Serie A

3ª rodada: Mais gente na briga?

Duelo equilibrado entre Inter e Juventus foi destaque de rodada morna (Goal.com)

O campeonato está ainda em seu início, a preparação física da maioria das equipes ainda não se consolidou e nem mesmo os elencos estão entrosados. Porém, dois times começam a dar sinais de que podem se juntar a Juventus e Napoli na briga pelo título desta temporada. Com novos técnicos, Inter e Roma são times bem montados e podem evoluir ao longo do ano. Os novos reforços estão entrando bem nas equipes treinadas respectivamente por Walter Mazzarri e Rudi Garcia, e vários dos problemas da última temporada estão indo pelo ralo. Interistas e romanistas tiveram as piores defesas do último campeonato, entre aquelas equipes que permaneceram na Serie A, e hoje, tem as melhores do torneio, com apenas um gol sofrido, ambos nesta terceira rodada. Animador para as torcidas. Enquanto isso, Milan e Fiorentina escorregam e Juventus e Napoli continuam com expectativas inalteradas. Confira o resumo da rodada.

Inter 1-1 Juventus

No jogo mais esperado da rodada, que abria os trabalhos do fim de semana, Inter e Juventus fizeram um duelo equilibrado no Derby d’Italia, e até mesmo chato, em alguns momentos. Quem se deu bem com isso foi a Inter, que encarou a Juventus de igual para igual, mesmo com um elenco inferior tecnicamente. Bem na defesa (com exceção feita ao lance do gol bianconero) e com um meio-campo forte e sólido, a equipe treinada por Walter Mazzarri começa a ser levada a sério como eventual postulante ao título, sobretudo por ter apenas a Serie A e a Coppa Italia para disputar. Nesse cenário, em que a Inter pode evoluir e a Juve de Antonio Conte pode se distrair com a prioridade à Liga dos Campeões, o empate ficou de bom tamanho para ambas as equipes.

O primeiro tempo foi muito intenso, mas reservou apenas uma chance clara para cada lado, bem defendidas pelos goleiros Handanovic e Buffon. Na segunda etapa, porém, o jogo ganhou em qualidade e uma Inter até então muito prudente foi para o ataque. Em pressão de Álvarez sobre Chiellini, o argentino levou a melhor e apenas passou para Icardi fuzilar Buffon e marcar seu quarto gol contra a Velha Senhora – sua vítima preferida, com apenas 19 anos. Porém, dois minutos depois, Asamoah ganhou de Jonathan e Campagnaro e cruzou para Vidal, deixado livre por Guarín, anotar o empate. Tévez e Isla ainda tiveram chance de dar a vitória à bicampeã italiana. Mas quem ficou com gostinho de vitória com o empate foi a rival de Milão. (Nelson Oliveira)

Napoli 2-0 Atalanta

Com mais dois gols dos ex-merengues Higuaín e Callejón (que marcou pela terceira vez em três jogos), o Napoli venceu mais uma na Serie A e é, ao lado da Roma, uma das duas equipes que continua com 100% de aproveitamento no campeonato. O ótimo momento do time de Rafa Benítez tem como motor Marek Hamsík. O eslovaco é o principal jogador da equipe após a saída de Cavani e mesmo com a chegada de Higuaín, é o motorzinho do time. A grande fase credencia os napolitanos até a sonhar com uma vitória sobre o atual vice-campeão europeu Borussia Dortmund, nesta quarta, pela Liga dos Campeões.  

No San Paolo, Hamsík mudou a partida depois que entrou (começou na reserva porque Rafa Benítez começou com time misto, para poupar a equipe para a LC) e encaminhou seu time à vitória. Com muita velocidade, mudou a postura da equipe e iniciou a jogada que acabou com gol de Higuaín, aos 25 minutos da etapa final. Dez minutos depois, Callejón fechou o placar. Apesar da derrota, destaque para o bom primeiro tempo da Atalanta, muito bem postada no 3-5-2. A equipe ameaçou o gol de Reina algumas vezes. (Rodrigo Antonelli)

