Serie A

Especial: As 15 revelações da Serie A 2009-10

Sirigu, do Palermo, desbancou o brasileiro Rubinho e foi titular do Palermo na temporada (Getty Images)

O Campeonato Italiano tem mudado um pouco no que diz respeito a revelar jovens jogadores. Cada vez mais, atletas de pouca idade aparecem frequentemente como titulares e até mesmo como jogadores importantes para seus times, casos de Marek Hamsík (Napoli), Alexandre Pato (Milan), Mario Balotelli (Inter), Javier Pastore (Palermo) e Emiliano Viviano (Bologna). Na atual temporada, muitos jogadores que surgiram de vez para o cenário internacional já haviam rodado por times de menor expressão, casos de Salvatore Sirigu, goleiro do Palermo e Antonio Candreva, da Juventus.

Para mudar esta mentalidade, destacam-se os trabalho de equipes que investem cada vez mais no futebol de base. A Atalanta está entre as maiores reveladoras de talentos do futebol europeu, e é a equipe que mais revela jogadores no futebol italiano, embora isto não se reflita muito no seu futebol profissional. Após a chegada de José Mourinho, a Inter tem investido pesadamente no seu setor juvenil, cada vez mais profisionalizado. Sampdoria, Fiorentina, Palermo, Roma, Milan e Juventus – esta última bicampeã da Copa Viareggio – também tem seguido a tendência, o que tem feito que jogadores italianos acabem sendo mais frequentemente levados aos elencos profissionais de suas equipes, quebrando uma tradição vigente há muito no país.

Entre os profissionais, algumas equipes tem a tradição de incorporarem jogadores mais novos a seu time elenco principal até mesmo antes desta nova tendência, como a Udinese. Porém, se os friulanos fracassaram em 2009-10, ganharam destaque as apostas de Bari, Cagliari, Palermo e Parma, equipes nas quais mais de um jovem talento se solidificou e assumiu a titularidade, ajudando seus clubes a realizar campanhas interessantes no campeonato.

Pela terceira vez, o Quattro Tratti realiza parceria com o Olheiros, especializado na cobertura do futebol das divisões de base e no acompanhamento de jovens jogadores sobre os quais gira a expectativa de que surjam como novas estrelas do futebol mundial. Abaixo, acompanhe quais foram as 15 melhores revelações da Serie A e por quê. Boa leitura!

Nome: Davide Astori
Idade: 23
Posição: zagueiro
Clube: Cagliari

Em sua segunda temporada no Cagliari, Astori foi o ponto de segurança da defesa rossoblù, ajudando a proteger a meta defendida por Marchetti. Neste ano, o jovem lombardo desbancou o capitão Diego López e assumiu a titularidade ao demonstrar muita garra e boa técnica. Além disso, é bom em antecipações e jogadas aéreas – marcou dois gols após bola parada nesta Serie A. Cedido em co-propriedade pelo Milan há dois anos, chegou a ser vinculado a uma volta ao clube rossonero. Porém, nas recentes negociações entre as diretorias para a liberação do técnico Massimiliano Allegri para o clube de Milão, Astori pode ser envolvido na transação, de forma que continue a evoluir na equipe da Sardenha.

Nome: Khouma El Babacar
Idade: 17
Posição: atacante
Clube: Fiorentina

O mais jovem jogador presente neste especial já é comparado a Drogba, Weah e Balotelli, por possuir muita força física (1,88m e 83 kg) combinada com habilidade. O senegalês Khouma El Babacar chegou a Itália em 2007, para defender o Pescara, mas logo impressionou os olheiros da Fiorentina. Depois de vencer, em 2009, o campeonato nacional da categoria Allievi com os viola, foi integrado ao time principal por Cesare Prandelli. Logo em sua estreia, com 16 anos, marcou contra o Chievo na Coppa Italia e se tornou o mais jovem jogador da história do clube a ter feito um gol. Em apenas quatro partidas disputadas pela Serie A, o atacante mostrou boa movimentação pelos lados do campo, assim como bom cabeceio e alguma frieza. Em seu único gol no torneio, contra o Genoa, Babacar conseguiu deixar Bocchetti (pré-convocado por Marcello Lippi para a Copa do Mundo) acuado, aproveitou uma bobeira do defensor e, com calma, bateu na saída do goleiro. Com tal perspectiva de crescimento, Babacar conseguiu ofuscar Keirrison, que fez tanto quanto ele com o dobro de oportunidades.

