Serie A

8ª rodada: a Inter honrou o fim de semana agitado e encerrou jejum contra o Sassuolo



Os dias passam e a Serie A, rodada após rodada, presenteia seus amantes com jogaços. Na oitava jornada do campeonato não foi diferente e pelo menos cinco partidas atenderam aos requisitos para serem lembradas ao fim de 2019-20. O empate pirotécnico entre Lazio e Atalanta roubou a cena, mas a suada vitória da Inter sobre o Sassuolo e o ótimo embate entre Juventus e Bologna tiveram maior importância, considerando a luta pela ponta da tabela.

O fim de semana também teve um alto número de grandes exibições individuais, o que dificultou a escolha da seleção da rodada – jogadores como Gómez, Muriel, Milik, Lukaku e Ronaldo ficaram de fora, por exemplo. Abaixo, confira a análise das partidas e veja os seus melhores momentos.

Assista ao Campeonato Italiano no Dazn com 1 mês grátis. Assine.

Os jogaços

No finalzinho, Immobile cobrou pênalti e igualou o jogão entre Lazio e Atalanta (Getty)

Sassuolo 3-4 Inter

Gols e assistências: Berardi (Traorè), Djuricic (Caputo) e Boga; Martínez (Brozovic), Lukaku (De Vrij), Lukaku (pênalti) e Martínez (pênalti)
Tops: Martínez e Lukaku (Inter)
Flops: Marlon e Müldür (Sassuolo)

Não é novidade alguma que as partidas entre Sassuolo e Inter sejam repletas de emoções e, eventualmente, de gols. O jogo disputado no Mapei Stadium, em pleno horário de almoço na Itália, foi muito movimentado do início ao fim e tão maluco que teve até paraquedista pousando no gramado enquanto a bola estava rolando. No frigir dos ovos, melhor para os nerazzurri, que conseguiram tirar um obstáculo incômodo do caminho e voltaram a bater os emilianos após cinco encontros. A equipe de Conte segue um ponto atrás da Juventus.

O gol de Martínez no primeiro minuto apenas serviu para “cancelar” o tento que Berardi faria na sequência – o calabrês marcou cinco nos oito últimos jogos contra os nerazzurri. Depois disso, a Inter conseguiu dominar as ações e construiu um placar elástico (4 a 1) graças à ótima interação entre Lukaku e Lautaro, que aproveitaram erros dos neroverdi e dois pênaltis cometidos. Na reta final da partida, Boga aproveitou o relaxamento dos adversários e a fragilidade defensiva de Lazaro para construir duas jogadas individuais pelo lado direito da defesa interista, que resultaram em belos gols. Depois do susto, a Beneamata fechou a casinha e levou os três pontos para Milão.

Lazio 3-3 Atalanta

Gols e assistências: Immobile (pênalti), Correa (Immobile) e Immobile (pênalti); Muriel (Gosens), Muriel e Gómez (Rafael Toloi)
Tops: Immobile (Lazio) e Muriel (Atalanta)
Flops: Parolo (Lazio) e Palomino (Atalanta)

Lazio e Atalanta fizeram um jogo com a cara dessa Serie A e privilegiaram a diversão em detrimento do resultado – ainda que o técnico Gasperini tenha se irritado pelo fato de os nerazzurri terem cedido o empate no finalzinho. Pudera: a Dea fez um primeiro tempo que beirou a perfeição, anulando Marusic pela direita e deixando Parolo encaixotado no centro do campo. Nesse contexto, Muriel marcou duas vezes – numa delas, contando com a sorte – e Gómez brilhou atuando mais recuado. Numa de suas subidas ao ataque, também deixou sua assinatura.

