Serie A

30ª rodada: Páscoa em preto e branco

Após a pausa para a data Fifa, o Campeonato Italiano voltou com todo o gás. Foram 32 gols em uma rodada realizada totalmente no sábado, devido às comemorações pela Páscoa. Embora Inter, Lazio e Torino tenham aplicado chocolates neste final de semana, a equipe que celebrou mais foi a Juventus: além de vencer o rival Milan, a equipe de Turim ainda contou com o tropeço do Napoli para abrir vantagem na liderança da Serie A. Confira o resumo da rodada.

Juventus 3-1 Milan
Dybala, Cuadrado (Khedira) e Khedira (Dybala) | Bonucci (Çalhanoglu)

Tops: Dybala e Khedira (Juventus) | Flops: Biglia e Bonaventura (Milan)

O Milan esteve muito próximo de conquistar o Allianz Stadium, mas a Juventus hexacampeã – e rumo ao sétimo scudetto – não permite vacilos, principalmente na sua casa e em jogos grandes. O time de Allegri não fazia boa partida contra os comandados de Gattuso, que eram mais agressivos e perigosos no ataque, mas as substituições do treinador tiveram resultado no segundo tempo e a equipe rapidamente construiu um resultado positivo. Com a sétima vitória em sete jogos contra o Milan no Allianz Stadium, a Juve se recuperou do tropeço contra a Spal e aproveitou o empate do Napoli mais cedo para voltar a aumentar a vantagem na primeira posição: agora são quatro pontos.

A partida começou como terminou, com gol da Juventus. Aos oito minutos, com os anfitriões postados no ataque, Pjanic passou para Dybala, que estava completamente sozinho nas costas de Biglia, próximo da meia-lua. Assim, o camisa 10 não teve dificuldades para girar e acertar seu chute característico de fora da área no canto do gol. Contudo, os visitantes cresceram a partir do gol sofrido e passaram a criar as principais oportunidades, especialmente com Çalhanoglu. Titular de surpresa, André Silva também teve boa participação e ainda reclamou de dois pênaltis. Mas coube a um ex-juventino empatar e acabar com a longa série de jogos sem levar gols da Velha Senhora.

No escanteio de Çalhanoglu, Bonucci apareceu de trás e superou os antigos companheiros de zaga Barzagli e Chiellini com facilidade. O capitão rossonero, que vinha sendo vaiado pelos juventinos, também não teve problemas para extravasar e fazer sua habitual comemoração na velha casa. O tento acabou com a chance de a Velha Senhora estabelecer o recorde de minutos sem levar gols: a sequência foi encerrada no minuto 959, apenas 15 atrás da marca da própria Juventus de dois anos atrás, da qual o próprio Bonucci havia sido protagonista. Com o empate ainda no primeiro tempo, o Milan seguiu melhor na partida e a principal chance da virada veio no início da etapa final, quando Çalhanoglu acertou o travessão e Suso teve chute defendido por Buffon.

Com as entradas de Douglas Costa e Cuadrado, a Juventus reagiu e recuperou a superioridade na partida, especialmente por causa do brasileiro. Foi em uma jogada do camisa 11 que saiu o gol da vitória, que veio em um cruzamento da esquerda de Khedira para Cuadrado cabecear do outro lado da área, livre na segunda trave. O colombiano retornou aos gramados depois de três meses lesionado e mostrou que, apesar da falta de ritmo de jogo, segue muito decisivo. Sumido na partida até então, Khedira tornou a aparecer para marcar o gol definitivo da 25ª vitória juventina no campeonato. Para o Milan o foco agora é o Derby della Madonnina, que acontece na quarta-feira: contra a Inter terá mais uma chance (talvez a última) de se aproximar do G4.

Sassuolo 1-1 Napoli
Politano | Insigne (Mário Rui)

Tops: Politano (Sassuolo) e Callejón (Napoli) | Flops: Mertens e Albiol (Napoli)

O cenário se repete a cada ano. O Napoli passa boa parte do campeonato brigando contra a Juventus, às vezes até mesmo é superior – como vinha sendo nesta temporada –, mas eventualmente começa a tropeçar e perde o fôlego. O time de Sarri largou a liderança depois da derrota em casa para a Roma, então empatou com a Inter, conseguiu diminuir a diferença para um ponto antes da data Fifa, mas voltou a vacilar em um campo em que realmente não costuma ir bem: a última vitória fora de casa contra o Sassuolo aconteceu em 2014. Agora a desvantagem voltou para quatro pontos, e restando apenas oito rodadas, os partenopei precisam vencer o confronto direto daqui a três semanas e ainda secar a rival, que está em uma série de 17 partidas sem perder.

