Serie A

35ª rodada: Cinco estrelas

Pentacampeã, Juventus contou com força dos craques para chegar ao título (AFP)

Cinco vezes Juventus. Uma Juventus cinco (ou 32 ou, como clamam, 34) estrelas. A Velha Senhora venceu 24 das últimas 25 partidas, em uma arrancada surpreendente, e mesmo tendo começado a Serie A em maus bocados, conseguiu o título com três rodadas de antecedência e 12 pontos de vantagem. A Juve é o único clube a ter conseguido o penta duas vezes: agora e nos anos 1930, enquanto Torino (década de 1940) e Inter (2000), conseguiram uma vez. Veja a análise da rodada, que ainda teve resultados importantes para Napoli, Roma, Inter, Fiorentina, Milan, Sassuolo, Carpi, Palermo e Verona.

Fiorentina 1-2 Juventus

Kalinic (Zárate) | Mandzukic (Pogba) e Morata

Tops: Bernardeschi (Fiorentina) e Buffon (Juventus) | Flops: Astori (Fiorentina) e Bonucci (Juventus)

Não foi a melhor partida da Juventus na Serie A – longe disso, aliás. Mas a Velha Senhora soube ser cínica e contou com a estrela de Buffon, que, aos 38 anos, vive uma de suas melhores temporadas em sua carreira. Sem jogar tão bem, a Fiorentina dependeu demais de Bernardeschi, grande adversário do goleiro juventino na noite do Artemio Franchi, e acabou perdendo a partida. Deve se consolar com a quinta posição na Serie A.

A Fiorentina até se dedicou para tentar evitar o scudetto da Juventus, sua maior rival, mas a péssima arbitragem de Tagliavento complicou as coisas: o árbitro, é bom falar, errou demais para os dois lados, ma, primeiro, anulou gol legítimo de Bernardeschi, por impedimento mal marcado. No melhor momento dos viola no jogo, Dybala foi buscar jogo no campo de defesa – a Juve, com buracos no meio-campo, não ia bem – e armou, com Pogba, a jogada do gol de Mandzukic. A Fiorentina teve pênalti não marcado a seu favor, mas contou com um presente de Bonucci para empatar, com Kalinic. Dois minutos depois, porém, um apagão na zaga viola permitiu a Morata fazer o 2 a 1. No final da partida, Tagliavento inventou pênalti para o time da casa, mas Buffon fez defesaças na cobrança de Kalinic e no rebote. O croata ainda acertou a trave na sequência, mas não evitou a derrota.

O incrível recorde da Juventus em números (Mediaset)

Roma 1-0 Napoli
Nainggolan (Pjanic)

Tops: Szczesny (Roma) e Koulibaly (Napoli) | Flops: El Shaarawy (Roma) e Ghoulam (Napoli)

Mais uma vez, Totti foi fundamental para a Roma. Na volta de Higuaín ao time do Napoli, quem brilhou foi o capitão romanista, que entrou no final do segundo para participar da jogada que acabou no gol de Nainggolan e na vitória no confronto direto. O jogo ficou abaixo das expectativas, mas a Roma saiu satisfeita, afinal reabriu a briga pela vaga direta na Liga dos Campeões: os azzurri têm apenas dois pontos a mais que os giallorossi. Para o Napoli, o único motivo de comemoração foi a 400ª partida de Hamsík pelo clube.

No feriado italiano, o estádio Olímpico não recebeu um excelente público e não foi tão caloroso como de costume – talvez por isso a partida não tenha engrenado em momento algum. Logo no início, Manolas teve de ser substituído após machucar o olho em um choque com Higuaín. O argentino, aliás, obrigou Szczesny a fazer uma boa defesa no melhor momento dos partenopei no jogo – o Napoli também teve um gol bem anulado. Quando a partida se encaminhava para o 0 a 0, Totti achou Pjanic com um bonito passe, e o bósnio acionou Nainggolan, que bateu no canto e marcou, aos 89 minutos.



Inter 3-1 Udinese
Jovetic (Icardi), Jovetic (Biabiany) e Éder (Brozovic) | Théréau (Badu)

Tops: Jovetic e Kondogbia (Inter) | Flops: Murillo (Inter) e Danilo (Udinese)

Os primeiros minutos em San Siro foram o indicativo do que poderia ser o
enésimo tropeço interista. Além da pressão da Udinese, colocando o time
de Mancini em apuros pela postura desligada, um golaço improvável com
menos de dez minutos. Saída limpa de Danilo, lançamento perfeito de
quase 50 metros de Badu, corrida para vencer Murillo e finalização
espetacular de Théréau para superar um Handanovic sem reação. Tão
inesperado quanto isso, só uma virada da Inter. Pela primeira vez na
temporada, os nerazzurri viraram e mantiveram a liderança até o final,
também superando um tabu incômodo de não vencer o time de Údine em casa, o que não acontecia
desde 2009-10.