Parma 1-3 Roma
Fechando a rodada, a Roma visitou o Parma no Ennio Tardini e
conseguiu mais uma importante vitória. Embora tenha jogado bem nos dois
primeiros jogos, ver o time romanista no primeiro tempo foi sofrível. Mas na
segunda etapa, pressionado pela derrota parcial, o time de Rudi Garcia tomou
conta do jogo e, com boa participação de um Totti com contrato renovado até
2016, virou o jogo e assumiu a liderança provisória ao lado do Napoli, com 9
pontos. Se a Roma agora é líder e tem a
melhor defesa, ao lado da Inter, com apenas um gol sofrido, o Parma igualou seus
piores inícios de Serie A nesse século (em 2006-07 e 2004-05, com um ponto em
três jogos) e tem desempenho inferior até mesmo à temporada 2007-08, quando foi
rebaixado pela última vez.

Em campo, a equipe giallorossa sentiu falta de um
centroavante e pouco produziu na primeira etapa. A melhor chance veio em uma
investida de Maicon, que chutou para fora. O Parma, que necessitava de uma
vitória mostrou pouco futebol para isso, mas acabou achando um gol no final da
primeira etapa, com Biabiany. A Roma voltou melhor e mais incisiva. Em poucos
minutos do segundo tempo, empatou, com Florenzi, após erro da defesa da casa e bom passe de Pjanic. Totti, em impedimento, virou o
jogo, após bela assistência de Strootman – o próprio holandês definiu o jogo,
em cobrança de pênalti sofrido por Gervinho. (Caio Dellagiustina)

Torino 2-2 Milan
Em uma das melhores partidas do Torino na Serie A nos últimos anos, a vitória do time da casa não foi conquistada por detalhes. Jogando de forma muito superior ao Milan, a equipe granata, bem treinada por Gian Piero Ventura e comandada por Cerci, ofuscou a reestreia de Kaká com a camisa rossonera. O que se viu em campo foi um Milan muito apático e nada criativo,
dependente de Montolivo (que se lesionou após o intervalo), de um
apagado Robinho e do próprio estreante, que além de sem ritmo, acabou lesionando o
adutor da coxa, tendo que parar por um mês – em crise de lesões, hoje o
Milan tem apenas 13 jogadores disponíveis para a Champions. Não fosse um gol de sorte do Milan e um pênalti completamente infantil
cometido por Pasquale no último minuto dos acréscimos, a vitória do Torino contra o
rival milanês em casa aconteceria pela primeira vez em 12 anos. Não
deu.

Muito
isolado, Balotelli ficou fora do jogo, e perdeu a única chance
claríssima que teve. Com um Milan tão mal e sem sorte, o Torino brincou: após jogada de Cerci, que sempre levava perigo à defesa adversária, D’Ambrosio recebeu, tirou Zaccardo para dançar e fuzilou Abbiati. Em um contra-ataque mortal, puxado pela dupla Immobile-Cerci, o motorzinho granata disparou e apenas deu uma cavadinha para marcar o 2 a 0. Aos 43, o jogo mudou: Muntari aproveitou um rebote ruim do goleiro Padelli e chutou com a perna esquerda, viu a bola bater na direita, enganar o goleirão e entrar mansamente nas redes. Quatro minutos depois, Pasquale cometeu o pênalti sobre Poli, no lugar menos perigoso de toda a grande área. Balotelli não falha, o Milan sim. Allegri precisa mudar muita coisa se quiser ambicionar algo neste ano. (NO)

Sampdoria 0-3 Genoa
Três chutes a gol em toda a partida. Posse de bola quase 20% menor que o oponente. Tempo com a bola no pé menor que a metade do adversário. E venceu. Assim foi a empreitada do Genoa no 107º Derby della Lanterna. Em qualquer campeonato, um dérbi sempre é um divisor de águas e é isso que o Grifone espera para esta Serie A. Depois de duas derrotas e um acachapante 5 a 2 para a Fiorentina em casa na rodada anterior, o time de Fabio Liverani (que faz seus primeiros pontos como treinador profissional) foi cirúrgico e derrotou sua maior rival, que apesar de não representar um grande adversário em campo, pode ter sido o “choque” que o Genoa precisava para adquirir vida no campeonato. Foi a 28ª vitória rossoblù na história do dérbi na Serie A, contra 43 da Samp. Apenas a segunda vitória por três gols de diferença nos últimos 20 anos, a quinta da história.