Com o 3 a 0 no placar, a Atalanta sucumbiu a erros defensivos e ofensivos, que não foram perdoados por Immobile. O líder da Lazio arranjou e converteu dois pênaltis, além de ter ganhado no alto de Palomino, no lance do belo tento de Correa – o zagueiro orobico converteu a primeira penalidade. Quando vencia por 3 a 2, a equipe visitante poderia ter matado o jogo, mas desperdiçou chances claríssimas com Papu Gómez. Ainda assim, o resultado foi melhor para os atalantinos, que têm seu melhor início de Serie A e mantiveram a terceira posição. Por sua vez, os celestes deixaram a zona europeia.

Olho no lance

Pjanic dominou e a Juventus bateu o Bologna, em Turim (Getty)

Juventus 2-1 Bologna

Gols e assistências: Ronaldo e Pjanic; Danilo
Tops: Pjanic (Juventus) e Skorupski (Bologna)
Flops: Rabiot (Juventus) e Soriano (Bologna)

Juve e Bologna encerraram o sábado com bom futebol, numa partida que terminou com triunfo da equipe de Turim e manutenção da liderança. Não que os visitantes tenham facilitado essa tarefa: no último lance do jogo, Santander acertou o travessão e, no rebote, ainda obrigou Buffon a garantir o resultado com uma defesa espetacular.

A Velha Senhora, contudo, foi superior em toda a partida. Isso porque foi guiada por um dominante Pjanic – ainda que seus colegas tenham sido pouco participativos. À frente, Higuaín e, especialmente, Ronaldo, conseguiam levar perigo em jogadas criadas por eles mesmos ou pelo bósnio. O Bologna teve raça para buscar o empate minutos depois de CR7 marcar o seu gol de número 701 da carreira e até tentou competir com os bianconeri, mas foi Skorupski que segurou o resultado até Pjanic desempatar – num lance horrendo e repleto de erros técnicos, que destoou do nível mostrado pelos jogadores. O goleiro polonês ainda fez excelentes defesas na sequência e manteve o jogo indefinido até os últimos segundos.

Napoli 2-0 Verona

Gols e assistências: Milik (Ruiz) e Milik (Insigne)
Tops: Milik e Meret (Napoli)
Flops: Zaccagni e Günter (Verona)

Mais uma vez, o Napoli passou longe de ser brilhante. No sábado, porém, conseguiu derrotar um adversário que se anunciava complicado tanto pela rivalidade quanto pela solidez defensiva que vem apresentando. As dificuldades dos azzurri em criar jogadas voltaram a aparecer – em menor grau –, mas ao menos a equipe foi mais efetiva dessa vez. Ao menos Milik, que foi oportunista em dois cruzamentos e anotou sua doppietta.

A história do jogo poderia ter sido diferente se, ainda com 0 a 0 no placar, Meret não tivesse feito três defesas numa mesma jogada criada pelo Verona. O Hellas não voltou a criar grandes oportunidades, mas teve organização no meio-campo e dificultou a vida do Napoli, que conseguiu o desafogo com Milik, no fim do primeiro tempo. Após o segundo do polonês, Mertens ainda teve a chance de ampliar, mas parou na trave. Nada que impedisse os partenopei de manterem a quarta colocação e encostarem na Atalanta.

Milan 2-2 Lecce

Gols e assistências: Çalhanoglu (Biglia) e Piatek (Çalhanoglu); Babacar e Calderoni (Petriccione)
Tops: Çalhanoglu (Milan) e Calderoni (Lecce)
Flops: Conti (Milan) e Meccariello (Lecce)

O Milan mostrou evolução na estreia de Pioli, mas não conseguiu sair do San Siro com uma vitória. O treinador optou por um ataque mais leve, com Suso e Çalhanoglu nas pontas e Rafael Leão no centro, e liberou bastante Conti e Hernandez. A tática deu certo no primeiro tempo, quando os rossoneri abriram o placar com um golaço do turco e tiveram diversas chances de ampliar a margem. Com a excelente partida realizada pelo camisa 10, a vitória parecia ser questão de tempo. Parecia.