Nome: Jonathan Biabiany
Idade: 21
Posição: atacante
Clube: Parma
Depois de ótima temporada jogando na Serie B pelo Modena, Biabiany foi emprestado pela Inter para o Parma, que buscava construir um grupo que mesclasse a experiência de alguns jogadores com a adição de jovens promissores. O francês logo se destacou contra a própria Inter, ao dificultar a vida de Santon puxando contra-ataques de muita velocidade, correndo a quase 30 km/h. Na equipe parmiggiana, que fez bom campeonato, Biabiany atuou em 29 partidas, nas quais demonstrou versatilidade (pode jogar tanto como ponta quanto primeiro atacante) e um estilo de jogo bastante vertical. Driblador, é costumeiramente perigoso quando tem espaço para ir para cima da defesa com rapidez. Em janeiro, o Parma exigiu que a Inter cedesse sua co-propriedade, na transação que portou McDonald Mariga a Appiano Gentile, o que mostra como impressionou no Tardini. No mercado de verão, poderá retornar ao time de Milão para ocupar a vaga de um desvalorizado Quaresma.

Muito seguro e lembrando Chiellini, Bonucci foi um dos pontos altos do Bari (Getty Images)

Nome: Leonardo Bonucci
Idade: 23
Posição: zagueiro
Clube: Bari
Bonucci só despontou nesta temporada, após quatro temporadas como profissional. Revelado nas categorias de base da Inter, o zagueiro ganhou o Campionato Primavera numa equipe que tinha Mario Balotelli. Depois, de duas temporadas jogando na Serie B por Treviso e Pisa, foi envolvido na negociação que levou Thiago Motta e Milito do Genoa para a Inter. Porém, o zagueiro teve sua primeira chance verdadeira na elite num Bari que parecia fadado ao rebaixamento, mas que surpreendeu a todos. O canhoto Bonucci, que fez uma sólida dupla com o igualmente jovem Ranocchia, revelou-se um zagueiro seguro, muito bom nas jogadas aéreas e também no combate corpo a corpo, por sua boa física. Após a grande temporada, o zagueiro é comparado a Chiellini, por causa de suas características físicas, mas também técnicas. O bom campeonato lhe valeu as primeiras convocações para a seleção italiana, na qual estreou em março, em partida contra Camarões. Pela seleção, deve estrear também em uma Copa do Mundo, pois deve fazer parte da lista final de Lippi para o torneio. Bonucci também não deve permanecer na Puglia após o Mundial: existem grandes possibilidades de que se concretize uma transferência para a Juventus ou um retorno para a Inter, seu time do coração.

Nome: Antonio Candreva
Idade: 23
Posição: meio-campista
Clube: Livorno/Juventus
Dentre os jogadores citados neste especial, Candreva talvez seja o que menos mereça o título de promessa. Pelo contrário, o jogador já se encaminha para ser uma realidade do futebol italiano. Em uma temporada e meia jogando pelo Livorno, emprestado pela Udinese, o trequartista destacou-se demais: primeiro, ajudou os amaranto a subirem para a Serie A. Na elite, atuou em todos os jogos do primeiro turno e foi o principal jogador do time quando os labronici estavam fora da zona de rebaixamento, destacando-se com ótima movimentação, chutes perigosíssimos e bons passes. Surgindo como um dos melhores meias da Itália, o romano chegou a ser convocado para a seleção e também conseguiu um empréstimo para a Juventus. Em Turim, chegou a jogar na posição de Diego, sua função de origem, mas costumou atuar mais recuado, preocupando-se mais com funções de marcação e permitindo também uma melhor saída de bola para os bianconeri. Na má fase da Juventus, Candreva não manteve as ótimas atuações, mas pelo menos não decepcionou, como mostra o golaço contra o Siena. De qualquer forma, se não permanecer no clube, deve ter cadeira cativa na Udinese.

