Serie A

27ª rodada: enquanto Juve dispara ainda mais na liderança, briga por Europa se afunila

Na 27ª rodada do Campeonato Italiano, gols não faltaram: todos os jogos tiveram a rede balançando e a média foi de 2,6 tentos por partida. Mais líder do que nunca, a Juventus viu sua vantagem sobre o Napoli subir para 18 pontos, o que equivale a seis jogos de frente faltando apenas 11 rodadas para o final do campeonato. Na briga pelos lugares na Champions League, se os azzurri vão abrindo a possibilidade de uma disputa pelo vice-campeonato, Milan e Inter tentam se aproximar e, em seu duelo ponto a ponto, venceram antes do Derby della Madonnina do próximo fim de semana.

Um pouco mais atrás nessa disputa está a Roma, que trocou de comandante e venceu o Empoli no retorno de Claudio Ranieri. O triunfo no sufoco foi tão importante quanto os de Torino e Atalanta, que se mantêm no pelotão dos que brigam por vagas em competições europeias. Um grupo do qual Lazio e Fiorentina se distanciaram um pouco, após o empate deste domingo, assim como a Sampdoria, derrotada pelos atalantinos de Gasperini. A Samp, porém, conta com o novo artilheiro do campeonato: o interminável Quagliarella, primeiro a chegar a 20 gols na temporada. Confira agora o resumo do que aconteceu neste fim de semana!

Juventus 4-1 Udinese
Kean (Alex Sandro), Kean, Can (pênalti) e Matuidi (Bentancur) | Lasagna (De Paul)

Tops: Kean e Alex Sandro (Juventus) | Flops: Opoku e Wilmot (Udinese)

No último confronto antes do jogo de volta da Champions League contra o Atlético de Madrid, a Juve encarou a Udinese com um time misto para o jogo. Quem queria ver Cristiano Ronaldo acabou vendo o show de Kean, de apenas 19 anos. Na ausência do português, poupado, o ítalo-marfinense comandou a partida desde o inicio e anotou a sua primeira doppietta como profissional. Moise abriu o placar aos 10 minutos de jogo, em uma assistência de Alex Sandro – que jogou como ponta nesta partida. No fim do primeiro tempo, em roubada de bola de Matuidi, Kean foi avançando e, quando parecia que ia tocar a bola para um companheiro, surpreendeu com um chute no contrapé de Musso.

O show de Moise não parou no segundo tempo. O garoto foi mais esperto que Opoku, tomou-lhe a frente e cavou um pênalti aos 65 minutos. Tinha a chance de anotar uma tripletta, mas Can foi para a batida e, com categoria, fez o seu. Ainda deu tempo de Matuidi aumentar a vantagem e Lasagna diminuir para a Udinese, dando números finais à partida de número 200 da Juventus em seu estádio. No Allianz, seu histórico é primoroso: 159 vitórias, 32 empates e apenas nove derrotas. Enquanto os piemonteses se aproximam cada vez mais do octacampeonato, os friulanos viram sua vantagem para a zona de rebaixamento cair para quatro pontos.

Chievo 1-2 Milan
Hetemaj (Léris) | Biglia e Piatek (Castillejo)

Tops: Biglia e Piatek (Milan) | Flops: Stepinski e Andreolli (Chievo)

O último colocado Chievo pegou o Milan no Bentegodi, em Verona, e surpreendeu ao dar trabalho. Afinal, além de os rossoneri ocuparem a terceira colocação, não perdem para os clivensi há mais de 13 anos. No frigir dos ovos, foi uma decisão controversa do VAR que acabou garantindo os três pontos para o Diavolo.

O primeiro gol saiu aos 30 minutos. Biglia abriu a contagem com um golaço de falta, sem oferecer chance a Sorrentino. Foi o terceiro gol de falta do argentino desde 2015, todos eles com cobranças no canto direito. Depois de quatro rodadas em branco, o time da casa voltou a marcar: Hetemaj aproveitou a falha de cobertura de Conti e, de cabeça, completou o cruzamento de Léris. O gol da vitória só poderia sair dos pés de Piatek, numa jogada confusa na área – o vídeo foi acionado para analisar eventual falta do centroavante, mas nada foi marcado. Com isso, o polonês se juntou a Cristiano Ronaldo, Tévez (com os mesmos 19) e Shevchenko (24) como jogadores mais prolíficos em suas respectivas temporadas de estreia na Itália.