A reação veio graças aos talentos interistas, que superaram a má atuação da defesa com o que melhor sabem fazer: jogar futebol. Kondogbia e Brozovic deram as caras e passaram a comandar o meio-campo, Icardi deu vida ao time com sua luta e Jovetic decidiu com gols. O empate veio ainda no primeiro tempo, quando após cruzamento de Juan Jesus, Icardi fez jogada individual e chutou cruzado para Jovetic completar na pequena área. Papeis invertidos, que se mantiveram no segundo tempo, quando Biabiany foi lançado por Brozovic e novamente o montenegrino estava na pequena área para completar o cruzamento. Já nos acréscimos, contra-ataque interista e o primeiro gol de Éder pelo clube milanês. Com os resultados na rodada, a Inter assegurou matematicamente sua volta às competições europeias, e deve mesmo ficar na quarta posição e com uma vaga na fase de grupos da Liga Europa. Já a Udinese está tranquila e tem mais três rodadas para assegurar outro ano na Serie A sem problemas.

Os 22 estrangeiros de Inter-Udinese: pela primeira vez, a Serie A teve uma partida sem
italianos como titulares (La Gazzetta dello Sport)

Verona 2-1 Milan
Pazzini (pênalti) e Siligardi | Ménez

Tops: Siligardi (Verona) e Donnarumma (Milan) | Flops: Bacca (Milan)

Quando você acha que as coisas não têm como piorar para o Milan, elas pioram. O time de Brocchi abriu o placar com Ménez aos 20 minutos e estava em boas condições de vencer, se aproximar da Fiorentina e se distanciar do Sassuolo. Mas com um restinho de gás que ainda sobrava, o Verona reagiu e foi feroz em busca da vitória, que eventualmente veio através de bola parada e nos acréscimos – primeiro com Pazzini, de pênalti, e depois com Siligardi, de falta. Quis o destino que os carrascos fossem dois ex-jogadores da Inter – o Pazzo também jogou pelos rossoneri.

Não foi pior – ou a virada não veio antes – por causa de Donnarumma. O jovem goleiro, maior revelação da Serie A, fez dez defesas nos doze chutes a gol dos anfitriões, de 28 ao todo. De qualquer forma, a reação dos gialloblù ficou apenas como um agrado para a torcida, já que o Carpi venceu horas depois e decretou o rebaixamento do time de Delneri. Valeu para a torcida, que cantou muito mesmo quando o time perdia e já tinha a queda definida pela matemática.

Torino 1-3 Sassuolo
Bruno Peres (Baselli) | Sansone (Duncan), Peluso (Berardi) e Trotta (Longhi)

Tops: Bruno Peres (Torino) e Duncan (Sassuolo) | Flops: Glik e Martínez (Torino)

O Sassuolo não quis muito saber de comemoração em um dia de festa para o Torino. O estádio Olímpico de Turim teve a expressão “Grande Torino” adicionada a seu nome oficial, em homenagem ao maior time da história dos granata, que desapareceu tragicamente em um acidente aéreo em 1949, ano em que o Sassuolo, que nem era profissional. Dias após a renovação de contrato do treinador Di Francesco por mais três temporadas, o Sassuolo encostou de vez no Milan e sonha, mais do que nunca, com uma vaga na Liga Europa.

Depois do tropeço contra a Sampdoria e de duas derrotas seguidas, uma vitória importante, fora de casa e contra um adversário complicado, o que dá moral ao time para seguir na briga pelo sexto lugar. Vale destacar também a reação dos jovens: Sansone, Berardi e Trotta participaram dos gols e Duncan foi o grande destaque da partida, juntamente com Acerbi e Peluso, mais experientes. Os anfitriões competiram enquanto Bruno Peres – em mais uma exibição muito acima da média – teve gás para carregar um time já de férias após a salvezza garantida.

Sampdoria 2-1 Lazio
Fernando (Krsticic) e De Silvestri | Djordjevic (Candreva)

Tops: Viviano (Sampdoria) e Keita (Lazio) | Flops: Gentiletti e Candreva (Lazio)

No início, a Lazio parecia em boas condições para vencer fora de casa e se manter viva na briga pelo sexto lugar. A defesa da Sampdoria estava desarrumada e os visitantes criavam seguidas oportunidades com um Keita em grande dia. Porém, ainda melhor que o senegalês, apenas o goleiro Viviano, que só foi vencido por Djordjevic, que completou cruzamento de Candreva para marcar seu primeiro gol desde novembro. Os anfitriões reagiram a partir do gol de Fernando, seu quarto na temporada e o terceiro em nove partidas. Do outro lado, Candreva mais uma vez iludiu, apesar da assistência, tendo pênalti defendido no final do primeiro tempo e substituído por Felipe Anderson no segundo. A virada doriana veio em lance confuso e muito contestado pela Lazio, no qual os ex-laziali De Silvestri e Diakité dividiram bola no alto, junto com adversários – o gol foi atribuído ao primeiro. O resultado deixa a Lazio longe da vaga na Liga Europa e praticamente garante a salvezza da Samp.

