Serie A

3ª rodada: Novidades e clichês na ponta da tabela

Cada vez mais perto do gol, Eto’o assume a condição de
goleador da Inter e amortiza a má fase de Milito (Reuters)

Assim como nos jogos do sábado, os jogos de domingo da terceira rodada não foram dominados pelos mandantes. Entre eles, apenas o surpreendente Cesena venceu, para alcançar o topo da tabela, acompanhado da Inter, cercada de desconfianças, mas que pouco a pouco parece recuperar seu espírito vencedor das últimas temporadas. A virada conquistada no segundo tempo só não foi mais acachapante que a do Napoli, que precisou de apenas três minutos para virar contra a Sampdoria no Luigi Ferraris. Ainda houve, claro, espaço para polêmicas arbitrais e para a trapalhada dos árbitros em alguns jogos, que condicionaram alguns resultados e geraram muitas reclamações.

Palermo 1-2 Inter

Esta vitória da Inter foi daquelas conseguidas com o coração. A Beneamata, que começa a dar bons sinais a seu torcedor, fez uma boa partida, ainda que Pastore e os neocontratados Ilicic e Bacinovic oferecessem muitas dificuldades no meio-campo. Milito perdeu alguns gols que talvez não perderia se estivesse em forma, mas está claramente em recuperação: se movimentou muito, apareceu para o jogo e ainda foi o autor da assistência para Eto’o marcar um dos seus dois gols. O camaronês, aliás, é a alma da Inter neste início de temporada: jogando mais próximo ao gol, é o artilheiro da Serie A, com três gols, e já fez seis na temporada – mais que qualquer jogador das séries A e B.

O Palermo, por sua vez, perdeu a primeira em casa desde a o dérbi da Sicília contra o Catania, acontecido de 9 de março de 2009. O início de campeonato para os rosanero é complicado: apenas um ponto em três jogos colocam o time na parte de baixo da tabela, mas o futebol apresentado tem sido bom. Pastore continua ditando o ritmo do time, que vem jogando bem, mas não está conseguindo vencer. A visita a Turim nesta quarta promete, já que a Juventus está em crescimento, mas o Palermo – sedento por vitória – tem surpreendido a Velha Senhora em seus domínios nos últimos anos.

Roma 2-2 Bologna

Mais uma vez, a Roma teve a vitória nas mãos, mas desperdiçou nos minutos finais. O placar poderia ter sido outro, por causa do alto número de bolas na trave – duas para a Roma e uma para o Bologna -, além dos gols perdidos pelos bolonheses Paponi e Di Vaio. Apesar do bom primeiro tempo, com gol de Borriello, que estreava no Olímpico com a camisa giallorossa, a Roma sofreu com as lesões de Cassetti e De Rossi, e acabou se perdendo no jogo quando recuou, após o gol contra de Rubin. O lateral direito Rosi acabou sendo o vilão do jogo, ao permitir que Di Vaio se antecipasse duas vezes e marcasse os gols do empate. No fim das contas, a Roma continua sem vencer na temporada, soma apenas um ponto em nove possíveis e Ranieri já vê a corda em seu pescoço, uma semana antes da partida contra a Inter, no Olímpico.

Udinese 0-4 Juventus

Uma Juventus recheada de ex-jogadores da Udinese não teve a menor dificuldade para atropelar a frágil equipe friulana, neste duelo bianconero, o que requer cuidado ao dizer que a Juventus está de volta. Dois dos ex-jogadores marcaram gols e tiveram reações diferentes: enquanto Quagliarella marcou um golaço e se reservou a não comemorar, Iaquinta foi vaiado pela torcida e, quando realizou seu gol, comemorou de maneira provocativa e provocou a ira do presidente Vittorio Pozzo. Porém, o nome do jogo foi Krasic, que justifica seu status de principal reforço do clube no mercado: muito incisivo nas infilitrações pelo lado direito, foi autor de duas assistências. Marchisio, autor de um golaço, também jogou muito bem, aparecendo bastante no apoio ao ataque. A se lamentar, pelo lado da equipe de Údine, o brusco redimensionamento pelo qual a equipe está passando desde a última temporada. Enfraquecido e pouco ambicioso, o time do Friuli ainda não conquistou nenhum ponto na temporada e lutará contra o rebaixamento até o fim do campeonato. Neste sentido, a vitalidade de Inler e Di Natale será fundamental.

Sampdoria 1-2 Napoli

Na noite do domingo, o Marassi parecia o San Paolo. Agressivo como nas últimas partidas, o Napoli pressionou a Sampdoria durante toda a partida (no primeiro tempo, foram seis escanteios nos primeiros 20 minutos), com um meio-campo muito alto e que chegava frequentemente ao ataque. Hamsík e Lavezzi, pilares da equipe, fizeram grande partida, mas Cavani, isolado no ataque, tinha dificuldades de furar o bloqueio doriano. Com dificuldades de contra-atacar, a Sampdoria se concentrava em Cassano que, numa única jogada, parecia decidir o jogo: o cruzamento para Pozzi, a 15 minutos do fim, resultou num ingênuo pênalti de Cannavaro, convertido pelo próprio Fantantonio, que chegou à artilharia do campeonato ao lado de Eto’o. Porém, o Napoli, que sempre leva as partidas até o limite, precisou de apenas três minutos para virar a partida: numa jogada ensaiada, Gargano passou para Hamsík aparecer na área blucerchiata para empatar. Depois, Cavani se antecipou a Lucchini e completou cruzamento de Lavezzi, que também chegou à artilharia da Serie A. Se o uruguaio mantiver a boa fase, o Napoli terá achado seu homem-gol e, com tanta garra, poderá sonhar com algo mais no campeonato.

