Jogadores Mercado

Claudio Marchisio: o príncipe que nunca virou rei ​

A expectativa era de uma Juventus apenas figurante no último dia da janela de transferências na Itália, mas o anúncio da rescisão com Claudio Marchisio colocou a Velha Senhora de volta no centro dos holofotes, surpreendendo grande parte da torcida e da mídia especializada do país. O meia dedicou 25 dos seus 32 anos de idade ao clube de coração e encerra mais uma das poucas histórias de amor à camisa que ainda restam nesta era de futebol globalizado e mercantilizado.

Apelidado de Principino (pequeno príncipe) por seu comportamento exemplar dentro de campo e pela elegância na hora de se vestir, Marchisio deixa Turim com a sensação de que poderia ter sido maior do que foi – e olha que já foi grande. Quando subiu para o profissional do clube, em 2006, ele despontava como enorme promessa do time e do futebol italiano. Era tido como possível substituto de Alessandro Del Piero no hall de ídolos fabricados em casa. Esperava-se que, com alguns anos de experiência, ele herdasse a braçadeira de capitão, virasse o dono do time e se tornasse uma referência técnica dentro de campo, e isso nunca aconteceu.

Não que sua passagem não tenha sido memorável. Ela foi. Marchisio disputou 389 partidas vestindo bianconero, levantou 15 taças (sete vezes a Serie A, quatro Copas da Itália, três Supercopas Italianas e uma Serie B), marcou 37 gols, participou do calvário na segundona e da reestruturação do clube pós-Calciopoli e ainda foi duas vezes vice-campeão europeu. A expectativa, no entanto, era maior.

Marchisio, ainda muito criança, já jogando pela Juve (MC8)

Depois da saída de Del Piero, em 2012, quando achava-se que ele poderia assumir o papel do torcedor dentro de campo e ganhar tamanho no clube, ele acabou eclipsado pelo novo capitão Gianluigi Buffon (em questão de raça e liderança) e pelas grandes temporadas de Paul Pogba, Andrea Pirlo, Arturo Vidal, Carlos Tévez e Paulo Dybala (no quesito técnico).

Ainda assim, sua saída foi muito sentida pela torcida juventina. Marchisio ainda era uma lembrança de tempos em que o jogador era mais identificado com a camisa do clube que defendia. E também de um tempo em que a Juventus ainda revelava grandes nomes para o futebol mundial, sem precisar comprá-los de outros clubes. O Principino é o último grande produto genuinamente bianconero que vingou em altíssimo nível.

O fato de sua rescisão acontecer pouco tempo depois de Buffon deixar Turim um gosto ainda mais amargo. Agora, o goleiro Carlo Pinsoglio é o único jogador formado na base da Juve inscrito no time principal. Além disso, restam apenas dois atletas que estiveram em todas as campanhas do heptacampeonato da Serie A: Giorgio Chiellini e Andrea Barzagli.

Onde jogará Claudio Marchisio? (Getty)

É mesmo o início de um novo ciclo, com foco total na conquista da Liga dos Campeões e no crescimento da marca, e já não havia espaço para um Marchisio cada vez mais prejudicado fisicamente. Nas duas últimas temporadas, em especial, ele sofreu com diversas lesões. O camisa 8 deixou de ser essencial para o time de Max Allegri e, percebendo isso, decidiu tentar uma nova experiência em outro lugar.

Ainda não há nada certo, mas os boatos não são poucos. Alguns apostam que o meio-campista vai para um mercado emergente, como o da China ou o dos Estados Unidos, mas há quem acredite que Marchisio jogue mais uma ou duas temporadas na Europa. Paris Saint-Germain, Monaco e Nice teriam interesse. Ventilou-se até a possibilidade de Pep Guardiola ter entrado em contato com ele para que Marchisio substituísse De Bruyne no City nos três meses que o belga estará afastado por lesão. Jogador e clube ainda não deram nenhum sinal e a expectativa, por enquanto, é de uma despedida além de uma troca de mensagens carinhosas pelas redes sociais.

Para onde quer que ele vá, a esperança é de que ele repita alguns dos grandes momentos que viveu vestindo bianconero. Na Itália, ficará a lembrança de um grande meio-campista, versátil até dizer chega. Forte, com passe preciso e bom chute de média distância, Marchisio passou por todas as posições do meio com muita qualidade. Pode até não ter sido rei, mas foi um membro exemplar da corte juventina.

Deixe um comentário