No segundo tempo, Conti cometeu um pênalti ao errar cabeçada e tocar com o braço na bola. Donnarumma chegou a evitar que a cobrança de Babacar entrasse, mas o senegalês aproveitou o rebote e empatou. Çalhanoglu voltou a entrar em ação, acertou a trave ao tentar gol olímpico e ainda fez uma linda jogada antes de dar assistência a Piatek. A vitória, novamente, parecia próxima. Porém, aos 92, Suso foi displicente, perdeu a bola no meio-campo e não deu combate. O suficiente para Calderoni ter liberdade e acertar um petardo no canto esquerdo de Gigio. O tropeço manteve o Milan na metade de baixo da tabela, mas o fato de a equipe ter conseguido entregar sua melhor atuação em 2019-20 é um bom sinal. O resultado e o espírito batalhador também foram bons augúrios para o Lecce.

Cagliari 2-0 Spal

Gols e assistências: Nainggolan e Faragò
Tops: Nainggolan e Cigarini (Cagliari)
Flops: Igor e Floccari (Spal)

O Cagliari coroou seu melhor início de Serie A desde 1994, quando as vitórias começaram a valer três pontos, com um espetáculo proporcionado pelo grande ídolo da torcida no atual elenco. Contra a Spal, Nainggolan facilitou as coisas com um míssil de fora da área aos 9 minutos e ainda foi, como de costume, um leão no meio-campo. O belga ainda ficou perto de fazer sua doppietta com outro chute de fora da área, mas parou na trave. Acabou não fazendo diferença para os sardos, que estão na quinta colocação e já enfrentaram três times que, atualmente, integram o G6.

A vantagem precoce no placar fez com que a Spal tivesse mais a bola, mas sem que isso significasse grande perigo para Olsen. O goleiro casteddu foi testado principalmente em jogadas de bola parada, alçadas à área, mas correspondeu quando chamado em causa. A boa atuação coletiva do Cagliari ainda teve como pontos de destaque o domínio proporcionado por Cigarini, Rog, Nández e Nainggolan no meio-campo, e a pressão alta e os arranques de Faragò e Pellegrini pelas alas.

Os demais jogos

Çalhanoglu fez grande partida, mas o Milan acabou tropeçando no Lecce (AFP/Getty)

Sampdoria 0-0 Roma

Tops: Depaoli (Sampdoria) e Mancini (Roma)
Flops: Gabbiadini (Sampdoria) e Kluivert (Roma)

A Sampdoria começou a rodada com a pior defesa da Serie A. Com a colaboração de outros times, incluindo o rival Genoa, já não segura mais esse posto, embora ainda ocupe a lanterna do torneio. Méritos também para o estreante Ranieri, que substituiu Di Francesco no comando dos blucerchiati e já mostrou algum resultado. Seu 4-4-2 super compacto segurou a Roma e a equipe não foi vazada pela primeira vez desde a 4ª rodada.

Na verdade, a Samp chegou a ficar mais perto da vitória do que a Roma. Ranieri melhorou o desempenho defensivo e limitou os erros individuais do time, que jogava muito exposto, mas também o fez render mais ofensivamente. Bereszynski e Depaoli foram os principais vetores dos genoveses, já que os ataques pelas laterais acabaram sendo suas principais armas. Pela Roma, a defesa se comportou bem, mas faltaram ideias no campo ofensivo: tanto é que a melhor chance giallorossa aconteceu com uma tentativa de arremate de fora da área, através de Pastore.

Udinese 1-0 Torino

Gols e assistências: Okaka (Mandragora)
Tops: Ekong e Sema (Udinese)
Flops: Verdi e Ansaldi (Torino)

O Torino versão 2019-20 não tem conseguido ser tão sólido quanto o de 2018-19 e isso voltou a custar pontos aos comandados de Mazzarri. A Udinese passou longe de ser brilhante, mas foi eficaz ao impor seu jogo na etapa inicial e obteve três pontos importantes na briga contra o rebaixamento. Agora, grenás e alvinegros estão empatados, com 10, no meio da tabela.

