Serie A

31ª rodada: O primeiro match point

Vitória incontestável da Juventus sobre a Lazio dá à Velha Senhora chance de ser campeã já na próxima rodada (AP)

Em outros tempos, um Juventus-Lazio nunca ofuscaria um Dérbi de Milão. Pois é, outros tempos. No jogo do sábado, a Velha Senhora mostrou novamente porque é o melhor time da Itália, bateu a vice-líder com bastante facilidade e tirou dos editores do blog qualquer possibilidade de colocar o chocho 0 a 0 entre Inter e Milan como destaque da rodada. A Juventus, aliás, já tem 15 pontos de vantagem sobre Lazio e Roma, e com uma combinação de resultados já pode comemorar o tetracampeonato na próxima rodada, em pleno Dérbi de Turim. Para levantar o 31º scudetto, a Juve precisa vencer o rival Torino e torcer por derrotas da Lazio, que joga em casa contra o Chievo, e da Roma, que visita a Inter. Caso aconteça, a equipe comemoraria o título com incríveis seis rodadas de antecedência.

Juventus 2-0 Lazio

Em Turim, a Velha Senhora precisou de pouco tempo para matar o jogo contra a Lazio. Mesmo pensando na partida de volta das quartas de final da Liga dos Campeões contra o Monaco e escalando alguns reservas, a Juve foi implacável contra uma Lazio que também tinha desfalques – De Vrij e Parolo. A nota negativa para os laziali foi a partida apagada de Felipe Anderson, que não chamou a responsabilidade em um jogo tão importante. Para a Juventus, o óbvio: Tévez foi novamente decisivo, mesmo tocando poucas vezes na bola.

Em 29 minutos, a dona da casa já fazia 2 a 0: primeiro, com Tévez, que aproveitou passe de cabeça de Vidal e desatenção da defesa romana para anotar – na comemoração, imitou uma galinha e provocou o River Plate, que será adversário do seu Boca Juniors na Copa Libertadores. Depois, veio o segundo, com Bonucci, que partiu sozinho do meio de campo, sem ser importunado, até chutar e vencer Marchetti. O resultado mantém a Lazio na vice-liderança, com os mesmos 58 pontos da Roma. A Juve já gela a champagne. (Nelson Oliveira)

Inter 0-0 Milan

Em um dos dérbis menos prestigiosos da história, Inter e Milan ficaram no 0 a 0 e praticamente deram adeus às chances de classificação para a Liga Europa. Desde 1958-59 a dupla não fica fora de competições europeias – de lá para cá, ao menos um dos times milaneses joga em uma das competições continentais. Parece que o tabu caiu por terra. Justamente no dia da queda de outra marca: há 11 anos o Derby della Madonnina não acabava sem gols.

Com mando de campo nerazzurro, o dérbi foi dominado pela Inter. Como esperado, os dois times entraram em campo agarrados a suas propostas: a Beneamata dominava a posse de bola e fazia o jogo, enquanto o Milan esperava para buscar contra-ataques, que raramente aconteceram. As novidades nas escalações iniciais – Suso, do lado milanista, e o jovem Gnoukouri, do interista – eram os melhores em campo. Com poucas chances muito claras de gols, as que balançaram as redes foram bem anuladas pela arbitragem – duas por impedimento, cada uma delas para um dos times, e a outra, para a Inter, por falta de Palacio em Antonelli. No final das contas, quem mais teve a lamentar foi a Inter, que pressionou mais e teve as melhores chances, esbarrando em Diego López. Com o resultado, as duas equipes continuam num pouco generoso meio da tabela. (NO)

Roma 1-1 Atalanta

Roma, Roma… A equipe joga em casa, precisando da vitória e sabendo que a rival Lazio, logo à sua frente, tropeçou. Mesmo assim, o time romano não conseguiu os três pontos. O time de Rudi Garcia, especialmente em 2015, é uma decepção só. Nenhum time das principais ligas europeias empatou tanto quanto os giallorossi neste ano solar. Muito disso deve-se à baixa produção ofensiva – a Roma tem apenas o nono melhor ataque da temporada – e aos erros no mercado romano. Por exemplo: o artilheiro da equipe é Ljajic, com apenas oito gols, e Iturbe, Doumbia e Ibarbo, que juntos custaram aos cofres da Roma 50 milhões de euros, produziram apenas um gol.

