Liga dos Campeões

Italianos voltam a jogar mal na UCL, mas Juventus avança às oitavas e Atalanta segue viva



A edição 2019-20 da Champions League não tem sido muito positiva para os clubes da Itália. Chegamos à quarta rodada da competição e, até agora, nenhum dos quatro participantes do país teve uma atuação de encher os olhos. Pior, acumulam partidas ruins. Nesta quarta, o roteiro foi o mesmo, embora a Juventus tenha vencido o Lokomotiv Moscou por 2 a 1 e se classificado, enquanto a Atalanta empatou com o Manchester City por 1 a 1 e tem poucas chances de avançar.

Jogando na Rússia, a Juventus voltou a sofrer contra o Lokomotiv Moscou, treinado por Yuri Semin. Assim como na partida da última rodada, disputada na Itália, João Mário conseguiu se impor no meio-campo e Aleksei Miranchuk incomodou – e voltou a balançar as redes.

A partida começou muito bem para a Juventus. Antes que os times pudessem se estudar, aos 4 minutos, Cristiano Ronaldo levantou uma bola fechada para a área e o russo-brasileiro Guilherme errou ao segurá-la: deixou a pelota passar por entre as pernas e Ramsey completou para o gol, antes que ela cruzasse a linha. O empate do Lokomotiv, contudo, veio a galope: aos 13, Miranchuk ganhou de Bonucci no alto e acertou a trave. No rebote, ele mesmo conferiu para o gol aberto.

No restante do jogo, a Juventus continuou sofrendo com Miranchuk, que quase virou o placar com outro gol de cabeça, ainda na etapa inicial. Depois do intervalo, a Velha Senhora não conseguiu se impor e voltou a ficar perto de ser vazada. Aos 78 minutos, Krychowiak teve o gol aberto, mas Bonucci se posicionou bem e tirou em cima da linha. Pouco depois, Sarri fez algo quase impensável: sacou Ronaldo e colocou Dybala em campo. Segundo o técnico, em coletiva, o português tem sentido dores no joelho.

Nos acréscimos, um jogador vindo do banco salvou Sarri – e não foi Dybala. Douglas Costa, que substituíra Khedira aos 70 minutos e estava atuando como trequartista, atrás dos atacantes, caiu pelo lado esquerdo do ataque e fez grande jogada. Primeiro, deixou quatro jogadores na saudade – saindo bem, especialmente, da marcação de Ignatiev e Höwedes –, tabelou com Higuaín e recebeu passe de calcanhar. Já dentro da área, se livrou de Rybus e Corluka e deu um toquinho por baixo de Guilherme para marcar um golaço e classificar a Juventus para as oitavas de final.

Líder do Grupo D, com 10 pontos, a Juventus ainda terá o jogo em casa contra o Atlético de Madrid para garantir a primeira posição. Os colchoneros perderam na rodada e têm 7 pontos; Lokomotiv Moscou e Bayer Leverkusen, ainda com chances, têm 3.

A Atalanta teve a chance de conseguir melhor sorte contra o Manchester City, mas ainda pode se classificar (AFP/Getty)

Em sua segunda partida como mandante na Champions League, a Atalanta voltou a levar bom público ao San Siro, mas decepcionou seu torcedor. O primeiro tempo nerazzurro foi deplorável e a melhora na etapa final não veio acompanhada de um resultado melhor. No fim da peleja, a Dea chegou a atuar com um jogador a mais, enquanto o Manchester City tinha o defensor Walker improvisado como goleiro. Ainda assim, os ingleses pouco sofreram nesse cenário e levaram um ponto para casa.

Com apenas seis minutos de bola rolando, o Manchester City já vencia. No primeiro chute em direção ao gol, Sterling marcou. A frágil defesa atalantina só observou a bola chegar em Gabriel Jesus e ele ajeitar para o inglês, que não foi acompanhado por De Roon e teve a vida facilitada. Ainda na primeira etapa, a Atalanta penou e quase não incomodou Éderson.

Para piorar, a defesa continuava sucumbindo à velocidade dos citizens. Numa arrancada no fim do primeiro tempo, Sterling foi derrubado por Rafael Toloi e o árbitro Kulbakov marcou pênalti. A revisão do VAR ajudou a Atalanta, pois a penalidade foi revista – o empurrão do brasileiro ocorreu fora da área. Na cobrança de falta, porém, Ilicic usou o braço para interceptar a bola e, aí sim, a redonda foi para a marca da cal. Gabriel Jesus, contudo, cobrou para fora. Com o apito que soou e indicou o intervalo, a Dea foi salva pelo gongo.

O tempo para respirar serviu para a Atalanta, que voltou melhor para o campo depois que Gasperini deu novas instruções à equipe. Aos 49 minutos, Gómez fez boa jogada pela esquerda e cruzou na cabeça de Pasalic, que não deu chances a Bravo – o chileno substituíra Éderson no intervalo. Após o gol, a equipe orobica igualou o jogo e fez uma exibição digna da fama que construiu. Djimsiti quase virou, em outra bola levantada, mas a Atalanta só pensaria ficar perto de marcar depois que Bravo foi expulso por falta de Ilicic, aos 81.

O jogo ficou paralisado por quase oito minutos para revisão do VAR e arrumação de Walker, que entrou para quebrar um galho no gol. A equipe da casa deveria aproveitar para finalizar, mas só o fez na falta que Bravo cometeu, com uma tentativa central de Malinovskyi. Mesmo com um a menos, o Manchester City teve mais a bola e contou com a generosidade dos adversários, que ficaram nervosos e começaram a errar passes em profusão. Com a posse, o time de Guardiola cozinhou o jogo e ficou com o resultado.

O empate caseiro só não foi pior para a Atalanta porque Dinamo Zagreb e Shakhtar Donetsk protagonizaram um empate pirotécnico na Croácia, cheio de gols no final – a partida terminou em 3 a 3. O City lidera o Grupo C, com 10 pontos, enquanto Shakhtar e Dinamo aparecem atrás, com 5. A Atalanta tem apenas 1 pontinho, mas depende de si para se classificar. Imaginando que o time ucraniano perca na Inglaterra, na próxima rodada, e a Dea vença os croatas, a decisão da vaga ficará para a jornada derradeira, em Kiev.



Deixe um comentário