Serie A

26ª rodada: fim de semana ratifica que o campeonato é um para a Juve e outro para o resto

Se alguém tinha alguma dúvida de que a Juventus faz um campeonato – contra si mesma – e os demais times da Serie A fazem um outro, totalmente diferente, tal incerteza caiu por terra nessa rodada. Afinal, a Velha Senhora bateu o Napoli e abriu uma vantagem de 16 pontos sobre o rival. O oitavo scudetto consecutivo está muito perto, enquanto o restante da tabela segue com indefinições e brigas muito acirradas por vagas europeias e contra o rebaixamento.

O fim de semana foi marcado por homenagens ao zagueiro Astori, falecido subitamente há um ano, antes de um jogo entre Udinese e Fiorentina. Na partida da viola contra a Atalanta, inclusive, houve o mais emocionante dos tributos – com direito a choro copioso de jogadores. A rodada também foi quente, e teve seis expulsões e muita bronca com a arbitragem. Entre os lances polêmicos, podemos citar a não expulsão de Cigarini, os cartões vermelhos a Consigli e Meret e um gol anulado que fez a torcida da Spal sair do estádio.

Napoli 1-2 Juventus
Callejón (Insigne) | Pjanic e Can (Bernardeschi)

Tops: Insigne (Napoli) e Can (Juventus) | Flops: Meret (Napoli) e Cancelo (Juventus)

Em um dos clássicos da rodada, Napoli e Juventus seguiram a tendência dos jogos anteriores e tiveram um duelo bastante quente no San Paolo: o confronto foi marcado por duas expulsões e muitas intervenções do árbitro Rocchi. No final das contas, o time de Allegri saiu com a vitória, ampliou a vantagem na liderança para 16 pontos – diferença que não era registrada desde 2006-07, quando a Inter dominou o campeonato – e igualou o seu recorde de invencibilidade fora de casa (26 partidas).

A história do primeiro tempo passa diretamente pela expulsão de Meret. Quando os anfitriões eram superiores, Malcuit recuou mal a bola para o goleiro, que foi antecipado por Cristiano Ronaldo e acabou fazendo a falta sobre o português, o que ocasionou o vermelho e a entrada de Ospina. Na cobrança da entrada da área, Pjanic abriu o placar em batida perfeita. Na sequência, mais castigo para os azzurri: Zielinski parou na trave e pouco depois Can ampliou, completando cruzamento de Bernardeschi após escanteio curto.

Com um a menos, o time de Ancelotti tinha missão quase impossível, mas Pjanic ajudou ao interceptar um passe com o braço e receber o segundo amarelo. Repostado em um ofensivo 3-4-2, o Napoli pressionou em busca do empate e descontou com Callejón, que completou cruzamento de Insigne. O capitão napolitano, porém, perdeu chance de ouro em cobrança de pênalti errada – curiosamente, os únicos dois pênaltis que perdeu na carreira foram contra a Juventus.

Lazio 3-0 Roma
Caicedo (Correa), Immobile (pênalti) e Cataldi (Milinkovic-Savic)

Tops: Correa e Strakosha (Lazio) | Flops: Fazio e Juan Jesus (Roma)

No outro clássico do final de semana, Lazio e Roma também não economizaram em emoção. Kolarov, ex-laziale em guerra com a torcida romanista, apelou no final do jogo e foi expulso, depois que seus companheiros de defesa não tiveram grande noite. Olsen, Fazio e Juan Jesus foram devorados pelo ataque do time de Inzaghi, que conquistou uma importante vitória para recuperar o moral depois de três dérbis sem vitórias. O triunfo também serviu para encurtar a diferença para a rival e para a zona Champions.

No Olímpico, o time mandante abriu o placar cedo, no primeiro grande papelão da defesa giallorossa, que deixou Correa e Caicedo passarem com facilidade no lance do gol do equatoriano. Os laziali continuaram superiores e tiveram oportunidades para ampliar a vantagem, enquanto seus rivais pararam algumas vezes em Strakosha e em mais uma boa atuação defensiva celeste, depois do empate com o Milan na Coppa Italia.

