Serie A

9ª rodada: a Juventus ganhou do Milan com gol ‘surreal’ de Locatelli e encostou na liderança

O lado místico do futebol é realmente uma das partes mais curiosas desse esporte. Qual a chance de um mesmo jogador, em um mesmo estádio, decidir um mesmo confronto, por exatamente o mesmo placar, no mesmo dia, na mesma rodada, quase no mesmo minuto, só que sete anos depois? Detalhe: por cada um dos times envolvidos na partida, que viram jejuns serem encerrados por conta desses gols. Isso aconteceu com Locatelli, responsável por fazer a Juventus se aproximar da liderança da Serie A.

Em 2016, o volante fez o gol que deu a vitória por 1 a 0 para o Milan sobre a Juventus na 9ª rodada da edição 2016-17 da Serie A e encerrou um jejum de quatro anos sem triunfos do Diavolo no clássico. Em 2023, fez o mesmo pela Velha Senhora, na 9ª rodada do Italiano deste ano, e permitiu que sua equipe voltasse a bater o rival após cinco jogos. O sucesso importantíssimo, que fez até o meio-campista chorar no apito final, colocou os bianconeri na cola da dupla de Milão. Os rossoneri, um pontinho acima, caíram para a segunda posição. A Inter, com dois, é a nova líder isolada.

Afinal, diferentemente do Milan, a Beneamata fez a sua parte. Contou com mais uma grande exibição de dupla Thu-La e, além de retomar a dianteira, empurrou o time do Torino para mais perto da zona da degola. Longe de lá, a Roma segue escalando posições na tabela e dessa vez, com um pouco de sorte, venceu o Monza em mais uma tarde iluminada de seu talismã El Shaarawy.

Acima dela está a Atalanta, que transformou Bérgamo em uma fortaleza: a Dea é a única equipe que ainda não sofreu nenhum gol atuando como mandante na competição e dessa vez sobrou para o Genoa de Alberto Gilardino. Confira essas e outras histórias no resumo da rodada!

>>> Classificação e artilharia da Serie A

Milan 0-1 Juventus

Gol e assistência: Locatelli (Weah)
Tops: Locatelli e Szczesny (Juventus)
Flops: Thiaw e Musah (Milan)

Uma série de coincidências marcou o jogo mais importante da rodada. Locatelli, revelado nas categorias de base do Milan, já havia decidido um clássico contra a Juventus em 2016 – vitória por 1 a 0. A história se repetiu sete anos depois, só que com as cores dos bianconeri. O volante resolveu a parada para a Velha Senhora, num duelo que estava bastante truncado.

O triunfo pelo placar mínimo colocou fim ao jejum de cinco confrontos sem vitória no clássico para a Vecchia Signora. E os três pontos conquistados mantiveram a Juve na terceira colocação, grudada nos rossoneri e apenas a um da líder Inter. O trio ficou embolado na briga pelo scudetto e há boas chances de a situação continuar indefinida por bastante tempo.

O gol da vitória da Juventus só foi marcado no segundo tempo. Ainda no primeiro, Szczesny efetuou uma grande defesa em chute rasteiro de Giroud e manteve o placar inalterado. Perto do intervalo, Thiaw foi expulso após agarrar Kean, que sairia na cara de Mirante, e deu forças aos visitantes.

A equipe de Massimiliano Allegri soube aproveitar a vantagem numérica: aos 63 minutos, Locatelli recebeu de Weah na entrada da área, bateu forte e a bola, desviada em Krunic, matou o terceiro goleiro rossonero, escalado devido a suspensão de Maignan e lesão de Sportiello. Embora tivesse feito a última partida completa havia mais de dois anos, o arqueiro revelado pela Velha Senhora teve boa atuação e ainda evitou que a Juve ampliasse na reta final do duelo.

