Serie A

28ª rodada: Inter domina e vence dérbi de Milão, ao passo em que Juve perde invencibilidade

O fim de semana que antecedeu a primeira data Fifa de 2019 presentou os amantes da Serie A com uma das mais agitadas e interessantes rodadas do campeonato. A 28ª jornada já se apresentava com imponência, devido ao Derby della Madonnina, mas rendeu muito mais do que isso, como os 42 gols marcados sugerem.

Inter e Milan fizeram um dos melhores clássicos dos últimos anos – e, consequentemente, um dos jogos mais emocionantes da temporada –, mas ainda pudemos assistir outras partidas de relevo. Chama bastante atenção a primeira derrota da Juventus nesta Serie A ter acontecido diante do Genoa, que mostrou solidez e superioridade no Marassi. Tal qual Spal, Bologna e Cagliari apresentaram diante de Roma, Torino e Fiorentina, por exemplo. Por fim, Napoli e Lazio fizeram o dever de casa, enquanto a Atalanta tropeçou e Sampdoria e Sassuolo protagonizaram farra dos gols no Mapei Stadium. Confira o resumo da rodada!

Milan 2-3 Inter
Bakayoko (Çalhanoglu) e Musacchio | Vecino (Lautaro), De Vrij (Politano) e Martínez (pênalti)

Tops: Martínez e Vecino (Inter) | Flops: Piatek e Romagnoli (Milan)

Encerrando uma movimentada rodada, Milan e Inter entregaram mais um Derby della Madonnina bastante emocionante. Melhor para os interistas, que não eram os favoritos da vez por causa da crise de resultados e dos vários problemas físicos da equipe de Luciano Spalletti. O treinador também estava ameaçado, mas preparou bem os seus comandados, isolou os problemas e, assim, retomou a terceira posição depois de duas rodadas. Ultrapassado pela rival, o Milan perdeu a invencibilidade de dez partidas e teve a sequência de cinco vitórias interrompida.

Superior desde o início, a Inter sempre esteve na frente do placar e poderia ter tido vida mais fácil não fossem os gols perdidos antes de o Milan encostar e a queda de desempenho no final da partida. Isso quase custou a vitória, mas não afetou a grande exibição de De Vrij e Skriniar, que anularam Piatek. Antes, logo aos 3 minutos, Vecino abriu o placar completando jogada de Perisic e Martínez. O uruguaio teve outra grande chance e perdeu – o que não aconteceu com De Vrij, que ampliou na volta do intervalo.

Com o ataque ineficiente, coube ao time de Gennaro Gattuso chegar nas bolas paradas. O posicionamento da defesa nesse tipo de jogada era uma força da Inter, mas se tornou uma debilidade nos últimos tempos e os dois gols sofridos pelo time nerazzurro nasceram assim. O primeiro foi de Bakayoko, que acertou bela cabeçada e marcou o seu primeiro gol pelo Milan após levantamento de Çalhanoglu. O outro foi de Musacchio, que aproveitou sobra de bola em escanteio e o rebote de Handanovic. Entre os tentos milanistas, Lautaro converteu penalidade decisiva para a vitória.

No final, D’Ambrosio se transformou em herói ao interceptar um chute que seria gol certo dos rossoneri, já que Handanovic estava fora da jogada – antes disso, o esloveno também havia feito uma grande defesa, meio no susto, em cabeçada de Castillejo. Assim, pela primeira vez desde 1999, a Inter manteve uma invencibilidade de seis partidas na Serie A contra seu rival local e voltou a vencer o clássico em turno e returno, o que não acontecia há sete épocas.

Genoa 2-0 Juventus
Sturaro (Pandev) e Pandev (Kouamé)

Tops: Pandev e Kouamé (Genoa) | Flops: Perin e Cáceres (Genoa)

Após 28 rodadas, lá se foi a invencibilidade da Juventus. O time de Massimiliano Allegri não perdia na Serie A desde abril de 2018, mas caiu para o Genoa – justamente a equipe contra a qual sofreu seu primeiro tropeço no campeonato, ao empatar no Allianz Stadium. Dessa forma, pela primeira vez em seis temporadas a Juventus não conseguiu vencer pelo menos uma vez todas as equipes da Serie A. A algoz anterior da Velha Senhora havia sido a também genovesa Sampdoria.

