Serie A

3ª rodada: O ‘furacão’ Immobile devasta o Milan e mostra que a Lazio deve ser temida

Em três rodadas da Serie A, apenas três equipes tem 100% de aproveitamento: Inter, Juventus e Napoli. Apesar das vitórias com placares que indicam superioridade sobre seus adversários, não foi o trio que garantiu o maior destaque neste fim de semana chuvoso na Itália. Um temporal quase impediu, mas a Lazio derrotou o Milan com enorme autoridade e ratificou que é uma força a ser considerada na briga por vagas em competições europeias. Confira a análise das nove partidas da jornada – lembrando que riscos de inundação fizeram Sampdoria-Roma ser adiada.

Lazio 4-1 Milan
Immobile (pênalti), Immobile (Lulic), Immobile (Parolo), Luis Alberto (Immobile) | Montolivo (Çalhanoglu)

Tops: Immobile e Milinkovic-Savic (Lazio) | Flops: Bonucci e Kessié (Milan)

Tempestade em Roma: vários pontos de alagamento na capital, estações do metrô fechadas por causa do nível da água e o gramado do Olímpico coberto para não se estragar. Os indícios de que a partida entre Lazio e Milan seria adiada eram grandes, mas a chuva deu uma trégua e a liga precisou atrasar o pontapé inicial em apenas uma hora. Para os rossoneri, seria melhor que o dilúvio não tivesse cessado: diante dos milanistas apareceu o furacão Immobile, que derrubou um tabu de mais de sete décadas e garantiu uma retumbante vitória da Lazio. Havia 75 anos que um jogador da equipe celeste não marcava uma tripletta contra o Milan e por pouco o triunfo laziale não foi o maior da história do confronto – em três oportunidades, os capitolinos venceram por 4 a 0.

O atacante da seleção italiana começou seu show particular aos 38 do primeiro tempo, após Kessié atropelar Luis Alberto na área. A cobrança de pênalti perfeita antecedeu um belíssimo voleio do camisa 17 da Lazio, que mandou o jogo para o intervalo com uma boa vantagem para o time da casa. A Lazio voltou para o segundo tempo a todo vapor e aproveitou para nocautear os rossoneri com dois gols em menos de 10 minutos: Immobile completou sua tripletta e depois só ajeitou para Luis Alberto, grata surpresa do início de temporada, deixar o dele. Montolivo até diminuiu, depois que o Milan cresceu levemente, com a entrada de Çalhanoglu.

A melhora do Diavolo no segundo tempo, porém, foi quase insignificante. Sem intensidade no meio, os badalados visitantes viram Milinkovic-Savic e Parolo tomarem conta do setor e serem soberanos perante a Kessié, Montolivo e a seu ex-colega Biglia. A zaga formada por Musacchio e Bonucci fez água – com o perdão do trocadilho. O ex-zagueiro da Juve falhou em um gol e foi engolido no mano a mano em diversas jogadas, sobretudo por Immobile. Montella acredita que o resultado pode ser educativo e dissipar o clima de oba-oba que ronda Milanello, mas sem dúvidas significa mais ainda para Inzaghi. A Lazio pode competir com os gigantes.

Juventus 3-0 Chievo
Hetemaj (contra), Higuaín (Pjanic), Dybala

Tops: Pjanic e Dybala (Juventus) | Flops: Hetemaj e Dainelli (Chievo)

Um pouquinho de Dybala e uma porção razoável de Pjanic foram suficientes para que a Juventus batesse o eterno freguês Chievo no jogo que abriu a rodada. Allegri optou por poupar alguns titulares, em vista da estreia na Liga dos Campeões, em Barcelona, e viu a equipe atuar em rotação mais baixa que o normal. Douglas Costa ainda não se mostrou muito adaptado ao novo clube e sua saída foi responsável por mudar o panorama da partida no Allianz Stadium.

Isso porque Dybala o substituiu e deu mais dinâmica à Velha Senhora, que já vencia por 1 a 0 desde os 17 minutos – Hetemaj tentara cortar cruzamento de Pjanic e fez contra. Quatro minutos após sua entrada, La Joya tabelou com o bósnio e participou do segundo gol, anotado por Higuaín. Já na reta final da partida, o camisa 10 fez jogada individual e coroou sua partida com um gol, que deu números finais ao placar e o colocou na artilharia do campeonato, ao lado de Icardi, com cinco gols. Mandzukic, que sofreu uma pancada, preocupa para a partida de terça, no Camp Nou.