A vantagem foi ampliada na segunda metade da etapa final, depois da entrada de Immobile, que começou do banco depois de passar por um desconforto estomacal. Em mais uma arrancada, Correa dessa vez foi derrubado por Fazio dentro da área e o artilheiro aproveitou para marcar de pênalti. Já aos 89 minutos, Cataldi completou bela jogada e contou com a falha de Olsen para fazer o terceiro. Na comemoração, a cria da base biancoceleste extravasou e fez as pazes com a torcida, com a qual estava em maus lençóis desde que celebrou um tento quando anotou contra a Lazio com a camisa do Genoa.

Immobile entrou em campo e decretou vitória categórica da Lazio sobre a Roma (Ansa)

Milan 1-0 Sassuolo
Lirola (contra)

Tops: Donnarumma e Romagnoli (Milan) | Flops: Consigli e Lirola (Sassuolo)

Ciente do tropeço da rival Inter, o Milan entrou em campo no San Siro sabendo que precisava vencer para assumir a terceira posição pela primeira vez desde 2012-13. O adversário, porém, era indigesto para o Diavolo, que mesmo assim conquistou os três pontos em outra grande exibição das colunas da quase intransponível defesa de Gattuso em 2019: Donnarumma e Romagnoli, líderes do sistema defensivo que sofreu apenas quatro gols em três meses.

Em uma partida bastante equilibrada, os anfitriões marcaram o único gol da partida ainda no primeiro tempo, quando Lirola fez contra, depois de disputa de bola com Musacchio após cobrança de escanteio. Do outro lado, o neroverde Boga deu trabalho e chegou a balançar as redes, em lance corretamente anulado por sua posição irregular. Já Consigli facilitou a vida dos milanistas ao puxar Piatek e ser expulso na segunda etapa – ainda que haja quem considere que o polonês tenha valorizado o contato, após o goleiro errar no tempo de bola.

Cagliari 2-1 Inter
Perisic (contra) e Pavoletti (Srna) | Martínez (Nainggolan)

Tops: Pavoletti e Cragno (Cagliari) | Flops: Skriniar e Perisic (Inter)

Em meio ao caos causado por Icardi, a Inter parecia ter encontrado paz depois de quatro vitórias seguidas, mas o empate com a Fiorentina voltou a desencadear um clima ruim no clube e quem aproveitou foi o Cagliari. Na primeira vitória de Maran sobre Spalletti, em sete confrontos pela Serie A, os sardos também quebraram um tabu de quatro partidas sem vencer os milaneses e se distanciaram da zona de rebaixamento. Por outro lado, a Beneamata terminou uma rodada atrás do Milan pela primeira vez no campeonato. Em queda livre, a Inter perdeu a terceira posição para o rival, que tem pontuado no mesmo patamar da Juve em 2019.

O time da casa começou pressionando e deixou os visitantes acuados. As duas equipes marcam muitos gols em cruzamentos e jogadas de bola parada e, seguindo esta tendência, os três tentos, todos marcados no primeiro tempo, saíram assim. Primeiro com Perisic fazendo contra após cobrança de falta, depois com Lautaro completando cruzamento de Nainggolan e, por fim Pavoletti, marcando seu quarto gol nas últimas quatro partidas na Sardegna Arena com assistência de Srna. Na segunda etapa, o Cagliari administrou o jogo e contou com boas intervenções de Cragno para garantir o triunfo.

Todo pimpão: Milan vai subindo na tabela com atuações seguras de sua defesa (Getty)

Torino 3-0 Chievo
Belotti, Rincón e Zaza

Tops: Belotti e Zaza (Torino) | Flops: Dioussé e Barba (Chievo)

Em ascensão no campeonato, o Torino colecionou mais alguns recordes nesse domingo ao bater o lanterna Chievo. Invicto há seis rodadas, o time de Mazzarri também chegou a seis partidas seguidas sem sofrer gols, feito que apenas uma vez acontecera na história dos granata na Serie A, em 1985. Atualmente, a equipe piemontesa tem a terceira defesa menos vazada da temporada, juntamente a Inter e Milan. Além disso, pela primeira vez o Toro chegou a 41 pontos depois de 26 rodadas.

