Liga dos Campeões

Juventus supera sufoco contra o Tottenham e avança com vitória inédita em Londres

Nas palavras de Galvão Bueno, foi teste para cardíaco, amigo. A Juventus repetiu vários dos mesmos erros da partida de ida contra o Tottenham, mas foi aguerrida o suficiente para superar a equipe inglesa e se classificar para as quartas de final da Liga dos Campeões. A vitória de virada por 2 a 1 em Wembley foi a primeira obtida pela Velha Senhora em Londres em seus 121 anos de história.

Antes de a bola rolar, um momento de emoção. Todo o mítico estádio de Wembley ficou em silêncio para prestar uma homenagem a Astori, capitão da Fiorentina falecido no último domingo. A Juventus foi a primeira equipe da Serie A a entrar em campo desde a morte do zagueiro e conta com nove ex-companheiros do jogador, entre seleção e outros clubes, em seu elenco. Depois do momento de luto, outro tipo de emoção tomou conta do gramado, numa partida eletrizante.

A abordagem proposta por Allegri não deu certo, assim como no empate por 2 a 2 em Turim. Dembelé dominou novamente as ações no meio-campo, contando com a cumplicidade de Matuidi, que não fez uma boa partida. Já Khedira e Pjanic não deram tanta pegada no setor e raramente conseguiram articular jogadas. Na defesa, o treinador optou por lançar Barzagli na lateral direita e proteger mais o lado em que o sul-coreano Son avançava. Embora escalada num 4-3-3, a Juve frequentemente se defendia com uma linha de cinco e se posicionava com três zagueiros. Isso, porém, não foi suficiente: a defesa juventina ficou em constante afã por dois terços da partida.

Son foi o jogador mais importante do Tottenham no primeiro tempo. Levou vantagem em quase todas as jogadas em cima de Barzagli, que até se irritou e poderia ter recebido uma rigorosa sanção do árbitro Szymon Marciniak. Kane teve duas boas oportunidades de abrir o placar, mas Son levou mais perigo de cabeça e com um chute cruzado, após avançar com velocidade na área.

Do anonimato à decisão: Dybala apareceu para decidir (Getty)

Aos 39, finalmente saiu o gol do asiático: em uma jogada que começou pelo meio, Eriksen tinha a opção de abrir o jogo nas duas pontas, debilmente marcadas pela Juventus. A bola acabou ficando com Trippier, que teve o cruzamento desviado o suficiente para confundir a defesa italiana. Na sobra, Son chutou mal, mas contou com o efeito para enganar Chiellini e Buffon e mesmo assim abriu o placar.

A superioridade do Tottenham foi tamanha que a Juventus nem pode reclamar muito do pênalti não marcado de Vertonghen sobre Douglas Costa. Afinal, o Tottenham poderia ter feito mais gols e, se a equipe não corrigisse sua postura e Dybala e Higuaín não entrassem no jogo, a eliminação seria certa. A volta do intervalo, no entanto, não foi nada animadora para a Juve, que continuou sofrendo com a pressão dos Spurs. Ao menos o time da casa não ameaçava com a mesma intensidade.

O caminhar da partida só ficou positivo para a Juventus quando Allegri abriu mão da sua ideia inicial e sacou Matuidi e Benatia para lançar Asamoah e Lichtsteiner, finalmente dando presença para a Juventus no flanco ofensivo direito. Três minutos após sua entrada, o lateral suíço participou do gol de empate, avançando com velocidade para cima de Davies e cruzando para Khedira ajeitar para Higuaín, sozinho, tirar de Lloris e completar para as redes.

Pipita foi decisivo menos de três minutos depois. O centroavante recuou para receber um passe vertical no círculo de meio-campo e, com isso, levou junto seu marcador. Dybala aproveitou o espaço para se infiltrar e receber uma primorosa assistência do compatriota. O camisa 10 ganhou facilmente de Vertonghen na velocidade e finalizou no ângulo. Com o placar, a Juventus finalmente estava confortável: se sofresse mais um gol, teria a prorrogação pela frente.

O 2 a 1 assustou o Tottenham, que só no abafa, nos minutos finais, voltou a levar (muito) perigo ao gol defendido por Buffon. Primeiro, Chiellini impediu que Kane pudesse finalizar da pequena área, com um carrinho salvador. Son voltou a aparecer com um chute muito perigoso, que assustou Buffon, mas a melhor oportunidade surgiu em um cabeceio de Kane. O inglês acertou a trave e viu a bola pingar na linha até Barzagli efetuar o corte final.

Com a vitória, a Juventus não garantiu apenas uma vaga para as quartas de final da Liga dos Campeões: também ampliou duas séries de invencibilidade. Na temporada, chegou ao 15º jogo sem derrotas, enquanto somou a oitava partida seguida sem perder contra equipes da Inglaterra (quatro vitórias e quatro empates). Além de conseguir sua primeira vitória em Londres, a Velha Senhora também infligiu ao Tottenham a sua primeira derrota em oito jogos como mandante contra equipes do Belpaese. Também derrubou uma invencibilidade de 16 jogos da equipe de Mauricio Pochettino em Wembley. Nada mal para quem teve os piores 60 minutos de futebol da temporada neste mesmo dia.

Deixe um comentário