Serie A

34ª rodada: Atalanta depende de si para ir à Champions League e brigas pelas vagas esquentam

O fim da edição 2018-19 do Campeonato Italiano se aproxima e, com isso, cada rodada ganha contornos decisivos. A 34ª não foi diferente: os times não se acanharam e, por isso, não tivemos nenhum 0 a 0.  O grande destaque ficou para a festa em Bérgamo, no último dia em que a cidade recebeu jogos na temporada – o estádio Atleti Azzurri d’Italia será fechado para reformas. Afinal, a Atalanta venceu a Udinese por 2 a 0 assumiu o quarto lugar, que dá acesso direto a fase de grupos da Champions League. A classificação seria um feito inédito para os nerazzurri e para o treinador Gasperini, que é idolatrado pelos bergamascos e está cotado para virar uma espécie de Sir Alex Ferguson da Lombardia.

Além da Atalanta, outro time pouco badalado que briga pela quarta posição é o Torino, que obteve uma bela vitória no confronto direto com o Milan – relegado, agora, para a sétima colocação. A corrida pela vaga na Champions League ainda tem Roma e Lazio, que venceram seus compromissos no final de semana. Ainda tivemos um gol candidato ao prêmio Puskás no Derby d’Italia e mais um passo da arrancada do Bologna de Mihajlovic, que está invicto há quatro partidas e praticamente garantiu a permanência na elite. Confira agora o resumo da rodada.

Atalanta 2-0 Udinese
De Roon (pênalti) e Pasalic (Zapata)

Tops: De Roon e Gómez (Atalanta) | Flops: Sandro e Pussetto (Udinese)

O primeiro jogo nesta segunda feira fechou uma semana perfeita para a Atalanta. Finalista da Coppa Italia, a Dea conseguiu uma grande vitória e tomou a quarta posição no campeonato, que garante vaga direta para a Champions League. O time de Bérgamo começou “ligado no 220” e De Roon logo teve grande oportunidade, de fora da área, mas parou no goleiro Musso – que seria um protagonista em toda a peleja. O fraco time da Udinese está sofrendo bastante nesta temporada e tem sorte de ter concorrentes ainda mais frágeis, embora o risco de rebaixamento ainda exista.

No segundo tempo, o time da casa manteve o ritmo e, por diversas vezes, parou em Musso. A grande carga ofensiva deixou alguns espaços na defesa, embora Pussetto estivesse bem controlado por Palomino. Ainda assim, De Paul assustou ao acertar a trave. O artilheiro Zapata não estava em um dia feliz e perdia algumas chances no duelo com o arqueiro argentino.

O primeiro gol, já na reta final da partida, saiu de um pênalti bobo cometido por Sandro, que não observou a aproximação de Masiello e calçou o defensor. De Roon deslocou Musso e “abriu a porteira”: três minutos depois, aos 85, Zapata fez o pivô e tocou para trás, onde Pasalic estava para finalizar. O croata contou com o desvio na defesa para fechar o placar e fazer o time se despedir de Bérgamo em grande estilo. Por causa do início das obras de reestruturação do estádio, os orobici mandarão seus dois próximos jogos em Reggio Emilia.

Torino 2-0 Milan
Belotti (pênalti) e Berenguer

Tops: Belotti e Nkoulou (Torino) | Flops: Romagnoli e Conti (Milan)

O Torino não vencia o Milan desde 2001. Que hora para derrubar o tabu: com o triunfo, a equipe grená ultrapassou o adversário e se candidatou de vez a uma vaga na Champions League. O Toro é o sexto colocado, com os mesmos 56 pontos dos rossoneri, sétimos, e estão a três da Atalanta, na quarta posição. Com apenas 10 gols sofridos em 2019 e 19 pontos conquistados em casa desde a virada do ano, o time de Mazzarri tem solidez suficiente para acreditar que pode realizar o sonho de estrear na UCL. No mínimo, retornar à Liga Europa.

O último jogo do domingo teve um primeiro tempo de poucas chances. O Milan teve maior domínio e Sirigu segurou bem a meta dos mandantes – como de praxe. Após o intervalo o cenário mudou e a defesa grená, que já anulava Cutrone e qualquer tentativa de Çalhanoglu e Suso, erigiu um muro ainda maior. Foi aí que Kessié fez falta dentro da área e o juiz marcou pênalti: o galo Belotti bateu no meio e abriu o placar. Bakayoko teve a oportunidade de empatar mas parou no travessão. Para ampliar o placar, Ansaldi cruzou na área, Conti tirou mal e Berenguer acertou um belo chute, sem chances para Donnarumma. O capitão Romagnoli ainda foi expulso e deixou o Milan com 10 no final da partida. Será um desfalque importante para um pressionadíssimo Gattuso.

