Liga dos Campeões

Kaká é a esperança

Com lampejos do “velho Kaká”, o brasileiro pode ser o diferencial que faltava ao Milan (AP)
A campanha no início de temporada não é boa, mas ainda assim
o Milan dá mostras de recuperação. Nesta terça-feira, ante o sempre temido
Barcelona, o time rossonero veio cheio de desfalques como De Sciglio, El
Shaarawy e outras peças menos importantes no momento atual do time. O time ainda teve Balotelli iniciando o jogo no banco e Kaká sem ter atuado sequer um
jogo completo. Mesmo com tantos problemas, Allegri armou uma equipe compacta
que atuou quase que de maneira impecável, mas deixou a vitória escapar em um
vacilo da zaga.
A 14ª partida entre as equipes na Champions League, um recorde na competição ao lado dos confrontos entre Real Madrid e Bayern Munique, marcou o
retorno de Kaká como titular no San Siro, onde o Milan não levou gols do
Barcelona nos últimos dois jogos, nas temporadas 2011-12 e 2012-13. Ainda assim,
o time espanhol era claro favorito.

Para conter o poderoso ataque espanhol,
Allegri armou o Milan de forma diferente do habitual, com dois meias (Kaká e
Birsa) à frente dos três volantes e apenas Robinho na frente, apesar de ter a
responsabilidade de voltar e ajudar a marcar. Não foram raras as oportunidades
que Kaká e Birsa faziam companhias aos laterais rossoneri, ajudando a conter
os ofensivos laterais do Barcelona.

Kaká, aliás, foi um personagem à parte. Muito se duvidava do
seu potencial técnico e físico. Mas o que se viu foi um jogador altamente
comprometido e demonstrando um pouco da categoria que desfilou durante tanto tempo. Mesmo com a idade chegando, Kaká é a peça que faltou ao Milan nas últimas temporadas, especialmente após as saídas de Pirlo e Seedorf. Não à toa, a cada lance do brasileiro, a torcida o aplaudia. E
foi dos pés dele que saiu o gol de Robinho. Após trapalhada de Mascherano, o camisa 7 roubou a
bola, ganhou na força de Piqué e entregou a Kaká, que viu a
movimentação de Robinho e devolveu para o companheiro, que, na frente de Valdés, não teve dificuldades para marcar.
O Milan pressionou muito a saída de bola barcelonista no
início, mas após o gol se retraiu e o o time catalão se lançou ao jogo. A
característica posse de bola blaugrana deu as caras. Foram mais de 60%,
mantendo a média da equipe na Champions League. Ainda assim, o gol de empate
não veio após troca de passes, mas sim de um vacilo de Zapata. O colombiano
errou o passe para Montolivo, Busquets roubou e deixou para Iniesta, que achou
Messi sozinho na entrada da área. O argentino fintou Mexès, se protegeu de
Constant, que voltava para cobrir o espaço, e chutou no canto rasteiro de Amelia.
O gol embalou o Barça, que ainda no primeiro tempo criou diversas chances,
especialmente com Neymar e Messi. Zapata travou chance clara do argentino, e um chute perigoso do brasileiro raspou a trave de Amelia. Na
volta do segundo tempo, o Milan não tinha a mesma energia da primeira etapa, mas seguiu se defendendo com prioridade e
tentando explorar o contra-ataque. Mas na oportunidade mais clara, Robinho, sozinho dentro da área, não
conseguiu dominar o passe certeiro de Muntari.
Já com mostras de cansaço e pensando no clássico contra o
Real Madrid no final de semana, o Barcelona diminuiu o ímpeto, mas seguiu
criando chances perante a sólida defesa milanista. Iniesta e Adriano ficaram
frente a frente com Amelia, mas ambos pecaram na hora da finalização. Balotelli
entrou, mas ainda retornando de lesão, pouco fez.
No fim das contas, o empate não foi ruim para o Milan, que saiu satisfeito de campo e mesmo com um eventual tropeço na Catalunha, tem a vaga nas mãos, desde que vença o Celtic, em Glasgow, e sobretudo, o Ajax, em casa. Se para o Barça, sobraram dúvidas sobre sua defesa, no Milan, só há certezas da evolução da equipe com Kaká no time. E isso serve de alento ao
torcedores, que veem o time melhorando e mesmo sem os principais jogadores
conseguiu fazer frente a um dos principais times do mundo, dando esperanças de uma
recuperação na Serie A e também para eventuais confrontos de mata-mata da
Champions League.
Confira os gols do jogo aqui.
Ficha técnica
Milan: Amelia; Abate, Mexès, Zapata, Constant; De Jong,
Muntari, Montolivo; Birsa (79’ Poli), Kaká (70’ Emanuelson); Robinho (63’ Balotelli).
Técnico: Massimiliano Allegri
Barcelona: Valdés; Daniel Alves, Piqué, Mascherano, Adriano;
Busquets, Xavi, Iniesta; Sánchez (73’ Fábregas), Neymar (80’ Pedro), Messi.
Técnico: Gerardo Martino
Árbitro: Felix Bricht (ALE)
Gols: Robinho (MIL, 9’) e Messi (BAR, 23’)

Deixe um comentário