Serie A

Defesa também ganha campeonato

Com Buffon, Chiellini, Barzagli e Bonucci em grande forma, Juve só foi vazada 18 vezes na Serie A e conta com melhor defesa entre grandes da Europa (Reuters)

Ainda pode ser um pouco cedo para afirmar, mas é muito provável que a grande vencedora ao final desta temporada, na Itália, seja a defesa. Afinal, a briga entre Juventus e Milan pelo título italiano é também uma disputa entre defesa e ataque. Com 64 gols marcados, o time de Milão tem o melhor ataque da Serie A e confia na precisão de Ibrahimovic para chegar ao scudetto. Os rivais de Turim, porém, estão mostrando que uma aposta na defesa pode ser mais efetiva. Nos 34 jogos disputados pelo Campeonato Italiano até aqui, a Juve sofreu apenas 18 gols, marca que a torna a melhor defensora da Serie A e da Europa (veja tabela no final do post).

A equipe de Conte sofreu menos gols que gigantes, como Barcelona, Real Madrid, Bayern de Munique, Manchester United, entre outros, e ostenta a ótima média de 0,529 gol sofrido por partida. A estatística surpreende até os juventinos. Quando Antonio Conte foi confirmado como novo treinador da Velha Senhora, em julho do ano passado, artigos e análises explodiram nos meios de comunicação, inclusive aqui no blog, mostrando que o forte dos times do treinador era o ataque. Seu esquema preferido seria um 4-4-2 super ofensivo que mais se pareceria com um 4-2-4, apostando na velocidade pelas alas. Nove meses depois, contudo, o que se vê é um técnico que prioriza a defesa e mostra variações táticas, dependendo do adversário. Atualmente, a Juve varia entre o 4-3-3 e o 3-5-2.

Depois que percebeu deficiências no setor ofensivo de seu time, ainda na primeira metade do campeonato, Conte teve que abandonar o esquema que utilizou em Bari e Siena, e se concentrou em achar uma formação mais equilibrada. Com Buffon, Chiellini e Barzagli em grande forma, não foi difícil encontrar o ponto forte da equipe e investir nele. Os três são peças incontestáveis no time e formam a base de uma defesa muito segura, que conta ainda com participações de Bonucci, Lichtsteiner e De Ceglie, dependendo da formação. Nas palavras de Walter Mazzarri, técnico do Napoli, “a zaga da Juventus tem ótimo posicionamento e o Chiellini é de outro planeta. Sozinho, consegue marcar três jogadores.”

Com 104 interceptações no campeonato e competência para atuar bem em qualquer posição da linha defensiva, Chiellini de fato é um dos destaques do time. Mas os casos de Barzagli e Bonucci surpreendem mais. O primeiro chegou ao clube no início do ano passado sob desconfiança, mas jamais decepcionou. Logo se tornou titular absoluto e, com sua experiência, deu maior segurança a um setor antes questionado. Em certo momento, teve atuações melhores que as de Chiellini, inclusive. E o melhor: custou apenas 300 mil euros aos cofres bianconeri. 

Bonucci, por sua vez, chegou ao time em 2010 como o zagueiro-revelação da Itália na época e com o apoio de toda a torcida. Até pouco tempo atrás, contudo, ainda não tinha convencido. Aqui no blog, cogitamos escrever sobre um declínio precoce da dupla Bonucci-Ranocchia, sensação do Bari em 2009-10, depois das pífias atuações do zagueiro contra Milan e Bologna, que custaram a liderança  à Juventus. Depois disso, porém, Bonucci se recuperou com grandes atuações e gols importantes e derrubou nossa pauta.

Mas o sucesso da retaguarda juventina vai além dos jogadores de defesa. A proteção oferecida pelo meio de campo é de fundamental importância. No 3-5-2, De Ceglie e Lichtsteiner ganharam as pontas porque conseguem atacar com objetividade, mas, principalmente, porque sabem recompor com velocidade e defender. Mais centralizados, Marchisio e Vidal são jogadores fortes fisicamente e que oferecem um primeiro combate, deixando Pirlo livre para criar. Já no 4-3-3, o segredo é o deslocamento de Chiellini para a lateral esquerda. Como o jogador não sobe muito ao ataque, a zaga não fica desprotegida. A pressão dos meio-campistas na saída de bola do adversário continua tendo papel importante.

Dessa forma, Conte montou uma defesa extremamente segura, que tomou apenas um gol nos últimos sete jogos, e caminha para levar o clube ao seu primeiro scudetto pós-calciopoli. O título terá gostinho especial para os juventinos e provavelmente virá acompanhado de marca histórica: por enquanto, essa é a quinta melhor defesa do time desde a década de 1970. Só em quatro campeonatos a Juve sofreu menos gols: 1977-78 (17 gols), 1980-81 (15), 1981-82 (14) e 1985-86 (17).

Melhores defesas da Europa na temporada 2011-12 até dia 25/4:

*computadas apenas estatísticas dos campeonatos nacionais de Alemanha, Espanha, França, Inglaterra, Itália e Portugal. Clique para ampliar.

1 comentário

Deixe um comentário