O Torino mandou na partida contra o Milan, jogou praticamente sozinho e ultrapassou o adversário (LaPresse)

Inter 1-1 Juventus
Nainggolan (Politano) | Cristiano Ronaldo (Pjanic)

Tops: Nainggolan (Inter) e Cristiano Ronaldo (Juventus) | Flops: Vecino (Inter) e Cuadrado (Juventus)

O jogo de maior cartaz da rodada era o Derby d’Italia e Inter e Juventus fizeram valer toda a história que o confronto tem. Já campeã, a Juve só cumpre tabela, mas mesmo assim foi a campo com grande parte dos titulares, enquanto a Inter quer garantir sua vaga na Champions League do ano que vem e tinha força máxima à disposição de Spalletti. O empate não foi esplendoroso para os nerazzurri, mas deu à equipe um pontinho a mais na busca do seu objetivo.

A Inter protagonizou um primeiro tempo de altíssimo nível e dominou a Juventus, que mal conseguiu passar do meio-campo. Logo no início, um belíssimo gol fez jus à boa atuação nerazzurra: após escanteio cobrado e desviado pela zaga, Politano passou de qualquer jeito para Nainggolan, que – de primeira e de fora da área – fez uma pintura. Szczesny até tentou mas não conseguiu parar. Após o primeiro gol, Icardi e De Vrij tiveram suas chances também mas não conseguiram ampliar. A Beneamata criou o suficiente para ter uma vantagem maior e seria castigada.

Após trocas feitas por Allegri e o passar dos minutos, o preparo físico da Juventus se sobressaiu e, pouco a pouco, o time foi começando a pautar as ações do clássico. Cristiano Ronaldo perdeu uma chance clara aos 61, mas no minuto seguinte deixou a sua marca. Depois de uma tabelinha com Pjanic, o gajo bateu firme e marcou seu gol número 600 por clubes. Depois do empate, a Juventus teve até chances para virar – inclusive com um brasileiro. Ex-Corinthians e Paraná, Matheus Pereira entrou no finzinho da partida e quase fez o seu, numa dividida com D’Ambrosio.

Roma 3-0 Cagliari
Fazio, Pastore (Kluivert) e Kolarov

Tops: Pastore e Kolarov (Roma) | Flops: Pellegrini e Ceppitelli (Cagliari)

No segundo jogo do sábado, a Roma não tomou conhecimento do Cagliari mais uma vez: há 10 partidas os giallorossi não sabem o que é perder para o Cagliari na Serie A. Com 10 minutos a equipe capitolina já vencia por 2 a 0: Fazio fez o seu de cabeça e, depois, Kluivert fez uma boa jogada e tocou para Pastore bater bonito, colocado no canto do goleiro Cragno. O fantasista argentino, aliás, voltava de lesão e foi o grande destaque da peleja.

Com a vantagem, Ranieri abaixou o ritmo da equipe mandante, cujo trabalho consistia em controlar o jogo. O Cagliari até tentou criar algo, mas só dava Roma. Pastore ainda acertou o travessão mas o terceiro gol só aconteceu no final de jogo, com Kolarov: depois de parar dois chutes, Cragno não conseguiu segurar o do sérvio. Com o resultado positivo e uma tabela bastante acessível, a Roma foi uma das equipes que mais aproveitaram a rodada. O time da capital ocupa o quinto lugar, apenas um ponto atrás da Atalanta.

Num Derby d’Italia empatado até em golaços, cada time mandou em um tempo (AFP)

Sampdoria 1-2 Lazio
Quagliarella | Caicedo e Caicedo (Rômulo)

Tops: Caicedo e Rômulo (Lazio) | Flops: Ramírez e Defrel (Sampdoria)

Num dos grandes jogos desta rodada, tivemos um embate decisivo para dois times que brigavam por vagas europeias: quem perdesse certamente poderia dar adeus a qualquer possibilidade de classificação através da Serie A. Portanto, a Sampdoria do artilheiro Quagliarella vai ter de se contentar com mais um ano fora dos palcos continentais. A grande vitória devolveu a Lazio ao grupo dos times que ainda almejam a Champions League, uma vez que a Atalanta está quatro pontos à sua frente e, no próximo domingo, o confronto direto entre as equipes ocorre no Olímpico.

