Serie A

4ª rodada: Pegando fogo

Roma, após chegada de Rudi Garcia, está embalada para disputar a Serie A com força até o fim. O primeiro “título” já foi conquistado, na vitória no dérbi sobre a Lazio (AFP)

Em uma rodada com dois jogos muito importantes, como o dérbi de Roma e um quente Milan-Napoli, dá para dizer que a Itália pegou fogo. Não só pelo calor que continua assolando algumas regiões, mas pelo futebol bem jogado, e resultados arrancados a fórceps por algumas equipes. Hoje, a ponta da tabela da Serie A tem, entre os cinco primeiros colocados, cinco times que já eram cotados para brigar pela ponta: Napoli, Roma, Inter, Juventus e Fiorentina, nesta ordem de classificação. Milan e Lazio, pelo pouco que vem jogando, vão ter que batalhar muito para não deixarem o grupo disparar: hoje, os laziali estão distantes 6 pontos da liderança, enquanto o Milan está a 8. Fiquem com o resumo da rodada.

Roma 2-0 Lazio
Normalmente, o dérbi da capital é quente e muito tenso. Desta vez, nesse domingo, a partida foi muito travada, em alguns momentos, e, sobretudo no primeiro tempo, as duas equipes pensaram mais em não sofrer gols do que em atacar. No segundo tempo, a ousada mexida de Rudi Garcia, que colocou Ljajic no lugar de Florenzi, muito mal em campo, mudou o jogo. O sérvio chamou a responsabilidade, passou a atuar nas costas de Konko, e levantou os ânimos na partida. Com a vitória, a Roma derrubou um tabu: desde 2011 não vencia a maior rival. E, líder invicta do campeonato, pela primeira vez desde 1960 conseguiu vencer os quatro primeiros jogos de uma temporada.

Apesar da entrada de Ljajic, a Lazio teve duas chances claras, com uma cabeçada de Ciani, que acertou a trave, e uma outra chance, com Klose. Hernanes, que havia marcado em três dos quatro últimos dérbis, deixou o campo na segunda etapa, após péssima atuação. Em uma jogada de Totti, aos 17 minutos, Balzaretti acertou o travessão e Ciani tirou o gol que Ljajic faria no rebote, mandando a escanteio. Na rápida cobrança, a defesa laziale continuava em afã, e deixou o mesmo Balzaretti livre para marcar, com um sem pulo. Superior após o gol, Totti ainda cavou expulsão de André Dias: o brasileiro, com apenas três minutos em campo, nem merecia o vermelho – no máximo, um amarelo. Já nos acréscimos, após lance de pressão, Ljajic sofreu e converteu o pênalti que deu números finais ao placar. (Nelson Oliveira)

Milan 1-2 Napoli
Há 27 anos, o Napoli não vencia o Milan em San Siro. Consciente de que essa pode ser uma temporada dos sonhos, a equipe do sul da Itália entrou em campo com vontade de detonar o tabu, e em pouco mais de 5 minutos, a equipe teve duas chances claras e marcou um gol, com Britos. A superioridade se viu no restante da partida, em uma boa atuação dos meio-campistas e de Higuaín, muito eficiente em segurar a bola no campo ofensivo e em criar jogadas perigosas. No segundo tempo, aos 8 minutos, uma ação individual dele, contando com falha de Abbiati, foi suficiente para os napolitanos abrirem 2 a 0 e encaminharem a primeira derrota do Milan em casa em 13 partidas.

Pelo lado do Milan, apenas Balotelli foi perigoso e, todas as melhores chances do Diavolo saíram de seus pés  – a não ser um pênalti não marcado, de Zúñiga sobre Poli. De resto, Balotelli tentou de todos os jeitos, com chutes de fora da área, mas viu quase todos serem defendidos por Reina ou baterem no travessão. Em um pênalti sofrido por ele seis minutos após o segundo do Napoli, o goleiro espanhol voou, e também evitou o gol, e fez Balotelli errar uma cobrança pela primeira vez como profissional. O italiano não se abalou e continuou tentando, mas Reina estava bem. Nos acréscimos, Balotelli conseguiu, enfim, marcar um gol (um golaço, aliás), mas foi só. O atacante ainda ofendeu o árbitro Luca Banti após o apito final, e foi expulso. Suspenso por três jogos, o jogador aguarda decisão de recurso impetrado pelo Milan. (NO)

