Jogadores

O romeno Stefan Radu se converteu em lenda improvável da história da Lazio

Quando Stefan Radu aterrissou em Roma para fechar com a Lazio, em janeiro de 2008, ninguém esperava que ali estava sendo escrita a história da agremiação capitolina. O romeno chegou sem nenhuma badalação, mas permaneceu na Cidade Eterna por mais de 15 anos e, além de bandeira da equipe, se tornou o atleta com o maior número de aparições com a camisa biancoceleste.

Radu nasceu em Bucareste, capital da Romênia, em 1986 – na reta final do regime comunista que vigorou no país por décadas. Em 1999, aos 13 anos, ingressou nas categorias de base do Dinamo Bucareste, um dos clubes mais vitoriosos de sua nação, e estreou profissionalmente em 2004.

Formado como lateral-esquerdo e capaz de atuar também como zagueiro, Radu passou os dois primeiros anos de sua carreira circulando entre os juniores do Dinamo Bucareste, que disputavam a terceirona romena, e o elenco profissional – período em que conquistou uma Copa da Romênia e uma Supercopa da Romênia, em 2005. Em 2006-07, em sua temporada de debute pelo time principal dos cachorros vermelhos, assumiu a titularidade e foi peça importante na conquista da liga local.

Brilhando pelo Dinamo Bucareste, o defensor estreou na seleção romena sub-21 em 2006, e, meses depois, debutou entre os adultos dos Tricolorii, numa vitória por 1 a 0 em amistoso contra a Espanha, em Cádiz. O destaque obtido pelo time da capital de seu país e pela própria equipe nacional da Romênia fez com que Radu mudasse de casa no meio da temporada 2007-08: em janeiro de 2008, com 21 anos recém-completos, foi emprestado para a Lazio.

Quando chegou da Romênia, Radu era visto como um jogador para compor o elenco da Lazio: porém, marcou seu nome na história da equipe (Getty)

Numa Lazio que vivia os anos iniciais da reconstrução promovida pelo presidente Claudio Lotito, o promissor Radu fez sua estreia no final de janeiro de 2008, no estádio Artemio Franchi, em partida válida pela Coppa Italia, contra a Fiorentina. Vestindo a camisa 2, deixada por Guglielmo Stendardo, o romeno atuou durante os 90 minutos na vitória por 2 a 1, que levou a equipe da capital às semifinais do torneio.

Utilizado com frequência nos meses iniciais de sua experiência em Roma, o defensor agradou ao técnico Delio Rossi e foi adquirido em definitivo ao fim da temporada, concluída pela Lazio com um modesto 12º lugar na Serie A e a eliminação nas semifinais da Coppa Italia. Apesar disso, Radu não teve minutagem tão expressiva na campanha seguinte: revezou com Aleksandar Kolarov, que era o preferido do treinador, e atuou 19 vezes, sendo todas pelo Campeonato Italiano. Pelos celestes, levantaria a sua primeira taça – a da copa nacional –, mas sem jogar pela competição.

Em 2009-10, com a consolidação de Kolarov no flanco esquerdo e a venda de David Rozehnal ao Hamburgo, Radu deixou de apenas compor elenco e foi alçado à condição de titular da zaga da equipe, agora treinada por Davide Ballardini. O romeno faturou o título da Supercopa Italiana também sem entrar em campo, mas foi frequentemente utilizado ao longo do ano – e manteve o posto após a troca no comando da Lazio, que promoveu a chegada de Edoardo Reja em fevereiro de 2010.

Depois de anos de desempenho mediano na Serie A e algum sucesso nas copas, a Lazio foi redesenhada por Reja a partir de 2010-11 – e Radu, importante nesse processo, jamais terminaria o Italiano na segunda metade da tabela outra vez. De cara, o treinador segurou o romeno, que despertou o interesse de outros clubes, sobretudo o Palermo, e o transformou em dono da lateral esquerda biancoceleste após a venda de Kolarov ao Manchester City.

Apesar da regularidade mostrada na Lazio, o romeno nunca deslanchou na seleção de seu país (Getty)

Naquele ano, Radu contribuiu para que a Lazio fosse quinta colocada da Serie A e se classificasse para a Liga Europa. Além disso, colecionou animosidades no Derby della Capitale, ao ser expulso por dar uma cabeçada no brasileiro Fábio Simplício no final do clássico, que terminaria com triunfo da Roma por 2 a 0. Aquele foi o primeiro dos cinco cartões vermelhos que o defensor levou na Itália – dois foram contra os rivais da Cidade Eterna e dois ante a Inter.

