Serie A

6ª rodada: show de Ribéry e crise no Milan ofuscaram a expectativa para o Derby d’Italia



A 6ª rodada começou com um sábado bom para os três primeiros colocados: Inter, Juventus e Atalanta venceram suas partidas com autoridade e mantiveram a ponta da tabela. No próximo final de semana, as gigantes de Milão e Turim se enfrentam num Derby d’Italia que valerá a liderança do campeonato, mas as expectativas pelo jogão foram ofuscadas pelo que ocorreu no domingo. É que, em San Siro – que será o palco do clássico –, Ribéry roubou a cena na vitória da Fiorentina sobre o Milan e afundou ainda mais os rossoneri numa crise que não parece ter fim. Confira o que ocorreu na rodada e veja os melhores momentos dos jogos.

Os jogões

Milan 1-3 Fiorentina

Gols e assistências: Rafael Leão (Hernandez); Pulgar (pênalti), Castrovilli, Ribéry (Chiesa)
Tops: Ribéry e Castrovilli (Fiorentina)
Flops: Bennacer, Çalhanoglu e Musacchio (Milan)

Na noite de domingo, em San Siro, houve show do veterano Ribéry, que foi o protagonista na vitória por 3 a 1 dos visitantes. O camisa 7 mostrou que ainda tem muita lenha para queimar, marcando um gol, participando de outro e provocando a expulsão de Musacchio. Ainda conseguiu um feito para poucos: foi ovacionado pela torcida rival ao ser substituído no final da partida. Montella parece ter encontrado a formação que faz o time render. Contra os rossoneri, ele repetiu o 3-5-2 com Chiesa e Ribéry fazendo a dupla de ataque e sem a presença de um homem de referência para jogar dentro da área – o que já havia dado certo na última rodada, diante da Sampdoria.

Do lado rossonero, uma atuação pífia simbolizou uma crise que parece não ter fim. Antes do final da partida já era possível ouvir vaias e protestos vindo da Curva Sud, que definitivamente perdeu a paciência ao testemunhar a quarta derrota do Milan em seis jogos. Giampaolo é apontado com um dos principais culpados pelo momento ruim, por usar um esquema que não permite uma performance de alto rendimento dos seus principais atletas. Dessa vez, contudo, ele exagerou ao errar nas substituições e ainda viu apostas, como Bennacer, sucumbirem – o regista argelino foi um dos piores em campo, ao lado de Musacchio e Çalhanoglu. Em meio ao desastre, pode se destacar a atuação de Rafael Leão, que apesar do parcial de 3 a 0 no placar quis mostrar serviço, foi para cima da defesa viola em jogada individual e só parou dentro do gol, marcando o tento de honra para o Diavolo.

Sánchez marcou gol e foi expulso em vitória da Inter sobre a Sampdoria (Getty)

Sampdoria 1-3 Inter

Gols e assistências: Jankto (Linetty); Sensi (Martínez), Sánchez (Sensi) e Gagliardini
Tops: Sensi e Brozovic (Inter)
Flops: Colley e Chabot (Sampdoria)

Deu a lógica no Marassi e a líder do campeonato triunfou sobre a lanterna. A Sampdoria não mostrou nenhuma evolução sob o comando do treinador Di Francesco, que já testou várias formações e ainda não conseguiu definir um padrão de jogo sólido. Contra a Inter, usou pela primeira vez na temporada o 3-5-2, sistema bem diferente do que colocou em prática nos seus últimos trabalhos, em Sassuolo e Roma. A Inter, na véspera de um confronto importante contra o Barcelona, na Liga dos Campeões, teve mais uma boa atuação pela Serie A. Sánchez fez sua estreia como titular e roubou a cena: com poucos minutos em campo, anotou um gol, contribuiu com outro e foi expulso no início da etapa final.

O confronto entre a melhor e a pior defesa do campeonato foi bastante movimentado e os nerazzurri tiveram a partida sob controle durante a maior parte do tempo. Se de um lado vimos um time desorganizado, com a zaga muito exposta e enorme dificuldade para criar jogadas, do outro vimos bastante volume de jogo por parte dos comandados de Conte. Mesmo após a expulsão a Inter manteve o domínio das ações, sobretudo graças à habilidade de Brozovic no centro do gramado. Os reforços da equipe estão cada vez mais a vontade, em especial Sensi, que marcou o primeiro e ainda deu assistência involuntária para Sánchez.