Inter se recuperou de tropeço da semana passada ao vencer a Spal (Getty)

Inter 2-0 Spal
Politano e Gagliardini

Tops: Martínez e Cédric (Inter) | Flops: Fares e Felipe (Spal)

Vrsaljko, Vecino, Nainggolan, Perisic e Icardi: esses eram os desfalques da Inter para o jogo de domingo. Contra a Spal, a bruxa nerazzurra estava solta e ainda no primeiro tempo também resolveu levar Brozovic e Miranda para o departamento médico. Com a bola rolando, o controle foi inteiramente do time da casa, que teve problemas para transformar a superioridade em gols na etapa inicial. Martínez foi o que teve mais chances e até chegou a marcar num lindo lance, mas o árbitro Calvarese consultou o VAR e anulou o tento ao notar que Lautaro usou o braço para dominar a bola. Num outro lance, a arbitragem deixou passar a cotovelada de Petagna em Miranda, que quebrou o nariz.

Com domínio massivo, a Inter tinha dificuldades em finalizar na direção do gol. De fato, o placar foi realmente aberto com 67 minutos de jogo, depois que Politano aproveitou sobra de jogada de Martínez e viu seu chute desviar em Bonifazi, tirando o goleiro Viviano da jogada. Dez minutos depois foi a vez de Gagliardini, que dominou a bola depois de uma tentativa de chute do produtivo Cédric e, sem deixá-la cair, bateu bonito para ampliar e garantir a quarta posição para a Beneamata na rodada. A Spal de Semplici tem apenas dois pontos de vantagem para a zona de descenso.

Sassuolo 1-1 Napoli
Berardi | Insigne

Tops: Berardi (Sassuolo) e Insigne (Napoli) | Flops: Magnanelli (Sassuolo) e Verdi (Napoli)

O primeiro dos dois empates da rodada veio em um jogo no qual o Napoli não podia vacilar – mas, aparentemente desestimulado, vacilou. No fraco primeiro tempo no Mapei Stadium, só Boga jogou. O marfinense quase abriu o placar com um chute muito perigoso, que tirou tinta da trave. Entre os goleiros reservas, que jogaram por causa das suspensões dos titulares Consigli e Meret, Ospina trabalhou e Pegolo não sofreu muito.

No início da segunda etapa, a abertura do placar coube a um jogador que andava sem intimidade com as redes do estádio. Berardi não marcava gol com a bola rolando em casa desde janeiro de 2018, mas aproveitou um lance criado por Boga, a confusão na área e um desvio em Hysaj para anotar o primeiro. Precisando reverter o placar, o Napoli não fez muito para tal e teve sorte ao conseguir o empate.  Magnanelli vacilou ao tentar cortar cruzamento rasteiro, deixou a bola passar e Insigne não perdoou, finalizando com felicidade. Se competir pelo scudetto com a Juve já era tarefa inglória, a missão do Napoli beira o impossível depois dos tropeços que fizeram a equipe perder cinco pontos em uma semana. Para não terminar o ano de mãos vazias, resta ao time campano lutar pelo título da Liga Europa.

Schick foi o herói da vitória da Roma na estreia de Ranieri (AP)

Fiorentina 1-1 Lazio
Muriel (Mirallas) | Immobile (Correa)

Tops: Terracciano (Fiorentina) e Immobile (Lazio) | Flops: Fernandes (Fiorentina) e Luis Alberto (Lazio)

No último jogo do domingo, Fiorentina e Lazio fizeram um duelo de várias oportunidades, ainda que o placar tenha sido magro – sobretudo se comparado ao 4 a 3 aplicado pelos romanos no confronto mais recente entre as equipes. O grande responsável pelo pequeno número de gols foi Terracciano, que estreou nas traves da Fiorentina e não sentiu a pressão.

Reserva de Lafont, o goleiro proveniente do Empoli fez quatro grandes defesas na etapa inicial. Após ter negado a alegria a Immobile algumas vezes – uma delas com a ajuda da trave –, Terracciano, contudo, nada pode fazer aos 23 minutos. Ciro tabelou com Correa e, de fora da área, bateu forte e colocado, abrindo o placar. O atacante italiano não voltou a vencer o duelo com o goleiro violeta em outra ocasião.

Nos 45 minutos finais, os mandantes finalmente entraram no jogo: sentiam falta de Chiesa, que havia se lesionado antes do intervalo, mas Mirallas saiu do banco para incendiar o jogo. Quando a Lazio ainda era melhor, o belga cruzou rasteiro para Muriel deixar o placar igual. O camisa 11 da viola voltou a incomodar Strakosha e a partida continuou sendo disputada num alto ritmo, embora sem que as redes voltassem a ser balançadas. O resultado da partida não agradou muito a dupla, em termos de vaga na Liga Europa: a Lazio, oitava, fica dois pontos atrás da zona-UEL, enquanto a Fiorentina já está mais distante, com sete pontos de desvantagem.