Inter 2-0 Spal
Icardi (pênalti), Perisic (D’Ambrosio)

Tops: Skriniar (Inter) e Mora (Spal) | Flops: Brozovic (Inter) e Paloschi (Spal)

57 mil pessoas compareceram ao Giuseppe Meazza em pleno de horário de almoço na Itália e formaram o terceiro maior público em partidas disputada às 12h30 em toda a história. Inter e Spal não se enfrentavam pela Serie A desde 1968 e fizeram valer o ingresso de quem resolveu perder a refeição em família para assistir um jogo de futebol: a partida, muito agradável, foi marcada por alta intensidade e bom nível técnico desempenhado pelas duas partes.

A Beneamata tentou sufocar os spallini com marcação-pressão, que manteve durante quase toda a duração do duelo. Os rapazes do técnico Semplici tiveram dificuldades, mas responderam como puderam e chegaram a levar perigo à Inter com algumas chances criadas – em geral pelos pés de Mora. Skriniar, porém, realizou excelente partida e segurou a onda, mostrando que vem evoluindo, inclusive ofensivamente – em uma chegada ao ataque, acertou um petardo cheio de efeito no travessão. Outra vez, porém, os nerazzurri venceram graças ao tridente Icardi-João Mário-Perisic. O capitão apareceu pouco, mas vitimou a 24ª equipe diferente no campeonato em sua trajetória como profissional, ao passo que o croata marcou um golaço e o português conseguiu o pênalti e controlou o meio-campo, com a ajuda de Gagliardini e Borja Valero.

Bologna 0-3 Napoli
Callejón (Insigne), Mertens, Zielinski (Callejón)

Tops: Palacio (Bologna) e Koulibaly (Napoli) | Flops: Pulgar (Bologna) e Hamsík (Napoli)

Sem dúvidas, o Napoli fez uma de suas partidas menos brilhantes desde que Sarri foi contratado, em 2015. Ainda assim, a equipe azzurra mostrou que até mesmo nos dias ruins parte de seu repertório bem treinado pode garantir pontos vitais contra adversários duros, como o Bologna. A equipe de Donadoni chegou a perder para os visitantes por 7 a 1 na última temporada, mas foi a campo determinada a dar o troco e mostrar que o resultado fora muito mais mérito do Napoli que demérito seu. Durante quase a totalidade da partida, foram os donos da casa que mandaram no jogo: Palacio se desdobrou em campo e fez ótima dupla com Verdi. O trequartista italiano chegou a acertar o travessão no primeiro tempo e, após o intervalo, Koulibaly tirou uma finalização de Destro quase de cima da linha.

Aos 66, a surpresa – ou nem tão surpresa assim. Como acontece em todos os jogos do Napoli, Insigne inverteu para Callejón aparecer nas costas da defesa e o espanhol não decepcionou: empurrou a bola para as redes e aliviou parte da torcida, insatisfeita com as pobres atuações de Hamsík e Jorginho. O 1 a 0 não deu tranquilidade alguma para os partenopei, que continuaram acuados. No entanto, Pulgar cometeu um erro fatal, a sete minutos do fim do tempo regulamentar: foi desarmado por Mertens ao tentar um drible na intermediária e permitiu ao belga anotar o segundo. Desmotivados, os jogadores felsinei perderam o foco e sofreram o terceiro, graças a Zielinski, e o quarto só não chegou porque Mirante defendeu finalizações de Allan e Mertens.

Verona 0-5 Fiorentina
Simeone, Théréau (pênalti), Astori (Benassi), Veretout, Gil Dias (Bruno Gaspar)

Tops: Benassi e Chiesa (Fiorentina) | Flops: Nícolas e Souprayen (Verona)

Verona e Fiorentina começaram o campeonato muito mal e no máximo uma equipe poderia ser satisfeita do Marcantonio Bentegodi – ou nenhuma, em caso de empate. Para a infelicidade da torcida do Hellas, domingo não foi dia de comemorar a primeira vitória nesta Serie A: pelo contrário, foi o momento do primeiro choque de realidade da temporada. Afinal, tomar 5 a 0 em casa, da forma como o resultado foi construído, é preocupante – sobretudo pelas falhas do goleiro Nícolas, um dos pilares do time.

A Fiorentina se aproveitou da apatia e falta de qualidade dos butei para abrir 3 a 0 em apenas 24 minutos, com gols de Simeone, Théréau e Astori e participações fundamentais de Chiesa e Benassi – mostrando um pouco da coletividade que deve ser a tônica da equipe nesta temporada. Com o jogo controlado, a equipe de Pioli ainda deu golpes mortais no segundo tempo, com outros dois jogadores, e finalmente somou pontos em 2017-18.