Frente a um Olímpico vazio, Roma e Atalanta não fizeram um jogo dos mais bonitos. Muitas faltas, cartões amarelos, pancadas, discussões e futebol deixado de lado. Muito mais por conta da individualidade do que do jogo coletivo, o time da casa ainda foi capaz de produzir chances de gol, enquanto Sportiello aguentou firme segurando o empate. Gols? Bem, os veteranos Totti e Denis fizeram os seus de pênalti, ainda nos minutos iniciais. Até nisso o jogo pecou. (Arthur Barcelos)

Cagliari 0-3 Napoli

Vida fácil para o Napoli no domingo: jogo resolvido já na primeira etapa. As figuras centrais do primeiro tempo no Sant’Elia foram Callejón e Hamsík. O esloveno acionou o espanhol atrás da defesa do Cagliari, aos 24 minutos, para vencer Brkic com uma finalização. Não contou como assistência, mas Hamsík participou do segundo gol do Napoli com um cruzamento que Balzano cortou para a própria meta na tentativa de se antecipar a Insigne. Callejón ainda foi decisivo ao bloquear uma chance claríssima de M’Poku na frente de Andújar. Na etapa final, Gabbiadini deixou o banco e em três minutos balançou a rede.

O resultado na Sardenha consolidou ainda mais os objetivos neste fim de campeonato para cada uma das equipes. O Napoli permanece na luta por uma das vagas na próxima edição da Liga dos Campeões ao diminuir as vantagens de Roma e Lazio – são cinco pontos, agora, e ainda haverá duelo entre os romanos na penúltima rodada da Serie A. O Cagliari foi praticamente empurrado para a Serie B depois de perder em casa. Na preparação para o jogo, 30 ultras não ajudaram em nada: invadiram uma propriedade do clube na última sexta-feira e ameaçaram os jogadores, que demonstraram nervosismo em toda a partida. (Murillo Moret)

Arbitragem foi bastante exigida e correspondeu à altura no Dérbi de Milão (Ansa)

Fiorentina 0-1 Verona

De olho na partida de volta contra o Dynamo
Kyiv, pela Liga Europa, a Fiorentina foi a campo nesta segunda-feira,
contra o Verona, no encerramento da 30ª rodada da Serie A. Com um time
alternativo, sem jogadores como Borja Valero, Pizarro, Gómez, Rodríguez e Salah, a Fiorentina demorou a engrenar. Apesar de algumas
tentativas nos chutes de longa distância, a primeira chance clara de gol aconteceu apenas aos 28 minutos,
quando Gilardino cabeceou para bela defesa de Rafael.

A
Fiorentina voltou melhor e nos primeiros minutos já teve a chance de
abrir o placar, porém quando não parava nas defesas do goleiro
gialloblù, pecava nas finalizações. A chance de abrir o placar veio aos
21, na penalidade sofrida por Gilardino. Na cobrança, Diamanti
desperdiçou – a defesa de Rafael, que pulou no canto esquerdo para buscar, foi fenomenal. Nos minutos finais, o Verona encontrou espaços para contra-atacar. Já aos 44, Obbadi aproveitou
rebote de Neto e fez o gol que deu a vitória ao Verona. Com treze pontos
de distância para o Cesena, os veroneses tem uma situação bem cômoda
quanto ao rebaixamento. No lado toscano, além de perder a quinta
colocação, o time ainda viu Babacar sair lesionado, tornando-se dúvida
para o jogo de quinta-feira. (Caio Dellagiustina)

Sampdoria 0-0 Cesena

No sábado, a Sampdoria falhou em sua missão para entrar na zona de classificação para a Liga Europa. Em casa, o time de Mihajlovic não conseguiu superar o Cesena, time que luta contra o rebaixamento, e saiu de campo lamentando e já pensando na possível escapada de Napoli e Fiorentina, seus rivais diretos pela vaga na Liga Europa da próxima temporada. Para a sorte do time de Gênova, a Fiorentina também não fez sua lição de casa, na segunda-feira, e – pior – perdeu para o Verona, no Artemio Franchi.

Assim, os blucerchiati subiram à quinta posição, mesmo sem vencerem no sábado. A equipe tem 50 pontos, um a mais que a Fiorentina e três a menos que o Napoli. Contra o Cesena, a Samp conseguiu dominar o jogo e teve maior posse o tempo todo. Porém, errou muito no ataque. Eto’o foi bem e criou boas oportunidades, mas Éder, Okaka e Muriel estavam em tarde de pé torto. A chance mais clara foi do zagueiro Romagnoli, que cabeceou cruzamento de Correa, mas viu Lucchini tirar em cima da linha. Bom para o Cesena, que pode comemorar um ponto ganho fora de casa, na difícil missão de se salvar do rebaixamento. Agora, o time soma 23 pontos, sete a menos que a Atalanta, primeira equipe fora do Z-3. (Rodrigo Antonelli)

Sassuolo 1-1 Torino

Sonhando em entrar de vez na briga por uma vaga na Liga Europa, o Torino perdeu grande chance de se aproximar dos rivais nesse fim de semana, após empatar com o Sassuolo, fora de casa. Com a derrota da Fiorentina e o empate da Sampdoria, o Toro poderia ficar a apenas três pontos da quinta colocação, caso tivesse vencido. Com o 1 a 1, a distância ficou em seis pontos. E a equipe visitante teve chances de marcar os três pontos: o time foi melhor na maior parte do jogo e poderia ter virado o placar em algumas oportunidades, mas esbarrou em Consigli em todas elas.

