Serie A

Parada de inverno: Atalanta

Floccari: aos trancos e barrancos, se afirmou como artilheiro do time

A campanha
9ª colocação. 17 jogos, 24 pontos. 7 vitórias, 3 empates, 7 derrotas. 21 gols marcados, 19 sofridos.

O time-base
Coppola; Garics, Talamonti, Manfredini, Bellini; Ferreira Pinto, Guarente, De Ascentis (Valdés), Padoin; Doni; Floccari.

O comandante
Luigi Del Neri. Para suprir a perda de Tissone, peça fundamental na montagem do meio-campo de seu time, o técnico friulano reformulou o módulo da última temporada abandonando um pouco de suas tradições. Para recuperar um pouco da força perdida no meio, os esterni Ferreira Pinto e Padoin têm centralizado bastante o fluxo de jogo da Atalanta, isso quando o treinador não opta por Valdés para fechar pela esquerda. Com menos cruzamentos, Floccari e Doni têm sido melhor aproveitado no comando de ataque e as jogadas laterais ficaram restritas às incursões de Garics pelo lado direito e jogadas de bola parada. Estas últimas costumam ser forte arma dos times de Del Neri, mas nessa temporada têm deixado a desejar.

O herói
Sergio Floccari. Vieri foi contratado para marcar os gols da Atalanta, mas é Floccari o novo xodó da torcida bergamasca. O atacante estava às margens do elenco no fim da última temporada e chegou a acertar sua saída para o Palermo, mas Del Neri exigiu sua permanência. Fez bem. Floccari vem em grande forma nesta temporada, com oito gols e duas assistências em 17 partidas, a mesma marca do campeonato passado com cinco meses ainda a se jogar. O artilheiro tem se destacado pelos gols em partidas importantes, e já deixou sua marca contra Inter, Milan, Napoli e Roma. A fase é tão boa que Floccari já foi especulado como possível reforço dos giallorossi ainda em janeiro. Olho nele.

O vilão
Luca Cigarini. Grande contratação da temporada, a co-propriedade de Cigarini custou cinco milhões de euros aos bolsos da família Ruggeri, mas o jogador só esteve em campo seis vezes pela Serie A, pelas mais variadas lesões. A última deve fazê-lo voltar aos campos apenas em fevereiro. Antes não tivesse feito nem isso pelo clube. O ex-regista do Parma esteve sempre fora de forma, cometeu faltas excessivas e errou muitos passes – isso quando conseguia pelo menos manter a bola em seus pés. Muito pouco para aquele que até pouco tempo atrás era o herdeiro de Pirlo. Mas Del Neri garante que ainda confia em Cigarini e o jogador terá de volta a camisa de titular assim que se recuperar de lesão. Ótima chance para aproveitar a baixa pressão e tentar dar a volta por cima antes que seja tarde.

A perspectiva
Um lugar tranquilo no meio da tabela. Del Neri e seus comandados podem até mirar uma vaga na Liga Europa, mas é uma missão praticamente impossível. Não pelo elenco da Atalanta em si, mas pelos outros postulantes. Das sete vagas em competições internacionais em jogo, difícil que Inter, Juventus, Milan, Napoli e Fiorentina não se garantam. E Roma, Lazio, Genoa e Catania são mais estáveis que esta boa Atalanta, que em casa causa problemas, mas ainda não mostra tanta força longe de Bérgamo. Os tropeços frente aos frágeis Chievo, Reggina e Torino farão falta na fase final. Para manter o ritmo na metade final do campeonato, o elenco conta com a recuperação daqueles que passaram maior parte do torneio no departamento médico, como D’Agostino, Cerci, Cigarini e Vieri.

Deixe um comentário