Nome: Albin Ekdal
Idade: 20
Posição: meio-campista
Clube: Siena
O meia sueco não conseguiu espaço na Juventus e acabou emprestado ao Siena, para adquirir experiência. Ekdal fez parte do elenco principal da Velha Senhora na última temporada, mas não teve grandes oportunidades. Pela equipe Primavera da Juve, era peça fundamental e acabou participando da campanha do título na Copa Viareggio. Na Toscana, por sua vez, o meio-campista teve o espaço que precisava para se desenvolver e foi titular do meio-campo bianconero, com 26 partidas disputadas e um gol marcado contra a Inter, quando apareceu de surpresa e fez. Versátil, Ekdal pode excutar diferentes funções do meio-campo: forte fisicamente, pode ser aproveitado para proteger a defesa ou com liberdade para aparecer mais próximo da área adversária, pois tem boa técnica e é um jogador inteligente. Na Robur, destaque também para o croata Mato Jajalo, dono de um potente tiro com o pé direito e de inteligência na criação de jogadas.

Acostumado a deixar zagueiros na saudade, Abel Hernández fez sete gols na Serie A (Getty Images)

Nome: Abel Hernández
Idade: 19
Posição: atacante
Clube: Palermo
O jovem atacante uruguaio combina seu estilo driblador e habilidoso com a objetividade daqueles que querem entrar para a história. Na Serie A, poucos jogadores tem o estilo deste uruguaio que se espelha no brasileiro Ronaldo: veloz e muito hábil com a bola nos pés, Abel Hernández finaliza bem e pode jogar aberto pelos flancos no ataque e também como segundo atacante. Com apenas 19 anos, Abel Hernández ainda precisa se desenvolver melhor fisicamente, mas já é a primeira opção no banco do Palermo. Saindo do banco rosanero em boa parte dos jogos, marcou sete gols no campeonato e vitimou boas equipes, como Lazio, Genoa, Inter, Milan e Fiorentina. Contra esta última, Abel realizou sua melhor partida da temporada e, em apenas 45 minutos em campo, decidiu o jogo com lindas jogadas e dois gols.

Nome: Vladimir Koman
Idade: 21
Posição: meio-campista
Clube: Bari
O esterno da Hungria já era visto há cerca de três anos como uma das maiores esperanças do futebol daquele país do Leste Europeu, que tem revelado bons talentos nesta década. Formado nas boas categorias de base da Sampdoria, foi peça fundamental em dois títulos nacionais para os dorianos e passou um ano emprestado ao Avellino, da Serie B. Nesta temporada, ganhou sua primeira chance na elite com o Bari. No 4-4-2 bem definido de Gian Piero Ventura, podia jogar em qualquer um dos lados do meio-campo, mas se firmou jogando 16 partidas sempre aberto pela esquerda, posição na qual teve pelo menos três outros concorrentes. Destro de origem, não teve dificuldades em jogar por ali, tendo conseguido manter o nível de Rivas e Allegretti, mas dando um toque a mais de classe e de cadenciamento do jogo. Sua verve goleadora também foi colocada à mostra: na Serie A, marcou dois gols, aparecendo sempre de surpresa pelo setor. No Mundial sub-20 de 2009, foi capitão e principal jogador da ótima seleção húngara que ganhou o bronze, graças a sua performance e seus cinco gols, alcançando a vice-artilharia do torneio. Na próxima temporada, deve ser utilizado pela Samp, com a qual ainda tem contrato.

Nome: Rene Krhin
Idade: 20
Posição: meio-campista
Clube: Inter
O esloveno começou a temporada sendo alçado ao time principal por José Mourinho, mas acabou não jogando tanto quanto se esperava. Campeão da Copa Viareggio de 2008, Krhin estreou na seleção de seu país antes mesmo de estrear pela equipe principal da Inter: a única vez que entrou em campo foi contra a Inglaterra, em setembro de 2009. Na semana seguinte, teve seu grande momento no clube. Após ter acabado de entrar no segundo tempo, construiu toda a jogada do segundo gol da Inter contra o Parma, num misto de velocidade, força e consciência tática. Depois, acabou se lesionando e perdeu espaço no time, sobretudo após a contratação de Mariga, reduzindo sua participação a cinco jogos na temporada. O fato de a Inter ter precisado de todos os titulares na reta final do campeonato também diminuiu suas chances de entrar em campo, mas o que mostrou foi suficiente para lhe garantir um empréstimo para uma equipe da primeira divisão na próxima temporada. Se não for cortado e permanecer na lista da Eslovênia para a Copa, suas chances aumentam.

