Liga dos Campeões

Liverpool x Roma: o que os giallorossi podem esperar do time inglês?

As semifinais da Uefa Champions League começam nessa semana com dois grandes jogos. Falaremos hoje do confronto Liverpool x Roma, dois clubes de tradição que buscam uma vaga na grande final. O pessoal do Premier League Brasil convidou a Calciopédia para falar da Roma e também fez a sua análise sobre os Reds. Saiba o que os torcedores romanistas podem esperar do time inglês.

***

Por Rafael Brayan

Ponto forte: Postura agressiva com muita pressão e extrema velocidade

Ponto fraco: Defesa frágil

Esquema: 4-3-3

A maior arma dos Reds para conseguir o seu sexto título da Liga dos Campeões está na linha de frente do time. O trio de ataque é responsável por 45 dos 78 gols do Liverpool na Premier League 2017-18 – eles têm mais gols do que a Roma pelo Campeonato Italiano.

Salah, Mané e Firmino são as esperanças dos ingleses. Marcaram, aproximadamente, 70% dos gols da equipe nesta edição do campeonato europeu, deixando o Liverpool como o time com o melhor ataque da competição – são 33 gols ao todo.

Mohamed Salah é conhecido dos italianos. Ele chegou ao Liverpool nesta temporada, após dois anos jogando pela Roma. Antes disso, atuou pela Fiorentina.

O egípcio briga com Messi e Cristiano Ronaldo na busca do título de artilheiro da Europa. Com 30 gols, é, disparadamente, o maior goleador do campeonato nacional.

Sadio Mané é excelente. Pouco comentado pela imprensa, o senegalês é rápido, habilidoso e finaliza muito bem de longe. É dono de sete gols na competição.

Atuando como um falso 9, Roberto Firmino é fantástico. O camisa 9 do Liverpool começou sua carreira como um meia armador. Assim, aproveita suas qualidades de 10 para auxiliar seus companheiros.

Com e sem a bola, o brasileiro ajuda muito a equipe. Ele é inteligente, móvel e consegue encontrar e aproveitar todos os espaços deixados pelo adversário. Ele costuma puxar a marcação ou jogar entres as linhas dos defensores, sendo considerado o atacante “faz-tudo”.

Firmino, assim como todo o time, pressiona muito o portador da bola e os possíveis recebedores dela. É aí que entra a mão do excêntrico comandante do time.

Os jogadores marcam intensamente. Quando perdem a bola, eles fazem, imediatamente, muita pressão no jogador do outro time. Essa é uma característica marcante das equipes de Jürgen Klopp.

O gegenpressing necessita do time muito foco e determinação, e isso o time do Liverpool tem. Os jogadores devem ser obedientes e sempre estarem dispostos a correr, além de serem inteligentes taticamente.

Os passes em profundidade geram diversas chances de gol à equipe inglesa. Jordan Henderson, capitão do time, Emre Can e James Milner, líder em assistências da competição, são excelentes passadores, e podem deixar o trio de ataque na cara do gol contra a Roma.

Oxlade-Chamberlain é intenso na marcação e mais um rápido jogador do elenco. Ele, que entrou no lugar de Coutinho, conduz muito bem a bola, fazendo a transição ofensiva da equipe de Liverpool.

Em geral, quando tem a bola, os laterais geram amplitude no último terço do campo. Firmino puxa a marcação, enquanto Salah e Mané infiltram.

O problema do time está na defesa. Apesar da contratação de Van Djik ter dado muito certo, o time continua sofrendo. No segundo jogo contra o Manchester City, Karius e o quarteto defensivo da equipe viram muitas bolas passarem perto do seu gol, quando não eram defendidas pelo goleiro alemão.

Alexander-Arnold e Robertson, na transição ofensiva, avançam muito pelo lado de campo – às vezes, no último terço do campo eles até buscam mais o centro. Com tantos jogadores na frente, os defensores ficam muito expostos. O time não tem um volante destruidor de jogadas, então os dois zagueiros têm que enfrentar os ataques adversários.

Em geral, quando tem a bola, os laterais geram amplitude no último terço do campo. Firmino puxa a marcação, enquanto Salah e Mané centralizam e os meias interiores procuram passar a bola em profundidade para o trio que vem encantando o mundo do futebol.

Sem a bola, logo quando a perde, marca intensamente. Após uma pressão alta, se o adversário conseguir sair, terá campo para correr. Com laterais muito na frente, as suas costas ficam livres. Este pode ser o caminho para a Roma, na terça-feira.

A atmosfera de Anfield é uma forte aliada do Liverpool. Em casa, o time não perdeu nenhum jogo nesta temporada. A torcida promete apoiar a equipe em busca do tão sonhado sexto título da Liga dos Campeões. Como prova disso, eles dizem que o Liverpool “nunca andará sozinho”.

Deixe um comentário