O triunfo, aliás, veio com muitos méritos para o time de Cesare Prandelli, que conquistou apenas sua terceira vitória contra a equipe pela qual jogou nos anos 1980 – as outras foram nos distantes anos de 2008 e 2000, com Fiorentina e Verona. A equipe da casa foi superior desde o início e pressionou bastante no primeiro tempo, inclusive tendo um pênalti a seu favor anulado após Marco Di Bello recorrer à revisão no vídeo.

O árbitro também invalidou um gol que seria um banho de água fria nos anfitriões: houve impedimento no lance que originou o tento de Dybala. O argentino, aliás, foi o capitão juventino numa partida em que a equipe foi a campo com uma formação alternativa, após a classificação para as quartas de final da Liga dos Campeões – Szczesny, Chiellini e Ronaldo foram poupados, por exemplo. O Genoa sentiu o peso da justiça já no final da partida e, por ironia do destino, coube ao ex-bianconero Sturaro abrir o placar após passe de Pandev. O veterano, aliás, fechou o placar completando jogada de Koaumé, e anotou o sexto gol sobre a Juve na carreira.

Sem Ronaldo, Juve caiu para um Genoa sólido e amargou primeira derrota nesta Serie A (Simone Arveda)

Napoli 4-2 Udinese
Younes (Mertens), Callejón (Mertens), Milik (Callejón) e Mertens (Allan) | Lasagna (Fofana) e Fofana (Ter Avest)

Tops: Mertens e Callejón (Napoli) | Flops: Musso e Larsen (Udinese)

Para não dar margem a uma nova aproximação dos milaneses, o Napoli fez o dever de casa para estabilizar sua segunda posição e também diminuir a diferença para a Juventus. Uma desvantagem que, contudo, continua gigantesca: são 15 pontos e o campeonato tem apenas mais nove rodadas pela frente. Apesar disso, não foi tão fácil para o time de Carlo Ancelotti bater a Udinese, que depois de duas vitórias em casa sofreu a segunda derrota seguida e está a apenas um ponto do Bologna, que abre a zona de rebaixamento.

Os anfitriões saíram na frente com Younes, que fez sua primeira partida como titular e marcou no primeiro chute na Serie A. O alemão comemorou de forma emocionada, relembrando o calvário vivido em 2018. Em outra assistência de Mertens, Callejón ampliou a vantagem com ajuda do atrapalhado Musso. Mas logo os visitantes reagiriam, com Lasagna e depois com Fofana – o marfinense havia sido o autor do passe do primeiro e foi protagonista de um drible desconcertante sobre Allan no segundo.

Em ambos os gols da Udinese ficou evidente a lentidão de Ospina, que passou boa parte do primeiro tempo com a cabeça enfaixada após ter levado uma joelhada na cabeça, em disputa perigosa com Pussetto. O colombiano desfaleceu em campo 40 minutos depois do choque e só então foi substituído, pouco antes do intervalo. Ospina foi levado a um hospital para fazer exames e passa bem. Por sua vez, o Napoli se recuperou do susto e conquistou a vitória na etapa final, com Milik finalizando escanteio de Callejón e Mertens coroando sua boa exibição com seu primeiro gol em 2019.

Spal 2-1 Roma
Fares (Cionek) e Petagna (pênalti) | Perotti (pênalti)

Tops: Petagna e Fares (Spal) | Flops: Juan Jesus e Kluivert (Roma)

Depois da dramática vitória na estreia, Claudio Ranieri sofreu seu primeiro revés no retorno para a Roma. Uma derrota que aumentou a desvantagem para os milaneses e causou a reaproximação da Lazio, que agora tem dois pontos a menos, na sexta posição. Já a Spal, que completou o “doblete” contra os giallorossi, conquistou apenas a segunda vitória em 2019, dois meses depois da primeira. O triunfo foi fundamental para que a equipe se mantivesse fora da zona de rebaixamento, já que a rodada também teve vitórias de Empoli e Bologna.