O primeiro tempo foi inteiramente do time da casa, que atacou quase sempre com o lateral-esquerdo Sema e, pelo meio, se articulou com De Paul, Mandragora e Jajalo. Nos minutos iniciais, o ala sueco acertou a trave e, no rebote, Okaka conseguiu errar com o gol aberto. Na outra oportunidade que teve, o italiano não repetiu a dose e marcou o gol do triunfo. O Torino cresceu depois do intervalo, quando Mazzarri substituiu um apagado Verdi por Falque, mas ainda assim a Udinese se manteve eficaz na marcação. Troost-Ekong e Opoku venceram os duelos com Belotti e Zaza, que quase não ameaçaram Musso.

Parma 5-1 Genoa

Gols e assistências: Kucka (Kulusevski), Cornelius (Scozzarella), Cornelius (Gervinho), Cornelius (Kulusevski) e Kulusevski; Pinamonti (Ghiglione)
Tops: Cornelius e Kulusevski (Parma)
Flops: Ankersen e Zapata (Genoa)

Neste domingo, o Parma fez uma de suas melhores partidas desde que retornou à elite italiana, no ano passado. A goleada que a equipe de D’Aversa aplicou sobre o Genoa significou o fim da linha para Andreazzoli no comando dos rossoblù e também o encerramento de alguns jejuns. Vamos a elas: os crociati não marcavam pelo menos cinco gols num jogo de Serie A desde maio de 2005, num 6 a 4 contra o Livorno; um jogador do clube não balançava as redes três vezes numa única partida desde Amauri, em 2013, contra o Torino; e, por fim, um dinamarquês não anotava uma tripletta na competição desde Nielsen, do Bologna, em 1964.

Não há dúvida que os três gols de Cornelius, centroavante descartado pela Atalanta, foram a grande surpresa da noite no Tardini. Contudo, foram as certezas que falaram ainda mais alto. De um lado, foram gritantes os muitos erros cometidos pela defesa do Genoa, que já foi vazada 20 vezes na Serie A, é a pior do torneio e a grande responsável pelo fato de os rossoblù ocuparem a penúltima posição. Pelo Parma, a estabilidade responde pelo nome de Kulusevski. Assim como Cornelius, o jovem meia vem da Atalanta, por empréstimo, e é vital para os gialloblù. Tudo passa pelos pés do sueco de apenas 19 anos.

Brescia 0-0 Fiorentina

Tops: Cistana (Brescia) e Cáceres (Fiorentina)
Flops: Donnarumma (Brescia) e Pulgar (Fiorentina)

No Rigamonti, Brescia e Fiorentina protagonizaram um 0 a 0 interessante, no qual as defesas se sobressaíram e pouco concederam a Ribéry, Chiesa, Balotelli, Donnarumma e Ayé. No meio-campo, Tonali comandou os donos da casa e duelou intensamente com Castrovilli, Pulgar e Badelj. Logo no início da partida, Sandrino fez uma jogada excepcional, que resultou em gol, mas viu o tento ser anulado por um leve e involuntário toque da bola em sua mão.

Se as boas exibições de jovens como Tonali, Cistana e Castrovilli foram as notas positivas da peleja que encerrou a 8ª rodada, o fato triste foi a – aparentemente – grave lesão de Dessena. Numa dividida forte com Pulgar, o volante do Brescia viu sua perna flexionar de maneira antinatural. Se tiver fraturado a tíbia, poderá desfalcar a equipe até o fim da temporada.

Seleção da rodada

Meret (Napoli); Cistana (Brescia), Koulibaly (Napoli), Troost-Ekong (Udinese); Kulusevski (Parma), Nainggolan (Cagliari), Pjanic (Juventus), Çalhanoglu (Milan); Martínez (Inter); Immobile (Lazio), Cornelius (Parma). Técnico: Maurizio Sarri (Juventus).



Deixe um comentário