Serie A

Os melhores da Serie A 2018-19

Como vaticinou um popular programa de tevê infantil britânico, é hora de dar tchau. Encerramos hoje a retrospectiva da temporada 2018-19 do Campeonato Italiano, iniciada na semana passada. Começamos falando sobre as revelações da Serie A, passamos à análise das campanhas dos times que ficaram na parte mais baixa da tabela e também à dos que se colocaram no topo dela.

Agora, é hora de conhecermos os melhores do torneio: em parceria com a Trivela e o Footure FC, através do podcast Calciopizza, a Calciopédia convidou alguns dos mais prestigiados jornalistas e blogueiros esportivos para elegerem a seleção e aqueles que mais se destacaram em nove categorias. Agradecemos a cada um dos participantes desta eleição e também a você, leitor, que nos acompanha diariamente. Vamos conferir quem garantiu as premiações?

Seleção da Serie A 2018-19

Handanovic (Inter); Skriniar (Inter), Koulibaly (Napoli), Chiellini (Juventus); Ilicic (Atalanta), Allan (Napoli), Brozovic (Inter), Gómez (Atalanta); Zapata (Atalanta), Quagliarella (Sampdoria), Ronaldo (Juventus).

Menções honrosas
Goleiros: Cragno (Cagliari), Donnarumma (Milan), Sirigu (Torino) e Szczesny (Juventus);
Laterais: Ansaldi (Torino), Asamoah (Inter), Cancelo (Juventus), Di Lorenzo (Empoli), Gosens (Atalanta), Hateboer (Atalanta) e Lazzari (Spal);
Zagueiros: De Vrij (Inter), Izzo (Torino), Mancini (Atalanta), Nkoulou (Torino) e Romagnoli (Milan);
Meias: Barella (Cagliari), Bentancur (Juventus), De Paul (Udinese), De Roon (Atalanta), Kessié (Milan), Lucas Leiva (Lazio), Pulgar (Bologna) e Ruiz (Napoli);
Atacantes: Belotti (Torino), Mandzukic (Juventus), Mertens (Napoli), Milik (Napoli), Petagna (Spal), Piatek (Genoa/Milan) e Suso (Milan).

Josip Ilicic

Prêmios: Melhor jogador e melhor meio-campista

A Calciopédia faz a premiação dos melhores da temporada italiana há quase uma década e, desde então, apenas um jogador eleito como craque do campeonato não atuava pelo campeão ou pelo vice: Dries Mertens, em 2016-17. O esloveno Ilicic se junta ao belga com muitos méritos. Atravessando uma crescente desde que assinou com a Atalanta, no início da campanha de 2017-18, Josip encontrou seu lugar como meia-atacante e, aos 31 anos, vive o auge da carreira. No ápice, superou nomes como Cristiano Ronaldo, Quagliarella, Gómez e Zapata na eleição de MVP da Serie A. Em sua posição, novamente deixou o companheiro Papu para trás e também superou Brozovic e Allan.

Longe da irregularidade que permeou seu início de trajetória na Itália, Ilicic foi um dos grandes responsáveis pela campanha história da Dea. Em seu primeiro jogo como titular na última Serie A, na nona rodada (estava machucado anteriormente), anotou logo uma tripletta diante do Chievo. Sua entrada fez com que Gasperini recuasse Gómez e ajudou Zapata a finalmente aparecer: o colombiano marcou pela primeira vez na 11ª jornada, depois da alteração tática e do apoio do colega eslavo. Dali para frente, os três conduziram a Atalanta rumo à Champions League. Ilicic contribuiu com atuações fantásticas, quebras de linhas defensivas adversárias e 19 participações diretas em gols em 31 partidas – anotou 12 e forneceu sete assistências.

