Seleção italiana

Os 23 de Lippi: Gianluca Zambrotta

Ambidestro, talentoso, forte, criativo, técnico, bom na marcação, consciente nos ataques, eficiente na frente e atrás, excelente tanto pela esquerda quanto pela direita. Hoje, é complicado ligar estas características a algum lateral italiano. Há quatro anos, qualquer torcedor menos atento na Velha Bota apontaria os adjetivos a Gianluca Zambrotta, até então ídolo na Juventus e próximo de vencer uma Copa do Mundo jogando (e bem) como titular. A partir daí, tudo mudou em sua carreira. Talvez fruto de uma “maldição de Berlim” que mergulhou numa maré de má sorte vários dos titulares daquela campanha vitoriosa. Entre todos, é possível que Zambrotta é o que tenha sido protagonista da maior queda de rendimento desde então.

Com o rebaixamento da Juventus, Zambrotta pediu para ser negociado para o exterior, e assim fechou com o Barcelona, junto de seu companheiro Thuram. Os blaugrana pagaram 14 milhões de euros só pelo italiano, em um de seus piores negócios recentes. Com maiores atribuições ofensivas além de dar suportes eventuais, Zambrotta teve dificuldades em se adaptar à cidade e ao futebol espanhol e foi perdendo espaço. Também sofria com algumas restrições de Frank Rijkaard, que nunca havia pedido sua contratação e não gostava do estilo do jogador. No fim de sua segunda temporada, via seu espaço cada vez mais reduzido após a chegada de Belletti. Longe de ser aquele atleta decisivo de tão pouco tempo atrás, teve sua vontade realizada: retornar à Itália, dois anos depois.

Zambrotta passou ao Barcelona logo após a Copa de 2006 (Goal)

O novo desafio seria o Milan, que no verão de 2008 investiu perto de 11 milhões num lateral de 31 anos que já dava sinais de desgaste. O mesmo clube que Zambrotta havia recusado, dois anos antes. O lateral chegava num Milan que dava seus primeiros passos rumo à crise instituicional que parece tão próxima após os problemas da temporada atual. Em seu primeiro ano, só se livrou de um vexame por conta de um Kaká inspirado em seus últimos jogos em rossonero, além dos gols decisivos de Inzaghi na reta final do campeonato e de assistências de um redivivo Beckham. Na Copa da Uefa, o time não chegou sequer às oitavas-de-final. E Zambrotta só não foi titular em duas das partidas da terrível campanha do Diavolo. Se poderia piorar? Os últimos meses servem de resposta: banco para Abate, Antonini e até Bonera. A vida já foi mais fácil.

Principalmente no início da carreira, quando Zambrotta impressionou pelo Como antes de ir para o Bari, direto para a Serie A. Chegou, assumiu a titularidade na lateral-esquerda e ganhou sua primeira chance na seleção italiana, num amistoso contra a Noruega. Depois de dois anos em biancorosso, foi contratação exigida por Carlo Ancelotti, que viu a Juventus gastar cerca de 16 milhões de euros no jovem de 22 anos.

No Milan, Zambrotta não tem sido unanimidade (Getty)

Só demorou um mês para se confirmar como titular e teve ótimas apresentações, posteriormente manchadas pela expulsão direta no último jogo da Serie A 1999-00, a derrota por 1 a 0 para o Perugia que entregou o scudetto no colo da Lazio, na rodada final. Depois, tornou-se um dos maiores laterais da história do clube, em seus seis anos seguintes, ainda na direita com Ancelotti e posteriormente na esquerda, com Marcello Lippi e Fabio Capello.

Na seleção, é titular desde o início de 2000. Participou do vice-campeonato na Euro daquele ano, mas perdeu a final por acúmulo de cartões amarelos. Na Copa do Mundo de 2002, foi titular e peça-chave durante todo o tempo, mas saiu lesionado no jogo de oitavas-de-final contra a Coreia do Sul que custou à Nazionale a eliminação naquele ano. Na Euro seguinte, não jogou à altura de seu futebol, mas pagou com correção em 2006. Inclusive deixou sua marca na quarta-de-final contra a Ucrânia, num belo gol de fora da área. Depois de mais uma decepção em campos europeus, resta a expectativa otimista de mais uma reviravolta “internacional” em sua carreira.

Gianluca Zambrotta
Nascimento: 19 de fevereiro de 1977, em Como
Posição: lateral
Clubes: Como (1994-97), Bari (1997-99), Juventus (1999-2006), Barcelona (2006-08), Milan (2008-hoje)
Seleção italiana: 92 jogos, 2 gols
Títulos: 2 Serie A (2002, 2003), 2 Supercoppa Italiana (2002, 2003), 1 Coppa Italia Serie C (1997), 1 Supercopa da Espanha (2006), 1 Copa do Mundo (2006)

3 comentários

  • ''No fim de sua segunda temporada, via seu espaço cada vez mais reduzido após a chegada de Belletti''.
    Mas Belletti já estava no Barcelona.Chegou na temporada 2004/2005,ou seja bem antes do Zambrotta que chegou na 2006/2007.

    Mas tipo, em 2006/2007, quando o Belletti voltou de lesão,no fim de 2006,tomou a vaga de Zambrotta,que foi péssimo no Barça, de fato.

    Abraços!Show demais essa cobertura.

Deixe um comentário