Serie A

1ª rodada: Juve e Roma vencem no fim; Napoli também triunfa e Inter tropeça

Devido à tragédia em Gênova, a primeira rodada da Serie A teve apenas oito jogos. Milan-Genoa e Sampdoria-Fiorentina acontecerão nos próximos meses. Num fim de semana mais magro, quase todas as favoritas por vagas europeias triunfaram. Só a Inter perdeu, frente a um carrasco habitual. Confira!

Chievo 2-3 Juventus
Stepinski (Giaccherini) e Giaccherini (pênalti) | Khedira (Chiellini), Bani (contra) e Bernardeschi (Alex Sandro)

Tops: Giaccherini (Chievo) e Bernardeschi (Juventus) | Flops: Bani (Chievo) e Cancelo (Juventus)

Foi muito mais complicado do que o esperado, mas a Juventus venceu na estreia da Serie A. Em seu primeiro jogo oficial pela Velha Senhora, Cristiano Ronaldo atuou centralizado e também pelo flanco esquerdo do ataque, mas passou em branco. O português, inclusive, acabou levando a nocaute o goleiro Sorrentino, num lance involuntário e bastante complicado, que levou a um gol de Mandzukic anulado pelo VAR.

Durante boa parte do primeiro tempo, a Juve parecia candidata a uma vitória tranquila. Abriu o placar com Khedira, aos 3 minutos, e chegou a ter 84% de posse de bola. No entanto, Bonucci deixou Stepinski escapar na marcação e, de cabeça, o polonês concluiu belo cruzamento de Giaccherini. O baixinho estava impossível e virou no início do segundo tempo, convertendo pênalti que ele mesmo sofreu de Cancelo. Foi aí que Allegri lançou Bernardeschi e Mandzukic para buscar a virada: a pressão surtiu efeito e a partir de um escanteio cobrado pelo italiano a Juve empatou, numa infelicidade de Bani. A virada chegou já no finzinho, quando Federico ganhou do próprio Bani e escorou um cruzamento de Alex Sandro.

Lazio 1-2 Napoli
Immobile (Acerbi) | Milik (Callejón) e Insigne (Allan)

Tops: Immobile (Lazio) e Insigne (Napoli) | Flops: Cáceres (Lazio) e Koulibaly (Napoli)

Contestado na pré-temporada, o Napoli arrancou um resultado muito importante no Olímpico. A equipe azzurra mostrou alguns problemas defensivos, mas contou com as individualidades de Insigne e Allan para resolver: o primeiro, foi decisivo como sempre; o brasileiro foi um leão no meio-campo. Com isso, Ancelotti continua invicto em estreias (são sete vitórias e um empate em sua carreira) e o Napoli ampliou para sete o número de jogos sem derrota para os celestes.

A Lazio, porém, saiu na frente. Aos 25 minutos, Acerbi lançou Immobile e o atacante tirou três adversários com um único toque, ficando livre para acertar o ângulo de Karnezis. Atrás no placar, o Napoli pressionou pelo empate. Milik precisou de duas oportunidades para empatar: na primeira, teve o gol anulado por falta de Koulibaly no lance; na segunda recebeu passe de Callejón para empurrar. A virada também teve um bonito gol. No segundo tempo, Insigne dominou um toque fortuito de Allan e bateu sem a menor chance para Strakosha.

Sassuolo 1-0 Inter
Berardi (pênalti)

Tops: Consigli e Magnani (Sassuolo) | Flops: Brozovic e Dalbert (Inter)

O tempo passa, a Inter se reforça, mas o Sassuolo continua ocupando o lugar de asa negra dos nerazzurri. Em 11 confrontos entre as equipes, o time neroverde venceu sete, e todos os triunfos ocorreram nos oito jogos mais recentes. Contra seu maior freguês na elite, o Sassuolo também confirmou o bom retrospecto em rodadas inaugurais: até hoje, a equipe emiliana só perdeu na primeira rodada em seu jogo de estreia na Serie A, em 2013.

Mesmo reforçada, a Inter foi a campo com uma formação que não deve ser a titular ao longo da temporada. Nainggolan e Skriniar desfalcaram os nerazzurri, por exemplo, ao passo que os croatas ainda estão longe das melhores condições físicas. Brozovic foi o único que começou jogando (e foi muito mal); já Perisic entrou só no segundo tempo no lugar de um Dalbert desastroso. O gol do Sassuolo saiu nas costas do brasileiro, frequentemente importunado por Berardi e Di Francesco: o pênalti convertido pelo primeiro foi sofrido pelo segundo, derrubado por Miranda. No restante do jogo, Handanovic teve de aparecer com duas defesas importantes para salvar os interistas. Do outro lado, o goleiro Consigli teve outra boa atuação contra a Inter, mas no geral os nerazzurri não foram capazes de incomodar a defesa da casa.