Sassuolo 1-4 Atlanta

Gols e assistências: Defrel (Duncan); Gómez (Freuler), Gosens, Gómez (Zapata) e Zapata (Hateboer)
Tops: Gómez e Zapata (Atalanta)
Flops: Chiriches e Toljan (Sassuolo)

Os neroverdi não conseguiram se recuperar da derrota no clássico do meio de semana, contra o Parma, e foram goleados em casa por uma avassaladora Atalanta. O Sassuolo vive uma montanha-russa nesse começo de temporada, alternando boas atuações e derrotas desastrosas. A vitória com autoridade da Dea serviu para prolongar sua invencibilidade no confronto, que atualmente dura doze partidas, sendo seis vitórias consecutivas entre elas. A partida de sábado ainda contava com os dois maiores artilheiros da história do confronto frente a frente. Na disputa entre Berardi e Gómez, brilhou a estrela do argentino, que saiu da partida com o prêmio de melhor em campo.

A Atalanta teve uma ótima preparação para a partida contra o Shakthar Donetsk, nesta terça. A vitória fora de casa fez o time de Gasperini se consolidar na terceira posição, com 13 pontos somados, e alcançar uma marca interessante: se tornou o time italiano com melhor desempenho no ano de 2019, com 54 pontos em 26 partidas. Além disso, a Dea vive seu melhor início de campeonato desde 2001, o que reafirma a ascensão frenética dos nerazzurri nos últimos anos e mostra que, mais uma vez, serão um time bastante competitivo.

Em Reggio Emilia, a Atalanta começou com tudo e liquidou a partida muito cedo. Gómez comandou a goleada, que teve início e fim no primeiro tempo. Poderia ter sido mais, mas Gasperini se deu ao luxo de gastar as três substituições para poupar jogadores, pensando na partida decisiva da Liga dos Campeões.

Olho no lance

Cristiano Ronaldo e Dybala iluminaram triunfo da Juventus contra a Spal (AFP/Getty)

Juventus 2-0 Spal

Gols e assistências: Pjanic (Khedira) e Ronaldo (Dybala)
Tops: Pjanic (Juventus) e Berisha (Spal)
Flops: Rabiot (Juventus) e Murgia (Spal)

Na abertura da rodada, a Juventus fez o dever de casa contra um adversário consideravelmente inferior e aplicou um 2 a 0 na Spal – que poderia ser muito maior se não fosse a boa atuação do goleiro Berisha. O resultado manteve os piemonteses na segunda posição, e aumentou ainda mais a expectativa para o Derby d’Italia, que acontece na 7ª rodada. Separadas por dois pontos, as duas grandes favoritas ao título se enfrentarão no San Siro em partida que valerá a liderança da Serie A.

Sarri precisou se virar para definir o onze inicial. Afinal, a Juve contava com seis atletas indisponíveis, entre eles Alex Sandro e Danilo. Sem a dupla de laterais titular, o treinador napolitano improvisou Matuidi pela esquerda e Cuadrado pela direita, o que deixava a equipe mais exposta – algo que não foi problemático diante de um adversário retrancado –, mas com mais intensidade no ataque.

Mesmo sem o time ideal, ainda há a sensação de que a atual campeã poderia jogar um futebol melhor. O começo de partida foi pouco empolgante, uma vez que a equipe mostrou uma transição lenta e alguns erros de passe no meio-campo. Aos poucos, o time foi evoluindo e conseguiu abrir o placar no fim da primeira etapa, com golaço de Pjanic, um dos melhores em campo. No segundo tempo, a equipe voltou com o sarrismo à flor da pele: um jogo mais vertical aliado ao toque de bola intenso, que resultou em várias oportunidades criadas e colocou os visitantes na roda. Na reta final do jogo, Cristiano Ronaldo deixou sua marca para coroar a boa atuação como centroavante: o gajo realizou bem o pivô e foi muito participativo nas principais jogadas de perigo.

Napoli 2-1 Brescia

Gols e assistências: Mertens (Callejón), Manolas (Maksimovic); Balotelli (Tonali).
Tops: Mertens (Napoli) e Tonali (Brescia)
Flops: Zielinski (Napoli) e Martella (Brescia)

Receber o Brescia no San Paolo parecia uma missão fácil de ser cumprida para os comandados de Ancelotti. Contudo, o Napoli teve que suar bastante para sair com a vitória. E foram três pontos bastante importantes para a equipe, já que todos os outros times do topo da tabela também venceram suas partidas.

