Serie A

23ª rodada: Tropeço da Juventus e vitória heroica da Inter acirram luta pelo scudetto



Até o presente momento, nenhuma rodada da atual Serie A havia combinado tantos bons jogos, emoções e reviravoltas em campo e na tabela quanto a 23ª jornada. No último fim de semana, os fãs do futebol italiano puderam assistir a um Dérbi de Milão histórico e viram o campeonato se afunilar: Inter, Juventus e Lazio, as três primeiras colocadas, estão separadas por apenas um ponto. E, no fim de semana que vem, teremos um duelo dourado entre romanos e milaneses. Acompanhe o resumo da rodada para entender como chegamos a esse panorama.

O jogaço

Surpresa da temporada, Verona assumiu a sexta posição ao bater a Juventus e ainda embolou o campeonato (AFP/Getty)

Inter 4-2 Milan

Gols e assistências: Brozovic, Vecino (Sánchez), De Vrij (Candreva) e Lukaku (Moses); Rebic (Ibrahimovic) e Ibrahimovic (Kessié)
Tops: De Vrij (Inter) e Ibrahimovic (Milan)
Flops: Padelli (Inter) e Kjaer (Milan)

No fechamento da rodada, Milan e Internazionale fizeram um dérbi que entrou para a história. Foram ao todo seis gols – sendo quatro de bola aérea – em dois tempos de 45 minutos totalmente opostos, que pareciam partidas diferentes. Na primeira etapa, os rubro-negros dominaram a maioria das ações, enquanto na segunda houve uma grande reviravolta: a Inter se reformulou, marcou quatro vezes e, graças ao tropeço da Juventus, empatou com a Velha Senhora na ponta da tabela. Já o Diavolo caiu para a oitava posição.

A primeira etapa foi dominada pelo Milan, que controlou o meio-campo e conseguiu trazer perigo principalmente com Hernandez e Rebic pelo setor esquerdo. Nos primeiros minutos, o Diavolo pressionou a saída de bola da Beneamata, que ficou acuada no campo de defesa e teve enorme dificuldade para fazer transições ofensivas.

Sem muito controle do meio-campo, Conte mudou de estratégia e optou pela ligação direta com Lukaku, que não foi muito eficaz. Na bola aérea, Rebic e Ibrahimovic marcaram duas vezes para o Milan, que desceu para o vestiário com uma vitória merecida – que só não foi maior devido à trave e aos esforços de De Vrij. Com o tento do domingo, Ibra superou o compatriota Liedholm e se tornou o jogador mais velho a marcar no Derby della Madonnina.

Na segunda etapa, o Milan voltou desligado, enquanto Conte revolucionou a Inter nos vestiários – e apenas com palavras. Em nível de atuação muito superior ao demonstrado até ali, a Beneamata rapidamente empatou a partida: os rossoneri não conseguiram manter a intensidade do primeiro tempo, enquanto os nerazzurri tiveram uma reviravolta em termos psicológicos ao empatarem em oito minutos. Daí em diante a partida continuou equilibrada, no entanto foi a Inter que levou a melhor e conseguiu marcar mais duas vezes: primeiro com De Vrij, para coroar uma excelente atuação, e com Lukaku no apagar das luzes. O belga se tornou um dos seis únicos estrangeiros que marcaram em seus dois primeiros clássicos pela Inter.

Olho no lance

A Lazio chegou: equipe celeste está na disputa pelo scudetto (Getty)

Verona 2-1 Juventus

Gols e assistências: Ronaldo (Bentancur); Borini e Pazzini (pênalti)
Tops: Kumbulla (Verona) e Ronaldo (Juventus)
Flops: Pjanic e Higuaín (Juventus)

A Juventus foi surpreendida por um Verona que vive seu melhor momento na temporada. O time de Ivan Juric ainda não perdeu esse ano e, nas últimas rodadas, foi capaz de segurar empates com o Milan no San Siro e a Lazio no Olímpico. A vitória sobre a Velha Senhora foi ainda mais importante porque Parma, Cagliari, e Milan – que começaram a rodada na frente do Hellas – tropeçaram: a combinação de resultados fez os mastini saltarem da nona para a sexta posição e entrarem na zona de classificação para a Liga Europa. É uma campanha extraordinária da equipe, que no começo da temporada era apontada como forte candidata ao rebaixamento.

O primeiro tempo foi repleto de emoções. A Juventus levou mais perigo, e apesar de o time ter criado as melhores chances, chegando a acertar a trave com Douglas Costa, foi o Hellas que saiu na frente. Em jogada de bola parada, Kumbulla venceu Szczesny, mas o albanês estava centímetros adiantado e teve seu gol corretamente anulado pelo VAR. Apesar disso, o tento e as outras importunações a Szczesny eram um sinal de que a missão não era impossível para o Verona no Bentegodi.