Samir Handanovic

Prêmio: Melhor goleiro

A eleição para a meta foi a mais acirrada de todas. Autores de grandes temporadas, jogadores como Cragno, Donnarumma, Sirigu e Szczesny foram bem votados, mas a vitória ficou com Handanovic, da Inter – curiosamente, o segundo esloveno da lista. Samir teve algumas falhas no certame, mas ficou em campo durante todos os minutos da competição e liderou a segunda melhor defesa da competição, que sofreu 33 gols e ficou 17 partidas sem ser vazada. Dados de expected goals (xG) mostram que a Beneamata concedeu o suficiente para levar seis a mais, o que deixa evidente como o seu goleiro foi decisivo. O capitão interista cresceu em jogos grandes e teve atuações estrepitosas contra Atalanta, Milan e Empoli. Na última delas, foi responsável direto pela classificação nerazzurra à Champions League. Isso, claramente, pesou.

Kalidou Koulibaly

Prêmio: Melhor zagueiro

Koulibaly superou adversários como Chiellini, Skriniar, De Vrij e Romagnoli para ficar com o posto de melhor zagueiro da temporada da Serie A. Principalmente, venceu o racismo, que o persegue desde que chegou ao futebol italiano, em 2014. O senegalês de 28 anos incompletos se destaca pela regularidade e pela imposição física, que usou para ser o principal destaque da terceira melhor defesa do campeonato. K2, aliás, foi o único ponto fixo do sistema defensivo napolitano, visto que Carlo Ancelotti fez muitas mudanças por opção tática e, sobretudo, por lesões – Alex Meret, Raúl Albiol e Faouzi Ghoulam não puderam atuar durante toda a campanha. Nos momentos de maior queda da equipe, na reta final do certame, Koulibaly cresceu e lhe garantiu pontos até mesmo com boa participação ofensiva, puxando contra-ataques e marcando gols.

Fabio Quagliarella

Prêmio: Melhor atacante

Segundo artilheiro mais velho da história da Serie A, com 36 anos. Autor de 26 gols, oito assistências e dono de uma sequência de 11 rodadas consecutivas indo às redes, igualando o recorde estabelecido por Gabriel Batistuta. Ronaldo, Zapata e Piatek tentaram tirar de Quagliarella o posto de melhor atacante do campeonato, mas a tarefa foi praticamente impossível. O campano participou de 37 partidas da trajetória da Sampdoria e intensificou a verve goleadora que começou a desenvolver desde que retornou à Ligúria, em 2016: são 60 gols na Serie A em três anos e meio, o mesmo número que anotou entre 2009 e fevereiro de 2016, período em que defendeu Napoli, Juventus e Torino. Com os 26 na última campanha, se tornou artilheiro de uma competição pela primeira vez na carreira. Hoje, Fabio é o maior goleador em atividade na Serie A, com 153 tentos, e ocupa a 24ª posição na classificação geral.

Cristiano Ronaldo

Prêmio: Melhor estreante

Se enganou quem imaginou que, na Itália, Ronaldo iria ganhar prêmios e mais prêmios com um pé nas costas. A Serie A se mostrou extremamente competitiva também para o acumulador de recordes, que fez um grande campeonato, mas – do ponto de vista individual – não conseguiu desbancar jogadores com menos grife, como Ilicic e Quagliarella. Como estreante em solo italiano, superou Piatek, que brilhou por Genoa e Milan. CR7 começou a temporada ligeiramente ofuscado por Mandzukic, mas depois estabeleceu com o croata uma badalada parceria, que foi uma das principais responsáveis por levar a Juventus ao octacampeonato. Cristiano, como é de seu feito, cresceu em jogos grandes na Champions League e também no Italiano: no certame nacional, anotou tentos decisivos para os placares finais de nove partidas e foi às redes contra equipes como Atalanta, Fiorentina, Inter, Lazio, Milan e Torino. O português foi o maior finalizador da temporada, com 131 arremates tentados, marcou 21 gols e forneceu seis assistências.

Allan

Prêmio: Melhor jogador brasileiro

Allan não teve a melhor temporada da carreira, mas ainda assim se destacou pela regularidade. Uma característica que, finalmente, lhe rendeu as primeiras chances na Seleção. No Napoli, pela primeira vez em quatro anos não foi às redes, já que Ancelotti lhe tolheu tantos avanços à área adversária, como Sarri gostava. Ainda assim, continuou sendo um leão na meia cancha azzurra e fez suas principais atuações na primeira metade da campanha azzurra, como na goleada ante o Empoli ou nas primorosas partidas contra Paris Saint-Germain e Liverpool, na Liga dos Campeões. Outros brasileiros que tiveram 2018-19 positivo foram Lucas Leiva (cada vez mais respeitado na Lazio), Rafael Toloi (ídolo da Atalanta) e Lucas Paquetá (que cavou seu espaço muito rapidamente no Milan).