Em junho de 2011, ao fim de uma temporada positiva, o lateral renovou o seu contrato com a equipe da capital até 2016. No entanto, a campanha subsequente à firma de um novo vínculo foi muito atribulada para Radu, que frequentemente ficou de molho por conta de problemas no joelho – assim, atuou em apenas 26 dos 50 jogos que a Lazio fez ao longo de 2011-12. De qualquer forma, contribuiu com o quarto lugar dos aquilotti, que novamente se classificaram para a Liga Europa.

Ao fim da temporada, Reja optou por deixar a Lazio e o suíço Vladimir Petkovic foi confirmado como técnico dos capitolinos para 2012-13. Sob nova direção, Radu manteve o posto no onze inicial e teve o ano mais positivo de sua carreira em termos ofensivos: marcou seus primeiros gols pelos celestes – foram três – e ainda forneceu cinco assistências. Apesar de a equipe ter rendido menos na Serie A, competição em que foi sétima colocada, a época ficou marcada pelo histórico título da Coppa Italia, com vitória sobre a Roma na decisão. Naquela campanha, Stefan anotara no triunfo por 3 a 0 sobre o Catania, nas quartas de final.

Os idos de 2013 também ficaram marcados por uma importante escolha que o lateral fez para sua carreira: se aposentar da seleção da Romênia. Apesar da trajetória sólida na Lazio, Radu nunca foi unanimidade no time tricolor e amargou a reserva de Razvan Rat, que chegou a ser capitão da equipe nacional – por causa do colega, sequer saiu do banco na Euro 2008, por exemplo. À sombra do líder do grupo, teve várias divergências com a federação e, com apenas 26 anos, abdicou de novas convocações. Como jamais voltou atrás em sua decisão, colecionou somente 14 aparições com a camisa amarela.

Com o passar dos anos, Radu foi ganhando importância nos bastidores e, com sua garra, se tornou um dos líderes do elenco laziale (Getty)

Livre para se dedicar apenas à Lazio, Stefan foi um dos jogadores que tentaram segurar as pontas durante a atribulada campanha de 2013-14. Como? Alternando entre a lateral e a zaga, e usando a faixa de capitão de forma frequente, mais vezes do que já a envergara anteriormente.

Já acertado com a seleção da Suíça, o técnico Petkovic teve atritos com a diretoria e, em janeiro de 2014, deu lugar a Reja, que retornava à Cidade Eterna. Porém, de pouco adiantou. A fragilizada equipe colecionou resultados ruins ao longo de toda a temporada: perdeu a Supercopa Italiana de goleada para a Juventus, foi nona colocada na Serie A, caiu nas quartas da Coppa Italia e ainda foi eliminada da Liga Europa pelo Ludogorets, com direito a derrota em casa, num duelo em que Radu foi capitão. Na volta, a Lazio chegou a abrir 2 a 0, mas viu os búlgaros mudarem o cenário e avançarem graças a um 3 a 3.

Nos dois anos seguintes, nos quais a Lazio foi quase inteiramente comandada por Stefano Pioli, Radu viu seu tempo em campo diminuir bastante, por conta de variados problemas físicos, quase sempre de origem muscular – o que não lhe impediu de renovar o contrato até 2020. Em 2014-15, o defensor chegou a marcar o gol dos aquilotti na final da Coppa Italia, perdida por 2 a 1 para a Juventus, num raro momento de protagonismo.

Para os celestes, aquela foi uma época de bom futebol permeada com frustrações: além da derrota na copa, a equipe voltou a ser derrotada pela Velha Senhora na Supercopa Italiana e nem mesmo a classificação para a Champions League, devido ao terceiro lugar na Serie A, teve sabor prolongado. É que, posteriormente, a Lazio foi eliminada pelo Bayer Leverkusen na fase preliminar do torneio. Para piorar, ainda cairia nas oitavas da Liga Europa graças a um sonoro 3 a 0 que o Sparta Praga lhe aplicou em pleno Olímpico. Lesionado, Radu não participou do vexame.

Já veterano, Radu ganhou novo fôlego na gestão de Inzaghi e quebrou recordes pela Lazio (Getty)

Com Simone Inzaghi, que sucedeu Pioli nos atos finais da temporada 2015-16, Radu viveria uma espécie de segunda juventude nos anos seguintes, quando colecionou boas atuações, conquistas e recordes vestindo a camisa da Lazio. Nesse período dourado, o romeno também ganhou dos colegas o apelido de “Il Boss”, “o chefão”, em português, devido a sua longevidade nos vestiários celestes.

Entre 2016 e 2021, o líder do elenco laziale conseguiu manter a forma física, pouco se lesionou e galgou posições no ranking de jogadores que mais vestiram a camisa da agremiação: em outubro de 2017, entrou na lista dos 10; em março de 2021, já virou o dono absoluto do maior número de aparições pelas águias, superando Giuseppe Favalli. As 401 partidas do seu antecessor na lateral esquerda seriam pulverizadas, já que Radu chegaria a 427, acumulando também a primazia em Campeonatos Italianos (349).