Ancelotti escalou o time no 4-4-2, com bastante amplitude, e usou desse recurso para abrir o marcador logo aos 13 minutos, com Mertens. O belga anotou seu gol de número 114 pelo clube e fica a um tento de igualar Maradona na artilharia histórica do Napoli. Os donos da casa ainda ampliaram o placar em jogada de bola parada, foram para o vestiário com 2 a 0 e pareciam ter a partida sob controle. Porém, tiveram dificuldade no segundo tempo diante de um Brescia organizado, que se dispôs a jogar de igual para igual mesmo sendo inferior tecnicamente.

A leonessa conseguiu reagir sob a batuta de Tonali, que descontou para os visitantes, mas teve um belo gol anulado com intervenção do VAR. Minutos mais tarde, o jovem cobrou escanteio na medida para Balotelli, que foi quem de fato diminuiu para os visitantes. Após o primeiro gol de Super Mario na volta à Itália, houve uma atmosfera de apreensão no estádio San Paolo. Isso porque Corini foi corajoso e fez alterações para deixar seu time ainda mais ofensivo, enquanto Ancelotti tirou Llorente para reforçar o meio-campo com Elmas e segurar o placar. No fim das contas, o Brescia saiu derrotado, mas teve uma atuação digna contra uma das equipes mais fortes do campeonato.

Lazio 4-0 Genoa

Gols e assistências: Milinkovic-Savic (Immobile), Radu (Luis Alberto), Caicedo (Milinkovic-Savic) e Immobile (Luiz Felipe)
Tops: Milinkovic-Savic e Strakosha (Lazio)
Flops: Cassata e El Yamiq (Genoa)

O Genoa costuma ser uma pedra no sapato da Lazio: um adversário que, por mais que seja inferior técnica e economicamente, costuma arrancar pontos dos celestes. Não foi o caso na partida do último domingo, na qual a equipe romana aplicou uma goleada no Olímpico e empurrou os grifoni para a zona de rebaixamento. Pelo bom nível de atuação, os aquilotti ficaram com moral elevada para a difícil partida contra o Rennes, pela Liga Europa. Será necessário bater os franceses para se recuperar do tropeço contra o Cluj, na estreia.

Os comandados de Inzaghi entraram com uma marcação muito alta, conseguiram manter a bola no campo de ataque e neutralizar as jogadas do adversário com certa facilidade. O Genoa tinha a proposta de aproveitar os contra-ataques, mas Kouamé – que costuma ser a principal válvula de escape pelos lados de campo – não estava em um dia inspirado, por isso os visitantes agrediram muito pouco. Quando o fizeram com eficiência, pararam em Strakosha. O goleiro albanês teve atuação muito segura e garantiu o terceiro clean sheet para os laziali, que estão com a segunda melhor defesa do campeonato, atrás apenas da Inter. Do lado rossoblù, a novidade foi El Yamiq, escalado como titular no trio de defesa. No entanto, o marroquino falhou diversas vezes no posicionamento foi uma das grandes fragilidades do sistema defensivo visitante.

Os demais jogos

Zapata e Gómez foram destaques em atuação avassaladora da Atalanta (Getty)

Lecce 0-1 Roma

Gol e assistência: Dzeko (Mkhitaryan)
Tops: Smalling e Dzeko (Roma)
Flops: Lucioni e Rispoli (Lecce)

No duelo entre as duas equipes aurirrubras do campeonato, a Roma teve que suar bastante para sair do Via del Mare com os três pontos, mas isso não significa que fez uma partida ruim. O time de Fonseca teve domínio durante quase toda a partida e criou bastante ocasiões de gol, mas pecou na hora das finalizações: das 19 efetuadas pelos romanistas, apenas seis foram na direção do gol. O time de Liverani, mesmo atuando em casa, optou por um jogo reativo. A esperança era aproveitar os contra-ataques com a velocidade de Falco, mas nenhuma das poucas chances criadas pelos mandantes foi parar dentro da rede.

O solitário tento da partida só foi sair no segundo tempo, com cabeçada de Dzeko, o quinto maior artilheiro da Roma. Após o tento, a equipe visitante diminuiu o ritmo e Fonseca fez alterações para garantir a vitória, mas mesmo assim o Lecce não trouxe perigo real. Os romanos ainda tiveram chance de ampliar o marcador, porém o brasileiro Gabriel defendeu a ótima cobrança de pênalti de Kolarov e se redimiu na falha do gol capitolino. Ademais, foi a primeira vez que o sérvio desperdiçou uma chance a partir da marca da cal com a camisa romanista. Com mais uma derrota, o Lecce continua sendo o pior mandante da Serie A, com três derrotas em três jogos no Via del Mare, enquanto a Roma – apesar das dificuldades na pontaria – chegou a 11 pontos e não perdeu o G4 de vista.

