Jogadores

O meia Fabio Liverani foi o primeiro negro italiano a defender a seleção



Ser negro na Itália do século XXI é difícil. Crescer nessa mesma sociedade racista nos anos 1970 e 1980, então, era uma barra ainda maior. Fabio Liverani pode falar sobre isso com propriedade. Ele também pode palestrar sobre como superar obstáculos e ganhar uma posição de destaque no país: afinal, foi o primeiro negro italiano a defender a seleção.

Nascido em Roma, Fabio é filho de um comerciante romano e de uma imigrante somali, refugiada de guerra. Quando criança, era levado todos os dias por sua mãe até a escolinha da Romulea, onde deu seus primeiros passos no esporte. Aos 15 anos, Liverani ficou órfão do pai, Ezio, e o futebol ganhou ainda mais importância, pois ele seria ainda mais responsável pela família. Ainda nas divisões de base, o jogador rodou a Itália: se transferiu da capital, onde iniciou a formação na Lodigiani, para atuar na equipe Primavera do Palermo, na Sicília. Nos dois anos seguintes, entre 1995 e 1996, defendeu Cagliari e Napoli, ainda na base.

Liverani estreou profissionalmente na Nocerina, em 1996, e meses depois passou à Viterbese. A partir de dezembro daquele ano, disputou a Serie C2 e se tornou um dos pilares do time da região do Lácio, com o qual conquistou a quarta divisão e o acesso à terceirona em 1999. No ano seguinte, as três temporadas de boas atuações em Viterbo, lhe renderam transferência ao Perugia, que disputava a Serie A na época. A equipe pertencia a Luciano Gaucci, o mesmo dono do Viterbese.

Aquele seria o início de uma rápida ascensão em sua carreira. Além de passar diretamente da Serie C1 para a elite, poucos meses depois Liverani já seria jogador de seleção. Em sua temporada de estreia na primeira divisão, o meio-campista fez 32 partidas em um dos melhores elencos da história do Perugia, jogando ao lado de grandes jogadores, como Marco Materazzi, Zisis Vryzas, o brasileiro Zé Maria e um jovem Pablo Guiñazú. Graças ao seu bom desempenho em 2000-01, Fabio conseguiu chamar a atenção de outros grandes clubes da Itália e também de Giovanni Trapattoni, então treinador da seleção italiana, que o convocou pela primeira vez em abril de 2001.

Liverani estreou na elite pelo Perugia e logo chegou à Nazionale (Allsport)

Fabio foi convocado para a vaga de Francesco Totti, que estava lesionado, e estreou num amistoso contra a África do Sul, que terminou com vitória italiana por 1 a 0. O camisa 20 do Perugia não era um dos favoritos a aparecer na lista, o que fez com que sua convocação repercutisse na imprensa italiana como algo inesperado, mas ao mesmo tempo representou a quebra de um importante tabu na Squadra Azzurra: foi o primeiro negro nascido na Itália a vestir a camisa da seleção. Antes, o único outro negro a vestir a camisa azul era o argentino Miguel Montuori, que havia se naturalizado e atuado pela Nazionale nos anos 1950.

Coincidentemente, na partida de estreia, Liverani disputou os primeiros minutos contra a seleção de um país que poucos anos antes havia encerrado um longo regime de segregação racial – o apartheid. Outra coincidência foi estrear diante da sua torcida, no estádio Renato Curi, de Perúgia. O meia disputou apenas o primeiro tempo, mas foi bastante aplaudido pelo grande número de torcedores dos grifoni que foram ao amistoso.

Liverani terminou a temporada sob holofotes e cobiçado por várias equipes de maior expressão. No verão de 2001, mais especificamente no último dia da janela de transferências, o Perugia recebeu uma proposta irrecusável da Lazio de Sergio Cragnotti, que ofereceu 25 bilhões de liras (cerca de 10 milhões de euros) para contratá-lo. Após sete anos, então, Fabio retornava à sua cidade natal para vestir a camisa celeste, com a qual viveria seu auge.