O placar, porém, foi enganoso. Embora possa apontar facilidade, os anfitriões conquistaram a vitória sem folga. O time de Turim custou para chegar ao primeiro gol, que só foi anotado por Belotti aos 86 minutos, quando, após tabela com Zaza, marcou seu primeiro gol em 2019. A porteira abriu depois e os outros dois tentos saíram nos acréscimos. O segundo teve a assinatura de Rincón, em outro forte chute de fora da área, e o terceiro foi feito por Zaza. Curiosamente, o carequinha anotou seus dois únicos gols na temporada diante do Chievo.

Atalanta 3-1 Fiorentina
Ilicic (Freuler), Gómez e Gosens (Castagne) | Muriel

Tops: Gómez e Ilicic (Atalanta) | Flops: Laurini e Ceccherini (Fiorentina)

Não satisfeitos com o movimentado jogo no primeiro confronto pela semifinal da Coppa Italia, Atalanta e Fiorentina voltaram a protagonizar outra grande disputa, dessa vez em Bérgamo e com vitória nerazzurra. A grande atuação do time de Gasperini ainda derrubou um tabu de sete anos sem vencer os adversários de Florença, que sofreram sua primeira derrota em 2019 após dez partidas de invencibilidade. O resultado distancia um pouco a viola da acirrada briga por vaga europeia.

A farra dos gols começou com um erro precoce de De Roon, aproveitado por Muriel, que recuperou a bola e driblou Djimsiti antes de abrir o placar logo no segundo minuto. Isso, porém, não atrapalhou os anfitriões, que ainda no primeiro tempo construíram a vitória graças a grande atuação da dupla formada por Ilicic e Gómez. Os dois, aliás, marcaram os gols da virada: o esloveno fez primeiro, depois de uma cobrança de falta que pegou a defesa visitante desarrumada, e o argentino anotou na sequência, protagonizando grande arrancada e finalização certeira. Na etapa final, Gosens fechou o placar, completando grande jogada nerazzurra, num lance de bastante amplitude – a bola circulou de uma linha lateral à outra em curto espaço de tempo.

Lautaro até marca seus gols, mas a Inter não engrena: de fato, a equipe perdeu a terceira posição (Getty)

Spal 1-2 Sampdoria
Kurtic | Quagliarella (Bereszynski) e Quagliarella (Linetty)

Tops: Kurtic (Spal) e Quagliarella (Sampdoria) | Flops: Cionek (Spal) e Audero (Sampdoria)

Com Quagliarella indo às redes, a Sampdoria de fato não perde. Como contra o Cagliari, quando encerrou uma sequência de três rodadas de jejum e derrotas, o veterano atacante marcou sua quarta doppietta no campeonato e garantiu a segunda vitória seguida da equipe, que segue próxima da zona europeia. Além do mais, Fabio já igualou os 19 gols que anotou no último ano, marca que apenas Montella detinha na história do clube genovês. Sem dúvidas, o campano já é um dos maiores atacantes que a Samp já teve.

A doppietta de Quagliarella, aliás, saiu logo cedo, com 10 minutos e auxílio polonês. A primeira assistência foi de Bereszynski, em cruzamento da direita finalizado de voleio; a outra, vinda do lado oposto, foi de Linetty, que encontrou a cabeça do goleador. Os anfitriões chegaram a descontar com Floccari, num lance que teve longa checagem do VAR, uma vez que o sistema acabou apresentando falha técnica. Depois de minutos de espera, o tento acabou sendo corretamente anulado para a revolta dos ultras estensi, que abandonaram o jogo, insatisfeitos com mais uma decisão desfavorável da arbitragem nos últimos dias. Fora das arquibancadas, eles não viram cobrança de falta de Kurtic, que de qualquer forma não evitou a derrota em casa. Até porque, na sequência, Thiago Cionek foi expulso e eliminou qualquer chance de reação.