Torino 0-3 Inter

Gols e assistências: Thuram (Dumfries), Martínez (Acerbi) e Çalhanoglu (pênalti)
Tops: Thuram e Martínez (Inter)
Flops: Vlasic e Linetty (Torino)

Quando tudo indicava mais um 0 a 0 no Olímpico Grande Torino, a Inter abriu com gosto a porteira e garantiu a liderança da Serie A. O Torino de Ivan Juric preocupa demais pela falta de gols: já são quatro jogos consecutivos sem marcar nenhuma vez e cinco rodadas sem nenhum triunfo. Tem que ligar o alerta, até porque tem perdido muitos jogadores por lesão – de todos os setores. O último deles foi o ótimo zagueiro Schuurs, que rompeu os ligamentos do joelho no sábado e viu sua temporada se encerrar precocemente.

E se faltam gols para os granata, sobram para os parceiros Thuram e Lautaro: o argentino chegou a seu 11º no campeonato, disparando na artilharia, enquanto o francês está há cinco jogos consecutivos contribuindo para tentos pelos nerazzurri. A chamada dupla Thu-La atravessa estado de graça justamente às vésperas do confronto entre a Inter e a Roma de Lukaku, que é um dos destaques da próxima rodada.

No sábado, em Turim, os gols saíram apenas no tempo complementar, após uma etapa inicial bem morna. Lançado a campo alguns minutos após o intervalo, Dumfries aproveitou a boa movimentação de Thuram, que enganou a defesa do Toro, e o camisa 9 da Inter bateu no cantinho para inaugurar o placar, aos 59. Martínez completou a casquinha de Acerbi e fez o segundo de cabeça, na casa dos 67. Nos acréscimos, Mkhitaryan sofreu pênalti e Çalhanoglu não desperdiçou.

Em grande momento, Thuram e Lautaro ajudaram a Inter a vencer o Torino e retomar a liderança da Serie A (AFP/Getty)

Verona 1-3 Napoli

Gols e assistências: Lazovic; Politano (Raspadori), Kvaratskhelia (Politano) e Kvaratskhelia (Politano)
Tops: Kvaratskhelia e Politano (Napoli)
Flops: Amione (Verona) e Rrahmani (Napoli)

O Napoli não pode contar com a sua referência Osimhen mas reencontrou em Kvaratskhelia o protagonista necessário para sair com três pontos do Marcantonio Bentegodi. Foi uma atuação relativamente tranquila para os comandados de Rudi Garcia, com méritos a Meret, e muito disso graças ao desempenho do georgiano, que chegou a três gols e três assistências em sete jogos – ou seja, quase uma participação em tento por partida.

Politano abriu o placar para os napolitanos completando cruzamento de Raspadori. O próprio Mateo encontrou Kvaratskhelia na entrada da área no final do primeiro tempo e o camisa 77 balançou as redes após partir para cima da defesa e fuzilar de esquerda.

Já na etapa complementar, um excelente contra-ataque, com belo tapa de Politano, colocou Kvara nas costas da defesa. Ele fintou um zagueiro e finalizou colocado para matar de vez o confronto com uma doppietta. Lazovic fez o de honra para os donos da casa, após uma pixotada de Rrahmani. Com o triunfo, o Napoli subiu na tabela e voltou a empatar com a Fiorentina, agora na quarta posição. O Verona, que não vence desde a segunda rodada, segue próximo da zona de descenso.

Fiorentina 0-2 Empoli

Gols e assistências: Caputo (Grassi) e Gyasi (Fazzini)
Tops: Luperto e Berisha (Empoli)
Flops: Brekalo e Duncan (Fiorentina)

O retorno de Aurelio Andreazzoli parece ter dado uma sacudida no Empoli. Sem ele, os azzurri ainda não tinham pontuado no campeonato. Agora, chegaram a 7 pontos obtidos nas três últimas rodadas, escaparam da zona de rebaixamento e de quebra venceram o Derby Dell’Arno na casa da Fiorentina apenas pela terceira vez na história. E a Viola poderia ter ficado a apenas dois pontinhos da liderança se tivesse vencido.