No entanto, o italiano não foi bem recebido pelos torcedores. Assim que sua chegada foi oficializada, circulou uma imagem do meia celebrando o terceiro scudetto da Roma, o que gerou antipatia nos torcedores. A outra motivação para essa antipatia estava na sua cor de pele: o jogador foi alvo de racismo por uma parcela de ultras da própria torcida. Meia década depois de Aron Winter, Liverani foi apenas o segundo negro a jogar no clube e sofreu com os mesmos problemas do primeiro. As pichações e coros contra Liverani eram um déjà-vu do que havia acontecido em 1992, quando o holandês chegou. Faixas com o escrito “Winter raus” (“fora Winter”) pareciam ter sido tiradas de um baú pelos organizados de extrema direita e reexibidas em Formello nove anos depois, com a simples adaptação no nome.

Após ser hostilizado por ultras da Lazio, Liverani virou ídolo da torcida (AFP/Getty)

Liverani recebeu apoio do presidente, que se posicionou contra as atitudes racistas, como já havia feito diversas vezes desde quando assumiu a Lazio, inclusive na época de Winter. A reação do recém-chegado não foi explosiva, até porque isso poderia jogá-lo de vez contra a torcida: “Cresci em um bairro popular, essas coisas não me assustam mais. Estou tranquilo e penso apenas em jogar futebol, focado na Lazio”, declarou o regista numa entrevista ao jornal La Repubblica.

Deixando de lado os fatores extracampo, Liverani chegava a um time repleto de craques, mas com problemas no meio-campo, já que Juan Sebastián Verón e Pavel Nedved haviam sido negociados e Diego Simeone se lesionara às vésperas do início da temporada. A demanda por um regista era tão grande que um dia depois de sua apresentação, Fabio já estava em campo fazendo sua estreia, contra o Parma. Dali em diante, Liverani preencheu a lacuna do setor e engatou uma sequência de quinze jogos entre os titulares. O romano aquela temporada com apenas dois gols marcados: o primeiro em uma partida tranquila contra a Udinese que terminou em 4 a 1 para os celestes; o segundo, em vitória contra a Juventus, no Olímpico, encobrindo Gianluigi Buffon.

Na temporada seguinte, Fabio sofreu uma lesão grave na panturrilha que comprometeu seu início de temporada, já que teve apenas 147 minutos em campo durante todo o primeiro turno. No returno, somou mais tempo em campo, mas quase sempre começava as partidas no banco e entrava durante a segunda etapa. Em 2003-04, a Lazio manteve Roberto Mancini no comando, mas teve que fazer várias vendas por conta da crise financeira que atravessava. Com isso, o nível do elenco caiu, mas o rendimento não: a equipe só caiu nas semifinais da Copa Uefa para o Porto de José Mourinho e ganhou a Coppa Italia de forma invicta. Foi o título que colocou um ponto final no ciclo mais vitorioso da história da Lazio e também o único realmente relevante da carreira de Liverani.

Depois da conquista da Coppa Italia, a crise estourou nos bastidores da Lazio, Cragnotti teve que passar o bastão depois de deixar o clube à beira da falência e o vendeu para Claudio Lotito. Visando equilibrar as contas do clube, Lotito foi forçado a negociar vários jogadores e, no verão de 2006, Liverani não renovou o seu contrato. O jogador, que havia assumido a faixa de capitão no início daquele ano – se tornando o único negro a ocupar este posto na história laziale –, levou a sua grande qualidade nos passes para a Toscana: encerrou sua passagem na Lazio para jogar na Fiorentina.

Na Fiorentina, Liverani se tornou um jogador mais voltado à contenção (New Press/Getty)

Pouco depois de assinar com a Fiorentina, Liverani fez sua última partida pela seleção italiana e jogou 58 minutos de um amistoso perdido por 2 a 0 contra a Croácia. O meio-campista permaneceu duas temporadas na Viola e fez parte de uma equipe competitiva que contava com Riccardo Montolivo, Giampaolo Pazzini, Adrian Mutu, Martin Jorgensen e o astro Luca Toni. Foi peça importante para o esquema de Cesare Prandelli e se tornou um jogador mais defensivo, com a função de de distribuir o jogo, ajudar na saída de bola e dar passes verticais para os homens de frente.