Em um jogo de baixo nível técnico, os pênaltis definiram o resultado. Antes das penalidades, Fares antecipou Karsdorp para completar cruzamento de Thiago Cionek e abrir o placar na metade do primeiro tempo. Na volta do intervalo, o brasileiro naturalizado polonês virou vilão quando puxou Dzeko dentro da área e possibilitou que Perotti empatasse a partida. Da mesma forma os anfitriões conquistaram a vitória após Petagna cavar falta de Juan Jesus e converter sua cobrança. Após o apito final, o capitão Dzeko ainda se desentendeu com membros do banco de reservas da Spal e deixou claro o quão tenso está o clima em Trigoria.

Luis Alberto voltou a brilhar e a Lazio subiu na tabela após golear o Parma (LaPresse)

Lazio 4-1 Parma
Marusic (Milinkovic-Savic), Luis Alberto (pênalti), Luis Alberto (Correa) e Lulic (Luis Alberto) | Sprocati

Tops: Luis Alberto e Milinkovic-Savic (Lazio) | Flops: Iacoponi e Sepe (Parma)

Continuando sua trajetória de recuperação no campeonato, a Lazio voltou a encostar na Roma e entrar na zona de classificação para a Liga Europa. A desvantagem para os rivais agora é de apenas dois pontos, sendo que o time de Simone Inzaghi ainda tem uma partida a ser jogada – contra a Udinese, em casa. No Olímpico, aliás, os romanos não tiveram pena do Parma e contaram com uma grande tarde de Luis Alberto. O espanhol faz uma temporada abaixo da crítica, mas foi protagonista na goleada, que poderia ter sido ainda maior.

Afinal de contas, depois da volta do intervalo, os laziali não fizeram muita questão de seguir no mesmo ritmo da etapa inicial, período em que marcaram todos os seus quatro gols. O primeiro, aos 22, foi de Marusic, finalizando passe em profundidade de Milinkovic-Savic. Quatro minutos depois, Iacoponi interceptou a bola com o braço, num cruzamento de Lulic, e Luis Alberto converteu a cobrança. O goleiro Sepe foi mal nos dois lances.

Após outra jogada na esquerda, iniciada por Lulic e com troca de passes entre Milinkovic-Savic e Correa, Luis Alberto fez sua primeira doppietta na temporada. Vale destacar que o camisa 10 da Lazio não marcava desde setembro. Em cobrança de escanteio ensaiada, o espanhol ainda assistiu o ala bósnio, que marcou da entrada da área. Já na reta final, Sprocati, emprestado pela Lazio ao Parma, descontou para os visitantes aproveitando um recuo errado de Patric.

Atalanta 1-1 Chievo
Ilicic (Zapata) | Meggiorini

Tops: Ilicic (Atalanta) e Sorrentino (Chievo) | Flops: De Roon (Atalanta) e Giaccherini (Chievo)

Jogando em casa, a Atalanta foi surpreendida pelo Chievo, que goleara por 5 a 1 no primeiro turno. O tropeço interrompeu mais uma sequência de vitórias do time nerazzurro, que perdeu outra chance de melhorar sua posição na tabela e, inclusive, terminou a rodada fora da zona de classificação para a Liga Europa. O lanterna, por sua vez, somou apenas seu segundo ponto jogando fora de casa em 2019 – são seis ao todo, que lhe confere o posto de segunda pior campanha como visitante no campeonato. De qualquer forma, o rebaixamento se torna cada vez mais real para os clivensi.

Muito do tropeço dos donos da casa passou pela atuação de Sorrentino. O goleiro não foi tão exigido quanto o imaginado para um jogo em Bérgamo, mas fez defesas providenciais antes e depois do placar ter sido inaugurado. E foram os visitantes que abriram a contagem, quando Meggiorini aproveitou vacilo de Gollini e Djimsiti e marcou apenas seu segundo gol na temporada. A resposta dos anfitriões veio já na etapa final: Ilicic tabelou com Zapata e evitou a derrota.