Um dos últimos problemas da equipe napolitana tem sido a conclusão das jogadas, e isso tem custado pontos importantes. Apesar de seguir com grande volume de jogo e domínio nas partidas, os gols têm sido cada vez mais raros. Contra o Sassuolo, mais uma vez o cenário se repetiu: Callejón e Insigne perderam grandes oportunidades antes de Politano, objetivo de mercado dos napolitanos no último inverno, abrir o placar após Peluso acertar o travessão. Apesar da pressão e da mudança de sistema, com a entrada de Milik no lugar de Jorginho, as coisas continuaram difíceis para o time de Sarri, que só conseguiu o empate aos 80 minutos, depois de um enrosco entre Callejón e o brasileiro Rogério. O drama foi ainda pior, porque menos de dois minutos depois, Milik acertou a trave. Candidato a três títulos em 2017-18, o Napoli de Sarri já caiu em duas competições, está numa situação difícil na restante e pode ficar de mãos abanando.

Tropeços vão deixando o Napoli mais distante do scudetto (LaPresse)

Bologna 1-1 Roma
Pulgar (Di Francesco) | Dzeko (Perotti)

Tops: Pulgar e Verdi (Bologna) | Flops: Schick e El Shaarawy (Roma)

Em boa sequência depois da derrota para o Milan há um mês, a Roma conseguiu abrir vantagem na terceira posição, mas o tropeço contra o Bologna saiu caro para o time de Di Francesco. Com o Derby della Madonnina pela frente, a Inter tem um jogo a menos e dois pontos de desvantagem, enquanto a rival Lazio também diminuiu a diferença, que agora é de três pontos. O tropeço foi mais sentido por tudo que aconteceu durante a partida que abriu a rodada de Páscoa, e o mais doloroso para os romanistas é que o empate veio em um campo em que eles tradicionalmente saem vitoriosos.

O gol de Pulgar, marcado aos 18 minutos após uma assistência do filho do treinador romanista, foi irregular: Poli tocou na bola com a mão antes de passar para Federico. No lance anterior, Nainggolan saiu lesionado para a entrada de Gerson, que, como boa parte da equipe giallorossa, não teve grandes momentos na Emília-Romanha. Schick acertou o gol três vezes, mas em nenhum momento representou um grande perigo para os anfitriões, enquanto Strootman perdeu gol inacreditável ainda no primeiro tempo. Dzeko, que marcou o empate aos 75 depois de grande jogada de Perotti, também deixou a desejar nos pouco mais de 30 minutos em campo. O lance do gol foi sua única oportunidade no jogo.

Inter 3-0 Verona
Icardi (Perisic), Perisic (Brozovic) e Icardi (Perisic)

Tops: Icardi e Perisic (Inter) | Flops: Ferrari e Vukovic (Verona)

Icardi voltou, e com ele as vitórias também. Ausente por mais de um mês por causa de uma lesão, o centroavante retornou aos gramados com quatro gols sobre a Sampdoria antes da data Fifa e novamente foi protagonista, abrindo e fechando o placar de uma vitória fácil da Inter sobre o Verona. Sem sofrer gols há quatro jogos, a equipe nerazzurra conseguiu recuperar o bom futebol do começo da temporada e chega no Derby della Madonnina empolgada, com dois pontos e um jogo a menos que a Roma. A Inter também vai embalada pelas boas atuações de Gagliardini, Brozovic, Perisic e Candreva, algo que parecia impossível um mês atrás.

O caminho para os três pontos começou a ser construído com menos de um minuto de jogo, quando Icardi foi lançado por Perisic em cobrança de lateral e, facilitado pelo espaço generoso cedido pela defesa visitante, não teve problemas para tocar na saída de Nícolas. Os buracos na defesa veronesa continuaram durante toda a partida e, com menos de 15 minutos, Perisic foi lançado por Brozovic e superou Ferrari com facilidade para ampliar a vantagem. Com a vitória assegurada tão cedo, os anfitriões controlaram o jogo e não perderam a fome pelo gol. Pouco depois da volta do intervalo, Perisic aproveitou nova falha de Ferrari e cruzou na segunda trave para Icardi marcar seu 24º gol em 25 partidas no campeonato – o sexto em dois jogos. Este acabou sendo o último gol da tarde, mas apenas porque Gagliardini, Candreva e Éder perderam chances preciosas de transformar a vitória em outra goleada.