Torino 0-1 Roma
Dzeko (Kluivert)

Tops: Meïté (Torino) e Dzeko (Roma) | Flops: Belotti (Torino) e El Shaarawy (Roma)

Apenas 1 a 0 no placar e gol marcado no final. Se você não assistiu o jogo e acha que Torino e Roma fizeram uma partida chata e de baixo nível técnico, pode se surpreender. O duelo em Turim teve quatro bolas na trave, um gol anulado, técnico expulso e muita, mas muita emoção. Foi, provavelmente, o jogo mais divertido e interessante de toda a rodada. Com o resultado, os romanistas ampliam uma sequência de hegemonia sobre o Toro: nos 17 últimos duelos, perdeu apenas um e venceu 12.

No primeiro tempo, Kolarov e Dzeko acertaram a parte externa trave do Torino. O lateral sérvio também acertou as costas de De Silvestri, que precisou ser substituído por causa de dores lombares. Em seu lugar entrou o nigeriano Aina, que fez bela estreia pelo clube, com muito dinamismo – assim como o volante Meïté, outro recém-chegado. Antes do intervalo Rincón acertou o travessão com um chute de fora da área e, já na segunda etapa, o Toro teve um gol de Falque anulado. Também estreante, o goleiro Olsen fez uma grande defesa logo em seguida, e Dzeko voltou a carimbar o poste. A Roma melhorou muito com a entrada de Kluivert e chegou ao gol graças ao holandês. Aos 89, Dzeko fez o trabalho de pivô, acionou o estreante e correu para a área para receber a bola de volta, num cruzamento: de primeira, encobriu Sirigu e decretou a vitória visitante.

Parma 2-2 Udinese
Inglese (Di Gaudio) e Barillà | De Paul (pênalti) e Fofana (Samir)

Tops: Inglese (Parma) e De Paul (Udinese) | Flops: Stulac (Parma) e Scuffet (Udinese)

Em seu retorno à Serie A, o Parma protagonizou um dos jogos mais movimentados da rodada. Recebendo a Udinese no Tardini, a equipe crociata chegou a abrir 2 a 0, mas sofreu o empate em dois lances praticamente seguidos e não pode comemorar os três pontos. O resultado acabou sendo o mais esperado: afinal, os parmenses empataram 13 de seus 17 últimos jogos inaugurais do campeonato. Até hoje, o Parma continua invicto em estreias em casa, enquanto o time de Údine voltou a empatar no debute após nove anos. Na ocasião da última igualdade, o adversário também foi o Parma.

O primeiro tempo foi quase inteiramente dominado pelo Parma, que teve em Di Gaudio o seu principal jogador. O atacante criou quatro chances de gol e, pouco após finalizar perigosamente por cima, deu o passe para que Inglese abrisse o placar: o camisa 45 entortou o cintura dura Nuytinck duas vezes e bateu no canto. Já no segundo tempo, Barillà ampliou, após aproveitar rebote de Scuffet num cruzamento rasteiro. Aos 65, Grassi colocou o braço na bola dentro da área e concedeu um pênalti bobo para a Udinese. De Paul converteu e, quatro minutos depois, participou da boa jogada trabalhada que originou o empate, anotado por Fofana. Com a igualdade no placar, o Parma se retraiu e o time visitante tentou dar o bote, mas o 2 a 2 permaneceu.

Atalanta 4-0 Frosinone
Gómez (Rafael Tolói), Hateboer (Gómez), Pasalic (Gómez) e Gómez

Tops: Gómez e Rafael Tolói (Atalanta) | Flops: Perica e Zampano (Frosinone)

Alguém anotou a placa? A Atalanta não economizou esforços na primeira rodada para atropela o caçula Frosinone graças a uma atuação de gala de Gómez. Papu ainda não havia marcado um gol sequer no estádio Atleti Azzurri d’Italia em 2018, mas lavou a alma com uma doppietta e duas assistências. Com isso, o argentino contribuiu para que a equipe chegasse à primeira vitória em estreias na Serie A em uma década e à liderança do torneio.