O interminável Caputo abriu o placar com uma cavadinha esplendorosa. E fica a curiosidade: é seu quinto gol em segundas em 2023, segundo a Opta. Com seu primeiro nesta Serie A, ele se tornou o artilheiro do ano na Europa, ao menos se considerarmos somente os jogos realizados neste dia da semana. Ele chegou até a balançar as redes de novo, numa cabeçada rasteirinha, mas o lance foi tão estranho que terminou invalidado – a bola tocou em sua mão antes de entrar.

Dispersa, a Fiorentina se viu órfã das jogadas de González, bem controlado pela zaga do Empoli. Quando os gigliati conseguiam superar a retaguarda azzurra, Berisha se mostrava atento – nos últimos minutos, duas defesas com ótimo tempo de reação deixaram isso evidente. Aos 81, os visitantes mataram o jogo: Gyasi fez o segundo após passe de letra de Cambiaghi para o cruzamento rasteiro de Fazzini. Foi o primeiro do ganês com a camisa do clube.

Kvaratskhelia e Politano foram os nomes de uma rara atuação segura do Napoli de Garcia, em Verona (Getty)

Roma 1-0 Monza

Gol: El Shaarawy
Tops: El Shaarawy (Roma) e Di Gregorio (Monza)
Flops: D’Ambrosio e Machín (Monza)

Apesar de acertar a trave do Monza duas vezes, a Roma não fez um grande jogo. Foram mais de 45 minutos com um jogador a mais, devido à expulsão de D’Ambrosio no fim da primeira etapa, e a vantagem numérica foi pouco aproveitada. A frustração dos visitantes ficou evidente com a derrota. José Mourinho até tirou sarro de Raffaele Palladino e do banco dos biancorossi, sendo expulso em seguida. Vale destacar que o próximo compromisso dos giallorossi é contra a Inter, em Milão.

No primeiro tempo, Di Gregorio manteve o Monza vivo no jogo com duas defesas em que mostrou reflexos apurados – a segunda, com o pé, foi do jeito que deu. Os bagai voltaram do intervalo animados e ameaçaram com chutes de fora da área, até que a Roma retomou as rédeas da partida graças ao impacto positivo causado pela entrada de Azmoun. Lukaku e o próprio iraniano carimbaram a trave adversária.

O gol só veio nos minutos derradeiros. Em chuveirinho na área, a bola foi e voltou até cair nos pés dele, El Shaarawy. O “super sub” giallorosso fuzilou e não deu para Di Gregorio evitar. O faraó se emocionou, foi às lágrimas e explicou depois que se sentia machucado por ter sido falsamente acusado de apostar ilegalmente pelo paparazzo Fabrizio Corona. As autoridades responsáveis pelas investigações já disseram não ter nenhuma prova contra ele e, por isso, já há um processo por difamação movido pelo romanista contra o acusador.

Atalanta 2-0 Genoa

Gols e assistências: Lookman e Éderson (Pasalic)
Tops: Éderson e Scalvini (Atalanta)
Flops: Haps e Thorsby (Genoa)

Controlando as ações praticamente durante todo o tempo, em nenhum momento a Atalanta parecia perder o caminho para chegar à vitória – apesar da demora para sair o gol. Sexta colocada da Serie A, a equipe de Gian Piero Gasperini fez de Bérgamo sua fortaleza: são quatro partidas sem nenhum tento sofrido no Gewiss Stadium, além de sete a favor.

Durante seu domínio, a Atalanta viu Éderson ser o seu nome mais ativo, sendo responsável por circular a bola e criar a maior parte das jogadas – sem Koopmeiners, lesionado, a função coube ao brasileiro, que a executou com maestria. A melhor chance antes de os gols saírem ocorreu no início da segunda etapa, quando Scalvini cabeceou na trave.

Na última meia hora de jogo, a Dea fez seu placar. Aos 67 minutos, Scamacca caiu pelo fundo, cruzou e Sabelli errou na hora de interceptar. Lookman aproveitou o azar do defensor do Genoa e, sentado no chão, mandou para dentro. Já nos acréscimos, a defesa dos visitantes estava escancarada, de modo que ficou fácil para Éderson desarmar o adversário, tabelar com Pasalic e coroar sua ótima exibição balançando as redes.

