Outros torneios

Com virtual vencedor, Serie B vai chegando à sua definição

A cinco rodadas do final da temporada regular, a Serie B começou a afunilar. Três meses depois da última revisão do campeonato no site, logo no começo do segundo turno, muita coisa mudou na competição mais imprevisível do futebol italiano. Palermo e Frosinone eram os grandes favoritos no início do ano, mais pela condição financeira do que pelo elenco em si, mas perderam a liderança definitivamente em março: agora o Empoli precisa de apenas uma vitória para garantir o bicampeonato da segunda divisão e o retorno imediato à elite.

A equipe azzurra trocou de treinador na 20ª rodada e disparou depois que demitiu Vincenzo Vivarini e efetivou Aurelio Andreazzoli. Sob o comando do ex-auxiliar da Roma (que chegou a assumir a equipe principal giallorossa interinamente, em 2013), o Empoli está invicto há 23 rodadas e prestes a garantir o bicampeonato da segundona depois de 13 anos.

Líder desde a 27ª rodada, o time da Toscana também tem os dois principais goleadores e o melhor ataque do campeonato. Francesco Caputo (24 gols) e Alfredo Donnarumma (20) são os principais nomes de um elenco que foi às redes 82 vezes e tem mais cinco jogos para superar o recorde do Pescara de Zdenek Zeman – atual detentor do recorde de maior número de gols em uma única temporada da Serie B; 90 em 2011-12.

Por sua vez, em meio ao caos financeiro e institucional da gestão de Maurizio Zamparini, o Palermo perdeu fôlego e tem apenas a sétima melhor campanha do returno, com 24 pontos conquistados. Nesta semana, o treinador Bruno Tedino pediu a contratação de Adriano Bacconi, ex-colaborador técnico de Roberto Mancini e Marcello Lippi, e foi prontamente atendido pelo presidente rosanero. Zamparini, no entanto, não perdeu a chance de pressionar o comandante pela vaga para a Serie A e destacou “que faria de tudo para que Tedino assegurasse o acesso”.

O Frosinone, que aproveitou a passagem na elite para melhorar sua estrutura e hoje é a segunda equipe mais valiosa da segunda divisão, também não está muito diferente do Palermo. Se na primeira parte da temporada os canarinhos tinham um dos melhores ataques do campeonato, a falta de gols é justamente o maior problema para a inconsistência do time de Moreno Longo. Daniel Ciofani era um dos principais marcadores do campeonato há 15 rodadas, com 10 tentos, mas fez apenas três gols desde então. Para piorar, o centroavante (que é um dos líderes do grupo) se machucou no início do mês e não joga mais na temporada.

Enquanto Palermo e Frosinone decaíram, o Parma só cresceu nos últimos meses. A equipe crociata estava com problemas para ganhar as partidas em dezembro, mas desde o final de fevereiro acumulou oito vitórias em dez partidas. O time parmense é o vice-líder do campeonato, empatado em pontos com o Palermo, mas leva vantagem no confronto direto graças à vitória por 3 a 2 no último dia 2, com direito a uma tripletta do veterano Emanuele Calaiò.

Calaiò celebra seus gols contra o Palermo (Calcioweb)

O Parma, que foi refundado em 2015, pode ser mais um protagonista de uma tendência recente da Serie B: equipes que saíram da terceira divisão e subiram para a elite na temporada seguinte. Foi assim com Spal e Benevento em 2017 e Frosinone em 2015, sem esquecer dos novatos Crotone (2016), Carpi (2015) e Sassuolo (2013) – além do Verona de 2013, que tinha batido na trave no ano anterior, após ter subido duas divisões. Se garantir a vaga na elite, no entanto, o Parma será a primeira equipe a chegar à primeira divisão após obter três acessos consecutivos dentro de campo.

Um pouco mais distantes da briga pela segunda posição, que dá acesso direto à Serie A, mas firmes na zona de classificação para o play-off, encontram-se Venezia, Bari e Perugia: as três equipes estão empatadas com cinco pontos atrás do Frosinone. Enquanto os biancorossi, treinados por Fabio Grosso, caíram de rendimento no returno depois de chegarem a liderar o campeonato na 16ª rodada, Venezia e Perugia despontaram.

O time de Filippo Inzaghi segue irregular, como no ano inteiro, mas teve um crescimento importante na reta final e voltou para a briga, já os biancorossi da Úmbria têm a segunda melhor campanha do returno com 36 pontos, atrás somente do virtual campeão Empoli. Apesar disso, o Perugia acabou derrotado no clássico local do último fim de semana, para a Ternana: abriu 2 a 0 com dois gols de Samuel Di Carmine, mas levou a virada e perdeu por 3 a 2, com uma doppietta de Adriano Montalto. Os dois dividem a vice-liderança da tábua de artilheiros, ao lado do já citado Donnarumma.

Falando ainda sobre a zona de classificação para o play-off, destaque para as quedas de Cittadella e Cremonese. Há 15 rodadas, a dupla dividia a quarta posição com o Bari, porém o Citta caiu para a última posição da zona. De qualquer forma, o time da pequena cidade no Vêneto conhecida pelo muro que ainda hoje circunda seu centro histórico, ao menos segue na briga por um lugar na elite – que seria inédito.

A situação do clube de Cremona é bem diferente. Com a pior campanha do returno com apenas 11 pontos, os grigiorossi demitiram Attilio Tesser e contrataram Andrea Mandorlini, ex-Verona, para se distanciar de outra zona, a do play-out. A equipe não vence há 15 partidas e atualmente ocupa a 14ª posição, com 43 pontos – três de vantagem para Avellino, Virtus Entella e Novara. O último citado é o primeiro na zona que decidirá através de um mata-mata o quarto clube que se unirá aos três últimos, rebaixados diretamente para a terceirona. Se o destino da lanterna Pro Vercelli parece definido, com 34 pontos, Ascoli (39), Cesena (39) e Ternana (37) terão mais cinco rodadas para tentar fugir da Serie C.

1 comentário

  • A tabela da tablesleague.com tá mostrando os 3 últimos fora de ordem – Verona, Benevento e SPAL ao invés de SPAL, Verona e Benevento. Não sei se alguém já tinha visto isso antes…
    No mais, parabéns pelo qualidade do trabalho de vocês – o melhor sobre futebol italiano (desde o Quattro Tratti) e um dos melhores sobre futebol internacional.

Deixe um comentário