Jogadores

No Milan, Mauro Tassotti roeu o osso para depois comer o filé

Há exatamente 50 anos nascia um dos mais duros defensores que o futebol já conheceu: Mauro Tassotti. Terzino destro nascido em Roma, Tassotti começou sua carreira jogando pela Lazio, onde atuou profissionalmente entre os anos de 1978 e 1980. Nesse período, fez 41 partidas e não marcou nenhum gol. Tentos, aliás, não eram seu forte: em seus quase 20 anos de carreira, marcou apenas oito. Todos pelo Milan.

Seu trabalho era evitá-los. E foi muito bem sucedido. Ficou conhecido por sua grande técnica e competência milimétrica para fazer a linha de impedimento. Suas impecáveis atuações pelo lado direito faziam muitos críticos lembrarem do brasileiro Djalma Santos, campeão mundial com a seleção, na Copa de 1958.

Tassotti chegou a Milanello em um período complicado do clube, bem na época do escândalo de Totonero, e estreou pela equipe jogando a Serie B. Só a partir de 1986, com a renúncia do então presidente Giuseppe Farina e a compra da sociedade por Silvio Berlusconi é que o Milan voltou a viver grandes momentos. O projeto megalomaníaco, que queria “tornar o Milan o melhor time do mundo, com estilo de jogo espetacular”, começou a funcionar já na temporada 1987-88, com a contratação de Arrigo Sacchi para o lugar de Capello, no comando do time. Antes disso, Tassotti trabalhou ainda com o lendário Nils Liedholm.

O lateral, em seus primeiros anos pelo Milan (Wikipedia)

Sob o comando de Liedholm e Capello o futebol do romano já tinha melhorado muito. Em suas próprias palavras: “quando cheguei em Milão, era bruto, pobre e limitado; bruto eu continuei, mas o Milan me mudou como homem e como jogador de futebol”. Porém, foi sob o comando de Sacchi e seu “futebol total”, com marcação por zonas e contínuas por pressão, perfeita linha de impedimento e conquista de espaços, que Tassotti evoluiu de verdade e passou a ser um dos melhores do mundo. Para compor a defesa junto com ele, chegaram Baresi, Costacurta e Maldini. Ali estava a base do time que ficou conhecido como Gli Immortali (Os imortais).

Já na temporada 1987-88 veio a conquista do scudetto, após nove anos na fila. No ano seguinte, as atenções voltaram-se para a Liga dos Campeões, que o clube não vencia desde o final da década de 60. Com a melhor defesa do mundo na época, um meio-campo formado por Ancelotti, Rijkaard, Colombo e Donadoni, e um ataque que tinha Gullit e Van Basten, foi fácil levar o caneco para Milão: na final, 4 a 0, contra o Steaua Bucareste.

Os anos vitoriosos no Milan continuaram e Tassotti conseguiu, finalmente, ser convocado para a nazionale, aos 32 anos de idade. Compunha a defesa azzurra com os mesmos companheiros do Milan. Em 1994, estava entre os selecionados de Sacchi, agora treinador da seleção, para a Copa do Mundo.

Sua participação na Copa e na seleção, no entanto, acabou da pior maneira possível: nas quartas-de-final, contra a Espanha, deu uma cotovelada em Luis Enrique, que não foi vista pelo trio de arbitragem. Imagens da TV ajudaram a impor-lhe uma suspensão pesada: oito jogos. Tassotti ficou de fora do resto do torneio e nunca mais foi convocado. Posteriormente, pediu desculpas públicas ao espanhol.

Pois é: o defensor Tassotti usou a 9 em 1994. E fez besteira contra a Espanha (El Cuadrilátero)

Sua última partida como jogador profissional foi dia 1º de junho de 1997, contra o Cagliari, no San Siro, sem muita pompa, como foi durante toda sua carreira. Afinal, naquele dia, também se despedia Franco Baresi. Os holofotes nunca estiveram virados para Tassotti, que, porém, sempre foi essencial para o bom funcionamento da defesa rossonera e jamais será esquecido pelos milanistas. Foram 17 anos consecutivos jogando como titular do setor, acumulando 428 aparições e oito gols. Logo que deixou os gramados, começou a treinar o Primavera do Milan. Por lá ficou de 1997 a 2001, tempo suficiente para conquistar duas Copa Viareggio. Em 2001, tornou-se auxiliar técnico do time, função que ocupa até hoje.

Mauro Tassotti
Nascimento: 19 de janeiro de 1960, em Roma
Posição: lateral-direito
Clubes: Lazio (1978-80) e Milan (1980-97)
Seleção italiana: 7 jogos, nenhum gol
Títulos: 5 Serie A (1987-88, 1991-92, 1992-93, 1993-94, 1995-96), 4 Supercoppa Italiana (1988, 1992, 1993, 1994), 3 Ligas dos Campeões (1988-89, 1989-90, 1993-94), 3 Supercopas da UEFA (1989, 1990, 1994) e 2 Copas Intercontinentais (1989, 1990)

2 comentários

  • HAHAHAHA milanista só nesse final de semana, contra a Inter. Pelo bem do campeonato. 🙂 No mais, beem longe disso. auehauheuea

    E tem como não elogiar um time desse?
    Galli; Tassotti, Costacurta, Baresi e Maldini; Ancelotti, Rijkaard, Colombo e Donadoni; Gullit e Van Basten.

    auehauehaueha abraço!

Deixe um comentário