O veterano Palacio foi fundamental em vitória bolonhesa sobre o forte Torino dessa temporada (Bologna FC)

Torino 2-3 Bologna
Pulgar (contra) e Izzo (Berenguer) | Poli, Pulgar (pênalti) e Orsolini (Palacio)

Tops: Palacio e Orsolini (Bologna) | Flops: Aina e Meïté (Torino)

Então invicto há sete rodadas e imbatível em 2019 nos jogos em casa pelo campeonato, o Torino foi mais um surpreendido pela reação do Bologna de Sinisa Mihajlovic, que pela primeira vez na temporada venceu duas partidas seguidas. O triunfo fora de casa, contudo, ainda não tirou a equipe emiliana da zona de rebaixamento, já que Spal e Empoli também venceram no final de semana. Contudo, o time bolonhês se aproximou ainda mais da Udinese e se manteve a apenas um ponto de deixar a área perigosa.

Apesar de ter começado na frente, em um chute de Ansaldi desviado por Pulgar, pouco depois do gol anulado de Belotti, o Torino teve uma noite bastante ruim e sofreu a virada ainda no primeiro tempo. Poli empatou, depois da primeira boa jogada de um infernal Palacio e, logo na sequência, Pulgar se redimiu. Exímio batedor de pênaltis, o chileno converteu a cobrança dada de presente por Meïté, que colocara o braço na bola num lance de escanteio.

No segundo tempo, Palacio ganhou mais uma vez de Aina e serviu Sansone, que acabou tendo o gol anulado por impedimento. Os buracos na defesa grená, porém, eram enormes. Tanto é que, logo depois da anulação, o mesmo Palacio arrancou e deixou Orsolini livre para fazer o terceiro. Skorupski, que havia feito defesas decisivas para manter sua equipe na frente do placar, acabou cometendo grave falha no gol de Izzo. Para sua sorte, não custou a vitória do Bologna, já que a partida parou muito depois desse tento, por causa das expulsões bobas de Lyanco (emprestado pelo Torino ao Bologna) e Aina.

Sassuolo 3-5 Sampdoria
Boga (Lirola), Duncan (Boga) e Babacar | Defrel (Quagliarella), Quagliarella, Linetty (Defrel), Praet (Murru) e Gabbiadini (Linetty)

Tops: Quagliarella e Linetty (Sampdoria) | Flops: Consigli (Sassuolo) e Audero (Sampdoria)

Sem tem jogo movimentado na Itália, a probabilidade de Sassuolo e Sampdoria estarem envolvidos é muito grande. Não à toa, as únicas três partidas que tiveram oito gols nesta temporadas envolveram o time de Roberto De Zerbi. Dessa vez, porém, o resultado não foi nada agradável para os neroverdi, que até tentaram correr atrás do prejuízo, mas sofreram contra Quagliarella e companhia, em busca de sobrevida na briga por uma vaga europeia.

A partir do trio formado por Defrel, Gabbiadini e Quagliarella, os visitantes marcaram dois gols logo de cara. Ambos tiveram a participação do artilheiro do campeonato, que primeiro ajeitou bola levantada pelo compatriota para o francês cumprir a lei do ex. Oportunista, o veterano atacante ainda aproveitou falha de Demiral para acertar um forte chute da entrada da área. Com isso, Quagliarella igualou seus recordes de gols (21) e assistências (sete) em uma temporada na Serie A – e ainda restam nove rodadas. Nada mais apropriado para comemorar o seu retorno à seleção.

Pouco depois, os anfitriões descontaram com Boga, que completou cruzamento de Lirola, mas logo na sequência a Sampdoria ampliou sua vantagem. Linetty finalizou uma bonita jogada criada por seus companheiros, com direito a tabela entre Praet e Gabbiadini, corta luz de Quagliarella e passe de Defrel. Praet, aliás, fez o quarto na volta do intervalo, após cruzamento de Murru, que por sua vez se tornou o defensor com mais assistências no campeonato (cinco).