Inzaghi decidiu dar um descanso a Immobile e lançou o equatoriano Caicedo entre os titulares. Felipão aproveitou a oportunidade e respondeu logo aos 3 minutos de jogo: roubou a bola de Colley (que seria substituído por problemas estomacais), deu uma bela arrancada e abriu o placar. O centroavante perdeu uma oportunidade de cabeça pouco depois, mas aos 10 minutos não vacilou e fez o segundo do dia, com uma cabeçada fulminante depois de um cruzamento de Rômulo.

A finalista da Coppa Italia estava com a moral lá em cima e, para melhorar a sua condição, o doriano Ramírez foi expulso ainda no primeiro tempo. Rômulo chegou a acertar a trave com um chute cruzado e quase matou o jogo, mas logo na sequência Quagliarella diminuiu a vantagem e chegou a marca dos 150 gols na Serie A – 23 na atual edição. Mesmo com um a menos os mandantes foram para cima e o jogo ficou muito bom e aberto na segunda etapa. Murru acertou a trave e Defrel perdeu um gol sem goleiro, ao passo que Immobile substituiu Caicedo e mandou uma bomba que explodiu no travessão e por pouco não ultrapassou a linha. No final das contas, só a Lazio sorriu no Marassi.

Bologna 3-1 Empoli
Soriano (Sansone), Orsolini (Soriano) e Sansone (Krejci) | Pajac (Rasmussen)

Tops: Soriano e Sansone (Bologna) | Flops: Nikolaou e Veseli (Empoli)

Na abertura da rodada, tivemos um confronto direto pela salvação e a equipe de Mihajlovic fez valer o seu bom momento. As três vitórias nas últimas quatro partidas garantiram a equipe em mais uma Serie A, ao menos virtualmente: após o triunfo sobre o Empoli, o Bologna abriu oito pontos para a zona de rebaixamento com apenas 12 em disputa.

Apesar do grande resultado, a partida não começou bem para os mandantes. Com 17 minutos de jogo, Pajac abriu o placar num lance confuso: parecia que ia cruzar, mas acabou chutando para o gol e pegando o goleiro Skorupski desprevenido. A virada ocorreu no segundo tempo, por meio da ótima sintonia entre o quarteto formado por Dzemaili, Soriano, Sansone e Orsolini.

Sansone, que no primeiro tempo havia acertado um belo chute defendido por Dragowski, cruzou na área e Soriano apareceu nas costas da defesa para empatar. O segundo gol veio dos pés de Orsolini, que, de fora da área, mandou um torpedo no ângulo. Nos acréscimos, para fechar o placar, Sansone completou um contra-ataque e fez o seu. Apesar da derrota, o Empoli se manteve quatro pontos abaixo da Udinese, que é a primeira equipe fora da zona de rebaixamento. A tabela complicada é a maior adversária dos azzurri: o time tem o clássico contra a Fiorentina e encara Sampdoria, Torino e Inter.

Renascido, Pastore comandou vitória da Roma sobre o Cagliari (LaPresse)

Frosinone 0-2 Napoli
Mertens e Younes (Milik)

Tops: Mertens e Younes (Napoli) | Flops: Ghiglione e Ariaudo (Frosinone)

A primeira partida do domingo colocou frente a frente o segundo colocado e o penúltimo da tabela. Com facilidade, o Napoli engoliu o pobre Frosinone, que pode ter o seu retorno para a Serie B confirmado no próximo final de semana mesmo em caso de vitória. Com a bola rolando, um esperado domínio napolitano. De falta, Mertens fez o seu e igualou o número de gols de Diego Maradona na Serie A: são 81 para os dois, que estão atrás somente de Hamsík (100) e de Antonio Vojak (102). Mertens quase fez outro de falta e foi muito participativo em todo o duelo no Benito Stirpe.

Só um jogador fez mais que Mertens: o também baixinho Younes. O alemão matou a partida na segunda etapa, depois de tabelar com Milik, e ainda enlouqueceu a defesa ciociara em outras ocasiões. O placar só não foi maior por conta da trave, que impediu Callejón de marcar duas vezes – na sequência de uma das jogadas, Ruiz também acertou o poste. A equipe de Ancelotti chega a 70 pontos e ruma a mais um vice campeonato, mas a torcida não está satisfeita: ultras rejeitaram a camisa atirada às arquibancadas pelo capitão Callejón, depois do apito final.

