Seleção italiana

Pouco a observar: curto ciclo de Di Biagio na Itália tem empate contra a Inglaterra em Wembley

A data Fifa mais desinteressante da história do futebol italiano finalmente chegou ao fim. Nesta terça, a Itália foi até Wembley e empatou por 1 a 1 com a Inglaterra graças a um gol na final da partida. O segundo dos dois amistosos que pouco valiam para a Nazionale até terminou com um resultado melhor que o do primeiro, contra a Argentina, mas a atuação dos azzurri foi menos interessante.

O interino Di Biagio manteve o esquema 4-3-3, mas fez algumas modificações no time italiano, lançando Donnarumma no gol e modificando o flanco direito da equipe, com as entradas de Zappacosta e Candreva. Pellegrini também ganhou uma vaga no meio-campo. A não ser pela pressão exercida sobre o zagueiro Tarkowski, a Squadra Azzurra não ganhou tanto com as trocas nem foi capaz de incomodar muito os donos da casa. A não ser por momentos no início e no fim do amistoso, sofreu com a pressão e o domínio ingleses.

Em 16 minutos, Immobile teve três chances para abrir o placar. Em duas delas, saiu na cara do goleiro Butland, demorou demais para chutar e foi travado. Na terceira, mais clara, subiu sozinho para cabecear na pequena área, mas errou clamorosamente. Não era o dia do laziale.

Era o dia de Vardy. O atacante do Leicester já havia ameaçado os italianos em duas oportunidades, mas não perdoou na terceira. A zaga italiana parou para se lamentar pela marcação de uma falta sobre Sterling e Lingard aproveitou a desatenção para deixar Vardy em condições de marcar. Livre na grande área, o camisa 9 encheu o pé e não deu chances para Donnarumma.

A postura tática do English Team deixou Jorginho sem muitas opções para fazer a bola circular, de forma que a Itália praticamente só utilizou os lados do campo. A pressão alta funcionou apenas até meados da primeira etapa, e depois foi desarticulada pelas arrancadas de Sterling.

Já no segundo tempo, a entrada de Chiesa no lugar de Candreva deu maior agressividade à Itália, ao passo em que Jorginho só ficou mais livre no final da partida. Em uma chance criada por ele, numa bola enfiada nas costas da defesa, Insigne assustou com a canhota. Minutos depois, Chiesa tentou entrar na área e foi calçado por Tarkowski. Após a consulta ao vídeo, o pênalti foi marcado e Insigne o converteu, com bela cobrança. O gol evitou que, pela primeira vez em sua história, a Itália passasse quatro partidas consecutivas em branco. Também foi o primeiro que a defesa da Inglaterra sofreu após 625 minutos.

Embora a Itália não vença há quatro jogos, o interino Di Biagio aprovou a atuação dos azzurri. “O crescimento dos rapazes é o mais importante. Esses jogadores têm personalidade, eu garanto”, disse o treinador, em coletiva após o amistoso. A equipe mostra mais vontade e um jogo mais organizado do que nos tempos de Ventura, é fato. Um “passo à frente”, como definiu Di Biagio. Os outros passos, porém, serão conduzidos por outro treinador, que será anunciado no final de maio.

Inglaterra 1-1 Itália

Inglaterra: Butland; Walker, Stones (Henderson), Tarkowski; Trippier (Rose), Oxlade-Chamberlain (Lallana), Dier, Lingard (Cook), Young; Vardy (Rashford), Sterling. Técnico: Gareth Southgate.
Itália: Donnarumma; Zappacosta, Bonucci, Rugani, De Sciglio; Parolo, Jorginho, Pellegrini (Gagliardini); Candreva (Chiesa), Immobile (Belotti), Insigne. Técnico: Luigi Di Biagio.
Gols: Vardy e Insigne.
Local: Wembley, em Londres, Inglaterra.
Árbitro: Deniz Aytekin (Alemanha).

1 comentário

  • Itália precisa arrumar esse meio-campo. Pelegrini até oferece mais força física, mas a par de Jorginho, Parolo ou Verratti, quase nada acrescenta em velocidade e capacidade de pressão.. E não vejo meias italianos com essa característica.. Allan ou o melhor de Diawara seria o fôlego que esse meio-campo precisa..

Deixe um comentário