Liga Europa

A (sexta) vez do Batman

Com pênalti defendido e outras intervenções fundamentais, Handanovic classificou a Inter (Giornalettismo)

Vida tranquila para os italianos na Liga Europa. Inter e Fiorentina estão classificadas em primeiro lugar em seus grupos; o Napoli se garantiu na próxima fase e as chances dos azzurri e do Torino (ainda não garantido) seguirem em frente com o primado de seus grupos também é boa. Acompanhe o resumo, com destaque para o jogo da Inter e a excelente atuação de Handanovic.

Inter 2-1 Dnipro
Rotan 16′, Kuzmanovic 30′, Osvaldo 50′

Afinal de contas, para que, realmente, Mancini foi contratado pela Inter? Só para uma coisa, que é vencer. E assim aconteceu no seu segundo jogo à beira do campo – ou quase, já que, suspenso, teve de acompanhar das tribunas em pleno aniversário de 50 anos, enquanto seus assistentes, Salsano e Nuciari, o cobriram. Vitória que confirmou a classificação para a próxima fase da Liga Europa e o primeiro lugar do grupo, e também quebrou um tabu de um mês sem vencer (quatro jogos).

Falando do jogo, a Inter repetiu o 4-3-3 que Mancini utilizou na estreia, contra o Milan. Dessa vez, com Hernanes aberto na  direita, Icardi pela esquerda e Osvaldo centralizado – o que não deu lá muito certo. A se destacar também a postura do Dnipro. Precisando do resultado, deixou claro desde o início suas intenções, e pressionou em busca da vitória. E obtiveram êxito no intento de acanhar a Inter, quando, após forçar erro adversário na saída de bola, Rotan aproveitou rebote e abriu o marcador. 

Os ucranianos seguiram em cima, e dez minutos depois Guarín cometeu falta boba na área. Na cobrança da penalidade máxima, Konoplyanka parou em Handanovic, que defendeu o sexto pênalti consecutivo, e começou a se revelar como o nome da partida. A resposta da Inter veio logo depois, quando após bate-rebate na área, Kuzmanovic empatou.

Na segunda etapa, um duro golpe com 15 segundos de jogo: Ranocchia fez falta desnecessária e, já amarelado, acabou expulso. Mas, como a Inter de Mancini é bizarra, ao melhor estilo Pazza Inter, em ataque puxado por Dodô, Hernanes saiu da ponta direita e fez o que melhor sabe: se colocou entre linhas de marcação e lançaou um companheiro – no caso, Osvaldo, que fez o gol da virada e da vitória. Daí em diante, a história foi uma só: com um a menos, os nerazzurri colocaram nove jogadores entre a área e a intermediária e contaram com seguidas defesas de Handanovic, até o apito final. (Arthur Barcelos)

Guingamp 1-2 Fiorentina

Marin 6′, Babacar 13, Beauvue 45′

Com um time todo reserva, a Fiorentina confirmou a primeira colocação do grupo K. Na França, a viola encarou o Guingamp, vice-líder do grupo e não teve dificuldades para vencer por 2 a 1. O time de Montella abriu boa vantagem logo nos primeiros minutos, com Marin, aos 6 (seu primeiro gol pelo clube), e Babacar aos 13. A vantagem fez com que a Fiorentina relaxasse no jogo e permitisse a pressão francesa, sobretudo nas bolas aéreas. A reação do Guingamp, que buscava definir também a sua passagem ao mata-mata, começou no final da primeira etapa. Balanta cometeu pênalti em Marveaux e foi expulso. Na cobrança, Beauvue descontou e diminuiu a vantagem italiana.

Na volta do intervalo, o treinador viola recompôs a zaga com Savic e retraiu o time. Precisando da vitória e ainda sonhando com a vaga antecipada, o Guingamp sufocou a Fiorentina, dando trabalho a Tatarusanu. Mesmo com Cuadrado em campo, o time italiano pouco fez. Na melhor chance para empatar, Diallo desperdiçou, embaixo do gol. Mesmo com um a menos, a Fiorentina segurou o placar e agora cumpre tabela na última rodada, contra o Dinamo Minsk. Guingamp e PAOK duelam pela segunda vaga no grupo. (Caio Dellagiustina)

Napoli e Torino

Os dois jogos restantes dos italianos nesta quinta ficaram no 0 a 0, o que adiou a classificação da equipe de Turim – o Napoli, por critérios de desempate, já está garantido na fase seguinte da Liga Europa. Os napolitanos empataram fora de casa contra o Sparta Praga e sofreram para ficar com um pontinho. Os checos, melhores em campo, chegaram a acertar a trave por duas vezes. Na última rodada, a vida do Napoli é simples: joga em casa com o Slovan Bratislava, lanterna do grupo e com nenhum ponto conquistado. Uma vitória deve garantir o primeiro lugar no grupo. No outro jogo, Young Boys e Sparta duelam por uma vaga.

No caso do Torino, a vida é tão simples quanto. Os granata atuaram em casa contra o Club Brugge, líder do grupo, e tentaram a vitória para assegurar a vaga e ficar em vantagem para liderar o grupo. Porém, o goleiro Ryan teve atuação fenomenal e segurou o empate. Na última rodada, o Toro joga fora de casa contra o eliminado Kobenhavn e um empate o garante na próxima fase – em caso de vitória e derrota do Brugge, os turinenses assumem a liderança do Grupo B. Na Bélgica, o Brugge recebe o HJK, que ainda sonha com a classificação. (Nelson Oliveira)

Deixe um comentário