Dois recém contratados definiram o jogo. O placar foi aberto logo aos 9 do primeiro tempo, depois que a defesa doriana afastou mal uma bola e Biondini, opção de Liverani para a partida, cruzou no pé de Antonini (acaba de chegar do Milan), que bateu de primeira, sem chances para o brasileiro Júnior Costa. Aos 5 do segundo tempo, foi a vez de Calaiò (recém-chegado do Napoli) se antecipar à defesa blucerchiata e empurrar para as redes o cruzamento de Vrsaljko, em jogada iniciada por Gilardino. Aos 21, Lodi cobrou falta perfeita no lado direito do gol, oposto da barreira, e fechou a conta. Liverani partiu para o abraço a seus comandados embaixo da Curva Nord, imagem da partida. Sinal de alerta ligado em Bogliasco, para o ostracismo que a Samp pode viver na temporada. (Thiéres Rabelo)

Fiorentina 1-1 Cagliari
Além de não ter conseguido deixar o Artemio Franchi com a vitória, a Fiorentina perdeu dois jogadores importantes para a disputa do campeonato – Cuadrado e Gómez. Os goleiros sequer tinham trabalhado quando Cuadrado teve de sair de campo, lesionado. O colombiano se chocou com Nainggolan e deu lugar a Joaquín. O Cagliari teve a primeira oportunidade de gol do jogo, porém, não teve competência para marcar. Cossu cobrou escanteio na cabeça de Conti, que tocou pra trás. Astori, sozinho na pequena área, jogou por cima da meta.

O segundo tempo começou bem melhor que o primeiro, fraco. Gómez conseguiu sair na cara de Agazzi, após passe em profundidade, mas se chocou com o goleiro do Cagliari ao tentar driblá-lo. O resultado foi uma torção no joelho direito. O arqueiro rossoblù ainda salvou um chute de fora da área de Rossi antes de ver a rede balançar após finalização de Borja Valero, de cabeça, em assistência do próprio atacante. No entanto, Pinilla, que entrou no decorrer da partida na vaga de Cossu, empatou o confronto no fim do jogo. Ele subiu mais que Roncaglia e Rodriguez para tirar de Neto, no fim do tempo regulamentar, frustrando a torcida viola. (Murillo Moret)

Lazio 3-0 Chievo
Em ótima partida de Candreva, a Lazio venceu a segunda no campeonato e acabou com o jejum de vitórias sobre o Chievo que já durava 10 anos. A equipe de Petkovic começou melhor e abriu o placar logo aos 8 minutos, em boa jogada de Candreva. Após o gol, porém, os donos da casa foram dominados pelo Chievo e quase sofreram o gol de empate diversas vezes. Foram 9 escanteios em apenas 35 minutos para o time visitante e um sufoco que só terminou depois que o técnico laziale resolveu mudar algo.

Aos 36 minutos, Petkovic virou-se para o banco, olhou para seu assistente e decidiu trocar Cavanda e Konko de lado. O resultado apareceu apenas três minutos depois, quando Cavanda chegou bem pela direita e iniciou jogada que terminaria com gol dele. O 2 a 0 abateu o Chievo e empolgou a Lazio, que ampliou ainda no primeiro tempo, matando o jogo com gol de Lulic. O segundo tempo foi muito intenso fisicamente e com muitas oportunidades de gol, mas o placar não mudou mais. Ótimo resultado para a Lazio, que na próxima rodada tentará acabar com a invencibilidade da rival Roma. (RA)