Nome: Davide Lanzafame
Idade: 23
Posição: meia-atacante
Clube: Parma
Apesar de ser um dos mais rodados entre os jogadores deste especial, Lanzafame só teve papel de destaque na Serie A nesta temporada. Depois de estrear na Juventus, foi emprestado ao Bari e, pela segundona, marcou 10 gols em temporada na qual foi titular. Promissor, estreou na primeira divisão pelo Palermo, mas, genioso, não tinha bom ambiente nos bastidores. Só após um novo estágio no Bari é que recebeu uma nova chance na elite, com o Parma de Francesco Guidolin, que bancou a aposta. O jogador se destaca, em primeiro lugar, pela sua versatilidade, já que pode jogar pelos flancos no meio-campo ou em qualquer posição no ataque. De uma maneira muito parecida com a qual Antonio Di Natale atua, Lanzafame é habilidoso, ambidestro e se posiciona muito bem, com a vantagem de ser mais alto e saber cabecear bem. A boa temporada no Parma, com sete gols marcados (quatro nas duas últimas rodadas, dois contra a Juventus), já colocou o jogador na mira da própria Juve e da Udinese, que será treinada por Guidolin.

Nome: McDonald Mariga
Idade: 23
Posição: meio-campista
Clube: Parma/Inter
Comparado a jogadores da linhagem de Patrick Vieira e Mohammed Sissoko, pela força física aliada a boa técnica, McDonald Mariga não jogou tanto em 2009-10, mas já é considerado um dos mais promissores volantes da Serie A. No Parma, teve papel preponderante na última temporada, ajudando o Parma a conquistar o acesso para a elite. No campeonato recém-concluído, uma lesão muscular mais séria impediu o queniano de disputar boa parte do primeiro turno, quando os crociati tiveram seu melhor momento. Mesmo assim, José Mourinho decidiu levá-lo para a Inter em janeiro para substituir Vieira, de saída para o Manchester City. Na equipe nerazzurra, foi reserva, mas atuou em 13 jogos nos quais o técnico precisou de mais marcação no meio-campo, mostrando-se útil em suas especialidades: força física e qualidade nas roubadas de bola. Bom finalizador, especialmente em médias e longas distâncias, o queniano chegou também a marcar um gol pelo clube, contra a Atalanta. No Quênia, mesmo com a pouca idade, já é considerado o maior nome do futebol nacional em toda a história.

Ao lado de Palombo, Poli tem evoluido e deve figurar na seleção italiana nos próximos anos (Getty Images)

Nome: Andrea Poli
Idade: 20
Posição: meio-campista
Clube: Sampdoria
Mais um jogador construído nas divisões de base da Sampdoria, Poli fez parte da equipe campeã da Coppa Italia e do Campionato Primavera da categoria, antes de fazer ótima temporada no Sassuolo, na Serie B concluída em maio de 2009. De volta ao time genovês, assumiu a titularidade absoluta, atuou em 31 partidas do campeonato e formou com Palombo uma das melhores duplas de centrocampistas da Itália, tornando-se uma realidade do futebol nacional. Com muita personalidade, Poli revelou-se um jogador eficiente no combate corpo a corpo, muito inteligente no posicionamento e capaz de aparecer com perigo mais próximo a área, já que é um bom finalizador. Aprendendo com o excelente Palombo, o meio-campista foi um dos pontos altos da equipe, que conseguiu se classificar para a Liga dos Campeões e, se continuar evoluindo desta maneira, tem futuro certo na seleção italiana.