Até lá, porém, Il Boss perdeu bastante cabelo e percorreu bastante chão sob as ordens de Inzaghi, que o utilizou quase sempre como zagueiro pela esquerda em sua linha de retaguarda com três defensores. Em 2016-17, Radu contribuiu para que a Lazio fosse quinta colocada na Serie A e vice da Coppa Italia – e, na abertura da temporada seguinte, desse o troco na Juventus e faturasse a Supercopa Italiana. Em 2017-18, os romanos repetiram o posicionamento no campeonato nacional, mas caíram nas semifinais da copa, eliminados pelo Milan nos pênaltis. Por fim, viram o fantasma europeu lhes assombrar novamente, nas quartas da Liga Europa, ocasião em que chegaram a abrir 4 a 2 sobre o Salzburg, mas caíram devido ao 4 a 1 sofrido na Áustria.

No biênio seguinte, Stefan conquistou os seus dois últimos títulos pela Lazio. Em 2018-19, compensando campanhas medianas na Serie A e na Liga Europa, a equipe celeste faturou mais uma Coppa Italia, embora Radu pouco tenha jogado na competição devido a suspensões e a um problema no tornozelo: atuou em dois dos cinco possíveis. Na trajetória, foi expulso nas quartas de final, por xingar o árbitro Rosario Abisso quando ele assinalou pênalti para a Inter no quarto minuto de acréscimos da prorrogação. Nas penalidades, os aquilotti levaram a melhor em San Siro. Depois, bateram Milan e Atalanta para levantar o caneco.

Em sua última partida como profissional, Radu recebeu homenagens da torcida e da diretoria da Lazio (Getty)

Por fim, em 2019-20, a primeira das temporadas pandêmicas, Radu jogou toda a partida da Supercopa Italiana e contribuiu para a Lazio bater a Juventus por 3 a 1, em Riade, capital da Arábia Saudita – curiosamente, três semanas antes, pela Serie A, os celestes repetiram o placar, noutra atuação quase impecável. Naquela mesma campanha, os aquilotti fariam melhor nos pontos corridos do que nas copas: chegaram a brigar pelo scudetto, mas perderam fôlego após a parada obrigatória causada pela gravíssima situação provocada pela covid-19 no planeta, e terminaram em quarto lugar. Ao menos, classificaram-se para a Champions League.

Em 2020-21, o já veterano Radu teve a chance de estrear na fase de grupos da Liga dos Campeões, e ajudou a Lazio a atingir as oitavas de final, onde seria eliminada por um fortíssimo Bayern Munique. Aquele foi o último ano do romeno como titular dos capitolinos: o ciclo de Inzaghi na Cidade Eterna se encerrou após o sexto lugar na Serie A e a queda nas quartas da Coppa Italia, e, com isso, Il Boss se viu relegado ao banco de reservas. No intenso 4-3-3 de Maurizio Sarri, não havia espaço frequente para um jogador com o seu estilo.

Sob as ordens de Sarri, Radu somou meras 15 aparições em duas temporadas, sendo apenas três em 2022-23. A última delas foi nos derradeiros minutos da penúltima rodada da Serie A, contra a Cremonese, quando a Lazio se despedia de seus torcedores e Il Boss pode receber merecida homenagem, após tão longa e frutífera contribuição. Na ocasião, a agremiação ainda celebrava uma década da conquista da Coppa Italia sobre a Roma e o romeno pode fazer a festa com companheiros daquele elenco. Aos 36 anos, pendurava as chuteiras em grande estilo.

De forma deveras improvável, Radu se tornou uma das grandes bandeiras da Lazio. É verdade que no período em que vestiu biancoceleste, outros colegas de elenco, de diferentes gerações, brilharam mais do que ele – Tommaso Rocchi, Hernanes, Stefano Mauri, Miroslav Klose, Marco Parolo, Luis Alberto, Sergej Milinkovic-Savic, Ciro Immobile, apenas para citar alguns deles. Porém, o romeno sempre foi um dos sustentáculos da equipe, com garra e regularidade. Não à toa, quebrou recordes que devem demorar para ser batidos, principalmente se considerarmos que é cada vez mais raro que jogadores passem tanto tempo em um mesmo clube.

Stefan Daniel Radu
Nascimento: 22 de outubro de 1986, em Bucareste, Romênia
Posição: lateral-esquerdo e zagueiro
Clubes: Dinamo Bucareste (2004-08) e Lazio (2008-23)
Títulos: Copa da Romênia (2005), Supercopa da Romênia (2005), Campeonato Romeno (2007), Coppa Italia (2009, 2013 e 2019) e Supercopa Italiana (2009, 2017 e 2019)
Seleção romena: 14 jogos

Compartilhe!

Deixe um comentário