Bologna 2-0 Genoa
Giaccherini (Brienza) e Floccari

Tops: Brienza e Giaccherini (Bologna) | Flops: Ansaldi e Matavz (Genoa)

Vitória para garantir a salvezza do Bologna – não matematicamente, mas virtualmente, já que os felsinei estão oito pontos acima da zona de rebaixamento e restam apenas nove em disputa. O time da casa poderia estar em situação bem melhor, não fossem a escolha errada em começar a temporada com o técnico Delio Rossi e as nove partidas sem vencer depois da arrancada, com a chegada de Donadoni. No jogo disputado no domingo, o destaque maior foi Brienza, protagonista nos ataques do Bologna e na pressão que desmantelou o Genoa – também sem ambições na temporada. O veterano atacante garantiu os gols de Giaccherini e Floccari.

Atalanta 1-0 Chievo
Borriello

Tops: Borriello e De Roon (Atalanta) | Flops: Gómez (Atalanta) e Bizzarri (Chievo)

Salvezza assegurada com um artilheiro improvável: Borriello, o veteraníssimo
centroavante que chegou no inverno e ficou nove rodadas sem marcar, mas
que agora tem quatro gols em três partidas. O goleador, que sonha com uma também improvável convocação para a Eurocopa, foi importante para garantir
pontos a uma Atalanta quase de férias. Tão importante quanto foram as
exibições de Rafael Tolói e De Roon, que mantiveram o time seguro, e a do criativo
Diamanti. Estúpido mesmo foi Gómez, expulso no final
da partida e por pouco não comprometendo a vitória nerazzurra. Do lado do Chievo, a se registrar o erro de Bizzarri no gol que decidiu a partida e o distanciamento da vaga na Liga Europa.

Carpi 1-0 Empoli
Lasagna (Pasciuti)

Tops: Romagnoli e Lasagna (Carpi) | Flops: Mbakogu (Carpi) e Mchedlidze (Empoli)

Jogo nervoso no Alberto Braglia, o que refletiu o momento do Carpi. A partida, realizada em Módena, teve duas expulsões, várias faltas e os visitantes com um a menos por 70 minutos, mas no final das contas, o time de Castori conseguiu os três pontos. Apesar disso, o Empoli foi dominante, enquanto os anfitriões jogaram à sua maneira: agressivos em ataques diretos. Na rodada que o Palermo esboçou uma reação, foi fundamental o gol de Lasagna aos 85 minutos. O atacante mais uma vez saiu do banco para decidir, pela quinta vez em 26 partidas em que entrou em campo com o jogo em curso. Considerando as cinco maiores ligas europeias, desempenho melhor do que o do atacante com nome de comida, apenas os de Lewandowski (Bayern) e Grosicki (Rennes).

Frosinone 0-2 Palermo
Gilardino (Rispoli) e Trajkovski

Tops: Gilardino e Sorrentino (Palermo) | Flops: Leali e Tonev (Frosinone)

Reação muito importante do Palermo. Mesmo com Ballardini de volta ao “comando”, o time agora não pode se importar com velhos problemas e deve vencer os últimos jogos para superar os novatos Frosinone e Carpi. O primeiro passo foi a vitória na casa do primeiro, com os veteranos Sorrentino e Gilardino sendo fundamentais. O goleiro e capitão como sempre liderou o time e fez seu papel enquanto goleiro, salvando dois gols dos donos da casa, enquanto o centroavante fez sua melhor partida em muitos anos. Os três pontos colocam os sicilianos à frente do Frosinone, mas ainda três pontos atrás do Carpi. Apesar da desvantagem, os rosanero tem tabela relativamente mais fácil que as dos novatos, que já surpreendem por chegarem na 35ª ainda brigando pela salvezza.

*Os nomes entre parênteses nos resultados indicam os responsáveis pelas assistências para os gols

Relembre a 34ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada

Buffon (Juventus); Bruno Peres (Torino), Maietta (Bologna), Rafael Tolói (Atalanta), Rispoli (Palermo); Fernando (Sampdoria), Kondogbia (Inter); Jovetic (Inter), Brienza (Bologna), Lasagna (Carpi); Gilardino (Palermo). Técnico: Eusebio Di Francesco (Sassuolo).

A Liga Serie A disponibiliza os melhores momentos da rodada em seu canal oficial. Veja os melhores momentos dos jogos abaixo.

Deixe um comentário