Nome: Daniele Ragatzu
Idade: 18
Posição: atacante
Clube: Cagliari
Ragatzu é a jóia do vivaio da equipe do estádio Sant’Elia. O atacante estreou ainda em 2009, fazendo parte do grupo de jogadores revelados por Massimiliano Allegri quando este treinava a equipe sarda. Em seu batismo de fogo, não decepcionou e chegou a marcar um gol contra a Fiorentina. Porém, o jogador só ganhou verdadeiras oportunidades na atual temporada, na qual atuou em oito partidas, com dois gols marcados: o primeiro deles, contra o Milan, acertando um belo chute no ângulo de Dida. O segundo, frente ao Bologna, mostrou que Ragatzu, além de ser habilidoso e veloz, também sabe finalizar de fora da área. Além disso, o atacante frequentou as seleções sub-16 e sub-17 da Itália por três anos, nos quais fez 21 partidas e nove gols. Se ainda não ganhou chances na seleção sub-21, deve ser questão de tempo: com as prováveis saídas de Matri e Larrivey, o baixinho deve ganhar mais oportunidades na próxima temporada, quando poderá se tornar mais um jogador nascido em Cagliari a ganhar o carinho da torcida, depois de Pisano e Cossu.

Nome: Andrea Ranocchia
Idade: 22
Posição: zagueiro
Clube: Bari
Ao lado de Bonucci, Ranocchia formou uma das duplas de defesa mais sólidas de toda a Serie A, em sua segunda temporada emprestado pelo Genoa ao Bari. Menos técnico e mais alto (1,95m) do que seu companheiro de defesa, Ranocchia se destaca por ser excepcional nas bolas aéreas, se tornando uma arma dos biancorossi inclusive no ataque: na Serie A, fez dois gols após cobranças de escanteio. Como características técnicas, ainda possui muita liderança em campo e, forte fisicamente, desempenha bom trabalho de marcação individual, enquanto Bonucci faz a cobertura. Tal configuração de defesa é semelhante a do Manchester United, na qual Ferdinand desempenha o papel de Bonucci e Vidic o de Ranocchia. Uma lesão no joelho no meio do campeonato, porém, tirou suas chances de ir a Copa do Mundo, já que era cotado para receber uma convocação. O Genoa pode aproveitá-lo para corrigir os recorrentes problemas que acometeram sua defesa neste ano, mas é mais provável que seja negociado com clubes maiores. Assim como Bonucci, pode pintar na Inter.

Nome: Salvatore Sirigu
Idade: 23
Posição: goleiro
Clube: Palermo
Após duas temporadas interessantes em Cremonese e Ancona, o goleiro sardo foi incorporado a equipe do Palermo, para ser reserva do recém-contratado Rubinho. O brasileiro falhou demais em seus primeiros jogos em rosanero, o que permitiu a Sirigu ter uma chance. Walterino, como foi apelidado em referência ao próprio Zenga, estreou na Serie A contra a Lazio e, em partida incrível, realizou pelo menos seis defesas fundamentais, decidindo o jogo com muita segurança e reflexos acima da média, o que lhe valeu o título de melhor em campo. Desde então, não deixou a titularidade da equipe siciliana, mantendo exibições do mesmo nível que aquela da estreia no Olímpico e constituindo-se em um dos pilares da ótima campanha palermitana nesta temporada. Foi convocado no fim de fevereiro para a seleção italiana pela primeira vez e está na pré-lista de Marcello Lippi para a Copa do Mundo, na qual disputa vaga de terceiro goleiro com o experiente De Sanctis.

Texto de Nelson Oliveira, publicado também no Olheiros.

6 comentários

  • Na boa, mas 15 eh muito, nao acham? Por exemplo, El Babacar nem jogou direito. Nao sei aonde viram esse negocio de boa movimentacao. Antonio Candreva: nao eh promessa. Rene Krhin: ah pelo amor o cara nem jogou. 10 estava de otimo tamanho

  • É uma série que o Olheiros faz de 15 revelações de cada liga, já há três anos. Seguindo a pauta deles, indicando os nomes pra se encaixar nesse pedido.

    Particularmente, acho que Candreva é uma promessa: jogou em todas as seleções de base desde a sub-18. Já Krhin jogou pouquíssimo pela Inter, mas talvez ainda jogue a Copa. El Babacar é uma tremenda surpresa pela idade que estreou. Quem viu os jogos da Fiorentina, viu que ele foi bem enquanto esteve em campo. E bem melhor que o Keirrison.

Deixe um comentário