Serie A

Parada de inverno: Juventus

Marchisio: não é protagonista, mas sempre cumpre papel importante na partida (Getty Images)

Campanha
3ª posição. 17 jogos, 30 pontos. 9 vitórias, 3 empates, 5 derrotas. 30 gols marcados, 21 sofridos.
Maior sequência de vitórias: 4, da 1ª à 4ª rodada
Maior sequência de derrotas: 2, duas vezes
Maior sequência de invencibilidade: 6, da 1ª à 6ª rodada
Maior sequência sem vencer: 4, da 5ª à 8ª rodada
Artilheiro: David Trezeguet, 7 gols
Fair play: 44 amarelos, 2 vermelhos

Time-base
Buffon; Cáceres (Grygera), Cannavaro, Chiellini, Grosso; Camoranesi, Felipe Melo, Marchisio (Poulsen); Diego; Amauri e Trezeguet

Treinador
Ciro Ferrara. Treinador das equipes de base da Juve, Ferrara assumiu o plantel principal no fim da temporada passada, como interino. Após bons resultados, sua permanência parecia uma boa opção. O mercado juventino foi bom e a pré-temporada também, gerando boas expectativas. No entanto, a falta de constância em suas escalações formou um time irregular, que não inspira segurança. Os torcedores não sabem o que esperar dessa Juve, que balança mesmo na frente dos adversários mais fracos. Depois da eliminação na Liga dos Campeões, Ferrara está com a corda mais apertada ainda em volta de seu pescoço. Agora, é melhorar essa campanha, assegurar vaga na LC e tentar salvar a boa imagem que tinha com os torcedores, antes de assumir o cargo.

Destaque
Claudio Marchisio. Em um time de altos e baixos e com muitos (supostos) candidatos a destaque, quem brilhou foi o garoto Marchisio, que conseguiu manter a regularidade e beliscar uma vaga no time titular. O volante já deixou de ser promessa e atua com a maturidade de um veterano no meio-campo bianconero, exibindo grande técnica. Mesmo nas partidas em que a Juve vai mal, o turinense sai de campo com boa nota. No time, só Chiellini tem regularidade comparável.

Decepção
Felipe Melo. O brasileiro foi do céu ao inferno em apenas meia temporada: no início, a grande contratação, junto com Diego. Agora, vencedor do Bidone D’Oro, prêmio que elege o pior jogador do ano. Jogando como regista, por opção de Ferrara, seu rendimento caiu muito e o eficiente futebol visto na Fiorentina sumiu, gerando especulações, inclusive, de uma possível saída de Turim. Disputam com ele essa nada honrosa posição, mais dois brasileiros: Diego e Amauri. O ex-santista, por fazer uma temporada bem abaixo do esperado, apesar dos passes decisivos. E o ítalo-brasileiro, pelas péssimas atuações no ataque bianconero.

Perspectiva
Scudetto. Apesar da campanha inconstante e da corda bamba para Ciro Ferrara, o objetivo bianconero ainda é o título nacional. Os gastos de mercado foram bem altos e chegar ao meio da temporada almejando algo menos que o título é proibido em Turim. A situação, porém, é difícil e Roberto Bettega já foi contratado para ajudar Ferrara no restante da temporada. Bettega integrou a diretoria que foi processada pelo Calciocaos, mas saiu impune. Agora, tem a missão de compreender o que acontece nos vestiários e conciliar as duas partes: técnico e jogadores.

1 comentário

  • Complicada a situação da Juventus.

    Acho que ainda vão trocar de técnico,viu.É dificil mudar o time,depois de quase 1 década atuando no 4-4-2,com 2 linhas de 4.
    Melo,Diego e Amauri,estão ruins mesmo.O Amauri era muito matador,e ainda é,mas no momento está em péssima fase,e pra piorar o Iaquinta,que pra mim começou bem a temporada,machucou e só volta em 2010.

    Giovinco até agora,nada demais.Quem tem rendido mesmo,é Chiellini,Marchisio e Caceres.

    Camoranesi agora vive lesionado,e Buffon também está machucado.Del Piero velhaço,etc.

    É,mais 1 ano sem ganahr nada,hein.Acho que no maximo a Copa Uefa,quem sabe.Incrivel,um time como a Juventus que investiu tanto,cair na primeira fase da UCL.

Deixe um comentário