Serie A

Estrela do técnico… ou não

mateus diz:
por que Aquilani perdeu posição p/ Pizarro de volta?
Braitner diz:
porque jogou bem.

Roma 2-1 Milan – Kaká; Giuly, Vucinic
E assim começaria o duelo. Os mandantes, esperançosos, esperavam vencer os milanistas para pressionar a isolada Inter na liderança.

Com uma pequena lesão imprevista de Mexès, quem tomou seu lugar no miolo de zaga foi o veterano Panucci. Os visitantes, por sua vez, trocaram Bonera pelo não menos veterano Favalli. Spalletti optaria então por Mancini ao invés do iluminado Vucinic. Cicinho também ganhava vaga na lateral direita com a contusão de Cassetti e o improviso de Panucci. No Milan, também retornava Clarence Seedorf; ainda fora de forma mas esbanjando técnica. Além disso, Alberto Aquilani – cada vez mais destaque -, perdia a vaga para o chileno Pizarro.

No primeiro tempo, viu-se uma partida extremamente equilibrada, com um Milan protegido e que, com sucesso, não deixava espaços para os mandantes; os quais tentavam, em vão, abrir o placar. As principais situações de gol no primeiro tempo vieram de uma falsa bicicleta de Mancini, uma cabeçada fraca de Kaká e um chute mal direcionado de Totti. Já no segundo tempo…

…As coisas mudam, visto que Seedorf se iluminaria e faria o mesmo com a partida: distribuindo bons passes, conseguiu dar ótima chance para Kaká finalizar e Doni espalmar muito bem. Logo depois, a Roma tomaria banho de água fria: com 11 minutos de segundo tempo, foi a vez de Oddo subir e cruzar da direita para um Kaká totalmente desmarcado colocar categoricamente a bola no gol.

E aí, a suposta estrela do treinador: Luciano Spalletti, ciente da inoperância da equipe, sacaria um terrível Mancini e o inferior Pizarro para entradas de Vucinic e Aquilani, respectivamente. Além disso, Taddei também deixaria campo para entrada de Giuly. Do lado rossonero, Seedorf não agüentaria os 90 minutos e seria trocado por Emerson. Ah, e se você xingou Ancelotti de retranqueiro, é uma boa hora para pedir desculpas. O holandês acabara de voltar de lesão, como já mencionado. Antes disso, o Milan havia perdido uma chance mortal de acabar com a partida: Seedorf chegaria cara-a-cara com Doni, mas, em uma finalização ruim, desviaria a bola no goleiro, fazendo com que a mesma perdesse forças e possibilitasse a chegada de Cicinho. O lateral a isolaria, salvando um gol certo.

E então uma galerinha do barulho resolveu aprontar altas confusões nos perímetros do gol milanista: um lançamento da direita encontraria Totti impedido, mas o capitão romanista não participa da jogada. Tudo ótimo, até que a defesa erra ao alivar a bola, que sobra para Perrotta na direita da grande área; o meio-campista não bobeou (ah, bobeou sim – errou o primeiro toque) e na segunda tentativa serviu um Giuly que havia percorrido toda a faixa da direita para chegar ao meio da área: o francês acertou um voleio lindo, e, de canela, enganou Kalac.

Somente três minutos depois, aos 36 de segundo tempo, De Rossi faria um lançamento espetacular para o cada vez mais adaptado esterno sinistro Vucinic receber em posição legal, e, no maior estilo Montella, concretizar tranqüilamente para o gol. Ainda daria tempo para Kaká se contundir e ser trocado por Paloschi. Mais do que isso, Ancelotti forçou também uma entrada de Gilardino no lugar de Ambrosini. Chuveiradas na área romanista e uma falta próxima da área assustariam o felicíssimo torcedor giallorosso, que já nem contava com a virada.

This is Montenegro!

– Perrotta pode ter desfrutado de posição irregular no primeiro gol. Resta saber se a bola que chegou a ele foi um toque de Aquilani ou da defesa milanista.
– Partida monstruosa de Daniele De Rossi, que anulou o que pôde e ainda fez um lançamento maravilhoso para o gol de Vucinic.
– Pato, isolado, pouco conseguiu render. Conseguiu reproduzir uma meia-lua desconcertante em Juan e cumpriu bem com sua função, mas sem grande destaque.
– Apesar do gol, não foi uma partida digna de Kaká. Estranhamente, é raro vê-lo jogando o que sabe contra a Roma.

3 comentários

  • Roma mereceu vencer,sem dúvidas.

    O time está muito maduro e muito

    forte taticamente.

    A última vitória do Milan contra

    Roma foi na última rodada do Calcio

    de 2005/2006,com gols de Kaká e

    Amoroso.Ambos de penalty.Nessa

    partida o Kaká jogou bem sim. E na

    temporada 2003/2004 foi o Kaká que

    deu o cruzamento para Shevchenko

    fazer Milan 1 Roma 0 – Gol do

    título Milanista,onde ganhamos o

    Calcio pela última vez.

  • Impressionante como a mesma capacidade defensivista de Ancelotti pode ser essencial ao Milan em determinadas partidas e totalmente destrutiva em outras.

    Do modo como o jogo se deu, uma bela derrota milanista.

Deixe um comentário