Em ótima fase, Duncan fez valer a lei do ex novamente e tornou a descontar, com um forte chute de fora da área, que desviou em Andersen. Foi o seu quarto gol no campeonato, depois de apenas três nas seis temporadas anteriores. Contudo, novamente os dorianos aumentaram a vantagem pouco depois, quando Gabbiadini aproveitou passe de Linetty para fazer o quinto. Após muita insistência, Babacar finalmente conseguiu o seu em um bonito gol de fora da área, mas já era tarde. O resultado manteve o Sassuolo no meio da tabela e reaproximou a Samp da briga por vaga na Liga Europa.

O artilheiro Quagliarella deixou a sua marca na farra dos gols no Mapei Stadium (LaPresse)

Cagliari 2-1 Fiorentina
João Pedro (Cacciatore) e Ceppitelli (Lykogiannis) | Chiesa (Gerson)

Tops: João Pedro e Cacciatore (Cagliari) | Flops: Muriel e Benassi (Fiorentina)

De volta ao caminho das vitórias, o Cagliari abriu a rodada com seu terceiro triunfo consecutivo na Sardegna Arena. A ótima sequência foi fundamental para o time de Rolando Maran, que manteve uma boa vantagem para a zona de rebaixamento justamente num período em que os times da zona de perigo começaram a pontuar com mais frequência. A Fiorentina, por sua vez, não vive situação muito boa: está estacionada no meio da tabela, mas ainda deposita esperanças de beliscar uma vaga europeia através da Coppa Italia.

Antes do apito inicial, tivemos mais uma emocionante homenagem a Davide Astori, ex-jogador de ambos os clubes. O jogo também parou para um minuto de aplausos no minuto 13, que traz referência ao número utilizado pelo falecido zagueiro. Com a bola rolando, os donos da casa foram superiores nos 90 minutos e fizeram valer o histórico de adversário complicado para a Fiorentina. João Pedro abriu o placar ao completar cruzamento do estreante Cacciatore e, numa falta lateral de Lykogiannis, Ceppitelli ampliou a vantagem. Com isso, o Cagliari se tornou a equipe que mais anotou gols a partir de cruzamentos no campeonato, com 14 de seus 25 tentos anotados a partir de jogadas assim. Chiesa descontou para a viola nos acréscimos, mas logicamente era muito tarde para buscar um pontinho.

Empoli 2-1 Frosinone
Caputo (pênalti) e Pajac (Krunic) | Valzania

Tops: Caputo e Diego Farias (Empoli) | Flops: Chibsah e Cassata (Frosinone)

Ameaçado pelas vitórias de Spal e Bologna no sábado, o Empoli não vacilou em casa e bateu o Frosinone. Se o triunfo foi importante para os azzurri na briga contra o rebaixamento, por sua vez o time canarinho parece destinado a mais um retorno imediato à Serie B. O triunfo dos toscanos foi marcado pela reestreia de Aurelio Andreazzoli, treinador da grande campanha de acesso no ano passado, que fora substituído por quatro meses por Beppe Iachini. Andreazzoli retornou porque seu colega não conseguiu melhorar a situação do Empoli na tabela.

O triunfo no Carlo Castellani foi construído ainda no primeiro tempo e teve a participação do artilheiro Caputo. Ciccio se tornou apenas um dos quatro jogadores na história do Empoli a marcar 13 ou mais gols em uma temporada na Serie A. Seu tento veio de pênalti, após falta de Paganini sobre Diego Farias. O segundo veio com Pajac, após passe de Krunic. A vitória poderia ter sido maior não fossem as defesas de Sportiello, a falta de pontaria de um participativo Farias e o gol solitário de Valzania, no segundo tempo.

Seleção da rodada
Handanovic (Inter); Cacciatore (Cagliari), Romero (Genoa), De Vrij (Inter), Fares (Spal); Linetty (Sampdoria), Vecino (Inter), Luis Alberto (Lazio); Quagliarella (Sampdoria), Martínez (Inter), Palacio (Bologna). Treinador: Luciano Spalletti (Inter).

Deixe um comentário