Verona 2-0 Sassuolo
Cenários diferentes para os
recém-promovidos Verona e Sassuolo. O time do Vêneto mostrou mais uma vez
porque deve ser temido no Bentegodi e conquistou sua segunda vitória na volta à
Serie A, todas em casa. 6 pontos de 9, oitava colocação, uma equipe bem
equilibrada. Sem dúvidas um ótimo início para os scaligeri. Para os neroverdi,
contudo, a expectativa não vem sendo correspondida ainda. A equipe eficiente
no ataque e segura na defesa do jovem Di Francesco parece ter ficado na Serie
B.
Pragmático, o time de Mandorlini
conseguiu se portar bem atrás, mesmo sem o capitão e líder da defesa, Maietta, lesionado, e definiu o placar no começo e no final do jogo. Em jogada
bem trabalhada pelo meio, Hallfredsson acionou Raphael Martinho nas costas de
Gazzola e o brasileiro abriu o placar aos 12 minutos, mostrando que a dupla Hallfredsson-Martinho
segue perigosa pela esquerda. A partir de então o Sassuolo teve amplo domínio
das ações de jogo, mas uma infinidade de finalizações ruins em nada alteraram o
placar – foram 18 chutes, dois defendidos por Rafael, e o resto foi para fora ou
acabou bloqueado. Tendo produzido raras oportunidades em contra-ataques, só aos 93
minutos o Verona voltou a marcar, em nova jogada brasileira. Jorginho fez o que
quis na defesa neroverde e passou para Rômulo, em mais uma ótima atuação,
decretar o placar final. (Arthur Barcelos)

Livorno 2-0 Catania
O Livorno fez uma boa partida e derrotou o Catania por 2 a 0, no Armando Picchi, para alcançar seis pontos em nove disputados. O time visitante, que ainda não saiu do zero nesta Serie A, quase saiu na frente, mas Spolli não conseguiu controlar a cabeçada após o cruzamento de Plasil. Bardi, na sequência, ainda fez boa defesa nas tentativas de Castro e Bergessio. A única oportunidade real do Livorno durante todo o primeiro tempo foi de Emeghara, mas Spolli salvou em cima da linha.

Na etapa final, o Livorno definiu o resultado final do jogo em poucos minutos: Paulinho fez o primeiro e dobrou seu escore com assistência de Emeghara. É claro que Bardi teve, também, sua chance de brilhar. O goleiro da seleção italiana sub-21 fez ótima defesa para salvar a equipe da Toscana nos minutos finais, na finalização de Bergessio. Aliás, o atacante do Catania ainda teve um baita azar, pois quase marcou um golaço de bicicleta. Bardi nem foi na bola. Explodiu na trave. (MM)

Udinese 1-1 Bologna
O time a ser o estraga prazer dos
grandes, a Udinese não vem tendo um grande início de temporada. Mais uma vez.
Apático, o time de Guidolin continua bem na defesa, porém pouco eficiente no
ataque, mesmo com a ótima dupla Di Natale-Muriel e os três gols contra o Parma – jogo em que também perdeu várias chances. Ainda assim, Guidolin achou o resultado
positivo. Difícil compreender. Melhor para o Bologna, que deverá fazer mais do
mesmo nesta Serie A, como sempre, desde que voltou para a elite.

Em busca da vitória, a Udinese pressionou
e desperdiçou boas chances com Di Natale, Muriel, Pereyra e Badu ainda no
primeiro tempo, colocando em perigo Curci e a envelhecida defesa de Pioli. Em
sua única oportunidade real de gol, o Bologna abriu o placar aos 71 minutos em
magistral cobrança de falta do craque Diamanti, que não deu chances para Kelava. O
empate só saiu restando cinco minutos para o fim. Como não poderia deixar de
ser diferente, Totò fez o gol que garantiu ao menos um ponto em um Friuli em obras (veja o
belo projeto do novo Friuli aqui),
em seu jogo de número 300. Um ídolo.
(AB)

Relembre a 2ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada
Bardi (Livorno); Rômulo (Verona), Campagnaro (Inter), Benatia (Roma), Antonini (Genoa); Vidal (Juventus), Strootman (Roma), Lodi (Genoa); Candreva (Lazio), Cerci (Torino); Paulinho (Livorno). Técnico: Vladimir Petkovic (Lazio).

Deixe um comentário