Na segunda etapa, Cristiano Ronaldo deixou o dele pela 10ª rodada consecutiva e, se anotar contra o Brescia, iguala os recordes de Quagliarella e Batistuta. O tento do português parecia ser o da vitória, mas o Verona foi buscar a virada nos minutos finais. Primeiro, Borini se aproveitou do presente de Pjanic e, pouco depois, Kumbulla só não marcou (acertou o travessão) porque Bonucci usou o braço para bloquear a bola. Numa excelente cobrança de pênalti, Pazzini deixou o torcedor gialloblù nas nuvens.

Parma 0-1 Lazio

Gol e assistência: Caicedo
Tops: Hernani (Parma) e Luis Alberto (Lazio)
Flops: Caprari (Parma) e Immobile (Lazio)

Depois da vitória no Ennio Tardini, a Lazio chegou à marca de dezoito partidas sem derrota, sequência que se tornou a mais longa da história do clube. Os três pontos conquistados sobre o Parma foram ainda mais importantes em uma rodada em que a Juventus perdeu: com isso, a Lazio encurtou a diferença para um ponto em relação à líder. Na próxima jornada, a equipe romana recebe a Inter, no Olímpico.

A partida foi equilibrada e polêmica. A Lazio abriu o placar no final do primeiro tempo, com Caicedo. O gol saiu em um momento em que o Parma estava dominando as ações e, portanto, foi um banho de água fria na equipe de D’Aversa. Na segunda etapa, a Lazio se retraiu e o Parma dominou as ações ofensivas, mas sem conseguir igualar o marcador, já que Strakosha foi muito bem quando exigido e, quando não podia fazer nada – como no chutaço de Kulusevski, no finalzinho –, levou sorte.

Nos minutos finais da partida, Cornelius se enroscou em disputa com Acerbi e caiu dentro da grande área, o que gerou muita reclamação por parte do Parma – sobretudo de D’Aversa, que acabou tomando cartão amarelo. Di Bello interpretou como lance normal e nem sequer consultou o VAR. Os crociati ainda reclamaram de pênalti em uma disputa entre Marusic e Bruno Alves na grande área, que também foi ignorada pela arbitragem.

Roma 2-3 Bologna

Gols e assistências: Denswil (contra), Mkhitaryan (Bruno Peres); Orsolini (Barrow), Barrow (Denswil) e Barrow (Svanberg)
Tops: Barrow e Orsolini (Bologna)
Flops: Santon e Smalling (Roma)

Na abertura da rodada, o Bologna conseguiu uma vitória maiúscula fora de casa e se aproximou ainda mais da zona de Liga Europa. Os rossoblù ainda não sabem o que é perder no segundo turno, somam três triunfos seguidos e, graças ao outros resultados da rodada, subiram quatro posições na tabela, se consolidando na sétima colocação. A Roma, por sua vez, saiu de campo vaiada depois de uma exibição pragmática. O revés aumenta a pressão sobre o técnico português, que virou o ano com tranquilidade, mas amarga três jornadas sem triunfos (e com derrotas para Sassuolo e Bologna).

A vitória do time de Mihajlovic foi construída a partir das jogadas de velocidade nas laterais do campo. Barrow e Orsolini se aproveitaram das subidas de Santon e Kolarov para se projetar nas costas dos laterais, que em muitas ocasiões foram lentos na recomposição defensiva. Pela esquerda, Barrow levou a melhor em quase todos os duelos contra Santon e trouxe perigo inúmeras vezes. No primeiro gol dos emilianos, Orsolini tomou a frente de Kolarov e contou com falha de Smalling para finalizar de frente para a meta, enquanto no terceiro tento Santon deixa um espaço enorme para o gambiano, que passa por Mancini e empurra para as redes com facilidade.

Fiorentina 1-2 Atalanta

Gols e assistências: Chiesa; Zapata e Malinovskyi (Gómez)
Tops: Chiesa (Fiorentina) e Ilicic (Atalanta)
Flops: Benassi (Fiorentina) e Pasalic (Atalanta)

Como não tem feito o dever de casa nas últimas oportunidades, a Atalanta vai resolvendo sua vida longe de casa neste campeonato. Atualmente a Dea tem 69% de aproveitamento fora de Bérgamo e é a segunda melhor visitante da Serie A, atrás apenas da Inter. Em Florença, fez uma vítima e que não fazia havia 27 anos – em 27 anos, foi a primeira vitória dos nerazzurri no Franchi pelo campeonato. Ainda por cima, a Atalanta se vingou da equipe que a eliminou da Coppa Italia neste ano.