Lazio 6-2 Benevento
Immobile (Felipe Anderson), Caicedo (Luis Alberto), De Vrij (Luis Alberto), Immobile, Lucas Leiva e Luis Alberto (pênalti) | Cataldi e Guilherme (Lombardi)

Tops: Luis Alberto e Immobile (Lazio) | Flops: Puggioni e Costa (Benevento)

Depois do 5 a 1 do primeiro turno, o melhor ataque do campeonato sapecou mais uma vez o lanterna, que tem a pior defesa. Apesar disso, o placar não condiz exatamente com o desenrolar do jogo no Olímpico. Até o minuto 60, a Lazio na verdade perdia para o Benevento, que jogava com um a menos desde os 7, quando o goleiro Puggioni foi expulso. Em apenas 20 minutos a derrota se transformou em goleada a favor dos donos da casa, que conseguiram uma importante vitória após três rodadas sem vencer e diminuíram a desvantagem na briga pela vaga na Liga dos Campeões.

Após a expulsão de Puggioni por um toque de mão fora da área, logo no início da partida, os anfitriões precisaram de pouco mais de dez minutos para abrir o placar: Immobile guardou, após passe de Felipe Anderson. Os visitantes rapidamente empataram em cobrança de falta de Cataldi, jogador que tem no currículo o status de capitão mais jovem da história da Lazio. No ano passado, o meia teve problemas com a torcida e diretoria, que levaram aos empréstimos para Genoa e Benevento. Para piorar, outro jovem laziale emprestado participou da virada no início da etapa final: Lombardi fez jogada em profundidade pela direita e tocou para Guilherme virar.

Mas enfim Luis Alberto entrou no jogo. Na verdade, o espanhol já estava em campo, porém pouco produziu até a grande assistência para o empate de Caicedo, que entrou depois do intervalo. Seis minutos depois veio novo passe para o gol da virada, assinado por De Vrij – na quinta finalização, anotou seu quinto no campeonato. Em resposta a Icardi, que naquela altura já tinha registrado sua doppietta, Immobile voltou às redes para defender a artilharia e marcar o 26º gol em 27 partidas no campeonato, finalmente assegurando a vitória em casa. Vitória que virou goleada nos últimos minutos, quando Lucas Leiva acertou grande chute de fora da área para marcar o quinto e Luis Alberto fechou o placar em cobrança de pênalti.

Atalanta 2-0 Udinese
Petagna (Gómez) e Masiello

Tops: Gómez e Masiello (Atalanta) | Flop: Jankto e Larsen (Udinese)

A Atalanta não largou o osso. Depois das eliminações frustantes na Liga Europa e na Coppa Italia, o time de Gasperini ainda tem a possibilidade de fechar a temporada com uma boa posição no Campeonato Italiano: com a vitória sobre a Udinese, a equipe nerazzurra voltou a se aproximar da zona europeia e agora está apenas três pontos atrás do Milan. Como a final da copa acontece entre o Diavolo e a Juventus, talvez sobre uma vaga europeia para o sétimo colocado da Serie A.

A partida em casa foi dura, apesar da superioridade dos anfitriões, que conseguiram a vitória somente na segunda metade da etapa final, sempre com Papu Gómez. Em jogada do argentino saiu o primeiro gol, marcado por Petagna aos 68, assim como o segundo, de Masiello, aos 74, depois de escanteio do camisa 10 e capitão nerazzurro. Foi a primeira vitória dos atalantinos sobre a Udinese desde setembro de 2013. O resultado também marcou a maior sequência de derrotas da história da equipe de Údine: o time de Oddo chegou a seis tropeços consecutivos, como havia acontecido duas vezes em 1962-63.

Com Icardi em grande forma, Inter volta a brigar pela terceira posição (Ansa)

Chievo 2-1 Sampdoria
Castro (Giaccherini) e Hetemaj | Quagliarella (pênalti)

Tops: Castro e Sorrentino (Chievo) | Flops: Silvestre e Viviano (Sampdoria)

Segue o drama da Sampdoria. Uma das equipes mais interessantes do campeonato, a Samp de Giampaolo entrou em má fase desde a virada do ano e tem colecionado momentos irregulares. No mais recente, já foi derrotada em três das últimas quatro partidas e perdeu duas posições na tabela. A classificação para a Liga Europa está bastante ameaçada por causa da queda de rendimento, aliada ao crescimento de Milan, Atalanta e Fiorentina.