Nicolò Zaniolo

Prêmio: Revelação do campeonato*

Zaniolo começou a temporada como moeda de troca, avaliado em 4,5 milhões de euros e envolvido no negócio que levou Radja Nainggolan da Roma à Inter. Concluiu 2018-19 como um dos principais nomes da renovação da seleção italiana e galinha dos ovos de ouro romanista, uma vez que se valorizou quase 10 vezes em menos de 365 dias – segundo o Transfermarkt, já custa cerca de 40 milhões. O meia de 19 anos superou a concorrência de 14 jovens estrelas por motivos bem consistentes. Desde a madura estreia em pleno Santiago Bernabéu, contra o Real Madrid pela Liga dos Campeões, se tornou um dos principais jogadores da Roma: qualidade técnica, versatilidade e poder de decisão são suas principais características. O romanista registrou quatro gols e duas assistências no campeonato, além de uma doppietta nas oitavas da UCL contra o Porto.

* Vale lembrar que, nesta categoria só concorrem estreantes sub-23. Moise Kean e Federico Chiesa, portanto, não se enquadram.

Gian Piero Gasperini

Prêmio: Melhor técnico

Barbada. Mais de 90% dos eleitores da nossa seleção da temporada escolheram o ousado Gasperini como treinador do ano na Itália. Pudera: com a sétima menor folha salarial da Serie A, o piemontês levou a Atalanta a sua melhor colocação na história, e fez a equipe conquistar, pela primeira vez, o direito de jogar a Champions League. O ofensivo time da Dea ainda foi vice-campeão da Coppa Italia, desempenhou um futebol eficiente e extremamente agradável, com 103 gols anotados em todas as competições de 2018-19, e teve o melhor ataque do Italiano. Tá bom ou quer mais? Respeitemos os seus cabelos brancos.

Eleitores da seleção da temporada
Aldir Junior (Calciopédia/Atalanta Brasil)
Alexandre Ferrari (Calciopédia/Jornal O Popular)
André Soares (Calciopédia/SS Lazio Brasil)
Arthur Barcelos (Calciopédia)
Arthur Chaves (Calciopédia)
Braitner Moreira (Calciopédia)
Bruno Bonsanti (Trivela)
Bruno D’Alécio (Juventus Brasil)
Bruno Dante (AC Milan Brasil)
Bruno Formiga (Esporte Interativo)
Caio Bitencourt (Footure FC/Revista Relvado)
Caio Dellagiustina (Calciopédia)
Charley Moreira (Calciopédia/AC Milan Brasil)
Clara Albuquerque (Esporte Interativo)
Conrado Giulietti (DAZN)
Douglas Anholeti (Calciopédia)
Eduardo Figueira (Calciopédia)
Estevam Ciccone (DAZN)
Felipe Lobo (Trivela)
Felipe Portes (Calciopédia/Revista Relvado)
Felipe Rolim (Esporte Interativo)
Fred Miranda (Doentes por Futebol)
Gian Oddi (ESPN)
Gustavo Hofman (ESPN)
Henrique Mathias (Calciopédia)
Hugo Mendes (Calciopédia)
Leonardo Bertozzi (ESPN)
Leonardo Grossi (Calciopédia)
Lucas Gonçalves (AC Milan Brasil)
Luiz Augusto (Inter de Milão Brasil)
Mairon Rodrigues (Footure FC)
Marco De Vargas (FoxSports)
Mauro Cezar Pereira (ESPN)
Murillo Moret (Calciopédia)
Nathalia Perez (Calciopédia/AC Milan Brasil)
Nelson Oliveira (Calciopédia)
Rodrigo Bueno (FoxSports)
Victor Canedo (Globo Esporte) e
Victor Quintas (Doentes por Futebol).

1 comentário

Deixe um comentário