Serie A

Quack

Onde você estava enquanto Milan e Napoli se enfrentavam pelo posticipo da 18ª rodada? No supermercado? Na padaria? Barzinho no fim da tarde, casa dos avós, jogo do Atlético de Madrid, Faustão, Domingo Legal? Não importa onde, você já viu o golaço de Alexandre Pato que fechou o placar da partida.

Pato, Kaká, Ronaldo: o trio das maravilhas estreou em grande classe

Sua estréia esteve planejada nos últimos cinco meses. Há dois, pelo menos, já se imaginava que seria contra o Napoli. Na última semana, a Itália calcistica esteve em êxtase. E nas horas que antecederam o embate, Berlusconi deu sua contribuição ao pré-jogo: “esta noite quem ama o futebol tem uma ocasião rara para ver em operação um trio de maravilhas brasileiras. Não somente jogará Pato, que é considerado um fenômeno, apesar de seus 18 anos, mas finalmente voltará a campo Ronaldo e às suas costas estará Kaká.”

Milan 5-2 Napoli – Ronaldo (2), Seedorf, Kaká, Pato; Sosa, Domizzi (p)
Pato estreou muito bem, com um gol e pelo menos duas chances impedidas por grandes defesas de Iezzo. No primeiro tempo, uma partida bastante equilibrada marcou o retorno do Milan ao 4-3-1-2, mas com Kaká deslocado atrás dos atacantes e testando sua readaptação. Pato aparentava nervosismo, porém jamais deixou de se movimentar e buscar a bola. A recompensa veio no segundo tempo. O gol de Ronaldo, aos trinta segundos, desmontou o Napoli. Os comandados de Reja, atônitos, viram o Milan dominar a partir da pressão de uma defesa alta. E Favalli, que havia entrado no lugar de Maldini, descolar um lançamento incrível para o protagonista da noite marcar aquele gol do primeiro parágrafo e fechar o placar.

Alexandre Pato dedica gol à neo-namorada Stephany Brito

Ronaldo e Seedorf provavelmente tiveram atuações melhores. Mas não estrearam aos dezoito anos num time que passa por crises estruturais e que só agora volta a vencer em casa pela Serie A. Sem Gattuso, a linha composta por Ambrosini, Pirlo e Seedorf permitiu contra-ataques puxados principalmente por Lavezzi e Hamsík, melhores jogadores do Napoli em campo. Com um pouco mais de entrosamento, é o esquema a se investir no Milan.

Atalanta 1-2 Roma – Ferreira Pinto; Totti, Mancini
Após uma chance perdida por Mancini, foi Ferreira Pinto o brasileiro a abrir o placar em Bérgamo. A blitz romanista no primeiro tempo garantiu os dois belos gols que se tornaram a fotografia ao fim da partida: um time sufocado e dependente demais das jogadas individuais de seus melhores jogadores. A velha Roma que envolvia o adversário com passes rápidos parece fazer parte do passado. As perspectivas animam pelo fato de Aquilani estar perto de um retorno definitivo e a distância para a Inter manter-se nos sete pontos.

Totti e Taddei comemoram, mas a Roma mantém-se longe do esperado

Lazio 1-2 Genoa – Mauri; Borriello (2)
Os dois times se enfrentaram abertos e em poucos minutos os goleiros começaram a trabalhar. Logo Mauri abriu o placar para os biancocelesti e a partida continuou emocionante graças às as falhas de Rubinho que permitiram à Lazio ampliar o placar. Apenas permitiram, já que as chances não-aproveitadas evoluíram para um pênalti sobre Milanetto logo no início segundo tempo, marcado de forma equivocada. Borriello o converteu e ainda marcou de cabeça o gol da vitória, após um cruzamento do mesmo Milanetto. Rocchi deixou o campo com um problema no ombro, ao fim do primeiro tempo, e é preocupação para as próximas rodadas.