Empoli 3-3 Parma
Dell’Orco (Diego Farias), Caputo (pênalti) e Bruno Alves (contra) | Gervinho (Siligardi), Rigoni (Bruno Alves) e Bruno Alves

Tops: Diego Farias (Empoli) e Gervinho (Parma) | Flops: Veseli (Empoli) e Gagliolo (Parma)

Desesperado por pontos, para manter a vantagem sobre o Bologna na primeira posição acima da zona de rebaixamento, o Empoli lutou até o final para evitar uma derrota que parecia certa em casa. A briga também manteve intacta a sequência de partidas sem vitórias do Parma, que não celebra um triunfo há seis rodadas. O empate teve o protagonismo de Bruno Alves, que passou de herói a vilão: começou o jogo com uma assistência e o possível gol da vitória, mas acabou marcando contra nos acréscimos.

O placar foi movimentado cedo, quando Siligardi lançou Gervinho nas costas da defesa, após cobrança de falta esperta dos visitantes, deixando o marfinense livre para driblar Dragowski antes de marcar. Os anfitriões logo empataram com Dell’Orco, após cruzamento de Diego Farias, mas voltaram a ser frustrados no último lance do primeiro tempo, quando Rigoni completou bola cruzada de Bruno Alves.

Na etapa final, o time da casa igualou com Caputo, em cobrança de pênalti, após falta sofrida pelo próprio artilheiro. Ciccio, inclusive, entra para a história do Empoli, já que se tornou apenas o sexto jogador do clube a marcar 12 ou mais gols na Serie A. Os toscanos voltaram a ficar atrás do placar depois de outro lance de bola parada do Parma, quando Bruno Alves desviou, fortuitamente, um chute de Kucka. Nos acréscimos, contudo, o português cometeu outro desvio decisivo, dessa vez no chute de Silvestre, e sentiu a infelicidade do empate.

Papu Gómez não deu alívio para a Fiorentina, em noite de homenagens a Astori (Getty)

Udinese 2-1 Bologna
De Paul (pênalti) e Pussetto (Larsen) | Palacio (Orsolini)

Tops: Pussetto e De Paul (Udinese) | Flops: Poli e Dzemaili (Bologna)

Com o retorno às redes da dupla formada por De Paul e Pussetto, a Udinese deu outro importante passo para se distanciar da zona de rebaixamento. Ausente na 25ª rodada, após a partida contra a Lazio ter sido adiada, o time de Nicola conquistou a segunda vitória seguida no campeonato e abriu sete pontos de vantagem justamente sobre o Bologna, que não voltou a comemorar triunfos após o inesperado sucesso sobre a Inter, no San Siro.

Em dia inspirado de Pussetto, que estava sumido desde a virada de ano, os anfitriões construíram sua vitória. Os friulanos abriram o placar depois que o argentino foi puxado por Poli dentro da área e seu compatriota De Paul converteu a cobrança, voltando a marcar depois de dez partidas. Outro hermano movimentou o placar ainda no primeiro tempo, mas do outro lado do campo: por lá, Palacio finalizou jogada de Orsolini. Na etapa final, Pussetto, enfim, marcou o gol da vitória ao completar cruzamento de Larsen.

Genoa 0-0 Frosinone

Tops: Lazovic (Genoa) e Sportiello (Frosinone) | Flops: Kouamé (Genoa) e Cassata (Frosinone)

No único jogo que teve placar zerado na rodada, o Genoa perdeu chance de ouro para conquistar uma vitória contra o fraco Frosinone, que jogou 60 minutos com um jogador a menos. Cassata, já amarelado, entrou atrasado contra Biraschi e acabou expulso diretamente, aumentando seu terrível recorde para uma advertência a cada 100 minutos na Serie A – são 12 amarelos e dois vermelhos em 26 partidas.

Frustrados pelas defesas de Sportiello, os anfitriões ainda saíram vaiados pela sua própria torcida, insatisfeita com a atuação insuficiente do ataque. O time de Prandelli, porém, está invicto há seis rodadas, o que não acontecia desde 2014. A sensação dos rossoblù é que o time pode render mais e não ficar na pasmaceira de uma campanha insossa, isolado no meio da tabela.

Seleção da rodada
Sirigu (Torino); Srna (Cagliari), Bastos (Lazio), Romagnoli (Milan), Gosens (Atalanta); Lucas Leiva (Lazio); Ilicic (Atalanta), Correa (Lazio), Gómez (Atalanta), Pussetto (Udinese); Quagliarella (Sampdoria). Treinador: Gian Piero Gasperini (Atalanta).

Deixe um comentário