Serie A

(Re)Construindo um meio-campo

Javier Pastore é o grande trunfo do Palermo, que precisa se reconstruir nesta Serie A (Getty Images)

Um time que encanta e faz uma excelente campanha durante uma temporada de determinado campeonato sempre tenta manter a sua base, a fim de repetir o desempenho na próxima época. Infelizmente o Palermo não conseguiu. Muitos nomes do meio-campo rosanero, 5º colocado na Serie A 2009-10, foram embora.

Com o término da Copa do Mundo, o mercado começou a ficar agitado e Simplício se transferiu para jogar em Roma, assim como Bresciano, que jogará na rival Lazio. O brasileiro e o australiano, por mais que não fossem titulares absolutos do meio-campo do Palermo, eram peças importantes para Delio Rossi, para dar maior profundidade ao elenco. O Zaragoza, da Espanha, confirmou a chegada por empréstimo de Bertolo. Tedesco se aposentou e o reserva Blasi retornou ao Napoli, após empréstimo. O Palermo já esperava a saída do atacante Cavani após uma excelente campanha com o Uruguai no Mundial.

Por outro lado, os rosanero tem se mexido para buscar reforços em outros setores. Para o ataque, o clube contratou o subestimado artilheiro Massimo Maccarone, do rebaixado Siena, e o chileno Mauricio Pinilla, vice-artilheiro da última Serie B, com 24 gols em 24 partidas pelo Grosseto. Mesmo com a saída de Cavani, o ataque ficou um pouco inchado, mesmo para a disputa de três competições – Serie A, Coppa Italia e Liga Europa. O capitão Miccoli permanece na equipe e deverá ser titular, assim como Hernández, que teve uma grande ascensão no fim da época passada e fez uma excelente pré-temporada: é o artilheiro da pré-época com 18 gols, sendo 10 deles marcados nos 20 a 2 contra o Krumpendorf. Budan e Succi completam as opções do treinador Delio Rossi.

Na defesa, Cassani voltou à Nazionale após estrear com a camisa azul em 2009, Bovo permanece e Balzaretti tem vaga quase garantida entre os 11 iniciais de Delio Rossi. Para ocupar a vaga deixada por Simon Kjaer, o Palermo investiu em contratações vinda do exterior: foram contratados o polonês Kamil Glik, do Piast Gliwice, e Ezequiel Muñoz, do Boca Juniors, de 22 e 19 anos, respectivamente. Outra opção é o romeno Dorin Goian, decepção da última época, e que voltará a lutar por uma vaga na defesa quando se recuperar de uma lesão no joelho e tornozelo.

Por causa de lesões de Bovo e Goian, é possível que Muñoz e Glik – este último com futuro ainda indefinido, já que pode ser emprestado a Bari ou Chievo – iniciem a temporada como titulares. Santiago García (Rosario Central) e Matteo Darmian (Milan) foram contratados para compor elenco, à primeira instância. O brasileiro Rafael Tolói, do Goiás, interessa ao Palermo e o clube pode fazer uma proposta concreta ao zagueiro que participou do Mundial Sub-20, em 2008 – os rosanero já haviam sondado o jovem de 19 anos em maio passado.

O técnico deve manter o 4-3-1-2 da última temporada (assim jogou os dois últimos amistosos contra Frankfurt e Bochum), com um meio-campo formado por Migliaccio, Liverani, Nocerino e Pastore, mais avançado. Aos 34 anos, Fabio Liverani já não é aquele atleta com vigor físico visto na Lazio, em temporadas passadas, mas talvez esteja em sua melhor fase técnica – assim como nas ótimas cobranças de escanteio e falta. Para o banco, chegou Nicola Rigoni, ex-Vicenza, 19 anos, idade média das jovens promessas para o meio-campo rosanero. As opções imediatas em caso de lesão dos titulares são Acquah, Cristofari e Kasami, que devem ter chances com Rossi. O último deles, inclusive, foi titular da seleção suíça campeã do Mundial Sub-20 de 2009.

No dia 19, próxima quinta-feira, o Palermo enfrenta o Maribor, em casa, no primeiro confronto do play-off da Liga Europa. As esperanças caem sobre os ombros de Pastore, Miccoli e Hernández até a diretoria rosanera buscar uma solução para os problemas urgentes do clube, que passam principalmente por um meio-campo com poucas opções.

1 comentário

Deixe um comentário