Liga dos Campeões

Inter e Napoli conseguem bons resultados e só dependem de si para avançarem na UCL



Nesta quarta-feira, as equipes italianas mantiveram o bom nível de atuações mostrado no dia anterior e conseguiram resultados animadores. Napoli e Inter jogaram fora de casa e somaram pontos importantes, que lhe permitem ter o controle do seu destino. Os azzurri visitaram o Liverpool, atual campeão, e arrancaram um empate, enquanto os nerazzurri bateram o Slavia Praga. Tanto napolitanos quanto milaneses dependerão apenas de suas próprias forças na última rodada da fase de grupos para se classificarem às oitavas de final.

A Inter não teve vida fácil jogando na capital da Chéquia, que já ensaiava o início do inverno – o termômetro marcava apenas 7º em Praga. A atuação teve alguns momentos de irregularidade e não foi das melhores da gestão Conte, mas o resultado foi importantíssimo: além de eliminar a equipe checa, a Beneamata pulou para a segunda posição do grupo por causa da derrota do Borussia Dortmund para o Barcelona. As duas partidas terminaram em 3 a 1.

O principal ponto negativo da equipe interista foi o meio-campo, que não apresentou a mesma dinâmica dos outros jogos e teve dificuldades nas transições ofensivas, pois estava desfalcado de Sensi e Barella. Conte optou por escalar Vecino e Borja Valero, que não têm a mesma capacidade técnica da dupla italiana e se apresentaram muito pouco durante a partida.

Por outro lado, o ponto positivo foi mais uma boa atuação dos dois atacantes, responsáveis diretos pelo triunfo interista. Lukaku, além de deixar o dele e ter outros dois anulados, serviu seu companheiro argentino em duas oportunidades. O belga fez excelente partida, mas infelizmente sofreu com insultos racistas de parte da torcida dos cervenobílí. Lautaro estava bem à vontade na Eden Aréna, se movimentou bastante no campo de ataque, aproveitou-se dos espaços criados pelo companheiro e ajudou na marcação.

Apesar de ser considerado o azarão do grupo, o Slavia Praga voltou a praticar um futebol ofensivo e deu trabalho à Inter – mais uma vez, tal qual havia feito contra o Barcelona. Nos minutos iniciais, os donos da casa dificultaram a saída de bola da Inter por meio da marcação alta por encaixe, que sufocou a equipe nerazzurra em seu campo de defesa.

No entanto, o Slavia acabou sofrendo do próprio veneno quando a Inter subiu as linhas e recuperou a bola no campo de ataque com Lautaro. A partir desse desarme saiu aquele que seria o segundo gol visitante – Martínez havia feito o primeiro aos 19 –, com Lukaku empurrando para o gol vazio. Porém, o árbitro Szymon Marciniak consultou o VAR e flagrou um pênalti para os checos na origem da jogada, o que anulou todo o lance. A penalidade foi convertida pelo capitão Soucek e jogou um balde de água fria nos nerazzurri.

Na segunda etapa a partida esteve aberta durante a maior parte do tempo e continuou recheada de emoções, afinal o empate não servia para nenhuma das equipes. Os checos precisavam triunfar para ultrapassarem a Inter e se manterem vivos na competição, enquanto os italianos precisavam da vitória para igualar a pontuação do Borussia Dortmund e sonhar com a classificação na última rodada.

Nesse contexto, Masopust teve duas oportunidades para os donos da casa, mas Handanovic reagiu com excelentes defesas. Do outro lado, a Inter acertou o travessão com Lukaku e Brozovic e ainda viu Martínez desperdiçar uma grande oportunidade, cara a cara com o goleiro Kolár. A igualdade só foi sair do placar na reta final, quando Lazaro lançou, Lautaro fez corta luz e Lukaku ficou sozinho com o arqueiro: 0 belga o driblou e marcou o segundo tento. O Slavia foi para o tudo ou nada e abriu brechas para os contragolpes interistas, que resultaram em um golaço de Martínez, após um cruzamento de trivela de Lukaku. O belga chegou a anotar mais um, mas foi pego em impedimento.

Na última rodada do Grupo F, a Inter joga em San Siro e precisa de uma vitória contra o Barcelona – que já garantiu a primeira posição – para se classificar sem pensar no outro duelo da chave. Tanto a Beneamata quanto o Dortmund têm 7 pontos, mas a equipe italiana leva vantagem no confronto direto. Em suma, os nerazzurri só não se classificam caso pontuem menos do que os alemães nos jogos da sexta jornada.

Com gol de Mertens, Napoli conseguiu ponto importante em Anfield e arrancou elogios do presidente De Laurentiis (Getty)

Assim como a Inter, o Napoli também só precisará pensar em seu duelo na última rodada. Depois do empate com o Liverpool, a equipe de Ancelotti ainda não se classificou matematicamente, mas atingiu uma situação bastante confortável e só terá de empatar diante do fraco Genk em pleno San Paolo. O time belga perdeu quatro dos cinco jogos e somou apenas um ponto – justo contra os azzurri, que têm 9. No outro confronto do Grupo E, Red Bull Salzburg (7) e Liverpool (10) brigam pela outra vaga. Se os Reds vencerem, o Napoli avança até mesmo com uma derrota. E há boas chances de o time italiano ficar com a primeira posição do grupo.

Em meio a tantos problemas extracampo, o Napoli segue invicto na Liga dos Campeões e sua atuação diminuiu os atritos nos bastidores. Um dia depois de a diretoria anunciar uma salgada multa em todo o elenco, o presidente De Laurentiis foi a público elogiar os jogadores. Caso não estoure nenhuma bomba nos próximos dias, o clima deve se manter mais ameno até o réveillon.

Na primeira etapa o Napoli combateu a intensidade de jogo do Liverpool com marcação dobrada sobre os pontas dos Reds, que tiveram rendimento muito abaixo do esperado. A equipe visitante trouxe perigo e conseguiu abrir o placar ao explorar a alta linha defensiva dos ingleses e diversas vezes acionou Mertens, com muito campo para correr.

Num lance em que Van Dijk estava fora de posição, o camisa 14 se projetou no espaço vazio, recebeu bom passe de Di Lorenzo e, cara a cara com Alisson, chutou cruzado e marcou o primeiro tento da partida. O primeiro tempo prosseguiu sem muitas emoções e terminou com certo equilíbrio entre as equipes, porém mais posse de bola dos Reds.

Se na etapa inicial o duelo foi equilibrado, na complementar se transformou em jogo de ataque contra defesa. O Liverpool tomou conta da partida e manteve sua presença no campo de ataque, abusando de jogadas pelos lados e cruzamentos na área. O Napoli se defendeu com bastante compactação e conseguiu resistir por um bom tempo, sobretudo por conta do bom trabalho defensivo de Allan e Koulibaly – que aos 55 minutos salvou um chute de Firmino em cima da linha.

Apesar da boa marcação do Napoli no geral, o gol de empate saiu da cabeça de Lovren, em lance em que a equipe vacilou na bola parada: era o baixinho Mertens, de 1,69m, que estava com o grandalhão de 1,88m. A partir daí Ancelotti mudou sua estratégia e pôs Llorente no lugar de Lozano, no intuito de ter uma referência para trabalhar como pivô e ganhar duelos pelo alto. Não deu certo e o espanhol teve uma atuação apagada, mas isso não comprometeu o resultado para o time visitante.



Deixe um comentário