Liga dos Campeões

Opostos na Champions: Juve tropeça no Manchester United e Roma triunfa em Moscou

Se a terça foi movimentada, a quarta de Champions League também não deixou a desejar. No primeiro horário de jogos do dia, a Roma conseguiu uma importante vitória por 2 a 1 contra o CSKA Moscou, na Rússia, e encaminhou sua classificação às oitavas. Na sequência, Cristiano Ronaldo desencantou, mas não foi o bastante para evitar um enorme tropeço da Juventus em casa, pelo mesmo placar dos romanistas, frente ao Manchester United. A virada impediu que os bianconeri garantissem passagem à próxima fase com antecedência.

Tudo o que a Velha Senhora precisava contra o Manchester United era de um empate para se garantir na próxima fase, mas a virada sofrida no final surpreendeu a todos e estragou a festa no lotado Allianz Stadium. Até então invicta no seu grupo e mais do que tranquila na liderança da Serie A, a Juventus sentiu o gosto da derrota pela primeira vez na temporada – e de forma trágica, uma vez que vencia até o minuto 85. No entanto, ao melhor estilo “Fergie Time”, a equipe de José Mourinho se recuperou e arrancou o resultado em menos de cinco minutos.

A derrota não afetou a posição dos bianconeri no seu grupo, mas encerrou uma sequência de nove jogos de invencibilidade para ingleses e deu aos Red Devils o status de maior carrasco bianconero em competições europeias: é o único time que venceu a Juve pelo menos três vezes em Turim. A queda também significou a segunda derrota de Allegri nos 27 últimos jogos caseiros de Champions League.

O tropeço acabou sendo o retrato de uma postura afobada e nervosa dos anfitriões no primeiro tempo, período em que a Juventus produziu diversas oportunidades e foi pouco efetiva. O goleiro De Gea fez somente uma grande intervenção e, no mais, apenas observou a imprecisão dos adversários para finalizar suas jogadas. De qualquer forma, os visitantes também não conseguiram responder e foram acuados em seu campo. O empate já era considerado bom negócio para os Red Devils.

Depois de duas bolas na trave, com Khedira e Dybala, a Velha Senhora chegou ao gol somente aos 65 minutos, contando com uma invenção de Bonucci e Cristiano. Ao seu estilo, o zagueiro avançou até o meio do campo e lançou ótima bola nas costas da defesa mancuniana. Mesmo com um espaço mínimo, o atacante português acertou um chute ainda mais espetacular, sem deixar a bola cair, para abrir o placar e marcar seu primeiro gol com a camisa bianconera na Liga dos Campeões.

Com a vantagem e os virtuais 12 pontos, a Juventus precisava apenas segurar o resultado, mas acabou recuando demasiadamente no final. Ainda teve uma chance clara de matar o jogo, com Cuadrado, mas o colombiano finalizou por cima do gol, mesmo em ótima posição. Três minutos depois da mudança para o 3-5-2, com a entrada de Barzagli no lugar de De Sciglio, uma falta de Matuidi na intermediária se mostrou fatal.

Na cobrança, Mata acertou em cheio o gol de Szczesny, que apenas olhou a bola entrar. Com direito a Fellaini como centroavante, os ingleses partiram para o abafa e em outra bola parada chegaram à virada, dessa vez de forma rocambolesca. Szczesny espalmou para frente e a bola ricocheteou em Bonucci, Pogba e Alex Sandro – a Uefa confirmou o gol contra para o zagueiro italiano. No fim das contas, Mourinho deixou o estádio provocando a torcida bianconera, sua rival de longa data.

A derrota, de qualquer forma, não muda muito a vida dos juventinos no Grupo H e, a rigor, apenas adia sua classificação. Isso, claro, desde que não tropece de novo em casa, dessa vez contra o Valencia, que receberá na próxima rodada. A Velha Senhora, com 9 pontos, continua precisando novamente de apenas um empate para se garantir nas oitavas de final e ainda irá à Suíça enfrentar o eliminado Young Boys. Manchester United (7) e Valencia (5) brigam pela vaga restante.

Por sua vez, a Roma fez o que precisava fazer em Moscou: vencer. Eusebio Di Francesco vinha pressionado pela posição ruim na tabela na Serie A, competição em que sua equipe ocupa apenas a nona posição – cinco pontos atrás do Milan –, mas manteve a sequência positiva na Liga dos Campeões e fez da Loba apenas o segundo clube italiano a vencer na Rússia – até então, só a Inter havia conquistado triunfos no país. No torneio continental, o time conquistou a terceira vitória consecutiva e, dividindo a liderança do Grupo G com o Real Madrid, praticamente encaminhou sua classificação para as oitavas de final.

Para isso, contudo, suou bastante no gelado outono russo, já que o jovem time de Viktor Goncharenko deu bastante trabalho para os visitantes. A Roma contou com uma pitada de sorte, já que no gol adversário estava o folclórico Akinfeev, e conseguiu abrir o placar logo cedo. No quarto minuto de jogo, após escanteio cobrado por Pellegrini, Manolas antecipou o goleiro e marcou seu segundo gol na temporada.

Erro de Akinfeev no início abriu as portas para a vitória da Roma (Reuters)

A vantagem precoce deixou os giallorossi mais tranquilos. Nessa toada, os romanistas viram os anfitriões tomarem conta do jogo, pressionando forte a saída de bola e exibindo ótimo repertório técnico com os garotos Oblyakov, Akhmetov, Vlasic, Sigurdsson e Chalov. A jovem turma obrigou Olsen a trabalhar com alguma frequência em toda a peleja. Sem saída, os italianos não conseguiram evoluir seu jogo com Kolarov, Pellegrini e Dzeko, que compunham o principal grupo de ataque do time.

Depois de muita insistência, o empate russo saiu pouco depois da volta do intervalo. O islandês Sigurdsson aproveitou grande jogada de Akhmetov para deixar tudo igual no estádio Luzhniki. O que o atacante não contava era com a precipitação do seu compatriota Magnússon, ex-Juventus, que recebeu o segundo amarelo após parar Kluivert em contra-ataque e acabou expulso. Esse lance, inclusive, foi um dos poucos em que os visitantes conseguiram encaixar uma de suas jogadas: nele, o jovem holandês combinou com o pivô de Dzeko, bastante acionado pelo alto.

Não demorou para que os romanistas aproveitassem a desvantagem numérica dos adversários, que ainda se organizavam defensivamente sem um dos seus zagueiros. Após cruzamento de Kolarov, Cristante errou a finalização e a bola sobrou para Pellegrini, em posição irregular, finalizar por baixo de Akinfeev e marcar o gol da vitória. O camisa 7 romanista, que começou mal a temporada, virou a chave e tem sido fundamental para a equipe há pelo menos um mês.

Mesmo sem deixar boas impressões, mesmo jogando com um a mais, a Roma está virtualmente classificada para a próxima fase. A equipe da Cidade Eterna chegou a 9 pontos, empatada com o Real Madrid, e cinco à frente do CSKA. Portanto, precisa de apenas um empate ou de um tropeço dos moscovitas na próxima rodada para garantir sua vaga nas oitavas. Os romanos receberão os madirlenhos no Olímpico, no final do mês, e fecharão sua participação na República Checa, diante do eliminado Viktoria Plzen.

Deixe um comentário