O Empoli surpreendeu a Fiorentina no clássico toscano e, além de impedir a rival de se aproximar da ponta, saiu da zona de rebaixamento (Getty)

Bologna 2-1 Frosinone

Gols: Ferguson e De Silvestri; Soulé (pênalti)
Tops: De Silvestri e Aebischer (Bologna)
Flops: Marchizza e Barrenechea (Frosinone)

O invencível Bologna empilhou mais uma vítima – apesar de muitas outras não terem sido exatamente vítimas, já que os pontos foram divididos em empates. Enfim, três minutos foram o suficiente para que a vantagem de dois gols fosse construída e o time de Thiago Motta ficasse com os três pontos no Renato Dall’Ara. Vivíssima na briga por uma vaga em competições continentais, a equipe rossoblù é a única “intrusa” no grupo das oito melhores da Serie A, que deveria ser ocupado pelas chamadas “oito irmãs”. Os felsinei tomaram o lugar da Lazio.

Aos 18 minutos, Saelemaekers chutou todo torto, a bola desviou na defesa e Ferguson estava no lugar certo, na hora certa e, até finalizando do jeito errado, conseguiu mandar para dentro. O segundo gol foi surreal. De fora da área, De Silvestri aproveitou o rebote de Turati e mergulhou de peixinho para marcar. Desde 2011, com Gattuso, não acontecia um tento de cabeça de fora da grande área pela Serie A – embora o interista Acerbi tenha guardado um assim contra o Parma, na última Coppa Italia.

Depois de construir a vantagem, o Bologna voltou a ter chances, sendo as duas melhores com Orsolini. Porém, o Frosinone cresceu na partida e incomodou Skorupski. Mazzitelli foi o mais perigoso, com dois arremates, mas acabou sendo expulso já nos acréscimos, após dois cartões amarelos recebidos em sequência. Soulé, de pênalti, já havia diminuído o placar. E um empate heroico, em inferioridade numérica, só não saiu porque no apagar das luzes, sem goleiro, Marchizza finalizou para fora.

Sassuolo 0-2 Lazio

Gols e assistências: Felipe Anderson (Castellanos) e Luis Alberto
Tops: Luis Alberto e Felipe Anderson (Lazio)
Flops: Ruan e Pedersen (Sassuolo)

Em seu melhor momento na temporada, a Lazio chegou à terceira vitória consecutiva e, pela primeira vez, duas seguidas na Serie A. A equipe celeste construiu o resultado nos 45 minutos iniciais, contando com erros do brasileiro Ruan, e administrou o resto do jogo. Mais uma vez, Castellanos teve uma boa exibição e aumentou a dúvida: qual é o futuro do capitão Immobile no onze inicial? Segundo as más línguas, o artilheiro avaliaria ofertas de clubes da Arábia Saudita no mercado de inverno.

Ruan veio ensaiando a sua atuação desastrosa desde os 18 minutos, quando errou saída de bola. Na sequência da jogada, Consigli fez ótima defesa ante Felipe Anderson – o goleiro ainda evitou gol olímpico de Luis Alberto no escanteio subsequente e viu o travessão lhe ajudar nisso. Aos 28, um novo vacilo monumental do ex-zagueiro do Grêmio ajudou os biancocelesti a marcarem o primeiro tento. Luis Alberto roubou o doce do brasileiro, Castellanos ficou com a sobra e o argentino deu mais um toque para Felipe Anderson cravar com tranquilidade.

Aos 35, Ruan errou de novo. Não foi bem num corte e ainda ficou olhando Luis Alberto dentro da área. Cheio de categoria, o mago espanhol deixaria sua marca encobrindo Consigli com uma cavadinha – foi o seu quinquagésimo tento pelos laziali. A Lazio até pisou no freio, mas estava tão fácil agredir o Sassuolo que outro gol só não saiu por capricho: Cataldi e Zaccagni acertaram a trave, Pedersen quase fez contra e Vecino ainda desperdiçou um “pênalti em movimento”. Foi um verdadeiro baile.

