Serie A

Retorno para o returno

O final de semana marcou o início do returno da Serie A. O torneio, apontado desde seu início como uma das melhores ligas italianas dos últimos anos, decepcionou um pouco em seu primeiro semestre. O salto técnico em comparação à última temporada é evidente, mas o esperado equilíbrio ainda não chegou a todos os níveis. A disputa pela Copa da Uefa e pelo rebaixamento promete emoção, com pelo menos quatro equipes lutando pela – ou contra – as duas vagas abertas. Afinal, a primeira da Uefa deverá ficar para Fiorentina ou Udinese, o time que rodar na luta pela Liga dos Campeões. E somente um milagre tira do Cagliari a primeira das vagas para a Serie B.

Falando em Cagliari, os comandados de Ballardini protagonizaram a maior surpresa da 20ª rodada. Após bater o Napoli num San Paolo lotado, na estréia da competição, o Cagliari manteve-se como pedra no sapato do time de Reja. Como tem sido a tônica da equipe, a má pontaria do ataque abriu espaço para a pressão do Cagliari no final. Hamsík abriu o placar no início do segundo tempo e Gianello vinha fazendo grande partida – e contando com a ajuda da trave, por duas vezes. Até que Matri e Conti, nos acréscimos, viraram a partida. O Napoli se distancia-se da Uefa, enquanto o Cagliari fica a cinco pontos da Reggina, último time fora da zona de rebaixamento.

No sábado, a Sampdoria bateu o Siena em um jogo truncado, que marcou a estréia de Riganò no time de Beretta. Outro feito foi o retorno de Delvecchio à Samp, que estava fora por lesão há dois meses. Cassano marcou o gol da vitória no fim do primeiro tempo. Também por placar mínimo a Roma venceu o Palermo. Os giallorossi impuseram uma blitz e finalizaram – sem direção – por várias vezes. O carrinho de Rinaudo sobre Brighi, que resultou na contestada expulsão do defensor rosanero, acabou como fato chave na definição da partida. Apenas dois minutos depois, Taddei cobrou escanteio e Mancini cabeceou livre na segunda trave, na área que era coberta pelo defensor. Guidolin outra vez decepcionou na escalação, atiçando a ira do presidente Zamparini. A cereja no bolo foi a utilização do uruguaio Cavani como esterno, no segundo tempo.

Mancini: novamente, decidindo para a Roma

No domingo, Pato voltou a ser manchetes dos jornais italianos. De “Patômico”, passou a “Patíssimo”. Foram dele os dois gols que garantiram a vitória do Milan sobre o Genoa. No primeiro, Seedorf escorou para o prodígio brasileiro um cruzamento perfeito de Maldini, que finalmente recuperou a boa fase. No segundo, a insistência foi premiada com um pouco de sorte. Pato recebeu lançamento, tentou encobrir o goleiro Scarpi, mas não fez a bola subir o suficiente. Mesmo assim o goleiro italiano rebateu e a bola voltou para Pato botá-la para dentro. O namorado de Stephany Brito (alcunha que será recorrente, enquanto dure o affair) causou a expulsão de Rubinho, ao tentar encobrir o ex-goleiro do Corinthians fora da área e fazê-lo tocar com a mão na bola. É sua segunda expulsão na temporada, pelo mesmo motivo.

Em três jogos, os times não tiraram o zero do placar. O embate entre Catania e Parma, um destes, marcou dois retornos: a reestréia de Lucarelli em campos italianos e a recuperação de Budan, que estava lesionado desde setembro. O brasileiro Piá fez sua estréia pelos etnei. Outro 0-0 ficou entre Torino e Lazio. Os dois times, bastante abaixo das expectativas no campeonato, fizeram uma partida aberta e de grandes chances para os dois lados – Ballotta saiu como melhor em campo. Bianchi, outro estreante na rodada, foi expulso com apenas cinco minutos em campo: substituiu Rocchi no segundo tempo, mas levou dois amarelos e foi mais cedo para o vestiário. Rossi e Novellino balançam sempre mais em seus cargos.

Ballotta sobe com Stellone: goleiro criticado vive boa fase recente

A Udinese, já tradicional pedra no sapato da Inter, pode ter reaberto o campeonato. Após uma vitória na bacia das almas contra o Parma, os nerazzurri, desta vez, não tiveram tanta sorte. César foi expulso ainda no primeiro tempo, e Júlio César saiu como herói após salvar o time de um gol de Di Natale. A Udinese pecou bastante nas finalizações, podendo ter decidido o jogo em pelo menos um par de oportunidades. Cruz também perdeu uma chance clara após falha bisonha de Handanovic na saída de bola. A Inter de janeiro definitivamente não é a mesma do fim de 2007. Em três rodadas, reencontra a Roma. E aí sim ficará decidido se teremos um campeonato nos meses finais.

Após encarar o Livorno, a Fiorentina bateu o Empoli em mais um dérbi da Toscana. Os comandados de Malesani estão cada vez mais próximos da Serie B, enquanto os de Prandelli engataram a quinta marcha e abriram quatro pontos sobre a Udinese na luta pela vaga na Liga dos Campeões. Os gols de Mutu e Pazzini saíram só depois dos 40 minutos do segundo tempo. Pazzo, aliás, contou com a benevolência de Prandelli: o gol surgiu como recompensa após a insistência do técnico em mantê-lo em campo após outra má exibição coroada por impedimentos. A Atalanta também marcou dois gols na Reggina (Rivalta e Langella), mas sofreu o empate (Vigiani e Barreto). Pela primeira vez, o ataque Brienza-Stuani fardou pelo time amaranto, que enfrenta o Milan nesta quarta, por partida adiada.

Pazzini: gol, e só

No posticipo da rodada, o Livorno levou um balde de água fria ao perder em casa para a Juventus. O time de Camolese não perdia desde 28 de outubro, quando finalmente engrenou uma seqüência de invencibilidade e chegou a sonhar com vaga na Copa da Uefa. Trezeguet marcou duas vezes, Del Piero outra. No dia em que a dupla Tavano-Tristán não funcionou, coube ao albanês Bogdani descontar, marcando seu primeiro gol com a camisa granata.

Deixe um comentário