Quem abriu o placar foi o Sassuolo, após pênalti polêmico de Glik em Floro Flores. Berardi cobrou e fez seu 11º gol no campeonato, no fim do primeiro tempo. Na segunda etapa, o Torino voltou ainda pressionando e também foi beneficiado pela arbitragem, em outra marcação de pênalti duvidosa, de novo em jogada entre Glik e Floro Flores. Quagliarella converteu para os visitantes e deu início a uma pressão granata, que, porém, não resultou em gol. Se o Torino lamenta o resultado, o Sassuolo pode comemorar mais um ponto rumo à salvezza matemática, uma vez que o time não deve cair, tampouco lutar por algo na parte de cima da tabela. (RA)

Palermo 2-1 Genoa

Com a vitória diante do Parma no meio da semana, o Genoa reacendeu as chances de brigar por uma vaga na Liga Europa. Vencer o Palermo fora de casa seria fundamental para estas pretensões, mas os comandados de Gasperini amargaram uma derrota. Caso tivesse vencido, contando com o tropeço da Fiorentina no dia seguinte, o time de Gênova ficaria a apenas dois pontos da sexta posição, que pode dar vaga à segunda mais importante competição continental. 

No Renzo Barbera, s rosanero trabalharam diante de sua torcida e foram bastantes agressivos sob o comando da dupla Vázquez-Dybala. Os visitantes, por sua vez, não demonstraram a típica atitude ofensiva dos times de Gasperini, e tiveram uma posse de bola estéril. Em meio às especulações envolvendo a Juventus, Dybala novamente foi protagonista ao participar diretamente dos dois gols do búlgaro Chochev, enquanto Iago descontou em assistência de Edenílson. (AB)

Chievo 1-1 Udinese

A partida no Marc’Antonio Bentegodi foi bastante aberta apesar da distância dos times do rebaixamento e das crises internas. O Chievo teve uma semana mais tranquila porque venceu o Cesena no confronto direto; na Udinese, o técnico Andrea Stramaccioni vive péssimo momento devido aos resultados obtidos. A situação da Udinese quase mudou (momentaneamente) com uma falta cobrada por Kone nos minutos iniciais. O vento ajudou na curva da bola, mas a pelota explodiu no travessão. Se Allan não conseguiu vencer Bizzarri, Pellissier desviou o cruzamento de Meggiorini e mexeu no marcador.

A Udinese contou com a sorte em dois momentos na etapa complementar. Théréau avançou ao fundo e cruzou para Geijo, mas Cesar se antecipou a jogou contra o próprio patrimônio. Nos minutos finais, pressão dos donos da casa: Radovanovic parou em Karnezis, Paloschi chutou perto da meta e Zukanovic acertou a trave, já nos acréscimos. (MM)

Empoli 2-2 Parma

Se o Parma já tem a certeza de que não disputará a
Serie A na próxima temporada, o Empoli já tem a salvezza quase garantida.
Embora as chances de permanência sejam grandes, o time toscano, que tem 11 pontos de vantagem sobre o Cesena, ainda
precisa de alguns pontos e, contra o lanterna, em casa, não se
esperava algo além da vitória. Apesar de o adversário vir numa ascendente,
já aparentava sinais de cansaço, como por exemplo na derrota contra o
Genoa, na última quarta-feira. Porém, os crociati mais uma vez mostraram
brio e arrancaram um ponto em Empoli.

O time azzurro começou melhor,
dominando as ações ofensivas, mas quem abriu o placar foi o Parma. Mário
Rui alcançou a bola quase perdida e cruzou para Coda chutar; na sobra,
Lodi acertou um chute rasteiro e abriu o placar. A reação não demorou e
aos 27, Saponara aproveitou falha de Feddal e encontrou Maccarone, na
entrada da área para igualar. A virada veio ainda na primeira etapa, com
Tonelli, que subiu mais que todos e completou a cobrança de escanteio.
Na segunda etapa, Mirante foi o protagonista, fazendo verdadeiros
milagres, evitando o terceiro gol azzuro. O Empoli pagou pela falta de
efetividade e sofreu o empate. Coda arriscou e acertou a trave, mas no
rebote, Belfodil empatou o confronto, voltando a marcar na Serie A após quase dois
anos – seu último gol oficial havia sido marcado em dezembro de 2013, pela Inter, na Coppa Italia. (CD)

Relembre a 30ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada

Rafael (Verona); Rispoli (Palermo), Ranocchia (Inter), Bonucci (Juventus),  Emanuelson (Atalanta); Vidal (Juventus), Obiang (Sampdoria), Chochev (Palermo), Hamsík (Napoli); Tévez (Juventus), Callejón (Napoli). Técnico: Massimiliano Allegri (Juventus).

Deixe um comentário