Dono de ótima campanha, o Bologna ganhou do Frosinone e entrou na briga por vaga em competições europeias (Getty)

Salernitana 2-2 Cagliari

Gols e assistências: Dia (Ikwuemesi) e Dia (pênalti); Luvumbo (Jankto) e Viola (Shomurodov)
Tops: Dia (Salernitana) e Dossena (Cagliari)
Flops: Cabral (Salernitana) e Oristanio (Cagliari)

A estreia de Filippo Inzaghi na Salernitana por pouco não foi noite. Dia estava inspirado e ajudou o time a arrancar um ponto do Cagliari depois de ficar duas vezes atrás do placar nos instantes finais. Curiosamente, o duelo andava bem morto até os últimos 10 minutos, onde começou a montanha russa de emoções.

Inzaghi surpreendeu ao deixar o goleiro Ochoa no banco e dar vez a Costil – em entrevista, justificou a ausência do mexicano por conta do pouco tempo de trabalho que ele teve nesta semana, devido aos compromissos da data Fifa. O francês não teve culpa nos gols e, aliás, até fez algumas boas defesas.

Aos 79 minutos, Martegani perdeu a bola na defesa e Jankto aproveitou a entregada para deixar Luvumbo na cara do gol. O angolano se beneficiou da movimentação equivocada de Fazio e não desperdiçou, efetuando uma bela finalização. Na sequência, Dia recebeu de Ikwuemesi e tirou o suficiente de Scuffet para igualar o placar. Saindo do banco, Viola cabeceou firme e fez o que parecia ser o tento da primeira vitória do time de Claudio Ranieri na temporada. Porém, o próprio camisa 10 rossoblù colocou a mão na pelota dentro de sua área e permitiria que Dia empatasse mais uma vez, de pênalti. O resultado mantém ambas as equipes na zona de rebaixamento: os sardos seguram a lanterna e os grenás estão logo acima.

Udinese 1-1 Lecce

Gols e assistências: Thauvin (pênalti); Piccoli (Sansone)
Tops: Thauvin (Udinese) e Sansone (Lecce)
Flops: Kamara (Udinese) e Almqvist (Lecce)

Junto de Salernitana e Cagliari que empataram, a Udinese completa o trio de times que ainda não conseguiu triunfar nesta Serie A. A pressão cresce em cima do treinador Andrea Sottil depois de um empate frustrante nos últimos minutos do jogo. Bom para o Lecce, que ainda se vê a uma distância confortável da zona de rebaixamento – região em que os friulanos adentraram nesta rodada.

Pouco emocionante, o primeiro tempo foi ligeiramente parelho. O Lecce até produziu as melhores chances, em chutes de longa distância de Gabriel Strefezza. Entretanto, a Udinese voltou ligada do intervalo e, criando duas oportunidades seguidas com Ebosele, pela direita, abriu o placar quase instantaneamente.

Inicialmente, Baschirotto e Gendrey conseguiram cortar, em cima da linha, a cabeçada de Success. Na sequência, o lateral francês calçou Pereyra na grande área e Thauvin marcou seu primeiro gol nesta temporada, deslocando Falcone na cobrança de pênalti. No fim, Sansone fez uma jogadaça pela direita, cruzou na medida e Piccoli completou, com uma solada, para o fundo das redes.

Seleção da rodada

Szczesny (Juventus); De Silvestri (Bologna), Scalvini (Atalanta), Acerbi (Inter), Luperto (Empoli); Éderson (Atalanta), Luis Alberto (Lazio); Politano (Napoli), Felipe Anderson (Lazio), Kvaratskhelia (Napoli); Dia (Salernitana). Técnico: Aurelio Andreazzoli (Empoli).

Compartilhe!

Deixe um comentário