e minutos depois Marusic acertou cotovelada e também deixou sua equipe com um a menos. Mesmo assim, a Lazio conduziu o restante do jogo com tranquilidade e assegurou a vitória.

Cutrone e Calabria decidiram mais uma partida para o Milan (LaPresse)

Inter 2-0 Benevento
Skriniar (Vecino) e Ranocchia (João Cancelo)

Tops: Ranocchia e Skriniar (Inter) | Flops: Viola e Del Pinto (Benevento)

Graças ao rival rossonero e à segunda vitória em quase três meses, a Inter voltou para o G4 depois de uma rodada fora. Mas os interistas não tiveram muitos motivos para comemorar o sofrido triunfo contra o Benevento no San Siro. O lanterna do campeonato, inclusive, foi superior por 60 minutos e sucumbiu somente depois da saída do brasileiro Sandro, lesionado, e proporcionou o pior primeiro tempo da equipe de Spalletti na temporada – algo que parece acontecer a cada rodada.

No ritmo dos baixinhos Guilherme e Brignola, os visitantes pressionaram os anfitriões, mas estiveram muito pouco acertados na conclusão das jogadas e Handanovic acabou não tendo a mesma carga de trabalho que os zagueiros Skriniar e Ranocchia. A dupla, aliás, carregou o restante da equipe nas costas e ainda foi responsável por marcar os gols, que vieram num intervalo de apenas três minutos. Sempre na bola parada de João Cancelo, o primeiro veio após um desvio de Vecino completado pelo eslovaco, enquanto o placar foi fechado aos 69 com o cabeceio do italiano. Somente com a vantagem é que a equipe da casa conseguiu se sentir confortável, controlando a bola até o apito final de Pairetto, que conduziu o jogo de forma terrível. O árbitro deixou passar batidas as entradas violentas de Gagliardini e os pênaltis reclamados justamente pelos dois lados.

Sampdoria 2-1 Udinese
Silvestre (Caprari) e Zapata | Silvestre (contra)

Tops: Zapata (Sampdoria) e Samir (Udinese) | Flops: Murru (Sampdoria) e Danilo (Udinese)

Sem tempo para relaxar depois da derrota para o Milan, que igualou sua pontuação na briga pela última vaga europeia, a Sampdoria se recuperou imediatamente para manter a sexta posição. Contra uma Udinese escalada por Oddo numa formação nada habitual, sem centroavantes, o time de Giampaolo teve problemas para defender os contra-ataques, mas novamente teve o domínio da bola e poderia ter construído vantagem maior, mas acabou marcando apenas em lances circunstanciais.

O primeiro gol doriano saiu aos 35 minutos, quando após cruzamento de Ramírez, o toque errado de Caprari acabou virou assistência para Silvestre abrir o placar. Vantagem ampliada somente aos 83, depois de Zapata puxar contra-ataque desde a entrada da sua área e seu cruzamento para Quagliarella na segunda trave virar um golaço que surpreendeu Bizzarri – e o próprio colombiano. Só não foi melhor para os anfitriões porque já nos acréscimos Silvestre acabou marcando contra após um chute cruzado de Ali Adnan.

Verona 2-1 Torino
Valoti (Vukovic) e Valoti | Niang (Falque)

Tops: Valoti (Verona) e Niang (Torino) | Flops: Rômulo (Verona) e Sirigu (Torino)

Pressionado pela vitória da Spal e pelas três derrotas seguidas, o Verona conseguiu sua primeira vitória sobre o Torino no Bentegodi desde 1987. Para chegar a este feito, contou com uma tarde inspirada de Valoti: o meio-campista revelado pelo Milan foi o herói inesperado do quinto triunfo da equipe de Pecchia no campeonato. O resultado deixou o Hellas apenas dois pontos atrás do Crotone, primeiro acima da zona de rebaixamento, e deu a Mazzarri a sua segunda derrota no comando do Torino, após o 1 a 0 sofrido no Derby della Mole na rodada passada.

O placar foi aberto aos 12 minutos, quando Verde levantou a bola na segunda trave e Vukovic cabeceou para o meio da área, onde Valoti apareceu para antecipar Sirigu. Em busca da virada, o Torino dominou as ações na sequência, mas parou no empate de Niang, que deixou o seu após contra-ataque puxado por Belotti e assistência de Falque, logo aos quatro minutos da etapa final. A vitória anfitriã veio aos 77: depois de Sirigu rebater mal o chute de Petkovic, Valoti mais uma vez foi oportunista para dar esperança ao seu clube na acirrada briga contra o descenso.