Os primeiros minutos de jogo foram de claro domínio da equipe de Gasperini, que sufocou a Viola em seu campo de defesa através de marcação alta por encaixe na saída de bola, induzindo a Fiorentina ao erro. Dessa forma, a Atalanta conseguiu recuperar a posse em zonas de perigo, incomodou demais com Ilicic, mas não converteu o domínio em gol.

A Viola conseguiu equilibrar as ações e chegar ao ataque na metade do primeiro tempo. Pouco tempo depois abriu o marcador, com Chiesa. A reação bergamasca só veio a acontecer na etapa complementar: o empate saiu em jogada bem trabalhada, que terminou com finalização de Zapata, e o gol da virada saiu dos pés de Malinovskyi. O ucraniano recebeu entre as linhas de marcação e chutou no canto de Dragowski.

Os outros jogos

Barrow e Orsolini comandaram o grande triunfo do Bologna sobre a Roma (Getty)

Napoli 2-3 Lecce

Gols e assistências: Milik (Mertens) e Callejón; Lapadula, Lapadula (Falco) e Mancosu
Tops: Lapadula e Falco (Lecce)
Flops: Koulibaly e Ospina (Napoli)

Depois de bater Lazio, Juventus e Sampdoria em grandes jogos, o Napoli dava sinais de que poderia engatar uma boa sequência na temporada. No entanto, os comandados de Gattuso foram surpreendidos por um Lecce que não se intimidou diante de 40 mil espectadores no San Paolo e teve uma das suas melhores atuações na temporada. O destaque foi Lapadula, que marcou duas vezes.

Se por um lado o Lecce demonstrou organização e disciplina tática com uma boa atuação coletiva, o Napoli de Gattuso teve participações individuais desastrosas. Jogadores como Mário Rui, Insigne e Politano erraram bastante no último terço do campo. Koulibaly, que voltava de lesão, estava sem ritmo de jogo e Ospina deu um presente para Lapadula no primeiro gol do Lecce.

A atuação dos giallorossi foi coroada com uma cobrança de falta espetacular de Mancosu na reta final da partida. O Napoli ainda diminuiu com Callejón, nos acréscimos, mas não evitou a derrota. Além dos três pontos fora de casa, o Lecce se manteve fora da zona de rebaixamento, prosseguiu na cola da Sampdoria e encerrou um jejum de 21 anos sem vencer o Napoli no San Paolo. Por sua vez, os azzurri estão quatro pontos atrás do Verona, que abre o pelotão europeu.

Genoa 1-0 Cagliari

Gol e assistência: Pandev
Tops: Pandev (Genoa) e Cragno (Cagliari)
Flops: Ankersen (Genoa) e João Pedro (Cagliari)

O duelo entre times que vestem azul e vermelho foi marcado pelas adversidades que puseram em xeque as estratégias dos treinadores. Foram quatro alterações por conta de lesões: com 25 minutos, os visitantes já tinham perdido Walukiewicz e Cacciatore, enquanto Nicola só precisou sacar Ghiglione aos 39 minutos e Ankersen no início do segundo tempo. Na vaga de Ghiglione entrou Pandev, que chacoalhou o Marassi com um cruzamento rasteiro que morreu no fundo da rede. O macedônio do norte precisou de quatro minutos em campo para transformar a partida sonolenta em um jogo movimentado.

Na segunda etapa, o duelo esteve mais aberto e as duas equipes criaram mais ocasiões de gol, emboratenham parado nos goleiros, que foram muito bem quando exigidos. Do lado do Genoa, estreou bem o zagueiro francês Soumaoro. A equipe da Ligúria conquistou uma vitória importante para se manter na cola de Lecce e Sampdoria na luta contra o rebaixamento, enquanto o Cagliari finalmente deixou a zona europeia: sem vitórias há nove rodadas, caiu para a oitava posição. A equipe de Maran somou apenas três pontos desde a pausa para o Natal e vai estragando o seu ótimo início de temporada.

Torino 1-3 Sampdoria

Gols e assistências: Verdi (Berenguer); Ramírez, Ramírez (Quagliarella) e Quagliarella (pênalti)
Tops: Ramírez e Quagliarella (Sampdoria)
Flops: Nkoulou e Izzo (Torino)

O segundo turno do campeonato tem sido um verdadeiro pesadelo para o Toro. A equipe grená é a única que ainda não somou nenhum ponto nos quatro jogos do returno e, para piorar, possui a pior defesa da segunda metade do campeonato, com 16 gols sofridos. O pífio desempenho culminou na demissão de Walter Mazzarri, e a partida contra a Samp foi a estreia de Moreno Longo, que não teve tempo de mostrar mudanças no estilo de jogo.

