Serie A

Pós-jogo: Inter 1×0 CSKA Moscou

Sneijder perdeu uma das chances que a Inter teve para decidir o confronto na partida de ida (Getty Images)

A Inter saiu do Giuseppe Meazza, palco da primeira partidas das quartas-de-final da Liga dos Campeões com a convicção de que poderia ter matado o confronto contra o CSKA Moscou. A vitória por 1 a 0 não refletiu as chances criadas pela equipe nerazzurra, sobretudo no segundo tempo. Mesmo assim, o favoritismo ainda é italiano, não obstante o jogo de volta, que ocorrerá terça-feira, será disputado no frio moscovita e num campo de grama sintética.

A partida na primeira etapa não foi nada empolgante. O time vermelho de Moscou jogava bastante fechado em sua defesa e a Inter, escalada novamente no 4-2-3-1 que passou pelo Chelsea, pouco conseguia criar. A primeira boa chance da Inter veio com Pandev, que chutou forte da entrada da área, mas a bola passou sobre o gol de Akinfeev. Depois, quase no final da primeira etapa, Pandev, Sneijder e Milito fizeram ótima triangulação na entrada da área russa, mas o holandês não conseguiu concluir com perigo. Mas se os interistas não puderam comemorar um gol ainda no primeiro tempo, pelo menos festejou os cartões amarelos para Aldonin e Krasic, que estarão suspensos para a partida de Moscou.

Para o segundo tempo, a Inter voltou com uma postura ainda mais agressiva, mas quem levu perigo pela primeira vez foi o CSKA, com um ótimo chute de fora da área de Aldonin, que Júlio César mandou para escanteio. Em seguida, aos 15 minutos da segunda etapa, um erro na saída de bola moscovita permitiu a Cambiasso avançar e deixar Stankovic na cara do gol, mas o meia sérvio não conseguiu chutar com precisão e facilitou as coisas para Akinfeev.

O goleiro russo começou a se destacar justamente a partir deste lance, já que nos 15 minutos subsequentes, a Inter passou a atacar com muita intensidade. Pandev – que voltou a jogar bem após um período apagado – tentou de fora da área novamente, mas o chute colocado foi espalmado pelo goleiro russo. Eto’o experimentou um chute rasteiro no cantinho, mas Akinfeev estava lá para segurar. Porém, no lance seguinte, o goleiro da seleção russa não pode fazer nada no chute de Milito, que abriu o placar. Sneijder puxou contra-ataque e tocou para Il Principe, da meia-lua, bater forte e rasteiro, sem oferecer qualquer chance.

Logo depois a Inter começou a forçar ainda mais, vendo que a defesa do CSKA não conseguia segurar seu ímpeto. No lance mais claro do jogo, Pandev driblou Akinfeev e já partia para a comemoração quando Aleksei Berezutski cortou em cima da linha um gol quase certo. A dez minutos do fim do jogo, Sneijder estava sozinho frente ao goleiro adversário e ainda tinha a opção de tocar na área para Milito ou Pandev, mas acabou chutando para fora. Akinfeev ainda salvaria o CSKA por duas vezes, em chutes potentes de Cambiasso e Stankovic no mesmo lance, mantendo a ex-equipe do exército russo viva na disputa pelo sonho de chegar às semifinais do torneio mais importante da Europa.

Sem Krasic e com Dzagoev fora de forma, será difícil, mas não impossível. Do lado interista, Mourinho já avisou que deve ir para cima dos russos desde o início, afinal, um gol nerazzurro força os donos da casa a marcarem três para atingirem a classificação. Se a Inter não se cansou na partida de ida – Mourinho fez apenas uma substituição – e teve inúmeras chances de praticamente consumar a classificação no Meazza, também não deve se cansar muito na partida de Moscou, quando terá Lúcio e Thiago Motta de volta, além da vantagem por ter saído na frente na chave. O confronto segue aberto, mas com franco favoritismo ainda do lado italiano.

Inter 1×0 CSKA Moscou
Inter: Júlio César; Maicon, Materazzi, Samuel, Zanetti; Stankovic, Cambiasso; Pandev (Mariga), Sneijder, Eto’o; Milito.
CSKA Moscou: Akinfeev; A. Berezutski, V. Berezutski, Ignashevich, Schennikov; Semberas, Aldonin (Rahimic); Krasic, Honda (Dzagoev), Mamaev (Gonzalez); Necid
Árbitro: Howard Webb, da Inglaterra.
Gol: Milito (Inter).
Cartões amarelos: Materazzi (Inter); Krasic e Aldonin (CSKA Moscou).

Deixe um comentário