Jogadores

Gerry Hitchens, o inglês mais longevo do futebol italiano, se destacou por Inter e Torino

O futebol como conhecido atualmente é uma invenção britânica. Os primeiros clubes da Itália também foram fundados por eles, mas, curiosamente, poucos jogadores oriundos da Grã-Bretanha tiveram sucesso na Serie A. O ano de 1961 foi aquele em que o maior número de atletas provenientes do Reino Unido Denis Law, Joe Baker, Jimmy Greaves e Gerry Hitchens chegaram à Velha Bota e só o último deles permaneceu mais de uma temporada no país. Hitchens defendeu quatro times italianos e teve maior destaque por Inter e Torino.

Gerald Hitchens nasceu na pequena cidade de Rawnsley, Staffordshire, conhecida por suas minas de carvão – nas quais Gerry chegou a trabalhar por um tempo. Ele começou a jogar como atacante no Highley Miners Welfare, clube amador da região, pelo qual foi finalista de uma copa do condado. A decisão foi realizada no estádio do Kidderminster Harriers, com a presença de Ted Gamson, um dos diretores do Kiddy, que gostou da produção do centroavante e lhe ofereceu um contrato, em setembro de 1953.

Na sétima divisão, Gerry conseguiu chamar chamou atenção de clubes da elite inglesa, como West Bromwich Albion e Aston Villa. Contudo, foi o Cardiff City que o contratou, em janeiro de 1955: Hitchens fez sua estreia profissional contra o Wolverhampton, em abril, e precisou de apenas três minutos para marcar o seu primeiro gol.

O clube conquistou a Copa de Gales naquele ano. Nas duas temporadas seguintes, o inglês seria o artilheiro do Cardiff, chegando a 40 tentos em 95 jogos pelos bluebirds. Em meados da campanha de 1957-58, o Aston Villa gastou 22,5 mil libras para contar com o futebol do atacante e ganhou um ídolo. Ao longo de três épocas e meia, Hitchens anotou 96 tentos em 160 partidas – somando todas as competições, entre a primeira e a segunda divisões e as copas nacionais.

Pelo grande desempenho pelos Villains, em 1961, Hitchens recebeu a sua primeira convocação para a seleção da Inglaterra. E precisou de apenas 90 segundos para desencantar pela equipe nacional, deixando o seu na goleada sobre o México, por 8 a 0. Duas semanas depois, enfrentou a Itália e anotou uma doppietta na vitória inglesa por 3 a 2, no Olímpico. Isso chamou a atenção dos clubes italianos e a Inter ganhou a disputa pagando 85 mil libras pelo centroavante, que rapidamente ganhou o apelido de “Pel di carotta” ou “Cenourinha”, devido à cor de seus cabelos.

Hitchens começou bem pela Inter, anotando cinco gols nas primeiras cinco partidas: dois no 6 a 0 sobre a Atalanta, um contra a Roma, em vitória por 3 a 2, e mais uma doppietta ante a Fiorentina, num triunfo por 4 a 1. Rapidamente, ganhou mais um apelido: Il Cannone (“o canhão”, em português). Apesar disso, fora dos campos, o inglês sofria para se adaptar por causa do idioma e pelo fato de a Beneamata costumar se concentrar num hotel dias antes do jogo. Era comum que ele fugisse da concentração para se encontrar com o compatriota Greaves, que atuava pelo Milan.

Amigos e rivais: Hitchens, da Inter, cumprimenta o compatriota Greaves, do Milan, num Derby della Madonnina da temporada 1961-62 (Interleaning)

Com o passar dos meses, Hitchens começou a se adaptar e se tornou um dos ídolos da torcida nerazzurra – a ponto de a imprensa e os paparazzi se interessarem por seus passos extracampo. Gerry marcou em mais dois clássicos na temporada 1961-62, contra a Juventus, e terminou a Serie A com 16 gols, sendo o artilheiro de uma Inter vice-campeã italiana. Na Copa das Feiras, a equipe de Helenio Herrera caiu nas quartas de final, ante o Valencia. O atacante anotara uma doppietta sobre o Hearts e terminou seu ano de debute na Velha Bota com 18 bolas nas redes.

Apesar dos ótimos números pela Inter, Il Cannone deixou o radar da seleção inglesa quando trocou o Reino Unido pela Itália. Em maio de 1962, quando a Copa do Mundo do Chile se aproximava, uma série de lesões e problemas físicos de centroavantes selecionáveis, a sorte sorriu para Hitchens. O técnico Walter Winterbottom o chamou para amistosos preparatórios para a competição e, ali, Gerry garantiu a sua vaga na lista de convocados.

Hitchens marcou uma vez no amistoso contra a Suíça e participou de duas partidas do Mundial: entrou em campo nas derrotas ante Hungria, na fase de grupos, e Brasil, nas quartas. O centroavante loiro anotou um gol contra a equipe canarinho, comandada por Garrincha, mas não conseguiu evitar o 3 a 1. Naquela Copa, Gerry se tornou o primeiro jogador a atuar pela Inglaterra enquanto defendia um time de fora do país. Contudo, a chegada de Alf Ramsey ao cargo de técnico lhe fechou as portas para a seleção dos Três Leões: o novo treinador optou por não chamar atletas de clubes estrangeiros.