Cesena 1-0 Lecce

Embora a tabela indique o Cesena como líder do campeonato, ao lado da Inter, o clube romanholo fez uma partida decisiva para a salvezza contra o Lecce e mostrou força, ao vencer mesmo com 10 em campo desde o primeiro tempo. O árbitro Gianluca Rocchi se atrapalhou todo e, ao invés de mostrar cartão para Nagatomo, acabou expulsando o capitão Colucci, o que acabou provocando revolta de jogadores e torcida, motivo pelo qual o primeiro tempo terminou aos 46 – e não aos 49, como o árbitro indicara. Na segunda etapa, o Lecce não conseguiu articular seu jogo contra uma boa defesa do Cesena, e surgiram as estrelas de Nagatomo e Giaccherini, no forte lado esquerdo da equipe, e também de Schelotto, no lado direito – inclusive, já se fala na Itália da possibilidade de que Giaccherini e Schelotto podem receber convocação para a Nazionale de Prandelli. Porém, a grande surpresa da equipe até agora é um improvável Bogdani, que tem feito boas partidas e marcado gols como nunca. Na vitória de ontem, ele fez um bonito gol, colocando a bola no canto da meta defendida por Rosati.

Parma 1-1 Genoa
As duas equipes fizeram uma partida pouco agradável sob o ponto de vista do espetáculo, mas muito quente sob o aspecto da arbitragem, que acabou condicionando o andamento de toda a partida. Primeiro, o árbitro Nicola Rizzoli acertou ao anular um gol de Bojinov (impedido), mas falhou ao não expulsar Zaccardo, que colocou a mão na bola acintosamente dentro da área. Pênalti claro, que Toni cobrou e converteu, para chegar a seu primeiro gol com a camisa do Genoa. A não expulsão de Zaccardo tornou-se ainda mais polêmica porque o lateral direito empataria a partida para o Parma na segunda etapa, aproveitando-se de uma saída em falso de um inseguro Eduardo, que, depois da boa Copa, não fez uma única partida consistente. No fim das contas, a impressão é que Gasperini não consegue dar regularidade a sua equipe, muito pouco confiável. A paciência do presidente Preziosi não é tão grande assim, sobretudo depois de tantos investimentos, e o técnico que há mais tempo comanda uma equipe na Serie A – cinco temporadas – é um dos que correm risco de demissão neste início de temporada.

Chievo 0-1 Brescia
Após ter estreado com derrota, o Brescia ensaia uma recuperação e surpreende. A vitória contra o difícil Palermo em casa deu moral ao time de Giuseppe Iachini, que conseguiu um grande resultado contra o ex-líder do campeonato. O nome da partida foi o trequartista Diamanti, que retornou ao futebol italiano para tentar chegar à Nazionale. Responsável por toda a criação dos rondinelle, além de ter marcado um golaço de falta e ter ditado o ritmo do jogo, foi o homem que levou mais perigo ao gol de Sorrentino – com passes e jogadas improvisadas, como a tentativa de encobrir o goleiro clivensi. O Chievo, também escalado no 4-3-1-2, não conseguiu jogou bem e foi refém justamente por causa de seu trequartista. Bentivoglio não entrou na partida e nem mesmo após a entrada de Bogliacino para lhe auxiliar, subiu de produção: ausente do jogo, ainda perdeu chances claras frente a Sereni.


Bari 0 -0 Cagliari

A primeira partida do domingo, realizada às 12h30 locais (7h30 em Brasília), careceu de grandes emoções, muito por causa do forte calor em Bari. Os jogadores terminaram a partida exaustos e Massimo Cellino, presidente do Cagliari, anunciou que fará proposta para acabar com as partidas disputadas neste horário, se o contrato com a TV permitir.Se a alta temperatura diminuiu as possibilidades de uma partida agradável entre duas das equipes mais ofensivas do campeonato, pior para o Bari, que teve duas boas chances com Almirón e Ghezzal, não aproveitou e agora visitará a líder Inter no Giuseppe Meazza, nesta quarta. O Cagliari jogará em casa, mas também não terá vida fácil: pega a Sampdoria.

Para resultados, escalações, classificação e estatísticas da 3ª rodada, clique aqui.

Para relembrar a 2ª rodada, clique aqui.

Seleção da 3ª rodada

Júlio César (Inter); Grava (Napoli), Silvestre (Catania), Bonucci (Juventus); Krasic (Juventus), Boateng (Milan), Mauri (Lazio), Diamanti (Brescia); Lavezzi (Napoli), Eto’o (Inter), Di Vaio (Bologna). Técnico: Marco Giampaolo (Catania).

2 comentários

  • Muito bom o trabalho de vocês do Quattro Tratti; já acompanho a algum tempo, apesar de comentar somente agora, aqui, pela primeira vez.

    O faço para parabenizá-los pelo bom trabalho e fazer uma correçãozinha:

    Quanto ao jogo da Roma; Rosi, jogou na lateral direita. Na esquerda jogou Cassetti… e posteriormente, após lesão do mesmo, Guillermo Burdisso.
    E a Roma soma dois pontos, dos empates contra o Cesena e o do jogo de ontem.

    Um abraço e até mais!

Deixe um comentário