Dia histórico para Valoti: primeira doppietta na Serie A quebrou jejum do Verona contra o Torino (LaPresse)

Fiorentina 1-0 Chievo
Biraghi (Astori)

Tops: Biraghi e Veretout (Fiorentina) | Flops: Cacciatore e Gamberini (Chievo)

Seguindo a campanha irregular que lhe faz permanecer estacionada no meio da tabela, a Fiorentina voltou a vencer em casa depois de quase três meses e amenizou um pouco (muito pouco) o clima ruim com sua torcida, que não via uma vitória no Artemio Franchi desde 3 de dezembro. Apesar do placar apertado, o time florentino dominou a partida e poderia ter construído um placar maior.

De qualquer forma, o gol do ex-gialloblù Biraghi foi o bastante para os anfitriões, logo aos seis minutos. O ala-esquerdo, que já tinha levado perigo minutos antes, soltou o pé da entrada da área e dessa vez não deu chances para Sorrentino. Num jogo de um time só, o goleiro do Chievo fez defesas para evitar um passivo mais comprometedor. Vale salientar que Pioli voltou ao 3-5-2, mas não esteve à beira do campo: o treinador da Fiorentina foi substituído pelo assistente Murelli por causa de uma forte gripe.

Bologna 2-0 Genoa
Destro e Falletti (Destro)

Tops: Destro e Pulgar (Bologna) | Flops: Perin e Spolli (Genoa)

Segunda vitória seguida, segundo herói redimido. Depois de Pulgar salvar o time de Donadoni contra o Sassuolo, Destro voltou às redes depois de um mês e protagonizou a vitória contra uma de suas antigas equipes. O resultado deixa o Bologna em uma situação muito confortável na tabela, com 33 pontos – três a mais que o Genoa.

Empolgado depois da vitória contra a Inter, o Genoa acabou frustrado pela apresentação de resistência dos donos da casa, que abriram o placar no início do segundo tempo e suportaram grande pressão por 30 minutos. Depois da blitz, a defesa visitante tornou a falhar e os emilianos asseguraram a vitória – não sem evitar mais um pouco de sofrimento até o apito final. O primeiro gol saiu depois de confusão entre Masina, Rosi e Perin: depois de ninguém resolver a situação, Destro chegou empurrando a bola para marcar seu sexto gol no campeonato. Por fim, o centroavante foi gentil ao ceder o segundo gol para Falletti após contra-ataque.

Crotone 2-3 Spal
Budimir e Budimir (Faraoni) | Antenucci (Lazzari), Simic (Schiattarella) e Paloschi

Tops: Meret e Antenucci (Spal) | Flops: Barberis e Cordaz (Crotone)

Ah, o doce gosto da vitória. Já faziam dois meses que a Spal não o experimentava, mas enfim a equipe de Ferrara voltou a saborear a conquista de três pontos na Serie A. O triunfo veio em momento muito oportuno, já que foi contra o principal adversário na luta contra o rebaixamento, o Crotone, primeiro acima da zona de rebaixamento. O time de Zenga, aliás, tinha certa vantagem pela salvezza, mas novamente caiu para um adversário direto e viu a diferença cair para apenas um ponto.

A partida mais movimentada da rodada foi marcada pelo equilíbrio, com a diferença que os visitantes tiveram maior oportunismo e Meret no seu gol. O único gol do primeiro tempo foi marcado por Antenucci, que limpou a marcação depois de jogada de Lazzari e contou com a primeira ajuda de Cordaz. Antes da segunda ajuda, porém, Budimir empatou ao aproveitar rebote após chute na trave de Barberis. Mas bastaram dois minutos para a Spal voltar a ficar na frente do placar, quando depois de cobrança de falta lateral de Schiattarella, Simic subiu mais alto para acertar cabeceio no contrapé do goleiro. O gol da vitória também não demorou, e Paloschi marcou o terceiro após desvio de Barberis. Apesar da pressão, os anfitriões demoraram para descontar, e já era tarde quando Budimir fez o segundo, aos 86, finalizando cruzamento de Faraoni.

Juventus-Atalanta
Adiada por conta do mal tempo em Turim. A data da realização da partida ainda será definida.

*Os nomes entre parênteses após os autores dos gols se referem aos responsáveis pelas assistências

Seleção da rodada
Meret (Spal); Calabria (Milan), Ranocchia (Inter), Romagnoli (Milan), Mário Rui (Napoli); Valoti (Verona), Allan (Napoli), Milinkovic-Savic (Lazio); Felipe Anderson (Lazio), Destro (Bologna), Insigne (Napoli). Técnico: Maurizio Sarri (Napoli).

Deixe um comentário