A Atalanta promoveu verdadeiro assédio à meta do Frosinone, defendida por Sportiello, cria da base nerazzurra. Logo nos primeiros minutos, Rafael Tolói foi ao ataque (como faria diversas vezes na partida) e deixou Gómez em boas condições para fazer o primeiro. Embora a blitz continuasse, a Dea só ampliou na volta do intervalo: Papu virou bem o jogo e Hateboer anotou seu primeiro na Serie A com uma finalização de primeira. Aos 16, o argentino driblou Salamon com facilidade e cruzou rasteiro para Pasalic marcar o terceiro. A conta foi fechada nos acréscimos, quando Gómez fez jogada individual e bateu de fora da área, sem dar chances a Sportiello.

Bologna 0-1 Spal
Kurtic

Tops: Palacio (Bologna) e Kurtic (Spal) | Flops: Nagy (Bologna) e Lazzari (Spal)

O campeonato começou a todo vapor na Emília-Romanha, que tem o maior número de clubes nesta edição da Serie A – quatro. A região recebeu três partidas e uma delas foi logo um dos clássicos regionais, realizado entre Bologna e Spal. Para completar, o jogo teve um enredo pouco habitual. Os spallini conseguiram seu primeiro triunfo numa estreia na elite desde 1962, ao passo em que os bolonheses perderam em casa num debute em agosto pela primeira vez na história. Considerando tropeços em 2017-18, o Bologna chegou a cinco derrotas em série no campeonato, o que não acontecia desde setembro de 2015.

Os times de Pippo Inzaghi e Semplici fizeram um jogo de muita luta e poucas emoções. Com as equipes se anulando no plano tático, as parcas oportunidades surgiram apenas chutes de fora da área – uma das exceções foi um voleio de Petagna, rebatido por Skorupski. O gol só poderia surgir de finalizações de longa distância. E que gol: aos 71, Kurtic recebeu a bola na intermediária, se livrou de Dzemaili e acendeu um petardo, que tocou na trave e estufou as redes dos rossoblù. Ainda houve tempo para o primeiro cartão vermelho do campeonato (dado a Nagy, do Bologna) e para Helander quase empatar, ao acertar a trave no último lance do jogo.

Empoli 2-0 Cagliari
Krunic e Caputo (Zajc)

Tops: Zajc e Caputo (Empoli) | Flops: Cigarini e Diego Farias (Cagliari)

Os confrontos entre Empoli e Cagliari costumam se desenrolar da seguinte forma: em geral, o mandante vence. Na sétima vez em que recebeu a equipe sarda, os azzurri chegaram à sexta vitória e à vice-liderança da Serie A, considerando os critérios de desempate para os outros times vencedores da rodada inaugural. Para alcançar tal feito, os toscanos contaram com uma ótima atuação de Zajc.

O meia-atacante esloveno já construiu uma história interessante contra o Cagliari na Serie A. Seu único gol na elite havia sido marcado contra os casteddu e, se desta vez ele não balançou as redes (passou muito perto disso), participou dos dois gols. Primeiro, cruzou a bola para que Krunic aproveitasse a indecisão da zaga para marcar, aos 14 minutos. Já na etapa final, acionou Caputo, que só teve o trabalho de chutar e comemorar. O artilheiro da última Serie B só havia anotado uma vez na elite, oito anos atrás, quando ainda atuava pelo Bari.

Seleção da rodada
Sorrentino (Chievo); Allan (Napoli), Rafael Tolói (Atalanta), Magnani (Sassuolo), Hateboer (Atalanta); Duncan (Sassuolo); Gómez (Atalanta), Bernardeschi (Juventus), Zajc (Empoli), Insigne (Napoli); Dzeko (Roma). Técnico: Roberto De Zerbi (Sassuolo).

2 comentários

  • Campeonato interessante. Revendo aqui, acho que o Napoli briga sim pelo título, assisti todo o segundo tempo contra a Lazio, e depois revendo os lances tiveram muito volume de jogo. A presença de um homem de área (Milik) pode ser o diferencial e Ancelotti não deve ser tão intransigente quanto Sarri quanto à montagem tática da equipe. A Juventus tem um dos plantéis mais fortes da Europa (do mundo) — se não for o melhor. Mas a defesa envelhecida pode gerar alguns problemas ao longo do campeonato. Muito cedo p falar da Inter, Spalletti precisa achar um melhor entrosamento. Não gostei da Roma, se o Torino tivesse vencido não seria injusto. Resta ver o Milan. O título está entre estes, com obviamente a Juve sendo o time a ser batido.

Deixe um comentário