Sassuolo 0-7 Inter

Uma vitória histórica em Reggio
Emilia. Neste domingo, o time de Mazzarri conseguiu repetir os feitos de Juventus,
em 1950, e Udinese, em 2011, e construiu a maior goleada de um visitante na Serie A; a maior interista no nacional.
Embalada por Álvarez, novamente o melhor em campo, e Milito, voltando após sete
meses no estaleiro, a equipe afundou novato o Sassuolo, no pior início de campeonato
desde o do Treviso, em 2005-06, colecionando 15 gols contra e nenhum ponto em
quatro jogos. Muito superiores nos 90 minutos, os
comandados de Mazzarri jogaram quando e como quiseram, tendo calma e paciência
para construir o placar, sem fazer grande esforço e sem expor Handanovic – em
outra boa atuação da defesa. 

A surra começou aos 7, em cruzamento de Nagatomo, completado por Palacio (seu
50º na Serie A). Aos 23, Juan arrancou pelo centro e lançou Palacio, que
teve seu chute defendido parcialmente por Pomini, quando Taïder foi mais rápido
e ampliou a vantagem. Dez minutos depois, Guarín cruzou para Taïder,
novamente infiltrando, mas Pucino se antecipou e fez contra. Na volta do intervalo, Álvarez
puxou contra-ataque aos 53 minutos e aproveitou novo rebote de Pomini, em outro chute de Palacio.
Milito entrou logo na sequência e de seus pés saíram os outros três gols, para
a festa de Massimo Moratti, que acompanhou o jogo in loco. Aos 63, Álvarez fez o que quis na área neroverde e passou
para Milito fazer o quinto. Aos 75, pivô do camisa 22 e passe para Cambiasso
acertar belo chute colocado de fora da área. Fechando a conta, aos 83, Guarín centrou para o Príncipe marcar uma
doppietta logo em seu retorno aos campos. (Arthur Barcelos)

Juventus 2-1 Hellas Verona 
Em jogo duro contra o Verona, em Turim, foram os recém-contratados Tévez e Llorente que resolveram para a Juventus. Após 39 minutos totalmente apáticos da Velha Senhora, que saiu atrás no placar depois de gol de Cacciatore, aos 36, o atacante argentino tratou de acordar seus companheiros com um belo lance. Ele recebeu boa bola em profundidade de Pirlo, ganhou do zagueiro na velocidade e bateu cruzado, superando Rafael. Antes do fim do primeiro tempo, Llorente, que fazia sua primeira partida como titular (por causa do turnover de Conte), marcou seu primeiro gol com a camisa da Juve, aproveitando cruzamento de Vidal. 

No segundo tempo, o Verona teve que esquecer o catenaccio e se abrir mais, o que deixou o jogo um pouco melhor. Fraca tecnicamente, porém, a equipe do técnico Mandorlini nada conseguiu produzir e a Juventus levou o jogo até o final no piloto automático. Em uma ou duas oportunidades teve a chance de ampliar, mas não o fez. Destaque para a insatisfação de Pirlo ao ser substituído por Marchisio, aos 20 da etapa final. O veterano parece não ter gostado da decisão e saiu de campo sem cumprimentar Antonio Conte. Com a vitória, a Juve se mantém a dois pontos dos líderes Napoli e Roma. O Verona permanece com seis pontos, na 9ª colocação. (Rodrigo Antonelli) 

Balotelli perdeu primeiro pênalti na carreira e o Milan perdeu para o Napoli, líder, em casa após 27 anos (Getty Images)

Atalanta 0-2 Fiorentina
No encalço da Juventus, também com 10 pontos, vem a Fiorentina, que fecha o grupo de forças do campeonato. A equipe de Montella foi a Bérgamo e, mesmo muito desfalcada (sem Pizarro, Cuadrado e Mario Gomez), mostrou que lutará pelas primeiras posições até o final da temporada. Sem alguns jogadores-chave, o time conseguiu fazer boa partida e conquistou importante vitória contra a Atalanta. Mais uma vez, Montella se mostrou ótimo técnico ao mudar o esquema por causa das ausências. O 4-3-2-1, com Rossi isolado no ataque, e Mati Fernandéz e Wolski no apoio a ele, funcionou bem.  O jovem polaco, de 21 anos, fez boa estreia e participou decisivamente do lance do primeiro gol: Borja Valero cruzou, Wolski cabeceou na trave e Fernandéz empurrou para as redes no rebote, aos 41 do primeiro tempo.

