Liga dos Campeões

O outro Milan

Kaká lembrou o jogador que conquistou o mundo em 2007 e se mostra fundamental na recuperação do Milan (AFP)
Se fosse uma pessoa, o Milan poderia ser definido como
bipolar – ou como volúvel, no mínimo. Só assim para explicar um time que na Serie A soma apenas 14 pontos em
13 jogos, fazendo partidas pífias, apáticas e irreconhecíveis, e na Champions
League tem um ânimo renovado, um espírito aguerrido, com vontade de vencer e que
consegue fazer frente ao Barcelona e não toma conhecimento do Celtic, em pleno
Celtic Park.
Com apenas uma diferença em relação à escalação do empate
contra o Genoa (Birsa no lugar de Matri), o time foi a campo contra os
escoceses pressionado pelas fracas apresentações. Allegri seguia na corda
bamba e a derrota poderia ser crucial para sua continuação no comando dos
rossoneros. Assim, o Milan foi ao gramado escocês com muita determinação, contendo os
avanços do Celtic e apostando em uma bola certeira no ataque, que chegou logo
aos 12 minutos, com Kaká. Após cobrança de escanteio de Birsa, o brasileiro,
sozinho na pequena área, só teve o trabalho de desviar ao gol, encerrando um
jejum de quase um ano sem marcar pela Champions.
O gol tranquilizou o Milan, que se fortaleceu na defesa e apostou
nos contra ataques, especialmente com Kaká, que protagonizou lances que
lembraram sua primeira passagem no clube. Aos 24 minutos, ele arrancou
espetacularmente desde o campo de defesa e deixou Balotelli livre na área, mas
o atacante hesitou e chutou por cima do gol. Na sequência, Kaká quase marcou o
segundo, mas a bola passou rente à trave.
Na segunda etapa, o Celtic assustou no início e obrigou
Abbiati a trabalhar. Mas instantes depois, o clube verde e branco levou o
segundo gol, novamente após uma bobeira defensiva. Birsa cobrou escanteio,
Nocerino desviou e Zapata, sozinho dentro da área completou para fazer o
segundo gol. Balotelli, que parece ter incorporado o espírito de Kaká, participando
mais assiduamente do jogo, fez o terceiro gol. O camisa 45 recebeu lançamento de Poli e
chutou no canto baixo de Forster, definindo o resultado da partida.
A vitória levantou a moral do Milan e deu um respiro à
Allegri, que dificilmente será demitido caso a equipe se classifique ao mata-mata da competição.  O rossonero agora só precisa
de um empate em pleno San Siro contra o Ajax para avançar à próxima fase. Mas,
além de pensar na competição europeia, será preciso pôr em prática, com o mesmo
ímpeto, o futebol apresentado nesta terça-feira para reagir na competição
nacional.

Celtic 0-3 Milan
Local: Celtic Park, em Glasgow (ESC)
Árbitro: Cüneyt Çakır (TUR)
Cartões amarelos: Van Dijk, Commons (CEL)
Gols: Kaká, 12’/1ºT; Zapata, 4’/2ºT; Balotelli, 14’/2ºT

Celtic:
Forster, Ambrose, Izaguirre, Van Dijk e Mulgrew; Lustig, Commons
(Stokes, 20’/2ºT), Kayal (Ledley, 31’/2ºT), Forrest (Rodic, 28’/2ºT) e
Boerrigter; Samaras. Técnico: Neil Lennon
Milan:
Abbiati, Abate (Nocerino, 3’/2ºT), Zapata, Bonera e Emanuelson; De Jong,
Montolivo, Birsa (Constant, 25’/2ºT), Poli e Kaká (Robinho, 29’/2ºT);
Balotelli. Técnico: Massimiliano Allegri

Deixe um comentário