Roma 2-1 Empoli
El Shaarawy e Schick (Florenzi) | Juan Jesus (contra)

Tops: El Shaarawy e Schick (Roma) | Flops: Florenzi e Juan Jesus (Roma)

No último jogo da rodada, a Roma que foi eliminada na Champions League e teve seu treinador Eusebio Di Francesco e seu diretor Monchi demitidos, venceu na estreia do novo técnico Claudio Ranieri. Por pouco: foi salva pelo VAR. Num primeiro tempo muito movimentado, tudo de bom que o ataque construía, sua defesa – liderada por uma atuação vergonhosa de Juan Jesus – tentava por a pique. El Shaarawy começou abrindo o placar com um belo chute de fora da área, aos 9 minutos, mas a alegria de romanista durou pouco. Três giros no relógio depois, JJ marcou um dos gols contra mais bizarros da temporada, ao subir todo torto e cabecear contra o próprio patrimônio.

A Roma quase levou a virada graças ao veterano Pasqual, que cobrou uma falta com veneno, mas acertou a forquilha. Perto do intervalo, porém, o aniversariante Florenzi usou a bola parada para colocar com açúcar na cabeça de Schick, que finalizou de forma implacável. No segundo tempo não tivemos gols, mas sobraram momentos de aflição. Primeiro, Zaniolo se lesionou, enquanto Florenzi – que no meio de semana fez o pênalti decisivo que eliminou a Roma e classificou o Porto –, foi expulso por acúmulo de cartões amarelos.

Aos 87, Juan Jesus quase colocou tudo a perder por causa de mais um erro crasso. O brasileiro (que já havia feito o gol contra e deixado Dell’Orco livre para flertar com o empate), tentou dar um bico e acertou em cheio em Oberlin, se atirando ao chão na sequência para pedir uma falta inexistente. Na sequência, Krunic marcou aquele que seria o gol de empate. No entanto, Maresca foi olhar o monitor de vídeo e pegou um toque no braço de Oberlin, o que invalidou o lance, para alívio romanista. O time capitolino se mantém vivo na briga pela vaga na Champions League, enquanto o Empoli viu o Bologna encostar: está apenas um ponto acima da zona de rebaixamento.

No confronto direto com a Samp, melhor para a Atalanta (EPA)

Sampdoria 1-2 Atalanta
Quagliarella (pênalti) | Zapata e Gosens

Tops: Quagliarella (Sampdoria) e Gollini (Atalanta) | Flops: Sala (Sampdoria) e Pasalic (Atalanta)

No duelo entre duas das sensações do campeonato, a Sampdoria sofreu um duro golpe em suas ambições por classificação para a Liga Europa. A derrota no confronto direto deixa a equipe cinco pontos atrás da própria Atalanta, que divide a sexta colocação com o Torino. Para a torcida doriana, uma decepção, já que o dia poderia ter festa pela marca quebrada pelo veterano Quagliarella e de celebração ao belo uniforme retrô em homenagem à Sampierdarenese, um dos clubes que originaram a Samp, em 1946.

Em campo, a partida ficou emocionante mesmo apenas no segundo tempo. Na etapa inicial, exceção feita a uma grande defesa de Gollini, pouco ocorreu. Com cinco minutos de bola rolando após o intervalo, porém, Zapata deixou o dele, fazendo valer a lei do ex. O colombiano ganhou de Andersen no corpo e, quando o dinamarquês tentou travar, já era tarde: na dividida, a bola acabou por enganar Audero. Com isso, Duván se tornou o primeiro jogador da Atalanta a fazer 17 gols numa Serie A desde Pippo Inzaghi, em 1996-97.

O artilheiro mandante também fez o seu, depois de um pênalti bobo cometido por Gómez sobre Ramírez – que rendeu a expulsão do técnico Gasperini, ex-Genoa, por reclamação. Quagliarella foi o primeiro atacante a anotar 20 gols nessa Serie A e se tornou o sexto jogador da Sampdoria a alcançar a marca em uma única temporada, repetindo os feitos de Vincenzo Montella, Enrico Chiesa, Sergio Brighenti, Eddie Firmani e Adriano Bassetto.

A Atalanta, porém, marcou com uma jogada que já se tornou marca registrada: o cruzamento de um dos alas para que o outro feche no segundo pau para finalizar. Gosens, que acertara a trave anteriormente numa dessas inserções, não falhou dessa vez. Com o 2 a 1 no placar, Gollini ainda fez uma defesa estrepitosa em cabeçada de Ekdal e garantiu o primeiro triunfo da Atalanta em Gênova contra a Sampdoria desde novembro de 2012.

