Liga Europa

Tchau, Europa!

Mesmo com gol de Trezeguet, no início, Juve se deixou envolver, sofreu virada
e caiu diante do Fulham, na Liga Europa (La Presse)

Felipe Melo foi o melhor jogador juventino no primeiro tempo. No segundo, o goleiro Chimenti foi o destaque. Por aí, conclui-se que as coisas não tomaram um rumo muito bom para a Velha Senhora, em Londres. A derrota por 4 a 1 para o Fulham eliminou os bianconeri da Liga Europa e acabou com qualquer esperança de títulos para essa temporada.

O jogo começou dando pistas de que seria uma tarde tranquila para os torcedores da Juventus. Logo aos dois minutos, Salihamadzic cruzou, Diego tentou e a bola sobrou para Trezeguet bater no canto. O gol na Inglaterra dava ainda mais tranquildade para os juventinos: nesse momento, só seriam desclassificados se levassem quatro. O final da história todos já conhecem.

É claro que não seria uma tarde tranquila. Jogo tranquilo, não é jogo da Juve. Assim aprenderam os torcedores bianconeri. Aos nove minutos, Zamora dominou no peito e chutou forte, para empatar. Até aí, tudo bem. O placar ainda dava certa tranquilidade para a Juve, que, jogando da mesma maneira que semana passada, com dois trequartisti (Diego e Candreva), trocava passes no meio e marcava a saída de bola do Fulham. Felipe Melo fazia um bom jogo mais atrás, evitando bem investidas mais perigosas do time inglês.

Porém, aos 25 minutos, Davies recebeu bom lançamento e disparou na frente de Cannavaro, que não acompanhou a corrida e só conseguiu parar o galês com falta: vermelho para o ex-melhor do mundo. Expulsão decisiva para o futuro do jogo. Com um a mais, os londrinos dominaram o jogo. Na Juve, o bom Candreva saiu para dar lugar ao atrapalhado Grygera, que já tinha ido muito mal na decepção de domingo, contra o Siena, e no Fulham, Hodgson trocou o zagueiro Kelly por Dempsey. Assim, a Juventus recuou a marcação e se viu pressionada o resto da partida.

Antes do gol da virada, duas bolas na trave: uma de Davies, em uma cobrança de falta; e outra de Etuhu, após escanteio. Aos 39 minutos, então, Gera marcou seu primeiro e colocou os cottagers na frente, em bela jogada coletiva. Mais gols eram só uma questão de tempo, pelo que se via. Sorte da Juve que o tempo estava acabando. No intervalo, Zaccheroni teria tempo para conversar com seus jogadores e mudar de esquema tático e/ou joagadores. Mas não o fez.

Os dois times voltaram iguais para a segunda etapa e, claro, o jogo também. No mesmo ritmo do fim do primeiro tempo, o Fulham partiu para o ataque e conseguiu um pênalti logo aos quatro minutos, após mão de Diego, dentro da área. Na cobrança, Gera anotou seu segundo gol e ampliou para os ingleses. No agregado 4 a 4, placar que levava a partida para a prorrogação. Restava a Juve segurar o resultado e tentar a sorte na prorrogação ou nos pênaltis. Um gol para tranquilizar novamente parecia muito distante. O time de Turim não conseguia sequer encaixar um contra-ataque. Zac nem deu chances para isso também. Logo depois do gol, sacou Camoranesi e colocou De Ceglie, para montar uma desfesa a três.

Nos 30 minutos seguintes, a torcida londrina empurrou o Fulham como pôde e viu um jogo de ataque contra defesa. Defesa essa bem atrapalhada. Grygera e Zebina não se entendiam de jeito nenhum e ofereciam inúmeras oportunidades para o adversário. Em pelo menos três delas, Chimenti fez grandes defesas, aparecendo como destaque da Juve no jogo. Mas, como diz o ditado, ”água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”. A dez minutos do fim, Dempsey marcou um golaço (daqueles que ninguém sabe se foi chute a gol ou cruzamento) e deu números finais à partida, desclassificando uma Juve que, antes do apito inicial, era uma virtual classificada, para muitos.

Antes do fim de jogo, só deu tempo de Zaccheroni trocar Grosso por Del Piero e dar a chance para os trocedores protestarem, perguntando o porquê d’Il Capitano não ter entrado antes. Má partida de Zac, que não trocou bem durante o jogo. Foi a segunda reviravolta sofrida pela Juve, na semana, evidenciando a fraqueza, principalmente defensiva, do time. Nas duas últimas partidas, foram sete gols sofridos. O resultado é ruim também para a Itália no ranking da Uefa. Agora, só sobrou a Inter em competições europeias. Os alemães continuam com o Bayern, na LC, e Wofsburg e Hamburgo, na Liga Europa. Menos mal que o Werder Bremen também foi eliminado, hoje, pelo Valência.

Veja os gols aqui.

Deixe um comentário