Mercado

Quem vem por aí



Só agora as turbinas do mercado italiano parecem estar realmente dispostas a aquecer. Até o momento, o que se viu foram poucas contratações num mar de especulações, sendo que a energia dos clubes parecem estar mais voltadas para a última e nada prolífica estratégia de mercado.

O campeonato que se encerrou há pouco foi pródigo na revelação de alguns talentos, e não é das tarefas mais difíceis apontar Bianchi, Quagliarella e Rosina como objeto de desejo entre os grandes clubes italianos. Por isso vou mais além, botando minhas fichas em cinco nomes que se destacaram em clubes modestos e que têm razoáveis chances de se mudarem para equipes maiores.

O primeiro é Michele Paolucci, 21 anos, atacante alto e com bom porte físico que disputou sua primeira Serie A pelo rebaixado Ascoli. No melhor estilo centravanti, conseguiu mostrar alguma qualidade mesmo no comando de um ataque desinspirado. Paolucci só se firmou no returno, quando a vaca de Piceno já afundava em profunda lama após a insistência em Soncin e Delvecchio. Marcou oito gols em 33 partidas, somando as participações na Coppa Italia e na Serie A. Seu passe é da Juventus, mas é especulado em Fiorentina e Udinese. Uma boa transferência não será uma surpresa tão grande.

Outra aposta pessoal é Cristiano Del Grosso, 24 anos, lateral esquerdo do Cagliari. Del Grosso foi revelado pela Giulianova, time da sua cidade natal, e com apenas dezessete anos saiu para a base da Udinese. Foi dispensado em seis meses e voltou para a giallorossa di Teramo. Destacando-se em divisões inferiores, seguiu para Piceno. Após uma temporada não mais que regular no Ascoli, o jogador fez boas partidas atuando pelo lado esquerdo da defesa sardenha, aproveitando-se das lesões de Agostini. Dono de bons dotes ofensivos, tem contrato até 2010.

Davide Moro, 25 anos, mediano do Empoli, também merece muita atenção. Assim como seu companheiro de clube, Andrea Raggi, lateral direito/zagueiro de 23 anos. Moro reúne as tão cobiçadas “características para um volante moderno”: ótimo passe, bom senso de marcação e desarme acima da média. O cabeceio e a finalização de longa distância são pontos a se trabalhar. É titular no Empoli desde que o clube toscano subiu para a Serie A, mas só neste ano conseguiu destaque. Já Raggi se firmou como terzino destro, o nosso lateral direito, no time de Cagni. A boa marcação aliada a um interessante senso de cobertura compensa os cruzamentos – que não raro atravessam a área e chegam à outra lateral. Ambos foram formados nas categorias de base do próprio clube, e essa identificação com os azzurri será importantíssima, já que seus contratos se encerram no fim de junho.

Por último, mas não menos importante, Daniele Dessena, 20 anos, grata revelação do Parma. O clube gialloblù, afundado em dívidas, acabou perdendo vários bons jovens por conta da falta de perspectiva. Para se ter uma noção, Beppe Rossi e Lupoli deixaram o time sem gerar nenhum dividendo. Dessena foi alçado à equipe principal na temporada passada, mas foi nessa que mostrou um futebol que o credenciou a titularidade absoluta no Parma e a seguidas convocações para a nazionale sub-21. O que pode pesar a favor dos crociati é o contrato até 2011. Mesmo que no futebol de hoje o contrato seja acessório dispensável, se combinado com o amor a camisa pode ser peça fundamental numa temporada menos turbulenta para o Parma.



5 comentários

  • Braitner, vc deve ter digitado errado, no começo do quinto parágrafo. Creio que sua inteção era escrever empoli, e não Ascoli. hehehe

    mas detalhe a parte, muito bom o blog… e quanto as apostas, acho que nem todos irão para times grandes já na proxima temporada… mas todos têm uma boa chance.

    abraços.

  • Gostei pra caralho do blog, parabéns por ele!

    Paolucci deve rumar para Udine, como parte do pagamento pelo Iaquinta. Pelo menos é que tudo indica.

Deixe um comentário