Siena 2-3 Internazionale – Córdoba (contra), Forestieri; Ibrahimovic (2), Cambiasso
Em Siena, a líder do campeonato abriu o placar através de um pênalti cobrado por Ibrahimovic. Cinco minutos depois, a defesa da Inter falhou e Córdoba, marcando Maccarone, empurrou contra as próprias redes. O primeiro tempo já acabava, quando Cambiasso foi achado por Ibrahimovic na pequena área e desviou para a rede bianconera. O segundo tempo foi marcado pela entrada de Stankovic – voltando de lesão – no lugar de Maicon, que realizava má partida. Ibrahimovic ampliou a vantagem nerazzurra com um forte tiro de fora da área, sem chances para Manninger. A partir daí, a partida caiu um pouco, com esporádicas chances do Siena, que aproveitava as falhas da defesa interista para oferecer perigo a Júlio César, autor de defesas fundamentais, em finalizações à queima-roupa de Corvia e Maccarone. Os donos da casa ainda reclamaram de um pênalti, numa dividida entre Pelé e Locatelli. No fim da partida, Ibrahimovic e Cruz perderam gols bobos e a promessa Forestieri, que entrara no segundo tempo, diminuiu com um belo tiro de fora da área. [por Nelson Oliveira]

Ibrahimovic disputa e decide: foi por pouco, desta vez

Sampdoria 3-0 Palermo – Bellucci, Sammarco, Cassano
Após as declarações de amor à Samp no recesso de fim de ano, Cassano provou que, quando motivado, é mesmo decisivo. O Peter Pan serviu os companheiros com grande classe: assistiu para a pintura do primeiro gol de Bellucci, cobrou a falta que bateu no travessão e sobrou para Sammarco ampliar e ainda foi recompensando com seu próprio gol, ao fim da partida. Com a vitória, a Samp encosta no Palermo e se firma na luta pela Uefa.

Parma 1-2 Fiorentina – Coly; Mutu (2)
Mutu abriu 2008 com uma doppietta, bem como tinha fechado 2007. Com o romeno – e sobretudo graças a ele – a Fiorentina venceu sua quarta partida fora de casa para se manter na luta pela vaga na Liga dos Campeões, apenas um ponto atrás da Udinese. O Parma, por sua vez, perdeu pela segunda vez no Tardini e viu o Livorno ultrapassá-lo.

Cagliari 0-1 Udinese – Quagliarella
A Udinese jogou com dez desde os trinta minutos de jogo, quando Felipe foi expulso após levar dois amarelos. Mesmo assim encontrou o gol com Quagliarella dois minutos depois, aproveitando-se de falha de Bianco. Mesmo com um a menos, os friulani souberam manter a pressão até os minutos finais. No último quarto do jogo, Conti acertou o lado de fora da rede e Handanovic defendeu um cabeceio à queima-roupa do estreante Jeda, que não agradou no suporte a Matri. Storari, a outra nova contratação do Cagliari, teve uma boa atuação.

Torino 1-2 Livorno – Bottone; Tavano (2)
O Livorno de Camolese continua calando a maioria dos comentaristas, e desta vez a vítima foi o Torino. Os amaranto alcançaram seu oito jogo consecutivo sem derrota, enquanto Novellino está por um fio no Toro. Destaque para Tavano, que finalmente encontrou o espaço deixado por Lucarelli após a saída do artilheiro para o futebol ucraniano.

Baixe aqui as fichas completas da 18ª rodada.

3 comentários

  • É cara, lá vem o Pato, Pato aqui, Pato acolá… agora, se prepare para só ouvir falar dele na imprensa brasileira!

    Como disse para você anteriormente, duvidava que a pressão fosse atrapalhá-lo na estréia. Pressão, ele já tinha desde antes de estrear no Inter. E nunca foi impecilho para boas atuações. Não acreditava que seria no Milan. E, ao menos na primeira partida, não foi.

    Ronaldo impressionou muito. Além dos dois gols, se apresentou pro jogo, deu belíssimos passes e mostrou que ainda pode ser útil, se o físico não atrapalhar.

    Na volta no 4-3-1-2 (sim, Ancelotti o usa quando há dois bons atacantes), a pergunta que fica é: mesmo em boa fase, sai Ambrosini?

    Abraços!

  • Acho que Ambrosini tende a ser o sacrificado, até porque Gattuso tem que voltar ao time. Até hoje de manhã eu apostaria na saída do Seedorf, mas hoje o holandês foi muito bem e parece ter ganhado pelo menos uma sobrevida. O que pesa contra ele é a irregularidade.

    Já Pirlo é intocável.

  • Será um grande resultado do Livorno, ou é Torino que continua a fracassar?

    Espero que este ano seja uma lição a Lazio, e que meu time faça um elenco mais profundo, e ouça mais a torcida em relação ao jogadores.

Deixe um comentário