Serie A

Nem toda implicância é cega



Quem me conhece sabe: eu implico bastante com Adriano. O nosso Adriano. O imperador. Às vezes subestimo, às vezes desvalorizo, às vezes desdenho. Ontem, depois do gol que sacramentou o 6-2 contra Portugal, veio-me à cabeça – pela incontável vez – a seguinte pergunta: por quê?

O cara não é ruim, lógico que não. Nunca foi. Assim como nunca foi craque, melhor do mundo, mito, gênio ou digno de pular vários nomes e entrar num livro chamado “A Magia da Camisa 10”. Mas é útil, extremamente útil. Pode render muito, acrescentar demasiadamente à sua equipe. Basta ser utilizado corretamente.

Ou não.

Um jogador desses é aleijado de rico, não consegue andar de tanto dinheiro, transborda em mulheres, luxo, fama, o que quiser e que i soldi possam comprar. Custa tanto ser um pouco mais empenhado? É tão difícil assim seguir uma rotina, dura – ninguém está afirmando que ser jogador de futebol é a profissão mais fácil do mundo – todos os dias, almejando algo grande?

Ele pode chegar bem mais longe. Tem condições de voar mais alto. E sabe disso. Me deixa indignado alguém procrastinar tanto com uma situação na vida que quase todos os habitantes deste planeta gostariam de viver, de sentir, nem que fosse por um dia.

Enquanto continuar com esse cassano way of life, também continuará fazendo menos gols do que Panucci, por exemplo. E desperdiçando uma das maiores chances de qualquer vida profissional. Saudemos o imperador.



3 comentários

  • Que me desculpe os fãs do Adriano, mas já cansei de falar que ele tem jeito. Não dá mais. O cara vive na balada, enchendo a cara, curtindo as noites de Milão e em campo… Nada! Se ainda fizesse algo dentro das quatro linhas tudo bem, mas o fato é que não faz. Dos atacantes da Inter, Adriano é o que menos rende. E olha que José Mourinho deu várias chances pra ele. É um grande treinador e tenta ajudar o Imperador, mas se ele não se ajuda, não tem jeito. Pra mim, a Inter deve mandá-lo embora. Ibrahimovic já roubou sua coroa!

  • O jeito do Adriano, só ele pode dar.

    Ele teve muitas chances. Muitas, mesmo. E continua errando.

    Quando veio ao São Paulo, era uma chance interessante.

    Quando trocou o treinador da Inter, mais uma.

    E não parece dar jeito, não.

    É um baita potencial. Está se tornando extremamente mal aproveitado. Por culpa exclusivamente própria.

Deixe um comentário