Os primeiros 45 minutos não foram de encher os olhos, mas as emoções estavam guardadas para o segundo tempo. O Toro saiu na frente com Verdi, que marcou seu primeiro tento com a camisa granata, mas a festa no Olímpico Grande Torino durou pouco mais de dez minutos, até a dupla Ramírez-Quagliarella comandar a virada dos genoveses. Os dois já estavam incomodando Sirigu, que mantinha o placar inalterado, mas fizeram a festa na segunda etapa, mostrando grande entrosamento. Foi a terceira vitória como visitante da Sampdoria, que agora está a quatro pontos da zona de rebaixamento.

Spal 1-2 Sassuolo

Gols e assistências: Bonifazi; Caputo (pênalti) e Boga (Berardi)
Tops: Berisha (Spal) e Boga (Sassuolo)
Flops: Tomovic (Spal) e Traorè (Sassuolo)

Embalado depois de vencer a Roma no Olímpico, o Sassuolo conseguiu a terceira vitória nas últimas quatro partidas e confirmou a boa fase ao bater a lanterna da competição, de virada. Com isso, a equipe de Roberto De Zerbi se aproximou da zona de Liga Europa: apesar de estar na 12ª posição, a distância para o Verona é de apenas cinco pontos.

Jogando em casa, Leonardo Semplici escalou seu time no tradicional 3-5-2, preocupado em proteger a grande área de um Sassuolo ofensivo e veloz, com Berardi, Caputo, Boga e Traoré formando o quarteto de ataque. Nesta partida de ataque contra defesa, Bonifazi se aproveitou da desatenção de Obiang para abrir o placar com o seu primeiro gol depois do retorno à Spal.

A equipe da casa voltou mais retraída para a segunda etapa, enquanto De Zerbi optou por Defrel na vaga de Traorè e deu maior peso ofensivo aos neroverdi. No entanto, quem realmente comandou a virada foi Boga. O marfinense sofreu o pênalti convertido por Caputo e, aos 89 minutos, testou para as redes. A derrota ocasionou a demissão de Semplici, que estava no comando da Spal desde dezembro de 2014 e era o treinador com trabalho mais duradouro do futebol italiano. Luigi Di Biagio, ex-técnico da seleção sub-21 da Itália, o substitui.

Brescia 1-1 Udinese

Gols e assistências: Bisoli; De Paul (Okaka)
Tops: Joronen (Brescia) e (Udinese)
Flops: Spalek (Brescia) e De Maio (Udinese)

As expectativas para a partida entre Udinese e Brescia eram baixas e se confirmaram com um empate pouco movimentado. Balotelli teve seu dia de capitão pela primeira vez na temporada, já que Torregrossa estava suspenso, mas teve atuação foi apagada. Balo participou pouco das jogadas de ataque e nos minutos finais teve que ser substituido por conta de uma lesão muscular.

Em boa parte do jogo tivemos a superioridade dos visitantes, que não economizaram nas finalizações: foram 14 chutes, sendo o primeiro um petardo de Lasagna no travessão, com dois minutos de bola rolando. O goleiro Joronen trabalhou bastante e fez boas defesas, o que aplacou o domínio da Udinese. A supremacia friulana não tirou o zero do placar, mas resultou em vaias para os jogadores e para Diego López nos seus primeiros 45 minutos de treinador do Brescia.

No final da partida, Bisoli marcou seu primeiro tento na Serie A, que daria três importantes pontos ao Brescia. Contudo, a Udinese arrancou o empate no apagar das luzes com De Paul. O empate acabou sendo ruim para ambos, já que os lombardos chegaram à oitava partida sem triunfar e o alvinegro tem uma sequência de cinco partidas sem vencer.

Seleção da rodada

Strakosha (Lazio); Tomiyasu (Bologna), De Vrij (Inter), Kumbulla (Verona); Falco (Lecce), Vecino (Inter), Ramírez (Sampdoria), Ilicic (Atalanta); Barrow (Bologna), Lukaku (Inter), Lapadula (Lecce). Técnico: Antonio Conte (Inter).



1 comentário

  • Interessante essa rodada, depois de uns tempos sem ver o Calcio integralmente, reativei o DAZN aproveitando a diminuição da mensalidade e peguei alguns jogos dessa rodada pra ver. Gostei bastante do Bologna, apesar de ter corrido uns riscos de tomar o empate, jogou muito bem, como foi dito no texto.
    Vi o jogo do SPAL, uma pena, o jogo era relativamente equilibrado em termos de chances, e o gol tomado foi numa falha individual ainda que seu único gol também o tenha sido.
    Torino só cavando o poço e o jogo Fiorentina e Atalanta foi muito bom.

Deixe um comentário