Do lado da Atalanta, as mudanças não fizeram tão bem. Colantuono optou por realizar um turnover por conta do jogo da Coppa Italia na semana passada, mas seus comandados não foram bem. A equipe até correu bastante e tentou o gol até o fim, mas faltou técnica. Aos 25 minutos do segundo tempo, Rossi girou bonito dentro da área e fez 2 a 0, matando o jogo. Com apenas três pontos (uma vitória e três derrotas), a Atalanta está à porta da zona de rebaixamento e precisa de mudanças se quiser fazer um campeonato mais tranquilo. (RA)

Bologna 1-2 Torino
Na principal cidade da Emília-Romanha,
confronto entre duas equipes históricas e campeãs, mas de realidades diferentes
hoje. Melhor para o Torino, que alcançou a sua segunda vitória na temporada, a sétima colocação na tabela, e ainda quebrou um tabu de 32 anos sem vencer no Renato
Dall’Ara. Para o Bologna, outra decepção: o time tem apenas dois pontos no campeonato e a situação só não é pior
porque o Parma fez menos gols e é o primeiro time na zona de rebaixamento.

O placar da partida foi todo
construído no primeiro tempo, e começou logo aos 2 minutos, em jogada e cruzamento
de Cerci, finalizado por D’Ambrosio após o desvio do goleiro Curci. Em busca do empate,
o Bologna tentou de todas as maneiras, mas quem levou perigo foi o time de
Ventura com Glik, Vives e Cerci. Ainda assim, os rossoblù igualaram o marcador
com Natali, em bate-rebate após cobrança de falta. Cerci acertou o travessão em chute de fora da área, mas pouco depois, El Kaddouri foi
derrubado na área, e na cobrança o jogador da seleção italiana marcou seu terceiro gol na temporada e decretou
o placar final. Com um a menos com a expulsão de Natali, no túnel para os vestiários, o Bologna não teve
forças para buscar o empate e só levou susto com Kone, que, impedido, teve o
gol invalidado. (AB)
Chievo 2-1 Udinese
O
retrospecto recente em casa não era bom (apenas uma
vitória nos últimos dez jogos), mesmo assim, o Chievo recebeu,
confiante, a
Udinese, em busca de sua primeira vitória na atual temporada. E nem
mesmo o gol sofrido a menos de um minuto desmotivou os comandados por
Sannino,
que reagiram rápido e poderiam ter feito muito mais que os dois a um,
tantas
foram as chances criadas e desperdiçadas.
O gol bianconero aconteceu após bobeira de Bernardini, que não percebeu a aproximação de Maicosuel após recuou de Cesar. O brasileiro aproveitou para marcar o gol mais rápido da
atual edição da Serie A, com exatos 50 segundos – e logo depois protagonizou uma das piores cobranças de escanteio da história. Não demorou para que o Chievo
reagisse e Pellissier empatasse o confronto aos 12. O segundo gol só não saiu na
sequência porque o goleiro Kelava brilhou e salvou a equipe da Udinese. A
virada se concretizou aos 39, com um belo gol de Rigoni, da entrada da área, que
após desvio na defesa friulana, encobriu o goleiro croata. Guidolin apostou na
entrada de Di Natale na segunda etapa mas, embora tenha melhorado o poder
ofensivo da equipe, poucas foram as chances de perigo contra Puggioni. Com o resultado, o Chievo
subiu para 14º, com 4 pontos, enquanto a Udinese caiu para 12º, com a mesma pontuação. (Caio Dellagiustina)

Em sua volta aos gramados, Milito marcou dois no massacre da Inter sobre o Sassuolo: 7 a 0 (Image Sport)