O bomber até poderia pedir para ser negociado com um time inglês para ter continuidade na seleção, mas não foi o que aconteceu. Gerry defendia que um jogador tinha uma carreira curta e que a profissão tinha a vantagem de lhe fazer conhecer lugares diferentes – algo que lhe apetecia. Decidiu, então, permanecer na Inter. Hitchens começou a temporada 1962-63 em Milão, mas trocou de clube em outubro: os nerazzurri haviam contratado o brasileiro Jair da Costa e precisavam liberar uma vaga de estrangeiro. Assim, o britânico foi trocado pelo atacante Beniamino Di Giacomo, do Torino.

Como disputou cinco jogos da Serie A 1962-63, Gerry pode ser considerado campeão italiano daquela temporada: o primeiro scudetto da Grande Inter teve a sua digital. Hitchens, Greaves e Ashley Young são os únicos ingleses que integraram elencos vencedores do torneio de pontos corridos na Velha Bota – na época de amadorismo, na transição entre os séculos XIX e XX, outros britânicos haviam obtido o feito.

Especialista em jogadas aéreas, Hitchens anotou muitos gols de cabeça em seus anos no futebol italiano (Corriere della Sera)

Em Turim, foi um dos principais jogadores da equipe ao longo de três temporadas, sendo artilheiro granata na Serie A em duas oportunidades e o principal goleador do time (se considerarmos todos os torneios) em todos os anos em que esteve no Piemonte. Durante a campanha de 1962-63, concluída pelo Torino com uma posição de meio da tabela no Italiano e o vice da Coppa Italia, Hitchens foi treinado por Benjamín Santos e teve como momento de maior destaque uma tripletta anotada contra a Sampdoria.

A chegada do técnico Nereo Rocco, em 1963, fez o Torino subir de produção e terminar a Serie A na sétima posição, além de emplacar mais um vice na Coppa Italia. Gerry também ganhou destaque em jogos importantes, marcando em dois clássicos contra a Juventus e em dois duelos com a Inter – ambos perdidos pelo torneio de pontos corridos e vencidos pelo mata-mata. A melhor temporada de Hitchens vestindo grená foi a derradeira, na qual o time ficou em terceiro lugar no Campeonato Italiano e chegou tanto às semifinais da copa nacional quanto da Recopa Uefa. O inglês teve uma produção especialmente interessante no torneio europeu: anotou quatro tentos.

Depois de 113 partidas e 36 gols pelo Toro, Hitchens rumou a uma modesta Atalanta, cedendo experiência a um time de meio de tabela: no biênio em Bérgamo, atuou mais como um pivô preparador de jogadas para a conclusão dos companheiros. Aos 32 anos, foi ser reserva de luxo no Cagliari, mas antes teve uma breve passagem pelo Campeonato dos Estados Unidos, realizado em tiro curto. Durante o verão de 1967, a diretoria sarda cedeu todo o elenco ao Chicago Mustangs.

No retorno à Sardenha, Il Cannone pouco jogou, uma vez que era apenas uma alternativa a Luigi Riva, Roberto Boninsegna e Sergio Gori. Em 1969, beirando os 35 anos, Hitchens deixou o futebol profissional – meses antes de o Cagliari garantir seu único scudetto. Até hoje, Gerry é o inglês que mais tempo atuou na Itália: oito temporadas no total. Dali até 1971, o centroavante defenderia Worcester City, da Inglaterra, e Merthyr Tydfil, do País de Gales, nas ligas inferiores britânicas.

Hitchens passou a fase final de sua vida em Gales, onde administrou uma fábrica de ferragens e uma empresa de fornecimento de madeira. O atacante, porém, manteve a paixão pelo futebol e não parou de bater uma bolinha, o que lhe custaria muito: a vida. Em 1983, durante uma partida beneficente, Gerry foi vítima de um mal súbito e foi declarado morto quando chegou ao Hospital Geral de Wrexham. O mais icônico inglês do Campeonato Italiano tinha apenas 48 anos.

Gerald Archibald “Gerry” Hitchens
Nascimento: 8 de outubro de 1934, em Rawnsley, Inglaterra
Morte: 13 de abril de 1983, em Hope, País de Gales
Posição: centroavante
Clubes: Highley Miners Welfare (1952-53), Kidderminster Harriers (1953-55), Cardiff City (1955-57), Aston Villa (1957-61), Inter (1961-62), Torino (1962-65), Atalanta (1965-67), Chicago Mustangs (1967), Cagliari (1967-69), Worcester City (1969-71) e Merthyr Tydfil (1971)
Títulos: Copa de Gales (1956), Segunda Divisão Inglesa (1960) e Serie A (1963)
Seleção inglesa: 7 jogos e 5 gols

Compartilhe!

Deixe um comentário