Atalanta 2-1 Sassuolo
Cornelius, Petagna (Gómez) | Sensi (Lirola)

Tops: Berisha (Atalanta) e Sensi (Sassuolo) | Flops: Ilicic (Atalanta) e Falcinelli (Sassuolo)

Atalanta e Sassuolo também começaram o campeonato decepcionando suas torcidas e o tira-teima acabou sendo favorável aos nerazzurri. A partida começou muito parelha, mas foram os visitantes que saíram na frente, após Lirola arrancar em contra-ataque e servir Sensi, desmarcado na entrada da área. Ainda no primeiro tempo, o grandalhão Cornelius deixou a sua marca: o dinamarquês começou sua primeira partida como titular, no lugar do criticado Petagna, e anotou após ganhar dos adversários na marra e acertar um chute de canhota.

O italiano, porém, entraria em campo no segundo tempo e decidiria o cotejo, encerrando um jejum de 18 partidas sem marcar. Após cruzamento de Gómez, Petagna desviou, com oportunismo, e enganou o goleiro Consigli – gol de típico centroavante, com características que o voluntarioso camisa 29 ainda não havia demonstrado. Levar a virada fez com que o Sassuolo se lançasse ao ataque, mas foi a vez de Berisha garantir o resultado, com defesas sobre Acerbi e Ragusa. Com a primeira vitória, a Atalanta respira; por sua vez o técnico Bucchi já começa a ser pressionado pela torcida neroverde.

Benevento 0-1 Torino
Falqué (Ljajic)

Tops: Venuti (Benevento) e Ljajic (Torino) | Flops: Ciciretti (Benevento) e Berenguer (Torino)

Salvo pelo gongo. O Torino era favorito para vencer o organizado time do Benevento, mesmo fora de casa, mas suou muito para conseguir a vitória. O gol decisivo só chegou aos 93 minutos, depois que Ljajic serviu Iago Falqué. Antes disso, a equipe de Mihajlovic criou pouco – até porque Venuti conseguiu dificultar a vida de Niang pelo setor esquerdo. Após a partida, o treinador comentou que o time está fortalecido (principalmente no aspecto da mentalidade) e que não teria arrancado a vitória se a partida tivesse acontecido na temporada anterior. Enquanto os granata já somam sete pontos, o Benevento continua sem vencer na Serie A.

Cagliari 1-0 Crotone
Sau (João Pedro)

Tops: Barella e Cigarini (Cagliari) | Flops: Mandragora e Sampirisi (Crotone)

Bem vinda, casa provisória. O Cagliari finalmente estreou seu novo estádio, que será utilizado até a conclusão das reformar do Sant’Elia. Erguida no estacionamento da histórica praça esportiva, a Sardegna Arena recebeu bom público e foi o palco da primeira vitória dos sardos nesta Serie A. O triunfo veio graças a um filho da terra: ainda no primeiro tempo, Sau recebeu assistência de João Pedro e anotou o gol que valeu a festa na ilha. Outra cria da base cagliaritana, o jovem meia Barella, foi o melhor em campo e dominou o meio-campo ao lado de Cigarini, impedindo que o Crotone pudesse levar perigo. Vale destacar também a partida de Pavoletti, que bem que poderia ter anotado um gol em sua estreia na Sardenha. O bom goleiro Cordaz impediu que o ex-centroavante do Napoli voltasse às redes e manteve o singelo 1 a 0 no placar.

Udinese 1-0 Genoa
Jankto

Tops: Jankto e Nuytinck (Udinese) | Flops: Bertolacci e Miguel Veloso (Genoa)

Em outro duelo entre equipes que ainda não haviam vencido neste campeonato, melhor para a Udinese. As fortes chuvas no Friuli quase adiaram a partida contra o Genoa, mas somente atrapalharam o nível técnico do cotejo. Logo aos 15 minutos o time da casa saiu na frente, depois que Nuytinck desviou um chute cruzado de Lasagna: a bola explodiu no travessão e, no rebote, Jankto marcou seu primeiro na temporada. Antes do intervalo, os genoveses acabaram tendo Bertolacci expulso – o árbitro Maresca havia lhe dado cartão amarelo pela falta sobre Lasagna, mas consultou o vídeo e mudou de ideia, instantes depois. Com um a menos, o time visitante ainda perdeu Lapadula, lesionado, e não teve forças para buscar a reação. Na segunda etapa, Pezzella foi expulso e igualou a quantidade de jogadores em campo, mas já era tarde: três pontos para Delneri e companhia.

Sampdoria-Roma
Adiada por risco de enchentes em Gênova.

*Os nomes entre parênteses após os autores dos gols se referem aos responsáveis pelas assistências

Seleção da rodada
Berisha (Atalanta); Benatia (Juventus), Skriniar (Inter), Koulibaly (Napoli); Chiesa (Fiorentina), Gagliardini (Inter), Milinkovic-Savic (Lazio), Pjanic (Juventus), Lulic (Lazio); Dybala (Juventus), Immobile (Lazio). Técnico: Simone Inzaghi (Lazio).

Deixe um comentário