Cagliari 2-2 Sampdoria 
Foram apenas cerca de 2 mil torcedores – com aproximadamente um terço deles do time visitante – no Nereo Rocco, em Trieste, para ver o incomum empate por 2 a 2 entre Cagliari e Sampdoria. Incomum pois três dos quatro gols da partida aconteceram nos quatro minutos finais de partida. A Samp, apesar de ainda não ter conseguido sua primeira vitória no campeonato e ainda estar namorando a zona de rebaixamento, mostrou melhora no futebol apresentado, após a fatídica goleada sofrida no dérbi contra o Genoa. Já o torcedor sardo lamenta os erros coletivos que custaram os dois pontos e uma aproximação do grupo que luta por vagas nas competições europeias, após uma grande apresentação do time contra a Fiorentina, quando arrancou um empate em Florença. 

Os donos da casa abriram o placar aos 26 do primeiro tempo, quando Ekdal tabelou com Pinilla na entrada da área e fuzilou para o gol da marca do pênalti, sem dar nenhuma chance a Júnior Costa. A Samp chegou ao gol aos 36, com Wszolek, mas o auxiliar apontou um impedimento inexistente, anulando o  gol. Quando tudo parecia decidido, já no segundo tempo, Pozzi escorou cruzamento da direita para Gabbiadini, na entrada da área, bater rasteiro forte e Agazzi deixar a bola passar por entre suas pernas, aos 44. Aos 46, capitão sardo, Conti, cobrou falta com maestria e desempatou o jogo. Mas, aos 48, Gastaldello cobrou falta do campo de defesa, Sansone escorou para trás e De Silvestri chutou forte. A bola desviou em Gabbiadini e entrou (mas a Serie A assinalou gol para o lateral), com novo erro de Agazzi, concluindo a epopeia. (Thiéres Rabelo)

Genoa 0-0 Livorno
O confronto no Luigi Ferraris reuniu os dois melhores goleiros sub-21 da Itália: Mattia Perin e Francesco Bardi. Ambos salvaram suas equipes que, ao contrário de Catania e Parma, criam diversas oportunidades de gol. Vamos começar com Perin. Ele defendeu um chutaço de Luci, de longa distância, e Emeghara, na primeira etapa. No segundo tempo, ele ainda salvou o Genoa ao segurar uma cabeçada de Paulinho. 

Por sua vez, Bardi foi mais exigido, até. O arqueiro do Livorno segurou o ímpeto do Genoa ao defender as oportunidades criadas por Matuzalém, Stoian e Calaiò – quando não conseguiu, o zagueiro Coda apareceu na cobertura e evitou gol do mesmo Calaiò. O jogo só terminou empatado sem gols porque Mbaye foi flagrado em impedimento ao tocar o rebote da finalização de Schiattarella e Bardi fez uma defesa impressionante, nos acréscimos, no cabeceio de Calaiò. Em campo, porém, sólida apresentação do Livorno, que dominou o jogo, embora fosse visitante, e até poderia ter saído com a vitória. Hoje, o time é o 6º colocado no campeonato, com 7 pontos. (Murillo Moret)

Catania 0-0 Parma
Antonio Mirante e Mariano Andújar fizeram uma defesa cada. Uma em cada um dos tempos. Cá está o resumo de um empate fraquíssimo entre Catania e Parma, no horroroso gramado do Angelo Massimino. O time da casa estava sem Galloppa; os visitantes não puderam contar com Izco e Leto. A tempestade que atingiu a região da Sicília no período da manhã castigou o gramado e ajudou no fraco desempenho das duas equipes. 

De fato, Catania e Parma precisam se mexer rapidamente. Em quatro rodadas, os elefantes conquistaram o primeiro ponto exatamente hoje. Os crociati, derrotados pela Roma na terceira rodada, estão na 18ª colocação, melhores posicionados apenas que o próprio Catania e o promovido Sassuolo. Enquanto o Parma recebe a Atalanta neste meio de semana, o time siciliano visita a Lazio, em Roma. (MM)

Relembre a 3ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada
Reina (Napoli); Behrami (Napoli), Coda (Livorno), Bonucci (Juventus), Balzaretti (Roma); Ljajic (Roma), Borja Valero (Fiorentina), Álvarez (Inter); Tévez (Juventus), Milito (Inter), Higuaín (Napoli). Técnico: Rudi Garcia (Roma).

Deixe um comentário