Os visitantes até saíram na frente do placar, com gol de Quagliarella em cobrança de pênalti, mas falharam no controle do jogo contra os ataques dos anfitriões e novamente sucumbiram: a Samp já desperdiçou 20 pontos após estar em vantagem, número superior ao de qualquer adversário no campeonato. Na segunda etapa, o Chievo foi eficiente e contou com falhas dos adversários para manter o bom retrospecto recente contra a Sampdoria e ganhar fôlego na briga contra o descenso. Aos 62 minutos, Giaccherini fez grande jogada e cruzou na segunda trave, onde Castro se antecipou a todos para empatar. A vitória veio aos 79, quando Hetemaj tentou cruzar para Inglese, mas a bola acabou passando direto pelo centroavante e enganou Viviano.

Fiorentina 2-0 Crotone
Simeone e Chiesa (Saponara)

Tops: Saponara e Chiesa (Fiorentina) | Flops: Capuano e Mandragora (Crotone)

A vida é muito estranha. A Fiorentina fazia temporada irregular e perdeu seu capitão há um mês. O que poderia ser um golpe duro nas aspirações da equipe se transformou em combustível: depois disso o grupo reagiu de forma extraordinária em campo e agora os viola voltaram a sonhar com uma vaga na Liga Europa. São apenas três pontos de distância para a sétima posição, que pode ser suficiente para a classificação ao torneio.

A arrancada começou quando o time de Pioli emendo uma sequência de vitórias: agora são quatro, graças a mais uma grande exibição de Saponara, que tem sido decisivo na criação de jogadas. Um dos jogadores mais próximos a Astori no elenco, o meia-atacante caiu de rendimento nos últimos dois anos, mas tem liderado a reação da equipe, que também contou com o retorno às redes de Simeone após oito partidas sem marcar. O segundo gol, que confirmou a vitória contra o Crotone, veio em tabela entre Saponara e Chiesa, que finalizou muito bem.

Cagliari 0-4 Torino
Falque, Ljajic (Falque), Ansaldi e Obi (Belotti)

Tops: Ljajic e Falque (Torino) | Flops: Cragno e Padoin (Cagliari)

Depois de quatro derrotas seguidas ao começo promissor, Mazzarri aproveitou a data Fifa para treinar o Torino pela primeira vez em um 3-5-2. A primeira experiência do treinador com seu estimado esquema teve frutos: o resultado engana um pouco e aponta para uma superioridade que não existiu, mas de forma geral o time visitante buscou mais o gol. A goleada foi construída só na reta final da partida, quando a entrada de Ljajic deu fôlego ao Toro.

O primeiro saiu somente aos 61 minutos, depois de jogada de Belotti que sobrou para Falque ampliar sua artilharia pelo time. Autor de 10 gols e melhor jogador da equipe na temporada, o espanhol também criou o segundo, marcado por Ljajic quatro minutos depois. Ex-interistas, como o treinador e o meia-atacante sérvio, Ansaldi e Obi transformaram a vitória em goleada. Belotti, por sua vez, participou de dois gols, mas novamente não conseguiu marcar o seu: até agora só anotou seis no campeonato, número muito distante dos 26 do ano passado e até mesmo dos 12 da primeira temporada no Torino.

Genoa 1-1 Spal
Lapadula (pênalti) | Lazzari (Schiattarella)

Tops: Bertolacci (Genoa) e Lazzari (Spal) | Flops: Lazovic (Genoa) e Vicari (Spal)

A saga da Spal em busca da salvezza ganha um capítulo incrível a cada resultado fundamental para o time de Semplici. No Marassi, os visitantes foram bastante prejudicados pela arbitragem de Piero Giacomelli, que marcou pênalti inexistente em Lapadula e ainda expulsou Vicari no lance, deixando a equipe com um jogador a menos por mais de 60 minutos.

Mesmo assim, os spallini conseguiram um empate heroico fora de casa, contando com grande gol de Lazzari, defesa de um pênalti por parte de Meret e a atuação concentrada da equipe, que permitiu muito pouco para os anfitriões e foram até mais perigosos no ataque. O Genoa, que está perto de confirmar sua permanência na elite, precisou de outra penalidade para empatar. Lapadula, que perdeu o primeiro, se redimiu.

*Os nomes entre parênteses após os autores dos gols se referem aos responsáveis pelas assistências

Seleção da rodada
Sorrentino (Chievo); Lazzari (Spal), Acerbi (Sassuolo), Masiello (Atalanta), Ansaldi (Torino); Khedira (Juventus), Saponara (Fiorentina), Luis Alberto (Lazio); Immobile (Lazio), Icardi (Inter), Perisic (Inter). Técnico: Massimiliano Allegri (Juventus).

Deixe um comentário