Frosinone 1-2 Torino
Paganini (Ciano) | Belotti (Falque) e Belotti (Aina)

Tops: Chibsah (Frosinone) e Belotti (Torino) | Flops: Sportiello (Frosinone) e Izzo (Torino)

Nenhum time da Serie A vive um jejum tão grande de vitórias em casa quanto o Frosinone: já são 17 partidas sem triunfos como mandante na elite. Isso significa que o último sucesso dos ciociari em seus domínios remonta à temporada 2015-16, quando a equipe mandava seus jogos no velho Matusa. No novíssimo Benito Stirpe, os leoni não foram páreo para um Torino sólido, que faz boa campanha nesta temporada e briga seriamente por vaga na Liga Europa.

O penúltimo colocado começou surpreendendo, ao se aproveitar de bons contra-ataques puxados pelo vigor de Chibsah e da imprecisão do zagueiro Izzo, que teve três erros importantes no primeiro tempo. Num deles, caixa: Paganini se antecipou ao defensor grená em cobrança de escanteio e abriu o placar, vazando o Torino depois de seis clean sheets seguidos para Sirigu e companhia. O segundo tempo, porém, foi do galo Belotti, que já havia balançado as redes diante do Chievo e comemorou em rodadas consecutivas – o que não ocorria desde 2017. O camisa 9 empatou com uma bela cabeçada em cobrança de falta de Falque e virou, com seu décimo gol no campeonato, graças a um voleio de curta distância. O placar poderia ter sido bem maior, já que Falque ainda acertou a trave em uma cobrança de falta e Belotti desperdiçou uma chance cara a cara com o goleiro Sportiello.

Belotti decidiu contra o Frosinone e o Torino se mantém na luta por vaga europeia (Getty)

Bologna 2-0 Cagliari
Pulgar (pênalti) e Soriano (Sansone)

Tops: Skorupski (Bologna) e Cragno (Cagliari) | Flops: Mbaye (Bologna) e Srna (Cagliari)

O primeiro jogo do domingo colocou frente a frente dois times que querem fugir da confusão do rebaixamento. Na Itália, isso costuma produzir partidas amarradas e faltosas, mas Bologna e Cagliari fugiram do roteiro clichê e protagonizaram uma grande exibição. Os dois times jogaram bem, mas o time da casa levou a melhor, triunfou sobre o adversário pela primeira vez desde setembro de 2016 e se aproximou de Empoli e Spal, primeiros fora da zona perigosa. Mihajlovic, definitivamente, deu uma nova cara aos emilianos.

A partida teve atuações primorosas dos goleiros Skorupski e Cragno, que fizeram algumas das defesas mais bonitas da rodada. O time da casa controlou o jogo e quase abriu o placar com Santander, negado à queima-roupa pelo arqueiro da seleção italiana. Cragno só não defendeu o pênalti muito bem cobrado por Pulgar. João Pedro tentou responder e chegou a acertar o travessão no fim da primeira etapa. Após o intervalo,o brasileiro voltou a ameaçar pelo alto, mas Skorupski interveio de maneira magistral – Lyanco ainda cortou no rebote. O placar foi fechado depois que Soriano finalizou com segurança e concluiu uma boa jogada criada por Sansone, que passou por alguns adversários antes de fornecer a assistência.

Parma 1-0 Genoa
Kucka

Tops: Kucka e Bruno Alves (Parma) | Flops: Radovanovic e Lerager (Genoa)

Em sua estreia na Itália, o goleiro Jandrei, ex-Chapecoense, não se deu bem. Até teve uma atuação segura, mas sua equipe não acompanhou o seu nível e acabou sucumbindo frente ao Parma, numa das partidas mais preguiçosas da temporada. O primeiro tempo foi sofrível para quem compareceu ao Tardini: em resumo, poucas chances criadas, intensidade muito baixa e muitos toques sem produtividade no meio-campo. O retrato de um duelo entre dois times posicionados no meio da tabela e sem maiores ambições no restante da temporada.

No começo da segunda etapa, o ritmo se manteve baixo. Quando o 0 a 0 parecia o resultado mais provável, aos 78 minutos de jogo Kucka aproveitou a confusão formada depois de um escanteio batido e enfiou o pé na bola, que chegou a bater no travessão antes de entrar. Depois de o eslovaco apresentar o boleto da lei do ex, Gervinho ainda teve a chance de ampliar: chegou a driblar Jandrei, mas isolou na hora de finalizar. Pela primeira vez desde 1993, o Parma venceu o Genoa nos dois jogos do campeonato.

Seleção da rodada
Gollini (Atalanta); Cédric (Inter), Ranocchia (Inter), Bruno Alves (Parma), Gosens (Atalanta); Biglia (Milan), Rincón (Torino), Bentancur (Juventus); Soriano (Bologna); Kean (Juventus), Belotti (Torino). Técnico: Sinisa Mihajlovic (Bologna).

Deixe um comentário