Fiorentina 0-1 Sassuolo
Berardi (Sensi) 

Tops: Consigli e Sensi (Sassuolo) | Flops: Dabo e Veretout (Fiorentina)

O último jogo desta rodada ocorreu entre um time que está em ascensão e outro que está em queda. A Fiorentina agradece que o campeonato tem somente mais quatro rodadas, pois a perda de pontos neste segundo turno está assustadora para o jovem time de Florença. Já o Sassuolo vem melhorando aos poucos, depois de um período obscuro, e muito disso passa pela boa forma de Berardi, que marcou o gol decisivo.

No primeiro tempo, Senso mandou no jogo e criou quase todas as ações dos neroverdi – numa delas, Rogério apareceu sem goleiro, mas finalizou para fora. Berardi teve melhor sorte: tabelou com o camisa 12 e bateu com força no canto esquerdo de Lafont, aos 37 minutos. A Fiorentina teve a oportunidade de empatar com um pênalti duvidoso, validado pelo árbitro Fourneau, mas Consigli defendeu a cobrança de Veretout – que errou tudo o que tentou em campo. Sensi voltou a aparecer logo na sequência e quase fez o seu no final do primeiro tempo e o Sassuolo chegou até a balançar as redes novamente, mas o gol foi invalidado por impedimento.

Caicedo domou a Sampdoria e relançou a Lazio na briga por UCL (LaPresse)

Chievo 1-1 Parma
Meggiorini (Vignato) | Kucka (Scozzarella)

Tops: Vignato (Chievo) e Kucka (Parma) | Flops: Cesar (Chievo) e Iacoponi (Parma)

Virtualmente salvo, o Parma visitou um Chievo já rebaixado e somou mais um pontinho para se tranquilizar: são oito de vantagem sobre o Empoli, que abre a zona do rebaixamento. A permanência já é um feito e tanto para uma equipe que faliu e teve de recomeçar da quarta divisão, em 2015.

Em campo, os dois times fizeram um jogo equilibrado no começo, com o controle das ações reservado ao Parma, que anotou seu gol em bola parada: após levantamento, Kucka cabeceou e fez 1 a 0. No segundo período o empate dos clivense ocorreu graças a mais uma jogada do habilidoso ítalo-brasileiro Vignato. O trequartista cruzou na pequena área e Meggiorini apareceu para escorar. O Chievo melhorou na etapa final e poderia ter virado: vale lembrar que o técnico Di Carlo está usando uma formação renovada, que deve ser aproveitada na segunda divisão, e tem visto a equipe ter um desempenho superior ao do restante do campeonato.

Spal 1-1 Genoa
Felipe (Vicari) | Lapadula (Romero)

Tops: Felipe (Spal) e Lapadula (Genoa) | Flops: Petagna (Spal) e Mazzitelli (Genoa)

Na busca por pontinhos para aliviar sua situação, o Genoa foi até o Paolo Mazza, em Ferrara, enfrentar uma Spal virtualmente salva do rebaixamento. Desde o seu retorno à elite, a equipe spallina está invicta contra os grifoni e se manteve assim, com o terceiro empate por 1 a 1 em quatro duelos desde 2017.

Kouamé quase abriu o placar para os visitantes, mas acabou acertando o travessão. O time da casa respondeu com Murgia, que cabeceou e obrigou Radu a mandar a bola para escanteio: na cobrança, contudo, Vicari desviou no primeiro pau e o brasileiro Felipe completou, abrindo o placar para os estensi. No segundo tempo, a Spal ficou se defendendo e Viviano começou a trabalhar, já que o Genoa pressionava. Lapadula, que entrou em campo no segundo tempo, acabou aproveitando uma sobra de bola e, num voleio fortuito, encobriu o goleiro, anotando seu primeiro na competição e dando números finais ao confronto. Na comemoração, o ítalo-peruano chegou a se emocionar, já que passou boa parte da temporada fora dos planos da equipe genovesa.

Seleção da rodada
Consigli (Sassuolo); Rômulo (Lazio), Izzo (Torino), Nkoulou (Torino), Ansaldi (Torino); Younes (Napoli), Soriano (Bologna), Pastore (Roma); Sansone (Bologna); Belotti (Torino), Caicedo (Lazio). Técnico: Walter Mazzarri (Torino).

2 comentários

Deixe um comentário