Parma 3-2 Torino

Gols e assistências: Kulusevski (Gervinho), Cornelius (Kulusevski), Inglese; Ansaldi (Verdi), Belotti (pênalti)
Tops: Kulusevski (Parma) e Sirigu (Torino)
Flops: Gagliolo (Parma) e Bremer (Torino)

Parma e Torino fizeram o encerramento da rodada em partida bem equilibrada, recheada de emoções e polêmicas. Só nos primeiros 45 minutos tivemos quatro gols, uma expulsão e duas penalidades máximas marcadas com auxílio do VAR. Logo nas primeiras movimentações do duelo, Kulusevski abriu o placar em bela jogada coletiva e inflamou a torcida. Um gol tão precoce costuma derrubar a moral dos jogadores e a estratégia do treinador, no entanto o Toro teve cabeça no lugar e não demorou muito para empatar a partida, com Ansaldi.

O que realmente tirou o treinador do sério não foi o gol relâmpago, e sim a decisão do árbitro La Penna de marcar penalidade máxima para os crociati e ainda expulsar o brasileiro Bremer, que já estava pendurado, após toque de mão dentro da grande área. A cobrança foi desperdiçada por Gervinho, mas mesmo assim Mazzarri ainda teve que quebrar a cabeça para ajustar suas dez peças em campo para os sessenta minutos que restavam. O toscano mudou drasticamente o esquema, do 3-5-2 para o 4-4-1, e conseguiu virar o jogo. Contudo, o Parma passou a tomar conta das ações e se aproveitou dos espaços vazios para agredir mais o adversário. Os mandantes empataram no último lance do primeiro tempo e viraram nos minutos finais da segunda etapa, com Inglese.

Cagliari 1-1 Verona

Gols e assistências: Castro; Faraoni
Tops: Nández (Cagliari) e Salcedo (Verona)
Flops: Pisacane e Simeone (Cagliari)

O Verona conseguiu retornar da Sardenha com um ponto na bagagem. De forma fortuita, o time de Juric arrancou um empate inesperado e pôs fim à sequência de vitórias dos casteddu. Os sardos abriram o placar com Castro e tudo parecia ir conforme o planejado, mas tiraram o pé e permitiram que o Verona crescesse na partida. O Hellas chegou com perigo principalmente pelo lado direito, onde Cacciatore frequentemente deixava espaços. No segundo tempo, os visitantes se aproveitaram da falha bizarra de Pisacane na saída de bola e igualaram o marcador.

Ficou evidente que o Cagliari sentiu falta do seu principal jogador, o belga Nainggolan. Ele entrou apenas no segundo tempo, porém não pode contribuir muito para tirar o empate do placar pois ainda não está 100% recuperado da lesão. Simeone também esteve longe da perfeição e perdeu a possibilidade de matar o jogo em duas ocasiões. O empate em casa contra um dos candidatos a rebaixamento certamente foi ruim para o Cagliari, que perdeu a chance de manter a quinta posição na tabela.

Udinese 1-0 Bologna

Gols e assistências: Okaka (Larsen)
Tops: Okaka e Mandragora (Udinese)
Flops: Soriano e Bani (Bologna)

Depois de ficar um mês sem vitória, a Udinese bateu o Bologna pela contagem mínima, na Dacia Arena. O triunfo foi importantíssimo para o time bianconero, que saiu da 18ª para a 12ª colocação: afinal, foi o único time da segunda página da tabela que conseguiu três pontos na rodada.

A partida foi ruim, mas teve bastante equilíbrio. A Udinese, apesar do desfalque de De Paul, foi eficiente e contou com o oportunismo de Okaka: o ítalo-nigeriano anotou o único tento ainda na primeira etapa. O Bologna, por sua vez, teve superioridade na posse de bola, mas não soube o que fazer com ela. Os visitantes tiveram pouco volume de jogo e certa dificuldade em acertar a meta de Musso: das doze finalizações rossoblù, apenas três foram no alvo. Na etapa complementar, Destro e Palacio foram acionados para dar mais presença dentro da área para os visitantes, que abusaram dos cruzamentos. No entanto, a estratégia não funcionou e o ataque do Bologna passou em branco pela segunda rodada consecutiva.

Seleção da rodada

Strakosha (Lazio); Milenkovic (Fiorentina), Rafael Toloi (Atalanta), Luiz Felipe (Lazio); Kulusevski (Parma), Castrovilli (Fiorentina), Brozovic (Inter), Milinkovic-Savic (Lazio), Gómez (Atalanta); Ribéry (Fiorentina), Zapata (Atalanta). Técnico: Gian Piero Gasperini (Atalanta).



Deixe um comentário