Na sua temporada de estreia, como titular absoluto, ajudou a equipe a reverter uma situação complicada. A Fiorentina começou o campeonato com 15 pontos negativos, por conta das punições por envolvimento de diretores no escândalo Calciopoli, mas, mesmo assim, terminou a Serie A com uma vaga na Copa Uefa e com a melhor defesa da competição.

No ano seguinte, a Viola ficou com o quarto lugar na liga italiana e teve campanha de destaque na Copa Uefa: os gigliati ficaram invictos no Grupo C, eliminaram em sequência Rosenborg, Everton e PSV Eindhoven, mas caíram nas semifinais para o Glasgow Rangers, na disputa de pênaltis. Liverani – que atuou menos na Serie A, mas foi titular na trajetória europeia – anotou um dos tentos da vitória sobre o Rosenborg, em Florença, mas no momento decisivo contra o Rangers, desperdiçou uma penalidade.

Aos 32 anos, Liverani assinou um contrato de três anos com o Palermo, retornando ao clube que lhe abriu as portas no futebol no intuito de encerrar sua carreira. Fabio era um dos mais experientes de uma equipe repleta de jovens talentos, como Salvatore Sirigu, Simon Kjaer e Edinson Cavani – que ganharia, posteriormente, os reforços de Javier Pastore e Josip Ilicic.

(Getty)

Em 2008-09, o romano foi titular durante quase todo o campeonato, mas nas temporadas seguintes sofreu com duas lesões sérias que o impediram de ter longas sequências de jogos. Eram sinais de que a aposentadoria poderia estar se aproximando. Com Delio Rossi no comando técnico, Liverani teve seu último ano como profissional na Itália em 2010-11 – temporada na qual jogou apenas 13 partidas.

Os rosanero vinham de um surpreendente quinto lugar na Serie A de 2009-10 e a espinha dorsal daquele time havia sido mantida. Em 2011, o desempenho na competição foi para lá de irregular e marcado por turbulências nos bastidores do clube. Contudo, na Coppa Italia os sicilianos conseguiram resultados surpreendentes e tiveram uma grande chance de conquistar aquele que seria o título mais importante da história do clube. Acabaram batendo na trave pela terceira vez na história ao perderem a grande final para a Inter. Liverani assistiu à final do banco de reservas do Olímpico de Roma.

O meio-campista deixou o Palermo em fim de contratou e assinou com o Lugano, da Suíça. Contudo, decidiu se aposentar em novembro de 2011, sem realizar um jogo sequer pelo clube alvinegro. Logo depois de pendurar as chuteiras, Liverani deu início à carreira de treinador: começou nas categorias de base do Genoa e, em 2013, assumiu o time principal.

Liverani comandou a equipe em sete partidas, mas só conquistou uma vitória e foi demitido pelo excêntrico presidente Enrico Preziosi. O absurdo? O triunfo ocorrera por 3 a 0 e num dérbi contra a Sampdoria. Depois de zarpar de Gênova, Liverani deixou fez curtos trabalhos no Leyton Orient, da Inglaterra, e na Ternana, até chegar ao Lecce ,em 2017. Com os giallorossi, faz seu primeiro trabalho contínuo na carreira. O romano conquistou a terceira divisão e, com dois acessos consecutivos, levou os salentinos à elite em 2019-20. Atualmente, com futebol bastante propositivo, tenta se consolidar como um treinador de relevo na Itália.

Fabio Liverani
Nascimento: 29 de abril de 1976, em Roma, Itália
Posição: meio-campista
Clubes: Nocerina (1996), Viterbese (1997-00), Perugia (2000-01), Lazio (2001-06), Fiorentina (2006-08), Palermo (2008-11) e Lugano (2011)
Títulos: Serie C2 (1999) e Coppa Italia (2004)
Carreira como treinador: Genoa (2013), Leyton Orient, (2015), Ternana (2017) e Lecce (2017-hoje)
Títulos como treinador: Serie C (2018)
Seleção italiana: 3 partidas



Deixe um comentário